Ex-deputado não fará mais parte do governo Bolsonaro

Antônio Jácome não vai pata o governo (Foto: reprodução)

A informação é do Blog de Gustavo Negreiros que dá conta que o ex-deputado federal Antônio Jácome (PODE) não vai mais integrar o Ministério das Mulheres, Família e Direitos Humanos.

Segundo a página natalense, a decisão é do próprio Jácome.

Nota do Blog: me soa muito estranha essa decisão. Jácome já tinha anunciado que aceitara o cargo e de repente mudou de ideia. Isso me lembra uma anedota envolvendo o saudoso Tancredo Neves em que um prócer político lhe procurou dizendo que estavam dizendo que ele seria ministro e ouviu como reposta “diga que foi convidado e não aceitou”.

 

Compartilhe:

Deputados do RN que vão para o Governo Bolsonaro não assumirão cargos imediatamente

Jácome e Marinho não darão chance a suplentes

Os deputados federais Rogério Marinho (PSDB) e Antônio Jácome (PODEMOS) não assumem os cargos imediatamente, ou seja, em 1º de janeiro junto com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Como os respectivos mandatos deles só terminam em 31 de janeiro eles acertaram que só assumem os cargos no Governo Federal em 1º de fevereiro.

O Blog do Barreto confirmou a informação com a assessoria de Rogério Marinho e diretamente com Antônio Jácome.

Rogério Marinho será secretário nacional de previdência e Jácome o número 2 no Ministério das Mulheres, Família e Direitos Humanos.

Caso eles deixassem os mandatos logo na posse de Bolsonaro quem assumiria as vagas seriam Abraão Lincoln (PRB) e Sávio Hackradt (PDT). Este último é o terceiro suplente da coligação onde estavam os partidos de Jácome e Marinho e pegaria a vaga por um mês porque Sandra Rosado (PSDB) é vereadora em Mossoró e dificilmente abria mão de dois anos de mandato por um mês em Brasília.

Compartilhe:

Mais um deputado do RN terá cargo no governo Bolsonaro

 

Antônio Jácome será acomodado no governo Bolsonaro (Foto: autor não identificado)

O deputado federal Antônio Jácome (PODE) será secretário-executivo no Ministério das Mulheres, Família e Direitos Humanos.

Ele foi convidado pela futura ministra Damaris Alves e aceitou.

O parlamentar foi candidato ao Senado no pleito de 7 de outubro ficando na quinta colocação com 307.399 (10,57%) votos.

Compartilhe:

MP Eleitoral pede cassação de deputados reeleitos

 

 

O Ministério Público Eleitoral ingressou com uma ação de investigação judicial eleitoral (Aije) por abuso de poder econômico envolvendo os candidatos eleitos a deputado federal, Walter Pereira Alves; e a deputado estadual, Raimundo Fernandes; além do prefeito de Patu, Rivelino Câmara; bem como o ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (candidato derrotado ao governo); o senador José Agripino Maia (que obteve uma posição na suplência para deputado federal); e Antônio Jácome de Lima Júnior (candidato derrotado ao Senado).

Em 22 de julho o prefeito de Patu, sob o pretexto de comemorar aniversário, realizou um showmício no qual a candidatura dos demais cinco investigados foram promovidas irregularmente. A Aije pede a cassação do diploma dos dois deputados eleitos, bem como de José Agripino que ficou na suplência, além da sanção de inelegibilidade pelo período de oito anos para todos os seis investigados.

Naquela data, uma grande estrutura foi montada na praça central da cidade, contando com palco, bandas musicais, equipamentos de som, tendas, cadeiras e mesas. O convite foi dirigido pelo prefeito a toda a população e, além da presença dos então pré-candidatos, o teor promocional do evento se revelou nos discursos proferidos na ocasião – por quase duas horas – que, segundo o MP Eleitoral, “escancararam sua natureza político-eleitoral”.

O próprio Rivelino Câmara publicou, em sua rede social, vídeo que reforça a opinião do Ministério Público de que o “evento pouco teve de celebração do natalício do prefeito de Patu”. O microfone foi “praticamente monopolizado” para enfatizar a presença, as realizações e as “maravilhas” que estariam por vir para o estado quando fossem eleitos os cinco beneficiados. “Cuidou-se de um indisfarçado ato antecipado de campanha eleitoral, um comício, ou melhor, um showmício, já que animado pelas bandas Forró dos Três e Cachorrão do Brega”, relata a Aije.

A ação assinada pela procuradora regional eleitoral Cibele Benevides reforça que a ocorrência da irregularidade já foi confirmada pela Justiça eleitoral, quando o juiz auxiliar Almiro da Rocha Lemos – diante de uma representação do mesmo MP Eleitoral – “acabou por reconhecer a veiculação de propaganda por meio vedado, através da realização de showmício, condenando todos os representados ao pagamento de multa individual de R$ 15 mil”.

Em Patu, Walter Alves acabou por obter a maior votação para deputado federal, enquanto Raimundo Fernandes foi o segundo dentre os deputados estaduais. Carlos Eduardo recebeu 33,46% dos votos para governador e Antônio Jácome 18,27% para o Senado. Atualmente a legislação eleitoral não permite a realização de showmícios nem mesmo durante o período regular. “Certamente um evento desse porte, logo na véspera do início da campanha eleitoral, tinha o claro objetivo de influenciar a liberdade de voto dos eleitores”, conclui a Aije.

Compartilhe:

TRE/RN suspende fundo partidário do Podemos

Podemos fica sem mandato de Jácome e fundo partidário

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE/RN ) suspendeu o envio de recursos do fundo partidário ao Diretório Estadual do Podemos.

A decisão foi tomada porque a agremiação teve as contas relativas ao ano de 2015 reprovadas.

O relator do processo foi o juiz André Pereira que seguiu a orientação do órgão técnico responsável pela análise das contas que identificou a ausência de diversas peças essenciais ao exame das contas, prejudicando a integralidade e confiabilidade das contas como um todo.

O partido e seus dirigentes foram devidamente intimados pelo TRE-RN e pela Procuradoria Regional Eleitoral a se manifestar acerca dessas demandas, mas nenhuma resposta foi dada.

O Podemos é liderado no Rio Grande do Norte pelo deputado federal Antonio Jácome que tentou se eleger senador nas eleições de outubro.

Compartilhe:

Filho de “senador” de Carlos Eduardo anuncia apoio a Robinson Faria

O deputado estadual Jacó Jácome (PSD) declarou apoio ao governador Robinson Faria (PSD), candidato a reeleição. A decisão foi comunicada ontem durante a convenção do PSD.

Ele se colocou como um soldado na campanha do governador que tenta a reeleição. “Eu serei uma formiga, serei um lutador e um soldado do exército do governador Robinson Faria. Eu sou um homem de palavra”, disse.

Jacó é filho do deputado federal Antônio Jácome (PODE), candidato ao Senado na chapa de Carlos Eduardo Alves (PDT).

Compartilhe:

Deputado corre risco de ter legenda negada em convenção

Jácome diz ter garantia dada pelo governador de que o filho terá legenda

Os bastidores fervem no PSD, partido do governador Robinson Faria. O deputado estadual Jacó Jácome, filho do deputado federal Antonio Jácome (PODE), pré-candidato ao Senado, corre sério risco de ter a legenda negada na convenção de domingo, dia 5.

A pressão dos pré-candidatos do PSD para que isso aconteça é enorme porque no entendimento deles, Jacó não está sendo leal com o governador e o partido ao firmar apoio ao ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT), principal concorrente de Robinson a uma vaga no segundo turno.

Na última segunda-feira Antônio Jácome esteve no Meio-Dia Mossoró e disse ter recebido garantias de Robinson de que o filho teria legenda para concorrer à reeleição. “Não há hoje nenhuma dificuldade burocrática nem partidária para ele não ter a legenda. Seria uma excrecência”, frisou reforçando que Jacó terá o nome homologado. “Não temos nenhuma preocupação e não haveria nem necessidade de garantia”, completou.

Compartilhe:

Saída de Agripino turbina Geraldo. Entrada de Styvenson prejudica Zenaide

A eleição para o Senado caminha para ser a mais emocionante dos últimos anos. Neste momento quatro nomes despontam como viáveis e outros dois ainda podem chegar dependendo do desenrolar da campanha que começa dia 16 de agosto.

Até o mês de maio, o pleito caminhava para uma disputa entre o senador Garibaldi Alves Filho (MDB) e a deputada federal Zenaide Maia (PHS) para saber quem seria o mais votado. O senador José Agripino (DEM) corria por fora.

Mas o quadro mudou bastante por dois fatos novos. Primeiro a desistência de José Agripino. Depois a entrada de capitão Styvenson Valentim (sem partido).

A saída de Agripino deu fôlego a Geraldo Melo que estava distante dos principais concorrentes. O “Tamborete” acabou absorvendo a boa parte do eleitorado agripinista. Ele passou a parecer em segundo lugar nas duas últimas pesquisas (IBOPE e Certus).

Por outro lado, a entrada de Capitão Styvenson atrapalhou Zenaide. Ela caiu de segundo (em algumas pesquisas chegou a liderar) para quatro lugar. O capitão ficou em terceiro na última sondagem do Instituto Certus.

Ainda dois nomes podem ganhar fôlego (ou não) nos próximos dias: Antônio Jácome (PODE) e Alexandre Mota (PT).

A disputa para definir dois representantes do Rio Grande do Norte no Senado tem tudo para ser das mais emocionantes das últimas décadas.

Compartilhe:

Uma sexta de vitórias políticas para Robinson e Carlos Eduardo Alves

WhatsApp Image 2018-06-29 at 12.08.44thumbnail_encontro partidario

A sexta-feira foi de vitórias políticas para o governador Robinson Faria (PSD) e o ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT). Numa mesma manhã ambos conseguiram metas importantes para a viabilidade política deles.

Para Carlos Eduardo era fundamental diminuir o peso do palanque nas eleições deste ano. Era preciso tirar um dos senadores do caminho da reeleição sem maiores prejuízos políticos. Foi exatamente o que aconteceu. Acuado pela condução de réu no Supremo Tribunal Federal (STF) e com a reeleição eleitoralmente inviabilizada não restou a José Agripino (DEM) outro caminho que não fosse a desistência da disputa ao Senado. Vai tentar uma vaga na Câmara dos Deputados desalojando o filho, Felipe Maia, da política muito provavelmente.

Carlos ainda tirou o deputado federal Antônio Jácome (PODE) do palanque de Robinson e o colocou na condição de candidato ao Senado ao lado de Garibaldi Alves Filho (MDB). O cenário não poderia ser melhor. Garibaldi mesmo que combalido ainda tem mais competitividade que Agripino e Jácome atrai o eleitorado evangélico.

Agora Carlos Eduardo foca na conquista do apoio da prefeita de Mossoró Rosalba Ciarlini (PP) dando a ela a condição de indicar o vice da chapa.

Por outro lado, Robinson evitou que o PSDB caísse no colo de Carlos Eduardo. Conseguiu o apoio de um partido estruturado que conta com oito deputados estaduais e o presidente da Assembleia Legislativa. Ele agora tem um candidato a senador parceiro na chapa, Geraldo Melo, e pode trabalhar uma segunda indicação e um vice para chamar de seu.

O PSDB não vem 100% porque a tendência é que os deputados Raimundo Fernandes e Gustavo Fernandes fiquem no palanque de Carlos Eduardo, mas não deixa de ser uma vitória importante ter o apoio formal de uma agremiação que possui um dos maiores tempos de TV.

Na luta para ir ao segundo turno podemos dizer que Carlos Eduardo e Robinson Faria tiveram uma sexta de vitórias em termos de viabilidade eleitoral.

Compartilhe: