Antipetismo é o maior vencedor das eleições 2016

O PSDB cresceu muito. O PRB deu um salto para deixar de ser um partido periférico. Aécio Neves mostrou fragilidade em Minas Gerais e Geraldo Alckmin mostrou que está forte para 2018.

A antipolítica está em alta com as vitória de João Dória em São Paulo e Kalil em Belo Horizonte.

Mas o que mais chamou a atenção nessas eleições foi a derrocada do PT. A legenda que comanda a esquerda brasileira vive o pior momento da história. Só elegeu um prefeito de capital. Perdeu cidades importantes na Grande São Paulo, no chamado cinturão vermelho, e de quebra perdeu sete em cada dez votos num comparativo entre 2012 e 2016.

O antipetismo vive o auge. O PT está no pior momento. A legenda virou símbolo de corrupção e por mais que não seja a campeã em envolvidas na Lava Jato a imagem do partido está encalacrada aos escândalos de corrupção.

As narrativas petistas que sempre se sobressaíram, agora não são mais hegemônicas. Uma ala mais conservadora da sociedade rompeu o silêncio e as bandeiras petistas encontram antagonistas que defende, inclusive, pensamentos preconceitos.

A onda antipetista venceu em 2016. O partido vai ter que se reinventar como o DEM fez num passado não muito distante. Como o maior partido de direita do país, o PT pode voltar a respirar, mas sem ter a mesma força de antes.

Ainda é cedo para fazer avaliações, mas não será fácil. O vácuo da esquerda deixado pelo PT pode ser assumido por outra agremiação ou o partido pode recuperar terreno. Por mais que os radicais de direita não aceitem o pensamento progressista não vai ser varrido do mapa do mesmo jeito que o de direita não foi quando esteve em baixa.

A política é feita de ciclos. O atual é o de fortalecimento do antipetismo.

Compartilhe: