O leite está azedando

Francisco Otaviano de Queiroz Filho*

Li a entrevista do ex-candidato a prefeito de Mossoró Gutenberg Dias ao blog do jornalista Bruno Barreto, onde ele chama a atenção de que Rosalba “ainda tem muita força” e conclama a união das forças políticas de Mossoró contra a Rosa.

É verdade, Rosalba AINDA tem muita força, mas já não é mais como antes e a cada dia que passa, o leite fica mais azedo. Tô doido pra ver a pesquisa que o jornalista Carlos Santos diz que foi encomendada pela prefeita sobre a sua aprovação/rejeição. Será que ela vai divulgar?

Já passando da metade do mandato, Rosalba ainda mantém o mesmo discurso do primeiro dia, falando do que foi o desastroso governo Silveira. Ora, prefeita, quem não pode com o pote, não segura na rodilha. Vai me dizer que a senhora não sabia do desastre que era aquela gestão na época em que se candidatou à prefeita?

E digo mais: pelo andar da carruagem, é muito capaz do furacão Rosalba deixar rastros de destruição semelhantes ao que deixou o furacão Silveira. A cidade está um caos em todas as áreas e mal se vê ações concretas para solucionar os problemas que se avolumam a cada dia.

A conversa mole dos secretários e dos vereadores que ela mantém debaixo de suas asas é tão frágil que não convence o mais tolo dos cidadãos, ou, na melhor/pior das hipóteses, só os mais tolos e servos de Rosalba. Esta semana, o também jornalista Carlos Santos deu uma tacada certeira bem na moleira de Rosalba e seus cupinchas “deixem de mentir!” Tome-lhe no quengo!

Não sei o que ganha ou quanto ganha alguém para apoiar uma gestão, mas não deve ser pouco. Tomemos como exemplo a queimação de filme dos vereadores que balançam a cabeça para qualquer mandado do “palhaço da resistência”, deve ter muita coisa boa por trás, porque se sujar com os eleitores como eles fizeram, não deve ser por pouca coisa. Ainda rende a história da votação às cegas no projeto de reajuste pra baixo que eles deram aos servidores municipais e o título de “persona non grata” à sindicalista Marleide Cunha.

Apesar de ter contra si uma oposição atabalhoada, Rosalba tem um sindicato que lhe tira o juízo (o Sindiserpum) e uma imprensa disposta a mostrar as verdades por trás do discurso batido e sem graça em eterna campanha de que “a rosa fez, a rosa sabe fazer”!

Esta semana parece que ela injetou alguns trocados num site já não tão novo, mas que até então era imperceptível, discreto, quase um nada. Do nada o site divulgou o salário da sindicalista “non grata”. Ficou todo mundo querendo saber se viria alguma coisa depois, porque a moça é mestra, então. Qual o problema dela receber mais do Estado que do município? Porque ela não reclama do governo Fátima? Ora, ela não é da diretoria do Sinte, e sim, do Sindiserpum (local, entenderam)?

Coisa de gente miúda, mas não foi da cabecinha dos “editores”, não foi mesmo. Foi coisa mandada. Ora, vão estudar e procurem ganhar mais que ela, ou então fiquem debaixo da saia da Rosa mesmo. Deve ser mais rentável e menos trabalhoso.

Sentou também o pau nos prefeitáveis Isolda Dantas e o menino Alysson. Mas não rendeu muito. A “máquina de destruir reputações”, como bem o disse  o site Mossoró Hoje não está funcionando a contento, mas tem lenha pra queimar e joga sujo, pode acreditar.

O jornal de papel da cidade quase se rendia ao sindicato dos servidores do município esta semana. O editor chegou a dizer que ambos os lados tinham culpa na pendenga da greve e que uma conversa é realmente necessária. Que avanço. Diferente das gestões anteriores, onde eles (jornal e editor) até apoiavam as ações do Sindiserpum, agora eles atacam qualquer tipo de sindicato. Que coincidência, não é?

Enfim, a Rosa realmente AINDA tem força, Gutemberg e Bruno, mas eu já não sei com que força ela chegará ao final do seu mandato.

*É Servidor público aposentado.

Compartilhe:

Comments

comments

Uma opinião sobre “O leite está azedando

  • 31 de março de 2019 em 18:53
    Permalink

    Parabéns, meu caro Otávio, pelo bom texto. Espero que faça um texto, analisando a atuação do governo do Estado, não agora, mas daqui à três meses, quando completará, seis meses de gestão governo. Aí veremos a isenção de seus escritos. Né mesmo?

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *