Câmara Municipal: um poder de costas para o povo de Mossoró

Parlamento de costas para o interesse público (Foto: reprodução/Youtube)

Nos últimos meses os assuntos de maior repercussão envolvendo a Câmara de Mossoró foram a briga fratricida pelo retorno da verba de gabinete e desde ontem a regulamentação do uso da cota de combustível para os gabinetes.

A verba de gabinete é de R$ 4,5 mil e a cota de gasolina R$ 2 mil.

O problema não é ter verba de gabinete nem cota de combustível.

Não sou da turma hipócrita que critica algo necessário para o exercício da atividade parlamentar como a verba de gabinete, mas considero a cota de R$ 2 mil para combustível um valor alto.

O problema é a improdutividade do legislativo.

Não falo de volume de proposições, até porque muitas são mesmo para “encher linguiça”, mas de ações práticas promovidas pela Câmara Municipal em defesa dos interesses de Mossoró.

O que a Câmara tem feito diante do que realmente importa? Confesso que não consigo visualizar resultados práticos. Atual legislatura não é a “pior de todos os tempos” como sempre classificam e a formação do momento.

Mas é preciso um giro para que a casa vire de frente aos interesses do povo. A Câmara não tem sido a caixa de ressonância da sociedade, não se comporta como “casa do povo”. Pelo contrário, os assuntos mais relevantes são brigas internas.

A casa não tem chamado a responsabilidade para a crise da indústria salineira, saída Petrobras, decadência da economia mossoroense, saúde periclitante e a violência que bate a nossa porta diariamente.

Não basta fazer uma audiência pública. É preciso muito mais. Os mandatos são via de regra amadores, mesquinhos e pouco produtivos.

A Câmara Municipal está de recesso desde 21 de dezembro e ninguém deu falta. No dia 20, quando retomar as atividades, teremos 59 dias sem sessões. A paralização é longa e a revolta aumenta quando lembramos que no meio do ano serão mais 30 dias sem atividades em plenário.

O nosso legislativo é historicamente submisso ao Palácio da Resistência, omisso com os interesses da sociedade e preocupado mais com as questões internas do que com o bem coletivo.

É como se tivesse um compromisso com a irrelevância.

A Câmara Municipal de Mossoró está de costas para o povo.

Compartilhe:

Comments

comments

Uma opinião sobre “Câmara Municipal: um poder de costas para o povo de Mossoró

  • 12 de fevereiro de 2019 em 10:17
    Permalink

    Por que não a metade. Né não?

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *