Asfixia de uma cidade que precisa de gás para respirar

img159

Mossoró está sem gás, asfixiada. A frase vai da analogia à literalidade. 

Na literalidade temos o caso da Indústria Nordestina de Gases (ING) que suspendeu o fornecimento de oxigênio para pacientes que recebem os serviços em casa e das unidades médicas do município.

Na analogia temos uma miríade (quantidade indeterminada, porém considerada imensa) de problemas. Passa pela própria incapacidade de pagar a ING e outros fornecedores passando pelos atrasos dos terceirizados, comissionados e efetivos.

Mas inclua também a explosão de violência com mais de 200 homicídios, a falta de combustível das viaturas da Guarda Municipal e fiscalização do trânsito passando pelas constantes ameaças de médicos de interromperem serviços por falta pagamento.

Mas os problemas não se resumem aos inquilinos do Palácio da Resistência. O Corpo de Bombeiros de Mossoró está em vias de se “auto-interditar”, a Polícia Militar funciona em condições precárias e a Reitoria da UERN está ocupada por estudantes.

Mossoró precisa de gás.

Compartilhe:

Comments

comments

Uma opinião sobre “Asfixia de uma cidade que precisa de gás para respirar

  • 17 de novembro de 2016 em 12:46
    Permalink

    Esta empresa não fornece oxigênio para as Upas e Samu, as unidades de saúde recebe oxigênio da Usina que está instaladana upa de BH

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *