OAB presta solidariedade a advogadas citadas em lista

O Conselho Subseccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Mossoró, aprovou a emissão de uma Moção de Apoio as advogadas que estão sendo indevidamente citadas por alguns meios de comunicação como “servidoras fantasmas” da Prefeitura Municipal de Mossoró, em razão de uma lista que teria sido divulgada pelo Ministério Público Estadual, contendo nomes de 98 pessoas. As advogadas Petúcia Geanne Bezerra Fernandes, Glycya Soares de Lira Costa e Yanna Cristina da Silva Teodósio Rodrigues possuem documentos que provam a inexistência de ilegalidades.

A Moção de Apoio foi votada e aprovada durante a reunião extraordinária realizada ontem (26) pelo Conselho Subseccional de Mossoró, visando enfatizar o posicionamento da OAB em defesa das advogadas que tiveram sua imagem e honra violadas, ao serem citadas por alguns veículos de comunicação como autoras de condutas ilegais. Paralelo a isto, o presidente da OAB/Mossoró, Canindé Maia, defende a atuação rígida do Ministério Público Estadual, que tem o dever de investigar suspeitas de ilegalidades que possam provocar qualquer tipo de dano ao erário, colocando-se à disposição do MP para ajudar.

MOÇÃO DE APOIO

O Conselho Subseccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Mossoró, atuará junto ao Ministério Público Estadual em favor das advogadas Petúcia Geanne Bezerra Fernandes, Glycya Soares de Lira Costa e Yanna Cristina da Silva Teodósio Rodrigues, citadas erroneamente como servidoras fantasmas da Prefeitura de Mossoró.

Este Conselho reafirma seu compromisso com a defesa das prerrogativas funcionais dos seus membros, essenciais em um Estado Democrático de Direito, visando garantir a todos o direito à defesa plena, bem como defende a atuação independente e eficiente do Ministério Público, órgão que assim como a OAB, realiza Função Essencial à Justiça.

Nota do Blog: todas as advogadas citadas puderam expor as versões delas dos fatos e algumas afirmaram que a precipitação foi dos órgãos oficiais. A informação surgiu a partir de publicação do Ministério Público no Diário Oficial do Estado (DOE) com base em uma auditoria feita na folha de pagamento da Prefeitura de Mossoró realizada por técnicos da UERN.

Comments

comments

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter

Canal Bruno Barreto