Não é hora para o RN homenagear Bolsonaro

Bolsonaro está prestes a receber homenagem no RN (Foto: autor não identificado)

Passou na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa aprovou o título de cidadão potiguar para o presidente Jair Bolsonaro (PSL). Compreensível por se tratar de uma etapa do processo legislativo em que se analisa somente a constitucionalidade da matéria.

Mas politicamente a iniciativa do deputado estadual Coronel Azevedo (PSL) é mera bajulação.

Desnecessária, diga-se.

Bolsonaro ainda está em início de governo e, naturalmente, ainda não reúne um conjunto de medidas que o faça merecedor de tal honraria. Não podemos nos contentar com uma ou outra ação pontual.

É preciso muito mais iniciativas que ajudem o Rio Grande do Norte a sair desse atoleiro deixando as diferenças políticas com a governadora Fátima Bezerra (PT) – lembrando que a iniciativa tem que ser de ambas as partes – em segundo plano que o fará merecedor de tal homenagem.

Que a Assembleia valorize a homenagem concedendo-a quando o presidente for, de fato, merecedor.

Nota do Blog: aos bolsonaristas prontos para dar um chilique um lembrete: minha posição é exatamente a mesma em ralação ao título de cidadania ofertado a então presidente da Petrobras Graça Foster, integrante do Governo do PT. Ela não merecia nem merece. Quem sabe o presidente revertendo o desinvestimento da estatal no RN se torne merecedor da honraria.

Compartilhe:

Comments

comments

5 opiniões sobre “Não é hora para o RN homenagear Bolsonaro

  • 10 de julho de 2019 em 13:57
    Permalink

    Não quero entrar no mérito, se o presidente é merecedor ou não, isso cabe a AL resolver. Mas, me diga uma coisa meu caro Bruno, por que você criticou tanto os vereadores da CMM que rejeitou a homenagem a presidente do sindiserpum, a qual fez e faz campanha desqualificando a maioria dos vereadores?
    Quanto ao atoleiro que se encontra o RN. Quem primeiro tem que tomar iniciativa p tirar o RN do atoleiro é a governadora, me aponte uma iniciativa da governadora nesse sentido? Pois se existisse, teria apoio de quase totalidade AL. Né nao

    Resposta
  • 10 de julho de 2019 em 16:04
    Permalink

    Bruno, eu nem quero me reportar, necessariamente, à sua comparação de Bolsonaro com Graça Fortes, eu quero falar de sua referência à Bolsonaro, atribuindo a ele, picuinha política em função da governadora ser ptista.

    Vc até falou que a iniciativa de ser de ambas as partes, mas vc quer que Bolsonaro faça o quê?

    Fátima Bezerra, até hoje, não moveu uma palha, acenando para governar com responsabilidade política, respeitando o governo de Bolsonaro.

    Fátima faltou a mais de uma reunião de governadores, com o presidente, a exemplo dos demais governadores do nordeste,

    Fátima é contra a Reforma da Previdência, somente pra satisfazer o PT. Porque,
    nos bastidores, ele reza de joelhos pra reforma passar,

    Fátima não se afina com os aconselhamentos do Ministério da Economia, visando equilibrar as finanças do estado do RN, que está em coma profundo,

    Os secretários de Fátima pregam ilegitimidade do governo de Bolsonaro,

    Enfim, Fátima e o PT, estão mais preocupados em estabelecer um governo paralelo, com intuito de, em 2022, apresentar um modelo administrativo pra concorrer à Presidência da República, que, convenhamos, é uma missão inglória,

    Não é preciso ser inteligente pra saber que esse comportamento tem um preço altíssimo pra o povo do Rio Grande do Norte, que respira à custa de muito esforço, sobretudo o funcionalismo público, que amarga, três folhas de pagamento, atrasadas.

    O grande problema de Fátima é ela não ter descido do palanque.

    Jamais um estado pobre como o nosso pode se dar ao luxo de querer governar só com venha a nós, sem respeitar o vosso reino.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *