Henrique Alves repete a farsa do passado

O que diz o senso comum sobre a saída de Henrique Alves (PMDB) do Ministério do Turismo? “Os ratos são os primeiros a pular do barco” (ver aqui). Claro que essa ira popular contra o outrora conhecido “deputado copa do mundo” explica um pouco das críticas.

Henrique tem uma crônica antipatia popular que se materializa nas derrotas sofridas nas tentativas de comandar o poder executivo (derrotas para Prefeitura de Natal 1988 e 1992 e Governo do Estado em 2014) quando ele tinha amplo apoio político e cenário favorável.

Mas o foco desse texto é mostrar como a história se repete como farsa. Em 1964, Aluízio Alves (pai de Henrique Alves) apoiou o golpe para depois ser cassado pelo regime autoritário que colaborou no início só voltando a disputar uma eleição em 1982.

Aluízio era do PSD que ficava no meio do caminho entre os extremos representados no PTB de João Goulart e a UDN de Carlos Lacerda. O PSD de hoje é o PMDB de Hnerique. Não se engane: muitos setores do antigo PSD (que não tem qualquer relação com o atual) apoiaram o golpe. O João Goulart de hoje é representado por Lula/Dilma e o Lacerda é a turma do DEM/PSDB.

A história apenas se repete. Só mudam os nomes não necessariamente os sobrenomes.

A política como a vida é feita escolhas e Henrique tomou decisões que destruíram a imagem dele junto aos potiguares.

Ele deixou o Governo Rosalba Ciarlini quando ela mais precisou dele. Agora faz a mesma coisa com a presidente Dilma.

Pouca gente lembra, mas o PMDB e o próprio DEM foram aliados de Collor no começo do Governo. Era menino, mas é viva na minha memória José Agripino dizendo-se amigo do presidente no horário eleitoral nas eleições de 1990.

Uma coisa em comum entre o impeachment de Collor e o processo atual: a linha sucessória. O vice-presidente Itamar Franco tinha migrado para o PMDB. O presidente da Câmara era Ibsen Pinheiro e o do Senado Mauro Benevides, ambos, adivinhe? Do PMDB, claro.

O distanciamento histórico mostra que Collor caiu muito mais por inabilidade no Congresso igual à Dilma de hoje com a diferença de que o PT tem a base social que o PRN nunca teve o que pode tornar o governo Temer bem mais tumultuada que a gestão conciliadora de Itamar Franco.

Henrique é apenas mais uma peça na engrenagem oportunista da nossa política. Um artífice da farsa que repete a história.

Compartilhe:

Comments

comments

2 opiniões sobre “Henrique Alves repete a farsa do passado

  • 29 de março de 2016 em 14:39
    Permalink

    Infelizmente o povo não aprende! continuam com a velha briga de camisas, apoiadores fiéis de partidos que continuam elegendo os mesmos governantes (e/ou sucessores), sem enxergar que o mais importante: O futuro do país! Por causa dessa instabilidade política o Brasil segue em declínio… #fimdovotoobrigatório

    Resposta
  • 29 de março de 2016 em 17:15
    Permalink

    um safado,dispensa comentários.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *