Vírus no Ar, Políticos In Vitro e Gripes In vivo: Em 100 anos o que mudou?

Por José Dias do Nascimento*

Durante o outono de 1918, a comunidade de Oshkosh sabia da chegada da “gripe espanhola” e que isto era inevitável. Eles não sabiam, no entanto, exatamente quando ou quem seria o primeiro a trazê-la para Oshkosh, uma cidade localizada no estado norte-americano de Wisconsin, no Condado de Winnebago. Naquela época, não se sabia sequer que a gripe era causada por um vírus, embora os cientistas e médicos estivessem trabalhando duro para encontrar uma forma terapêutica para tratar essa doença. A INFLUENZA — comumente chamada de “ A gripe” — foi e é uma das doenças mais graves que já atingiu a humanidade. Alguns autores dizem que foi, também, uma das mais letais. Registros mostram que mais vidas foram levadas pela INFLUENZA, do que todas as principais guerras mundiais juntas. Estes registros apontam para números entre 20 a 50 milhões. Esta gripe foi causa de muita perturbação social e altos custos econômicos e permanece, até hoje, como a pandemia mais destrutiva já conhecida, pois ainda não temos um comparativo com a COVID-19, que ainda segue. Para um entendimento geral do enfrentamento e inclusive, sobre o uso político da pandemia da gripe INFLUENZA, também chamada injustamente de Gripe Espanhola, recomendo fortemente o livro “A Grande Gripe”, de John M. Barry.

Pois bem, era 12 de outubro, parecia que tudo tinha parado em Oshkosh. A cidade, juntamente com muitas outras no país, tornou-se uma cidade fantasma sombria e silenciosa. Todas as escolas, igrejas, bibliotecas, casas de filmes e teatros foram fechadas. Reuniões públicas eram proibidas. Um toque de recolher ordenou que todos os bares, salões de bilhar, cafés e restaurantes fechassem às 17:00. Neste cenário estranho, o que se via era a ambulância puxada por um cavalo transportando pacientes com gripe, enquanto a ambulância motorizada era usada para transportar pessoas com outras doenças. “Máscaras de gripe” de gaze chegaram da Cruz Vermelha em 12 de outubro. Nestes dias, muitos de remédios contra gripe apareceram na imprensa. Eles outros incluíam óleo de cobra, laxante bromoquinina , cigarros sem tabaco Smoko, Vick Vapor Rub , geléia catarral de Kondon, leite maltado Horlick e muitos outros “remédios” sem comprovação científica sbre sua eficiência. Ao mesmo tempo, os farmacêuticos estavam preenchendo prescrições de heroína, morfina, cocaína e codeína para tratar a gripe. Uísque e conhaque também foram promovidos no combate à gripe. Um artigo intitulado “Gripe espanhola: o que é e como deve ser tratada” foi impresso mais de meia dúzia de vezes ao longo da epidemia. Aconselhava: “Vá para a cama e fique quieto, tome um laxante, coma bastante comida nutritiva. Mantenha sua força, a natureza é a cura. Sempre chame um médico”.

Image for post

Image for post

Artigo intitulado “Gripe espanhola: o que é e como deve ser tratado” foi impresso mais de meia dúzia de vezes ao longo da epidemia. Aconselhava: “Vá para a cama e fique quieto, tome um laxante, coma bastante comida nutritiva. Mantenha sua força, a natureza é a cura. Sempre chame um médico”.

Adolf O. Erickson, dono de uma loja de ferragens e professor de escola dominical em Winchester, registrou a gripe em seu diário. Ele escreveu que um médico injetou oito doses de óleo de cânfora diretamente nas pernas e braços de seu irmão para tratar a temperatura violenta causada pela gripe. Em 22 de outubro, uma vacina do Hospital Mayo foi distribuída em Oshkosh. Foi fornecida “gratuitamente”. Três inoculações, uma parte por semana foram recomendadas por um período de seis a nove meses para “confirmar imunidade”. Muitos foram vacinados, mas isso se mostrou ineficaz. Até 2 de novembro, cerca de 1.000 casos de gripe foram relatados em Oshkosh. Especulou-se que a propagação da doença estivesse sob controle e o número de novos casos estivesse diminuindo. O Departamento de Saúde (o que seria hoje uma secretaria de saúde pública) anunciou que iria suspender o isolamento e as proibições em breve se a situação continuasse melhorando. No dia das eleições, 5 de novembro, aconteceu o inadiável, escolha dos representantes políticos e isto tudo aconteceu sem uma única reunião política ou jantar de campanha. Pois é, eleição em meio à pandemia não é algo novo.

Enquanto isso, a Grande Guerra terminou. Para alívio de todos, o armistício foi assinado. O prefeito de Oshkosh, Arthur C. McHenry, suspendeu a proibição de fechamento noturno. Igrejas, casas de filmes, lojas e teatros reabriram. As escolas, no entanto, permaneceram fechadas. O prefeito comentou: “É o maior dia da história da humanidade. Em 11 de novembro, o armistício foi confirmado. Uma edição extra do jornal foi publicada. A polícia da cidade entrou no quartel dos bombeiros da State Street e começou a tocar a campainha. Uma festa. Cortinas foram levantadas. As luzes das casas estavam acesas. Os campanários da igreja tremiam e balançavam. Os sinos das escolas e dos bombeiros continuaram a tocar. O jornal acrescentou que, se houvesse alguém em Oshkosh que não fosse despertado, eles seriam surdos ou mortos como uma pedra. Os membros da comunidade em êxtase, se apressaram em se vestir e foram para a Main Street. Desfiles de “camisas de noite” eram evidentes. Durante a celebração, a comunidade esqueceu da gripe espanhola, infelizmente.Essa explosão pública “patrocinada” pela política contribuiu para uma segunda onda de gripe em Oshkosh. Ao comemorar o fim da guerra, os membros da comunidade criaram o ambiente perfeito para espalhar o vírus. Em 14 de novembro, o registro policial indicava um grande aumento no número de casos de gripe.

O prefeito McHenry, no seu desespero, deu ordens ao chefe de polícia Henry Dowling para aplicar rigidamente a ordenança de “não cuspir”, porque ele acreditava que isso poderia ser um fator que contribuiria para a propagação da gripe na comunidade. Um cidadão alegou ter contado 108 marcas de expectoração na calçada entre a Algoma e Church Street.

AComissão de Professores do Conselho Escolar anunciou que as escolas seriam reabertas na segunda-feira, 20 de novembro. Vários pais escreveram cartas ao editor do The Daily Northwestern, expressando preocupação em permitir que seus filhos frequentem a escola com uma epidemia ainda em andamento. Essas preocupações levaram a proibição da cidade a permanecer em vigor. À medida que a festa de Natal se aproximava, grinaldas negras foram colocadas nas portas das casas onde cidadões inocentes haviam morrido.

Tão logo os casos de gripe começaram a declinar durante a segunda onda do surto, outra doença se espalhou para Oshkosh-varíola. Em 26 de novembro, foi anunciado que o Departamento de Saúde colocou em quarentena 11 indivíduos atingidos por varíola. Felizmente, uma vacina potente estava disponível e medidas efetivas foram tomadas imediatamente pelo comissário de saúde atormentado.

Image for post

Image for post

A ambulância puxada a cavalo da cidade de Oshkosh que foi reativada para transportar pacientes com gripe. A ambulância motorizada era usada para transportar pessoas com outras doenças [Reproduzida com permissão do Museu Público de Oshkosh, Oshkosh, Wisconsin. Todos os direitos reservados].

Asrestrições da gripe foi finalmente retirada em 29 de novembro e as escolas reabertas em 3 de dezembro. Crianças com fungos não tinham permissão para comparecer. No primeiro dia em que as aulas foram retomadas, a participação foi de 75%. A biblioteca foi lavada e todos os livros esterilizados. Os teatros ventilavam suas salas entre as apresentações. Em 11 de dezembro, o jornal informou que havia um total de 2.083 casos de influenza até o momento e que estava acontecendo uma queda acentuada no número de casos. As flores continuaram escassas e uma forte demanda por flores artificiais era o que se via nos funerais. Em 26 de dezembro, a quarentena da varíola foi retirada e doze indivíduos foram liberados desta quarentena. Um dia depois do Natal, a epidemia parecia diminuir, de fato. Dizia-se que neve e frio eram o antídotos. Na verdade, o frio e a neve contribuíram para que um grande número de indivíduos permanecessem em suas casas, diminuindo assim o número de contatos. A oportunidade de espalhar o vírus influenza foi reduzida e as pessoas desenvolveram imunidade. O vírus, de fato, foi controlado, e o contágio diminuiu nos meses seguintes e as mortes foram registradas até maio de 1919.

Em retrospecto, examinando a epidemia no condado de Winnebago, percebe-se o estresse da comunidade. Por exemplo, os registros de óbito do Northern Hospital foram arquivados com até três meses de atraso durante esse período. Percebe-se preocupações expressas com relação a isto nos jornais. A epidemia durou de 5 de outubro de 1918 a maio de 1919. No condado de Winnebago, 182 pessoas morreram, a maioria entre outubro, novembro e dezembro de 1918. Das 182 mortes, os números podem ser divididos em 110 residentes em Oshkosh, 30 residentes em Neenah, 16 residentes em Menasha e 26 indivíduos de cidades e municípios vizinhos. A gripe tirou a vida de reparadores de automóveis, fabricantes de charutos, operários, motoristas de bondes elétricos, fabricantes de vagões, cortadores de carne, leiteiros, donas de casa, balconistas, vendedores, pedreiros, mineiros, maquinistas, padeiros, agentes de seguros, enfermeiras, crianças em idade escolar, revendedores de tecido, telegrafistas, fabricantes de papel, marceneiros, guarda-livros, fazendeiros e operários. Outras 46 mortes provavelmente estavam relacionadas à gripe e poderia ser comprovada se alguém examinasse cuidadosamente os registros de morte. Relatar o número de casos e mortes foi difícil.

Muitos indivíduos morreram em hospitais. Durante esse período, havia sete hospitais em Oshkosh. O número de mortes tabuladas foram: Alexian Brothers Hospital (1); Hospital de Emergência (4); Hospital da Misericórdia (7); Northern Hospital, também conhecido como Insane Asylum, (15); Hospital St. Mary (5); Hospital do lado sul (2) e Sanatório de isolamento da Sunny View (3). O Hospital Theda Clark, em Neenah, perdeu 17 pacientes com a gripe espanhola. Curiosamente, a maioria dos indivíduos que morreram em Theda Clark não eram residentes do condado de Winnebago. A maioria era de parentes visitando pessoas, vendedores viajando para outros destinos. Houve muitos relatos de médicos morrendo nos EUA. Felizmente, nenhum dos médicos do condado de Winnebago sucumbiu à gripe espanhola. Alguns estudantes de enfermagem do Hospital da Misericórdia morreram de gripe e muitos que saíram para dar assistência aos soldados doentes em campos de treinamento morreram de gripe nos campos, junto com os militares. Um total de 108 militares de Oshkosh morreram durante a Primeira Guerra Mundial. Trinta e três deles morreram de gripe ou pneumonia. No total, 55 condados de Winnebago, soldados da Primeira Guerra Mundial e 1 marinheiro sucumbiram à gripe ou pneumonia. Metade desses militares morreu em campos de treinamento em casa ou na Europa. A outra metade morreu de gripe enquanto lutava no exterior.

Agripe provavelmente contribuiu para o estresse fisiológico adicional. Por exemplo, o número de natimortos e mortes prematuras de bebês aumentou de 28 (em 1917) para 42 (em 1918) e os meses de pico com mortes foram entre outubro e novembro. Houve também quatro suicídios em outubro e novembro de 1918. A sensação de desamparo e trauma era evidente. Os meses de outubro e novembro de 1918 geraram um “pico” pronunciado quando se reunia todos os tipos de dados estatísticos no condado de Winnebago.
Vários residentes do condado que sobreviveram à epidemia de gripe de 1918 estavam dispostos a serem entrevistados para um estudo realizado pela faculdade e estudantes da UW-Oshkosh durante a primavera de 2001. Muitos mencionaram que eles não falavam sobre esse período porque era terrível a lembrança. Agora, oitenta anos depois, se sentiam à vontade para conversar sobre isso e compartilhar com a comunidade. Muitos comentaram sobre os remédios usados ​​para tratar a gripe. Alguns perderam pais e irmãos. Alguns se sentiram culpados, acreditando que haviam trazido a gripe para casa da escola; eles testemunharam os sintomas terríveis nos adultos ao seu redor. Nenhum foi capaz de compreender o escopo da epidemia de gripe nas comunidades vizinhas ou no país como um todo. Vários falaram de mortes por influenza que ocorreram em 1920, no ano seguinte. Durante os meses de janeiro e fevereiro de 1920, houve 49 mortes relacionadas à influenza no condado de Winnebago (31 delas eram residentes de Oshkosh). A gripe produziu os mesmos efeitos de deterioração que os de 1918, mas foi limitado ao período de dois meses.

Hoje, os cientistas continuam trabalhando na charada do motivo pelo qual o vírus da influenza de 1918 se mostrou tão letal e perigoso. A Medicina e a tecnologia já mudaram muito e rapidamente. A mudança dos padrões de movimento das pessoas em todo o mundo via viagens aéreas dificultaria a contenção de uma outra gripe e isso foi mencionado no pós 1919. Foi organizada uma reunião envolvendo 200 especialistas, realizada na Academia Nacional de Ciências de Washington, DC, em 1999, para desenvolver um plano que agilizasse a vigilância e a intervenção da gripe em escala internacional. Esperava-se que o conhecimento adquirido com o estudo desse vírus perigoso em 1919 pudesse ser aplicado e usado para prevenir ou, pelo menos, prever o surgimento de novas cepas de influenza com potencial pandêmico.

Epílogo: A guerra acabou e pandemia passou. Alguns prefeitos não foram eleitos, porém entraram para a história com suas medidas anti científicas. Charlatões** foram ridicularizados devido às suas promessas com base em remédios “estranhos” mesmo para 1919. Tudo isso aconteceu em Oshkosh, uma cidade localizada no estado norte-americano de Wisconsin, no Condado de Winnebago entre 1919 e 1920.

*É professor da UFRN.

(**) Charlatão de acordo com “Oxford Languages”

1. Mercador ambulante que vende drogas e elixires reputados milagrosos, atraindo e iludindo o público.

2. por extensão curandeiro que diz possuir remédios milagrosos.

Bibliografia

  • Tradução parcial do Artigo “Spanish Influenza Strikes the Oshkosh Community in 1918”. Parte do Projeto THE “FLU PROJECT”: A MULTIDISCIPLINARY LEARNING EXPERIENCE AT UW OSHKOSH
  • 1918 Influenza: A Winnebago County, Wisconsin Perspective. T. Shors, and S. H. McFaddenClin Med Res. 2009 Dec; 7(4): 147–156. doi: 10.3121/cmr.2009.863

Este artigo não representa necessariamente a mesma opinião do blog. Se não concorda faça um rebatendo que publicaremos como uma segunda opinião sobre o tema.

Compartilhe: