Prisões de líderes sindicais carimbam atestado de óbito político para Robinson em 2018

WhatsApp Image 2017-11-27 at 13.27.55

Fala-se que o dirigente do Sindsaúde João Assunção provocou a Polícia Militar durante protesto em frente ao Detran em Natal. Não é o que vi no vídeo e mesmo que ele fosse questionar os métodos dos representantes do aparelho repressor do Estado, não há motivo para prisão dessas em um regime democrático.

A prisão da dirigente sindical Rosália Fernandes eu não vi. Não há como analisar o caso.

Mas estamos em tempos temerosos e qualquer tentativa de reação do trabalhador tem sido fortemente reprimida pelo governador Robinson Faria (PSD) que, como registrei no último sábado, abraçou o autoritarismo.

A atual máscara usada pelo governador Robinson é uma face truculenta de sua personalidade. O comportamento mostra impaciência com quem já não aguenta mais os sucessivos atrasos salariais confirmando as previsões tenebrosas de que as greves no futuro seriam por pagamentos em dia.

Está faltando ao governador a humildade de reconhecer que passou do ponto, pedir desculpas ao povo do Rio Grande do Norte e sentar para dialogar com os servidores do Estado.

Também carece à Robinson Faria a consciência de que o servidor tem razão. O governador até aqui tem se escondido. No final de semana ele divulgou uma nota que não convenceu a ninguém e ainda por cima ignorou o incidente da última sexta-feira em mais uma demonstração de insensibilidade.

Hoje um ouvinte do Meio-Dia Mossoró da 95 FM me perguntou se Robinson colocar o salário em dia teria condições de ser reeleito. Respondi que o chefe do executivo estadual está 100% “micarlizado”. O estrago que ele fez é irreversível para 2018.

As prisões de João Assunção e Rosália Fernandes carimba o atestado de óbito político de Robinson Faria.

Compartilhe:

Robinson se entrega a tirania tratando trabalhador como bandido

PM x Trabalhadores

O candidato Robinson Faria (PSD) venceu as eleições de 2014 muito mais pelo não-voto em Henrique Alves (PMDB) do que pelas próprias qualidades.

O problema é que o Robinson governador nunca entendeu isso. Vaidoso, sempre nas entrevistas procurava lembrar que se superou, calou os críticos e ironizando quem (com razão) duvidava de sua capacidade. Mais parecia um técnico de futebol após ganhar um campeonato contra todos os prognósticos do que um chefe de estado.

O governador Robinson Faria não aceita críticas, não convive com o contraditório e trata a mídia como extensão de uma roda de amigos. Quem não é da sua turma, é inimigo.

O Robinson presidente da Assembleia Legislativa cunhou a fama de político parceiro dos servidores. Hoje algumas operações como “Dama de Espadas” e “Anteros” talvez revelem os motivos de tanta benevolência. O Robinson candidato fazia propaganda dessa “parceria”, o governador desmente tudo isso.

O governador começou muito mal no cargo na relação com os servidores. Primeiro criou uma cortina de fumaça dizendo que pagava em dia quando na verdade estava raspando o Fundo Previdenciário para, artificialmente, manter o compromisso dentro do mês trabalhado. Seguidamente ele rejeitou aumentos de salários, massacrando os servidores, mas não teve a menor cerimônia em dar aumento de 100% a si próprio e mais recentemente aumentar os salários dos cargos comissionados.

Sem a grana, o governador foi gradualmente atrasando a folha. Agora o quadro chega a níveis desesperadores e as previsões de atrasos salariais para 2018 apontam Robinson entregando o cargo ao sucessor com cinco meses de atraso.

Não vou aqui poupar o governador pela crise e a bomba fabricada pela incompetência de seus antecessores que estourou em seu colo. É verdade que de Tarcísio Maia (1975/79) para cá todos os governadores do Rio Grande do Norte são culpados pelo nosso atraso em termos de desenvolvimento. Todos tiveram a oportunidade de planejar o Estado para hoje, mas preferiram o butim e a preocupação com os interesses pessoais. Robinson sabia de tudo isso, mas na campanha vendeu fantasia. Não pode ser poupado.

Robinson prometeu resolver o complexo problema da segurança, mas piorou a situação com o número de homicídios explodindo e se tornando refém de bandidos amotinados no queijo suíço conhecido como Presídio de Alcaçuz.

E é aí que eu quero chegar, mas não agora.

O governador se converteu em um tirano daqueles que tratam a todos com desigualdade conforme seus interesses. Nos atrasos salariais os órgãos com arrecadação própria e a educação sempre foram poupados. Robinson não queria deixar o Estado sem arrecadar nem encarar a categoria mais organizada e com maior poder de mobilização do Rio Grande do Norte (vale lembrar que ele utiliza recursos federais do FUNDEB para a folha dos professores).

Quando a situação se tornou insustentável, várias categorias ameaçaram entrar em greve. Qual recebeu maior atenção? A segurança. O governador chegou a portar-se como um bravo leão nas redes sociais ameaçando os policiais militares, mas nos bastidores agiu como um gatinho assustando colocando os salários dos fardados em dia, afundando os problemas das demais categorias. Na época eu cantei a bola em artigo publicado no Facebook: “Robinson vai precisar do aparelho repressor do Estado para reprimir as outras greves”. Não era previsão, mas uma triste constatação de uma estratégia tirânica.

Agora relembro mais uma vez Alcaçuz. Quem lembra da postura de Robinson com os bandidos rebelados? Primeiro negociou com os bandidos. Negou, agrediu os jornalistas que ousaram revelar o fato e chegou ao requinte de crueldade de permitir que o país assistisse uma batalha primitiva com paus e pedras entre os bandidos sem qualquer intervenção da Polícia Militar.

Dez meses depois, servidores da saúde e professores da UERN indignados com os salários atrasados decidiram ocupar a Secretaria Estadual de Planejamento com toda legitimidade do mundo. Qual foi a atitude de Robinson? Entrar na Justiça para pedir a reintegração de posse. Negociar está fora de cogitação quando quem ocupa o espaço público é o trabalhador.

“Ah! Mas não tem nada a ver uma coisa com a outra”, diria o insensível. Verdade. Com trabalhador se negocia, dialoga. Com bandidos o uso da força é um recurso a ser usado, mas nunca contra quem não comete crimes.

Robinson em Alcaçuz hesitou e permitiu que os bandidos mandassem no presídio durante 13 dias. Com os servidores não deixou que eles ficassem 72 horas no prédio da Seplan. Resolveu na base da força.

Realmente não se compara os dois casos, mas o governador preferiu tratar os trabalhadores como bandidos sujando de vez a própria biografia. Além de tornar a comparação factível.

Se Robinson sonhava ter alguma condição de disputar a reeleição deverá se olhar no espelho e dar a si próprio o conselho que dera há um ano ao ex-prefeito Francisco José Junior (sem partido): “tenha humildade e não dispute”.

O governador momentaneamente desune o quadro geral dos servidores jogando a PM contra as demais categorias, mas não percebe que une o Rio Grande do Norte contra ele.

Robinson se entregou a tirania!

Compartilhe:

Prisão administrativa é entulho autoritário para inibir lutas de PMs e bombeiros

Autoritarismo

A parcela democrata do Rio Grande do Norte está chocada com a notícia da prisão administrativa por três dias do soldado do Corpo de Bombeiros Dalchem Viana do Nascimento Ferreira.

O motivo é revoltante. Ele está privado de liberdade por ter convocado os colegas em um grupo de whatsApp para uma reunião da corporação.

Detalhe: somente membros do Corpo de Bombeiros estão no grupo. Ele respondeu por oito meses a um processo administrativo que resultou na punição que usou o artigo do Regimento Interno da corporação que proíbe manifestações em redes sociais.

Em entrevista ao G1RN o presidente da Comissão de Segurança Pública e vice-presidente da Comissão de Direito Militar da OAB-RN, o advogado Bruno Costa Saldanha afirmou que esse tipo de punição fere acordos internacionais assinados pelo Brasil na área de direitos humanos.

Mas infelizmente no Rio Grande do Norte temos setores de nossa sociedade apegada a entulhos autoritários como esse Regimento Interno do Corpo de Bombeiros.

Qual a finalidade de manter regras que vão além da necessária disciplina militar? Simples: querem inibir lutas das categorias menos privilegiadas dentro da Polícia Militar e CB.

Na Paraíba que paga aos servidores em dia, o governador Ricardo Coutinho (PSB) numa canetada acabou com essa excrecência. No Rio Grande do Norte que paga salários atrasados, setores significativos do serviço público estadual está amordaçado por leis espartanas.

Já pensou se existissem prisões administrativas para político que promete algo em praça pública e depois de eleito não cumpre?

Compartilhe: