Saída da Petrobras: Fábio Faria justifica a própria omissão transferindo culpas

Ministro sobre nova postura de Bolsonaro: "Ninguém aguenta briga ...
Fábio Faria é ministro próximo ao presidente, mas não tentou influenciar contra a decisão (Foto: Web/autor não identificado)

O dia é 1º de fevereiro de 2007. Nesta data os deputados estaduais tomaram posse e elegeram Robinson Faria para presidir a Assembleia Legislativa pela terceira das quatro oportunidades em que esteve no cargo.

No discurso, bem escrito por sinal, Robinson Faria alertava que era questão de tempo a Petrobras deixar o Rio Grande do Norte. O legado não passaria de um tremendo passivo ambiental para o nosso Estado.

Faria tinha razão e o cenário que parecia distópico e distante se concretizou.

Naquela mesma data Fábio Faria assumia o primeiro dos quatro mandatos como deputado federal usando na campanha uma versão de uma música da banda Ferro na Boneca em que a palavra “Patifaria” era trocada por “Vote Fábio Faria”.

De fato o Rio Grande do Norte não se preparou para a saída da Petrobras. Os ex-governadores Tarcísio Maia, Lavoisier Maia, José Agripino, Geraldo Melo, Garibaldi Filho, Wilma de Faria, Rosalba Ciarlini e Robinson Faria (o mesmo autor do discurso citado no início do texto) não planejaram nada neste sentido. Com Fátima Bezerra não foi diferente.

Fábio tenta jogar culpa do PT de quem sempre foi aliado (Foto: Web/autor não identificado)

Agora Fábio, que sempre foi omisso sobre o grandes temas do Estado, na função de ministro influente no Governo Bolsonaro não procurou o presidente para fazer uma intervenção para manter a Petrobras no Estado. Nem ele nem Rogério Marinho, que goza do mesmo status.

Fábio em vez de fazer uma autocrítica, calculou a fala e o argumento retórico para jogar a culpa na governadora e inflamar o bolsonarismo local que anda caçando argumentos na terra de Poti. “Na gestão da atual governadora, grandes empresas já deixaram ou ameaçam abandonar o Estado devido à sua incapacidade administrativa, como a Inframérica, que desistiu do Aeroporto de São Gonçalo”, disse ao Agora RN.

Ele não cita as outras grandes empresas e a que ele cita não deixou o por dificuldades com o Governo do Estado e sim pela crise econômica impactada pela queda no tráfego de passageiros e pela defasagem nas tarifas de navegação. Outro ponto que pesa contra o aeroporto é a distância dele para Natal. Fábio até ensaiou usar seu prestígio para reverter a saída da Inframéerica do Aeroporto de São Gonçalo em nível de Agência Nacional de Aviação (Anac) que onde se resolveria o impasse.

Ficou na promessa.

A gora é um fato que no governo do pai de Fábio, a Ambev fechou a fábrica dela no Rio Grande do Norte gerando uma perda de 300 empregos. Neste caso foi obra e graça de Robinson Faria que decidiu aumentar as alíquotas do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Em 2015, o empresário Flávio Rocha, repetiu a declaração que dera na gestão de Rosalba: o RN é o pior ambiente para se fazer negócios.

Voltando a Petrobras, a colega Thaisa Galvão relatou que em 2017 já estava em curso o desmonte da Petrobras no Rio Grande do Norte com os investimentos despencando 77%. Ela resgatou matérias em que Robinson fazia o mesmo que Fátima está fazendo: tentar se reunir com os dirigentes da estatal para reverter o quadro.

Robinson cumpria o papel de cobrar exatamente como Fátima faz hoje. É pouco? É.

O ministro Fábio Faria prestaria um serviço mais relevante ao Rio Grande do Norte se deixasse de lado a retórica que só ganha eco em ouvidos bolsonaristas e desavisados e em vez disso buscasse uma conversa com Bolsonaro para convencer o presidente a mudar a estratégia da Petrobras em nosso Estado mantendo o seu funcionamento e retomando os investimentos que entraram em declínio nas gestões petistas.

O problema é que Fábio apoia a saída da empresa para ser substituída pelo capital privado pagando a tabela mínima dos royalties, gerando menos empregos e detonando algo em torno de 50% do Produto Interno Bruto (PIB) do Rio Grande do Norte.

Quando não se tem argumentos se vai ao ataque. Fábio não tinha o que mostrar em relação a ações para manter a Petrobras no Estado.

Confira as fontes pesquisadas para este artigo:

https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2020/03/05/inframerica-decide-devolver-aeroporto-internacional-de-natal-ao-governo-federal.ghtml

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/11/1702956-ambev-fecha-fabrica-no-rio-grande-do-norte-e-demite-300-funcionarios.shtml

http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2015/11/ambev-anuncia-fechamento-de-fabrica-no-rio-grande-do-norte.html

https://www.thaisagalvao.com.br/2020/08/26/programa-nacional-da-petrobras-anunciado-em-2017-e-que-esta-sendo-posto-em-pratica-provocou-queda-de-77-nos-investimentos-do-rn-como-afirmou-secretario-do-governo-robinson-faria/

https://www.thaisagalvao.com.br/2020/08/26/desinvestimentos-da-petrobras-no-rn-comecaram-em-2017-e-de-la-para-ca-estado-esta-no-segundo-governo-e-teve-duas-bancadas-federais/

https://www.thaisagalvao.com.br/2020/08/26/governador-robinson-faria-declarou-em-2018-petrobras-desaqueceu-fechou-demitiu-e-prejudicou-a-economia-do-rn/

http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/encontramos-no-rn-o-pior-ambiente-de-todos-diz-fla-vio-rocha/331494

Compartilhe:

Comments

comments

2 opiniões sobre “Saída da Petrobras: Fábio Faria justifica a própria omissão transferindo culpas

  • 26 de agosto de 2020 em 15:43
    Permalink

    O desmonte da Petrobras no RN tem nome e sobrenome: Dilma Rousseff, nas duas pontas

    Resposta
  • 26 de agosto de 2020 em 20:00
    Permalink

    Patifaria… Mensagem subliminar não captada pelos eleitores… Taíndice o resultado…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *