Por que Rosalba teme prestar esclarecimentos?

Rosalba não comenta assuntos delicados (Foto: arquivo/Blog do Barreto)

Ontem na Assembleia Legislativa os deputados estaduais aprovaram a convocação do secretário de saúde Cirpriano Maia para prestar esclarecimentos sobre a desastrada compra dos respiradores via Consórcio Nordeste.

A medida não só teve apoio dos deputados governistas, como o líder da bancada Francisco do PT sugeriu que o procurador geral do Estado Luiz Antônio Marinho também fosse chamado.

No mesmo dia, a governadora Fátima Bezerra (PT) se reuniu por videoconferência com integrantes da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa para debater o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

E o que isso tem a ver com o título? É que existe uma clara diferença de método de governo entre a governadora do Rio Grande do Norte e a prefeita de Mossoró Rosalba Ciarlini (PP).

A atual prefeita de Mossoró tem sido useira e vezeira na prática de não prestar esclarecimentos. Somente este ano temos vários exemplos disso.

Rosalba usa a bancada governista como escudo. Assim nenhum de seus secretários comparece ao legislativo para explicar medidas quando convocados. A não ser, claro, quando é a prestação de contas da saúde obrigada pela Constituição Federal.

A prefeita impediu a votação em regime de urgência da criação de uma comissão parlamentar para acompanhar aplicação de recursos no combate à covid-19.

Rosalba também nunca presta esclarecimentos sobre os constantes atrasos nos pagamentos dos funcionários terceirizados.

Em Natal, via o marido Carlos Augusto Rosado, ela trabalhou pesado para melar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Arena das Dunas. Até hoje a ex-governadora se cala sobre a auditoria da Controladoria Geral do Estado que apontou uma série de danos ao erário nos contratos assinando por ela.

Esta semana ela tentou abafar que seja alvo de inquérito que apura superfaturamento na reforma da Praça Cícero Dias.

No final de 2019, a prefeita conseguiu aprovar uma autorização para contrair empréstimo sem qualquer detalhamento sobre as obras que seriam realizadas e forma de pagamento. Tudo isso foi sendo descoberto a conta gotas pela imprensa.

É importante lembrar que em 2018, ela se irritou com um jornalista que perguntou se ela tinha medo da justiça.

Na Câmara Municipal quase nada que trate de transparência da gestão é aprovado. Chegou-se ao limite de o vereador Genilson Alves (PROS) propor uma lei regulamentando prazos para as respostas aos raríssimos requerimentos sobre gastos do município que são aprovados. Ela nunca envia uma posição.

Em Brasília, o Senado e Câmara dos Deputados sempre convocam ministros para esclarecimentos. É uma rotina independente do governo.

A prefeita, que já foi senadora, não aprendeu nada quando esteve no parlamento. Essa prática de não prestar esclarecimentos é recorrente na sua gestão e representa o tamanho do atraso institucional em Mossoró.

Encerro este texto perguntando: Por que Rosalba teme prestar esclarecimentos?

Compartilhe:

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *