Eleição de 2020 dá continuidade à desoligarquização do RN

Agripino e Rosalba encerram uma aliança de três décadas
Oligarcas perdem força no RN (Foto: Web/autor não identificado)

A eleição de 2018 foi emblemática pelo colapso oligárquico. O agripinismo, os Alves e os Rosados saíram absurdamente enfraquecidos.

Hoje a tríade oligárquica não tem as principais vagas políticas. Não tem o Governo do Estado, não empresta seus sobrenomes pomposos ao vice-governador e os três senadores não integram o seu sistema.

Nas eleições de 2020 os Rosados perderam a Prefeitura de Mossoró, sofrendo a primeira derrota em 52 anos. Mas não para por aí.

Em Pau dos Ferros a hegemonia da família de Getúlio Rego foi interrompida com Marianna Almeida (PSD) batendo Leonardo Rego (DEM), algo inimaginável meses antes da eleição.

Em Assú, a tradicional família Soares só manteve o poder municipal por míseros cinco votos.

Na capital, Álvaro Dias (PSDB) venceu no primeiro turno mantendo a capital como o principal bastião oligárquico do Rio Grande do Norte. Mas para isso ele precisou esconder políticos da estirpe de Garibaldi Alves Filho (MDB) e José Agripino Maia (DEM), principais líderes políticos do Estado na virada do Século.

A estrutura de poder de Rosados, Maias e Alves é fortemente arraigada no Rio Grande do Norte, mas aos poucos vai se desmantelar.

O ano de 2022 dirá se o processo continuará ou se teremos uma interrupção.

Compartilhe:

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *