Só três representantes do RN votaram para manter vetos de Bolsonaro ao projeto de abuso de autoridade

Resultado de imagem para abuso de autoridade como votaram as bancadas
Congresso derruba maioria dos vetos de Bolsonaro (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Ontem foi realizada sessão do Congresso Nacional (reunindo Câmara dos Deputados e Senado) para analisar os 33 vetos do presidente Jair Bolsonaro (PSL) ao projeto de abuso de autoridade.

Dos 33 vetos, 18 foram derrubados.

Como votou a bancada do Rio Grande do Grande do Norte? Dos três senadores somente um deles votou pela manutenção enquanto entre os deputados federais só dois endossaram a decisão do presidente.

Senadores

Jean Paul Prates (PT): pela derrubada

Styvenson Valentim (PODE): pela manutenção

Zenaide Maia (PROS): pela derrubada

Deputados federais

Beto Rosado (PP): pela derrubada

Benes Leocádio (Republicanos): pela derrubada

Fábio Faria (PSD): pela derrubada

General Girão (PSL): pela manutenção

João Maia (PL): pela derrubada

Natália Bonavides (PT): pela derrubada

Rafael Motta (PSB): pela manutenção

Walter Alves (MDB): pela derrubada

Vetos derrubados:

– Punição de 1 a 4 anos de detenção, e multa, para quem decretar medida de privação da liberdade em desacordo com as hipóteses legais

– Pena de detenção de 1 a 4 anos, e multa, para quem obrigar o preso a produzir prova contra si mesmo ou contra terceiro:

– Pena de um a quatro anos de detenção, e multa, para quem prosseguir com interrogatório de pessoa que decidiu exercer o direito de silêncio ou de quem tenha optado por ser assistido por advogado ou defensor público, mas esteja sem este presente

– Pena de seis meses a dois anos de detenção, e multa, para quem deixar de se identificar ou se identificar falsamente na hora de prender alguém

– Pena de seis meses a dois anos, e multa, para quem impedir entrevista do preso com seu advogado

– Pena de um a quatro anos de detenção, e multa, a quem for responsável por persecução penal, civil ou administrativa sem justa causa fundamentada ou contra quem sabe inocente

– Cria pena de seis meses a dois anos de detenção, e multa, a quem negar ao interessado, seu defensor ou advogado a qualquer procedimento investigatório de infração penal, civil ou administrativa, exceto peças cujo sigilo seria imprescindível

– Pena de seis meses a dois anos, e multa, para o responsável pelas investigações que antecipar, inclusive por rede social, atribuição de culpa, antes de concluídas as investigações

– Pena de detenção de três meses a um ano, e multa, para quem violar direito ou prerrogativa de advogado

– Artigo que especifica regras de direito penal de forma redundante, repetindo o que já vale para outros crimes

Vetos mantidos:

– Proibição de que quem cometa crimes exerça funções de natureza policial ou militar no local em que residir ou trabalhar a vítima

– Pena de detenção de 1 a 4 anos, e multa, para quem prender alguém sem que haja flagrante nem ordem escrita de autoridade judicial

– Pena de seis meses a dois anos, e multa, para quem fotografar ou filmar um preso ou investigado, sem seu consentimento ou com autorização obtida mediante constrangimento ilegal, com o intuito de expor a pessoa a vexame ou execração pública

– Pena de seis meses a dois anos de detenção, e multa, para quem submeter o preso ao uso de algemas quando não houver resistência à prisão, ameaça de fuga ou risco à integridade física do preso

– Pena de um a quatro anos de detenção, e multa, para quem “executa mandado de busca e apreensão (…) mobilizando veículos, pessoal ou armamento de forma ostensiva e desproporcional, ou de qualquer modo extrapolando os limites da autorização judicial, para expor o investigado a situação de vexame”

– Pena de seis meses a dois anos de detenção, e multa, para quem instigar alguém a praticar infração penal para depois capturá-la em flagrante delito

– Pena de seis meses a dois anos de detenção, e multa, a quem omitir dado ou informação sobre fato juridicamente relevante e não sigiloso

– Cria pena de três a seis meses de detenção, e multa, a quem deixar de corrigir, de ofício ou mediante provocação, com competência para fazê-lo, erro relevante que sabe existir em processo ou procedimento

– Cria pena de três meses a um ano, e multa, a quem coibir, dificultar ou impedir, por qualquer meio, sem justa causa, a reunião, a associação ou o agrupamento pacífico de pessoas para fim legítimo

Compartilhe:

Comments

comments

2 opiniões sobre “Só três representantes do RN votaram para manter vetos de Bolsonaro ao projeto de abuso de autoridade

  • 25 de setembro de 2019 em 11:34
    Permalink

    Girão como sempre escolhe o lado errado para votar. Não dá uma dentro esse vigarista

    Resposta
  • 26 de setembro de 2019 em 05:47
    Permalink

    Grande parte dos deputados do RN, parece que não entenderam o recado das urnas da eleição passada. Né mesmo Sr. Beto Rosado.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *