Critério de afinidade

É comum em qualquer parlamento do mundo a concessão de honrarias. Acho justo que pessoas que fazem algo por um determinado lugar recebam o reconhecimento.

Mas a banalização das honrarias incomoda o cidadão. Nos tempos em que Daniel Gomes era vereador qualquer pastor de fora ou cantor evangélico que viesse a Mossoró recebia um título de cidadania até que um dia o plenário foi obrigado a praticar a deselegância de rejeitar uma dessas homenagens.

Mas esse foi um lapso de bom senso perdido na década passa. A Câmara Municipal é perdida nesse sentido. Chegou ao absurdo de, através de uma proposição de Claudionor dos Santos (PMDB), conceder título de cidadã a Graça Foster. Justo ela que não só nunca veio a Mossoró como foi a presidente da Petrobras responsável por diminuir o peso da estatal na economia da cidade. Puro masoquismo.

Para aumentar o constrangimento, Foster nem veio nem muito menos mandou representante.

Homenagem sem merecimento provoca repulsa mesmo quando é para figuras que beiram a unanimidade como o poeta Dorgival Dantas que tem o respeito até de quem não gosta de forró.

Dantas será homenageado hoje com título de cidadão mossoroense por sugestão de Jório Nogueira (PSD). Fica aberta uma série de perguntas: qual a contribuição do artista para o povo de Mossoró? Ele divulga a nossa cidade por onde anda? Tem alguma obra social por aqui? Gera empregos? A resposta em todos os casos é não. O máximo que ele faz é vir aqui duas ou três vezes por ano trazer um pouco de lazer para nós. Vem, se apresenta e vai embora com o dinheiro no bolso do cachê.

Na capital em meados da década passada, às vésperas do Carnatal, cantores de axé como Ricardo Chaves, Cláudia Leitte e Durval Léllis receberam títulos de cidadão natalense. O povo se revoltou.

Por coincidência o polêmico título de cidadão para Dorgival Dantas acontece às vésperas de uma vaquejada cuja parte festiva tem nele uma das atrações principais.

Lamento a ingratidão da Câmara Municipal com seus filhos. Eu mesmo já sugeri a vários vereadores, inclusive o próprio Jório Nogueira, que colocasse nomes de ruas homenageando o jornalista Nilo Santos e o radialista Nazareno Martins. Não era amigo de nenhum dos dois, mas entendo que ambos merecem esse reconhecimento.

Até hoje eles nunca tiveram seus nomes eternizados como tantos outros que se estabeleceram por aqui que seguem gerando empregos e colaborando com a nossa sociedade e são ignorados.

Compartilhe:

Comments

comments

2 opiniões sobre “Critério de afinidade

  • 29 de setembro de 2015 em 15:06
    Permalink

    Concordo plenamente. Principalmente quanto aos nomes indicados para homenagens como nomes de ruas. Nilo e Nazareno merecem ser lembrados. Parabéns pela iniciativa.

    Resposta
  • 29 de setembro de 2015 em 15:46
    Permalink

    Hoje eu assisti a reprise de uma sessao na CMM, e como todo cidadao eu fique pensativo: Será que vale a pena mesmo o cidadao se deslocar, da sua residencia e ir até a Camara assistir, a uma sessao ordinária, ou uma audiencia pública, nem tanto. O clima de desconfiança tomou conta dos edis, a discursao gira em torno de dois ou tres vereadores, e os aliados do prefeito nao muito transparente, tenta vender o que o seu protegido manda. Ao final tudo termina como começou, em nada. Nada de avanço, nada de clareza, e o povo cada vez mais confuso. Na realidade um jogo de cena pouco recomendável, pouco objetivo, e a certeza que tudo continuará como antes. Apenas jogo político.
    Mais algumas observaçoes podem ser destacadas pelos debatedores, numa discursao polarizada que envolve “oposiçao e gesta.”
    Primeiro a questao da aliança política e administrativa entre o governo do estado e o prefeito de Mossoró. Vale lembrar que o prefeito se vangloriava que Mossoró nunca tinha tido um momento tao bom politicamente, porque ele entao candidato tinha o apoio do governador, de uma senadora, e que o acesso a Brasília era uma maravilha. Mossoró estava vivendo o mundo dos sonhos. Eu sempre questionei essas fanfarras do prefeito, e logo percebi que a parceria tao anunciada pelo prefeito poderia trazer prejuízo para o município, principalmente a parceria com o governo do estado, seu correligionário, e por uma razao muito simples. Estava na cara que o Robson depositaria toda responsabilidade das açoes do seu governo na cidade de Mossoró, no seu aliado, o prefeito Silveira Jr. E nao foi tao difícil perceber. Uma realidade cristalina foi na questao da segurança pública. O governo da melhor gestao em segurança pública nada fez até o momento por Mossoró. Investimentos desconhecidos da populaçao. Reduziu o efetivo que já era mínimo. Coube ao prefeito “assumir” um mínimo de segurança quando desloca policiais De um efetivo já anunciado “reduzidíssimo”, o que nao justifica pela profissao de risco que representa, para as tao badaladas BICS, hoje já “questionadas” pela falta de eficácia. O Robson deve está radiante com a parceria com seu aliado prefeito de Mossoró. O povo nem tanto. Os servidores da saúde muito menos, quando o senhor prefeito alega dificuldades pela queda de receita, divulga na mídia a preço de ouro que está investindo 16 milhoes na segurança. Dinheiro de onde, da saúde, dos servidores. Quem deveria ter investido toda essa montanha de dinheiro era o governo do estado, nao o prefeito. Porque assumir responsabilidades do estado, quando nao consegue cumpri com responsabilidades do município.
    Segundo o Vereador Tomaz Neto O HRTM é um abatedouro, querendo justificar a falta de condiçoes administrativas, e a incapacidade dos servidores atender a demanda. O que discorda a Secretária de Saúde Leodise Cruz, dizendo que abatedouro é o lugar onde as pessoas vao para morrer, e o HRTM salva vidas. Realidades a parte os dois estao certos, mais uma coisa ninguém pode negar. Há descaso sim: recentemente uma paciente foi transferida para o HRTM, e com ela o Respirador de uma UPA por que estava faltando respirador no HRTM, e só foi devolvido oito dias depois quando se sentiu que a falta do respirador na UPA poderia colocar em risco a vida de uma segunda paciente. Portanto Dona Leodise nas audiencias públicas vamos colocar todos os problema da nossa falida saúde na mesa.
    Terceiro a Dona Leodise Cruz desse que o goveno do estado está em falta com o município de Mossoró, e pergunta por que o governo nao dar o mesmo tratamento que dar a outras cidades. Essa pergunta Dona Leodise a Senhora tem que fazer ao prefeito correligionário do governador. Apesar que a Senhora já sabe porque. Eu já te falei: Por causa da parceria administrativa, e o senhor Prefeito Silveira Jr nao vai desagradar ao chefe. Sabe quando o Prefeito vai autorizar a Senhora entrar na justiça contra o governador, nunca. É melhor a Senhora mudar o discurso. É mais fácil a Senhora ser exonerada do cargo de secretária do que o prefeito entrar na justiça contra o governo.
    Quarto eu já esperava que a Secretária Leodise Cruz desse as explicaçoes aos nobres vereadores sobre as verbas do PMAQ/AB, sobre o destino dos recursos que até entao foram enviados para Mossoró e a gestao aplicou segundo a secretária na “Atençao Básica”, e que o Conselho Municipal de Saúde(CMS) Incompetente nao acompanhou, até porque nunca ajudar a explicar o destino dos recurso, porque também era da sua responsabilidade. Eu Já tinha falado para alguns colegas a relaçao dos recursos do PMAQ via gestao, Atençao Básica e servidores.
    O detalhe é que o Prefeito despreparado e enrolado amparado por um legislativo assombrado e acuado pelos servidores diante dos fatos negativos da gestao, ficaram meios estáticos, perdidos, e procuraram aprovar um projeto de lei que possa fazer justiça aos servidores, mais que ainda pode trazer dor de cabeça no futuro. O tempo vai dizer. Eu sou servidor da saúde, mais os percentuais redigidos nesta lei que vai ser aprovada na CMM vai de encontro o que expos a Secretária Leodise Cruz. Mais que a lei seja aprovada o mais rápido possível e que traga um minimo de conforto para os servidores. Digamos seria uma lei compensatória para os servidores que tem um salário defasado e que ganham pessimamente mal.
    Só fico pensando como o município que está quebrado aparentemente poderá no futuro custear e manter 60 UBS e 90 equipes do PSF como está vendendo e dar a entender a gestao. Tudo sem planejamento. Discurso para que está com a corda no pescoço.
    Quinto segundo a Secretária Leodise Cruz a gestao nunca teve problemas com os médicos do PSF. Que milagre Dona Leodise, também pudera os médicos do PSF vivem em greve eternamente. Nunca cumpriram com a jornada de trabalho, e todo mundo sabe. Com é que a gestao pode ter problemas com servidores que ganham por 40 horas semanais e trabalham 10, 20, horas no máximo. Exija a jornada de trabalho pra ver o que acontece, se eles “OS MÉDICOS” aceitariam ganhar em média 6.000,00 reais por 40 horas. Agora como nao trabalham, vao levando na maré. Diga que é mentira, que eu é tudo invençao minha, que os médicos vao as UBS de segunda a sexta de manha e de tarde. A senhora também falou que temos 68 equipes do PSF, e que em 2016 serao 90, pra que. Se nao tem médico em Muitas UBS, e nas que tem nao cumprem com a jornada de trabalho.
    A Senhora disse que O Ministério da Saúde nao está repassando alguns valores, e os que passam sao insuficientes para manter as unidades. Está de política de gestao está correta.
    Pra finalizar: A senhora que é servidora de carreira e que disse que quando se aposentar vai trabalhar como voluntária, se foi isso que ouvi direito me responda.
    Os secretários deste governo, O de Silveira Jr que a senhora faz parte e está assumindo todos os riscos deste governo, que vai em pouco tempo vai enriquecer secretários, pagando salários milionário de forma indevida segundo a mídia, responda: Cinquentinha meu salário é x, e eu recebi de vantagens nos trés últimos meses Y.
    Nao me peça para olhar no portal da transparencia, por favor.
    Obrigado.
    Curtir Comentar Compartilhar
    Joelma Holanda, Assis Nascimento Nascimento e outras 2 pessoas curtiram isso.
    Comments
    Aline Couto
    Aline Couto Vdd amigo,triste ver aquela bancada inoperante.
    Curtir · Responder · 26 min
    Assis Nascimento Nascimento
    Assis Nascimento Nascimento Eu, há muito; deixei de acreditar na classe política de minha terra!
    É por essas e outras, que estamos em maus lençóis!
    Curtir · Responder · 15 min
    Aline Couto
    Aline Couto Decepcoes nos levam a isso,mas temos que nos esforcarmos e exercer a nossa cidadania.
    Curtir · Responder · 12 min
    Raimundo Nonato

    Escreva um comentário…

    Escolher arquivo

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *