Alexandre Mota acusa Garibaldi de praticar violência contra trabalhadores: “De cada dez votações favoráveis a Temer ele votou nas dez”

O candidato ao Senado Alexandre Mota (PT) elevou o tom do discurso contra o senador Garibaldi Alves Filho (MDB), que tenta a reeleição. Ele já estreou no horário eleitoral apontando o dedo para o emedebista que se posicionou no horário eleitoral como uma figura de perfil conciliador.

O petista recorreu ao “Homem Cordial” de Sérgio Buarque de Holanda que afirma que o brasileiro é cordial por fora, mas violento por dentro comparando os apoios de Garibaldi aos projetos de Temer como uma violência contra os trabalhadores.

Ao elevar o tom, Alexandre Mota colou em Garibaldi a imagem dele as reformas de Temer e impõe ao senador a necessidade de passar a campanha se explicando. O emedebista até ensaia um discurso preventivo, mas não será simples ostentando a maior rejeição entre os candidatos.

Confira o vídeo:

Compartilhe:

Candidato ao Senado omite sobrenome para não ser confundido com político envolvido em corrupção

O candidato ao Senado Alexandre Mota (PT) vai omitir o sobrenome no material de campanha. Ele se apresentará ao eleitor como Alexandre 131.

O marketing petista sugeriu ao médico que se apresentasse como Dr. Alexandre, mas ele preferiu dispensar o “Dr” para se colocar num patamar de igualdade com o eleitor.

A ideia surgiu após alguns eleitores do interior perguntarem se Alexandre era parente do deputado estadual Ricardo Motta (PSB) envolvido no escândalo da Operação Candeeiro (saiba mais AQUI) que o levou a ficar seis meses proibido de pôr os pés na Assembleia Legislativa durante o ano de 2017.

Compartilhe:

Saída de Agripino turbina Geraldo. Entrada de Styvenson prejudica Zenaide

A eleição para o Senado caminha para ser a mais emocionante dos últimos anos. Neste momento quatro nomes despontam como viáveis e outros dois ainda podem chegar dependendo do desenrolar da campanha que começa dia 16 de agosto.

Até o mês de maio, o pleito caminhava para uma disputa entre o senador Garibaldi Alves Filho (MDB) e a deputada federal Zenaide Maia (PHS) para saber quem seria o mais votado. O senador José Agripino (DEM) corria por fora.

Mas o quadro mudou bastante por dois fatos novos. Primeiro a desistência de José Agripino. Depois a entrada de capitão Styvenson Valentim (sem partido).

A saída de Agripino deu fôlego a Geraldo Melo que estava distante dos principais concorrentes. O “Tamborete” acabou absorvendo a boa parte do eleitorado agripinista. Ele passou a parecer em segundo lugar nas duas últimas pesquisas (IBOPE e Certus).

Por outro lado, a entrada de Capitão Styvenson atrapalhou Zenaide. Ela caiu de segundo (em algumas pesquisas chegou a liderar) para quatro lugar. O capitão ficou em terceiro na última sondagem do Instituto Certus.

Ainda dois nomes podem ganhar fôlego (ou não) nos próximos dias: Antônio Jácome (PODE) e Alexandre Mota (PT).

A disputa para definir dois representantes do Rio Grande do Norte no Senado tem tudo para ser das mais emocionantes das últimas décadas.

Compartilhe:

PT de Mossoró defende candidatura ao Senado

O diretório municipal do PT definiu que o partido deve reivindicar a segunda vaga ao Senado na chapa majoritária nas eleições deste ano. Em nota os petistas de Mossoró reforçaram o apoio ao nome da deputada federal Zenaide Maia (PHS) e a prioridade a candidatura ao Governo do Estado de Fátima Bezerra (PT).

Dois nomes disputam a indicação petista ao Senado: o ex-vereador de Natal Hugo Manso e o médico Alexandre Mota.

Hugo já foi candidato ao Senado em três oportunidades: 1998, 2002 e 2010. Alexandre Mota nunca disputou eleições.

Abaixo a nota do PT:

O Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores de Mossoró, reunido no dia 23 de junho de 2018, aprova resolução política sobre as eleições do corrente ano, na busca de contribuir com o debate da chapa majoritária:

 

  1. Fortalecer e impulsionar nos municípios a candidatura do PT ao governo no nome da Senadora Fátima Bezerra, com reais possibilidades de vitória.

 

  1. Sobre o Senado, o PT precisa avançar no debate. Hoje, reflexo do passado recente a partir de 2016, apoiamos e defendemos o nome da Deputada Federal e pré-candidata ao Senado, Zenaide Maia. A deputada federal votou contra o Golpe de 2016 e tem votado contra todas as medidas do Governo golpista ilegítimo de Michel Temer, que retiram direitos da classe trabalhadora e de seguimentos sociais historicamente excluídos.

 

  1. Contudo, é necessário definirmos nossa política e tática para o pleito e aprimorar o debate sobre a segunda vaga, construindo politicamente um segundo nome, devendo ser do Partido dos Trabalhadores.

 

  1. Entendemos que existem nomes de companheiros louváveis para fazermos o debate. Assim, o PT precisa compreender politicamente a relevância e urgência para enfrentar o momento atual, elaborando a tática mais acertada para viabilizar eleitoralmente nossas candidaturas e reforçar nossa política construindo a vitória do nosso projeto político com Lula Presidente e Fátima Governadora.

 

Mossoró, junho de 2018.

Compartilhe: