Aprovada, verba de gabinete terá sua aplicação definida pelo TCE

 

Hoje a Câmara Municipal de Mossoró aprovou a regulamentação da verba de gabinete cujo nome oficial será Cota de para o Exercício da Atividade Parlamentar Municipal (CEAPM). Mas a decisão não está sacramentada.

Suspensa em abril de 2016, a verba que serve para a manutenção dos gabinetes dos vereadores foi alvo de questionamentos do Tribunal de Contas do Estado (TCE) por causa de algumas distorções.

A presidente Izabel Montenegro (MDB) já avisou no Meio-Dia Mossoró (95 FM) da última quinta-feira que só pagará a CEAPM mediante autorização do TCE.

A cota aprovada na manhã de hoje é no valor de R$ 4.500 para cada parlamentar. Em cálculo feito pelo jornalista Carlos Santos ela custará R$ 1,134 milhão por ano aos cofres públicos.

A presidente Izabel Montenegro informou na mesma entrevista já citada que até maio de 2019 só será possível pagar R$ 3 mil.

A queda de braço teve apenas um capítulo hoje.

Votaram a favor da CEAPM

Alex do Frango (PMB);

Alex Moacir (MDB);

Genilson Alves (PMN);

Maria das Malhas (PSD);

Ozaniel Mesquita (PR);

Rondinelli Carlos (PMN);

João Gentil (sem partido);

Zé Peixeiro (PTC);

Didi de Arnoud (PRB);

Sandra Rosado (PSDB);

Aline Couto (sem partido).

 

Votaram contra a CEAPM

Petras Vinícius (DEM);

Emílio Ferreira (PSD);

Francisco Carlos (PP);

Ricardo de Dodoca (PROS);

Manoel Bezerra (PRTB);

Raério Araújo (PRB);

Flávio Tácito (PPL);

Tony Cabelos (PSD);

 

Obs.: Isolda Dantas (PT) era a favor da proposta, mas não compareceu à sessão. Izabel só votaria em caso de empate por ser presidente da casa.

Compartilhe:

Comments

comments

2 opiniões sobre “Aprovada, verba de gabinete terá sua aplicação definida pelo TCE

  • 11 de dezembro de 2018 em 18:49
    Permalink

    Como não gosto de hipocrisia, os que votaram contra para fazer média com a população não devia querer receber a verba de gabinete. Mas após a aprovação vão ter os mesmos direitos dos que tiveram coragem de mostrar a cara e não foram hipócrates para com a população.

    Resposta
    • 12 de dezembro de 2018 em 07:29
      Permalink

      Concordo Francisco, vamos ver se esses q votaram contra, tem a mesma conduta agora q a lei está aprovada, não receber nem usar a verba. Né não?

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *