A insistência no erro

 

O maior problema do Governo do Rio Grande do Norte hoje é o déficit mensal da previdência que está na casa dos R$ 120 milhões/mês.

Sem correções de rumo, o Rio Grande do Norte não se livra a crise fiscal que se envolveu graças ao acúmulo de gestões desastrosas.

Na medida que o tempo passa, Fátima Bezerra (PT) vai se tornando sócia da culpa compartilhada pelos seus antecessores.

A governadora apostou na inclusão de estados e municípios na reforma da previdência. Não deu certo. Agora, certamente, vai esperar que saia do papel o acordo feito para que a inclusão dos entes federativos ocorra via Proposta de Emenda Constitucional (PEC) paralela.

A questão é lógica: se não aprovaram ontem porque vão aprovar depois?

Por princípio, Fátima é contra aumentar a alíquota previdenciária de 11 para 14%. O presidente do IPERN, Nereu Linhares acha que essa não é a solução e desaconselha a medida.

Governos de esquerda bem-sucedidos no Nordeste corrigiram a questão previdenciária e pagam em dia.

Então qual seria a alternativa? O chamado dinheiro novo. O que seria isso? Contratar mais servidores para que eles contribuam com a previdência. De fato, o Governo do Estado caminha para ter mais servidores inativos do que ativos, o que torna a previdência insolvente.

A solução é óbvia e ao mesmo tempo inviável. Os salários estão atrasando desde 2013 salvo raros intervalos com saques ao fundo previdenciário. O Governo está limitado pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

O que resta ao Governo? Inventar a roda? Até aqui não vislumbro alternativas.

A previdência do Estado, segundo o próprio Nereu Linhares, banca cerca de 40 mil inativos que nunca contribuíram. Esse é um problema cuja solução me parece ser inexistente por se tratar de direitos adquiridos. O pior que são justamente os maiores salários.

Nesta encruzilhada há uma saída que o Governo não quer utilizar.

Compartilhe:

Comments

comments

Uma opinião sobre “A insistência no erro

  • 12 de julho de 2019 em 06:39
    Permalink

    A governadora Fátima, sempre está do lado que representa o atraso. Vejamos: Quando o governo Robson, tentou fazer um reforma da previdência e os sindicatos ocuparam a AL, quem tava lá do lado do atraso? A então senadora Fátima. Agora como governadora, faz um discurso p plateia contra a reforma e torce p q a câmara aprove a inclusão dos estados na reforma da união. Esse é o .modelo Fátima de fazer política, sempre trilhando o caminho do atraso. Né não?

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *