Uma votação no Senado que explica a eleição do RN

O Senado aprovou por 41 x 16 o aumento de 16,38% para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e Procuradoria-Geral da República (PGR). Os salários da elite do funcionalismo público sobem de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil gerando um efeito cascata em todas as esferas de poder.

Do Rio Grande do Norte, dois senadores votaram a favor da proposta: José Agripino (DEM) e Garibaldi Alves Filho (MDB). O primeiro tentou ser eleito deputado federal, mas ficou na segunda suplência da coligação. O segundo tentou a reeleição terminando num humilhante quarto lugar.

Só Fátima Bezerra (PT) votou contra a medida. A petista foi eleita governadora com a maior votação da história do RN para a chefia do executivo estadual.

Os oligarcas mostram mais uma vez que não entendem a necessidade de se manter em sintonia com os anseios populares.

A votação resume explica com requintes de crueldade o resultado eleitoral do Rio Grande do Norte.

Compartilhe:

Bancada do RN na Câmara dos Deputados tem enfim uma renovação de fato

A bancada de deputado federal do Rio Grande do Norte tem uma renovação grande e de fato. A tradição do Estado é de geralmente trocar nomes mantendo os sobrenomes. Foi assim desde sempre com raríssimas exceções.

Desta vez o eleitor potiguar escolheu fazer diferente: elegeu quatro candidatos novatos sem sobrenomes tradicionais da política.

No meio disso, algo inédito: o PT elegeu dois federais. Natália Bonavides e Fernando Mineiro serão os parlamentares que representarão a esquerda na casa.

Pela via do centro político Benes Leocádio (PTC) conseguiu o mandato atuando em faixa própria desbancando favoritos da coligação mais concorrida. Foi o mais votado com 125.841 votos.

Já pelo campo ultraconservador surgiu a grande surpresa da eleição: o general Girão (PSL). Ele estava na coligação do Solidariedade que corria por fora no pleito.

Já o outro quarteto manteve os espaços que são verdadeiras capitanias hereditárias. João Maia (PR) assume a cadeira que é ocupada pela senadora eleita Zenaide Maia (PHS), sua irmã, que o substituíra em 2014. Rafael Motta (PSB) é a sobrevida da família já que seu pai, Ricardo Motta (PSB) não se reeleeu deputado estadual. Walter (MDB) preservou o mandato dos Alves enquanto que o filho do governador Robinson Faria (PSD), Fábio (PSD), se reelegeu na última vaga de sua coligação.

O agripinismo perdeu espaço na casa com a surpreendente derrota de José Agripino (DEM) e as esposas de políticos Carla Dikson (PROS) e Karla Veruska (Avante) não se elegeram.

Confira a lista dos deputados eleitos:

BENES LEOCADIO (PTC): 125.841 (7,82%)

NATALIA BONAVIDES (PT): 112.998 (7,02%)

MINEIRO (PT): 98.070 (6,09%)

JOÃO MAIA (PR): 93.505 (5,81%)

RAFAEL MOTTA (PSB): 82.791 (5,14%)

GENERAL GIRAO (PSL): 81.640 (5,07%)

WALTER ALVES (MDB): 79.333 (4,93%)

FÁBIO FARIA PSD: 70.350 (4,37%)

 

 

Suplentes

BETO (PP): 71.092 (4,42%)

CARLA DICKSON OFTALMOLOGISTA (PROS):

60.590 (3,76%)

LAWRENCE (SD): 24.551 (1,53%)

CARAMURU PAIVA (PT): 23.813 (1,48%)

Compartilhe:

Fátima colocou mais emendas para educação que Agripino e Garibaldi juntos

Ao longo da atual legislatura a senadora Fátima Bezerra (PT) destinou R$ 9.845.904 em emendas para educação. Já José Agripino Maia (DEM) destinou R$ 4.650.00 e Garibaldi Alves Filho (MDB) R$ 566 mil.

Juntos, Maia e Alves somam R$ 5.216.000 contra R$ 9.845.904 da petista.

Nota do Blog: o Blog do Barreto desde o final de julho vem trazendo passo a passo o desempenho da bancada federal na liberação de recursos.

Compartilhe:

Fátima gasta mais com divulgação. Garibaldi é o campeão em contratações de consultorias

Fátima gasta mais com divulgação. Garibaldi em consultorias

A senadora Fátima Bezerra (PT) é quem mais gastou com divulgação ao longo da atual legislatura (iniciada em 1º de fevereiro de 2015). Foram R$ 156.842. Já o senador Garibaldi Alves Filho (MDB) é o campeão nos gastos com consultorias com R$ 494.478.

Confira abaixo as duas tabelas do Datascópio.

 

Divulgação

Nome Partido  Estado  Divulgaçao 
Fátima Bezerra PT RN 156.842
José Agripino DEM RN 128.299
Garibaldi Alves Filho MDB RN 74.000

 

Consultoria

Nome Partido  Estado  Consultoria 
Garibaldi Alves Filho MDB RN 494.478
José Agripino DEM RN 140.914
Fátima Bezerra PT RN 79.898
       

Confira as outras matérias da série sobre a bancada federal

Fábio Faria é o campeão em gastos de cota parlamentar com transportes e estadias

 

Deputados do RN só liberam 36% das emendas previstas no orçamento de 2018

Deputados federais do RN gastam R$ 13 milhões em cotas parlamentares

 

Agripino gasta mais com transporte e estadia do que Fátima e Garibaldi juntos

Senadores gastam R$ 6 milhões em cotas parlamentares

Cota parlamentar: Walter Alves é quem mais gasta com consultoria. Zenaide é a campeã da divulgação

 

 

Compartilhe:

Crítica do Blog surte efeito em bancada federal

O trio de senadores potiguares quebrou o silêncio em relação ao périplo do governador Robinson Faria (PSD) em Brasília para liberar o aporte financeiro que vai reequilibrar as contas do Governo do Estado colocando a folha em dia.

A reação foi tímida, diria que não passou do status de protocolar. O senador José Agripino (DEM) falou ao Blog de Heitor Gregório que o partido dele está ajudando através do presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM). Também falou que está à disposição para ajudar. Faltou ao líder demista uma atitude mais enérgica como ir ao presidente Michel Temer cobrar a liberação.

O senador Garibaldi Filho (PMDB) foi ao Twitter dizer que procurou o governador para oferecer ajuda. Muito pouco também, mas já é alguma coisa.

Na oposição, a senadora Fátima Bezerra (PT) fez o que lhe cabe: criticou, em nota, o Procurador do Tribunal de Contas da União (TCU), Júlio de Oliveira. Em outra nota, a deputada federal Zenaide Maia (PR) criticou o Governo Federal.

O restante da bancada federal segue calada como se estivesse no fantástico mundo de Bob.

Notas e postagens resignadas nas redes sociais não surtem efeito numa luta política. É preciso toda bancada federal unida ao lado do governador. Terá postura de estadista quem tomar a iniciativa.

Até lá nossa bancada federal seguirá envergonhando o sofrido elefante.

Compartilhe:

Uma vergonha em forma de bancada federal

16-9-1024x576

O governador Robinson Faria (PSD) é o culpado pelos atrasos salariais, mas não é o único responsável por isso. Ele tem companhias importantes nessa tragédia chamada Governo do Estado do Rio Grande do Norte.

Desde segunda-feira ele está em Brasília em uma articulação desesperada para garantir recursos para pagar os salários de novembro, dezembro e 13º. Está nas mãos do presidente Michel Temer que promete editar a Medida Provisória enviando os recursos para o sofrido elefante apenas no dia 25 de dezembro. Uma decisão com requintes de crueldade para o servidor que vai passar a noite de natal sem ter o que comer.

Qual membro da bancada federal apareceu para reforçar a luta do governador? Apenas o filho dele em Brasília. Se Robinson não os convidou pouco importa. Momentos como esse são para separar políticos e estadistas. No Rio Grande do Norte a picuinha sempre tem mais força entre os nossos políticos.

Se Robinson não pediu ajuda aos seus pares pouco importa. Mas a sensação que tenho, com base no que ouço nos bastidores, é a da existência de forças ocultas para que esse aporte não seja feito.

Os senadores Garibaldi Filho (PMDB) e José Agripino (DEM) deveriam ser os mais cobrados. São os mais importantes aliados do presidente Temer no Estado. Não abrem a boca para falar no assunto. Não há registro de nenhuma palha ser movida pela dupla. Até parece que não são responsáveis por esse caos também pelas péssimas administrações que fizeram no passado. A crítica vale para os seus bambinos travestidos de deputados federais Walter Alves (PMDB) e Felipe Maia (DEM) que preferem seguir com seus inúteis mandatos.

Melhor deixar Robinson “sangrar” sozinho como se isso não afetasse milhares de famílias nesse período de fim de ano.

Um desconto para a senadora Fátima Bezerra (PT) e aos deputados federais Antônio Jácome (PODE), Rafael Mota (PSB) e Zenaide Maia (PR). Na oposição eles têm pouco a influir, mas poderiam ao menos usar suas vozes para abordar essa questão dos atrasos salariais indo além do tom politiqueiro.

Os deputados federais Beto Rosado (PP) e Rogério Marinho (PSDB) passam a impressão que só são governistas na hora de aprovar projetos para prejudicar a classe trabalhadora.

Bancada federal desça desse muro da vergonha, reaja!

Compartilhe:

Bancada federal sobe no muro da omissão e não defende servidores

Classe política isola governador em audiência
Classe política escolhe mostrar isolamento do governador em vez de reforçar pleito dos servidores

Amanhã parte considerável dos servidores estaduais chegarão a dois meses de salários atrasados ao acumular as folhas de outubro e novembro sem o suado dinheirinho pingando na conta.

Para piorar a situação o trabalhador que protestou contra isso apanhou da polícia à mando do governador Robinson Faria (PSD).

Onde estão os senadores José Agripino (DEM) e Garibaldi Filho (PMDB)? A colega deles, Fátima Bezerra (PT), foi a única da bancada federal a dar apoio moral aos servidores que lutaram na famosa “Batalha da Seplan”.

Alguém viu o deputado federal Beto Rosado (PP) dizer algo? Os colegas dele Rafael Motta (PSB), Fábio Faria (PSD), Zenaide Maia (PR), Walter Alves (PMDB), Rogério Marinho (PSDB), Antônio Jácome (PODE) e Felipe Maia (DEM) seguiram calados.

Para que serve uma bancada federal calada quando servidores passam necessidade? Unida ela tem poder de pressão junto ao Governo Federal para conseguir um socorro para o Rio Grande do Norte. Quando abrem a boca para defender algo se limitam aos municípios focando nos prefeitos/cabos eleitorais. Mas para o Governo do Estado, onde a crise se mostra mais grave, é silêncio de cemitério.

O problema é que essa propalada união em Brasília é mero consenso retórico sem qualquer resultado prático. O resultado é um rio grande de perdas e um norte de decadência sem perspectivas de reversão.

Semana passada o governador Robinson Faria (PSD) se reuniu com as duas maiores autoridades do país: o presidente Michel Temer e o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia. Da bancada federal apenas o filho do governador Robinson Faria. Na pauta o socorro financeiro para o Estado.

Segundo o blog apurou junto ao Governo toda bancada federal foi convidada, mas ninguém foi. A picuinha foi maior do que a defesa do Estado. Ninguém quer sair na mesma foto ao lado de campeões da impopularidade como Temer e Robinson. Até parece que os outros integrantes da bancada federal estão em situação melhor junto ao povo potiguar.

Todo mundo querendo salvar a própria pele, mas ignorando mais de 120 mil famílias que terão peso fundamental no pleito do próximo ano. Tudo em nome da picuinha.

O muro da omissão é um péssimo caminho para quem gostaria de ter o voto do servidor. Nossa classe política precisa de doses cavalares de grandeza e humildade.

Obs (11h30).: fonte da oposição faz contato e nega convite do governo para a reunião com Temer.

 

Compartilhe:

Maioria dos deputados do RN foi a favor da urgência para reforma trabalhista

Os deputados federais Felipe Maia (DEM), Rafael Motta (PSB) e Rogério Marinho (PSDB) votaram a favor do pedido de urgência para votar a reforma trabalhista proposta pelo presidente Michel Temer (PMDB).

Da bancada potiguar Zenaide Maia (PR) e Walter Alves (PMDB) votaram contra.

Já Antonio Jácome (PTN), Beto Rosado (PP) e Fábio Faria (PSD) levaram falta na votação.

Abaixo o quadro:

Reforma trabalhista

Nota do Blog às 13h57:  o governo precisava de 257 votos favoráveis para para aprovar a urgência. No entanto, 230 deputados votaram pela aceleração, 163 votaram contra e 1 se absteve. Faltaram 27 votos.

Compartilhe:

Garibaldi e Walter Alves são os políticos do RN com melhor avaliação em ranking de desempenho do Congresso

O site Políticos (http://politicos.org.br/) divulgou o ranking de desempenho dos integrantes do Congresso Nacional. O levantamento leva em consideração questões morais e desempenho parlamentar. Segundo a publicação o senador melhor colocado do Rio Grande do Norte é Garibaldi Filho (PMDB). Já entre os deputados federais o líder é Walter Alves (PMDB).

Abaixo o desempenho de cada um dos potiguares.

Senadores:

Gari ranking

JA Ranking

Fátima Ranking

Deputados federais:

Walter Ranking

Felipe Ranking

Rafael Ranking

Jácome Ranking

Rogério Ranking

Beto ranking

Fábio Ranking

Zenaide ranking

Compartilhe:

Deputados justificam votos na lei das terceirizações

deputados-do-rn

Por Dinarte Assunção

Portal No Ar

O polêmico projeto que a Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira, liberando a terceirização, ainda causa furor com repercussão no meio social, onde se opõem argumentos sobre o fortalecimento e o enfraquecimento das relações de trabalho.

Como de costume, nas redes sociais, usuários criticam e elogiam os parlamentares que votaram na proposta. Fomos atrás dos argumentos de cada um dos oito deputados federais do Rio Grande do Norte para saber o que cada um diz sobre o texto.

Antonio Jácome

ABSTENÇÃO

O deputado Antonio Jácome preferiu se abster e não votar a polêmica matéria. Ele declarou que “O PL votado ontem é complexo e polêmico, por isso, tramitava há 17 anos no ongresso. Eu concordo com muitos pontos, mMas sou contra a terceirização para atividade-fim. Por isso me abstive.

Beto Rosado

AUSENTE/CONTRA

Ausente da votação, Beto emitiu nota esclarecendo que está em licença para acompanha o pai, que está em tratamento de saúde em São Paulo. Ele considerou o seguinte:

“O Projeto aprovado ontem é diferente do que votei favorável em 2015 (PL 4330/04). Sou a favor da regulamentação das terceirizações no setor privado, resguardando os direitos dos trabalhadores das empresas terceirizadas, o que garantia o projeto aprovado naquele ano.
A proposta aprovada ontem, datada de 1998, prevê as terceirizações irrestritas, para o setor público e privado, sem resguardar os direitos trabalhistas dos funcionários das empresas terceirizadas. Por isso, sou contra”.

Fábio Faria

A FAVOR.

Não retornou a demanda a reportagem.

Felipe Maia

A FAVOR

Dá segurança jurídica aos mais de R$ 13 milhões de terceirizados. Estamos num país com mais de 11 milhões de desempregados e existe a errônea ideia de que a terceirização vai gerar desemprego. Não vai. A terceirização diminui desencargos para o empragador, permitindo mais contratações.

Rafael Motta

CONTRA

“A terceirização é um risco. Gera rotatividade e não há estabilidade. A terceirização da atividade-fim tem que ser bem discutida para estebelecermos quais serão as garantias para os trabalhadores. A terceirização da atividade-fim é mero aluguel de mão de obra e trabalho não é uma mercadoria”

Rogério Marinho

A FAVOR

“Desde 1901, o Brasil não passava por uma crise desse naipe. Terceirizar é um verbo que existe no Brasil, não existe paralelo no mundo. Esse modelo de verticalização da indústria está ultrapassado, foi vencido pela modernidade. Nenhuma empresa moderna não terceiriza sua produção. Dizer que milhões devem permanecer num limbo, sem segurança jurídica, é um retrocesso”.

Walter Alves

CONTRA

Membro do PMDB, Walter foi mais um da base governista que não se filiou à orientação governista. Confiram o que ele disse: “Votei contra o projeto por não concordar com a proposta, presente no PL 4302/98, de terceirização nas atividades-fim das empresas.”

Zenaide Maia

CONTRA

“Votei contra porque acho que esse o Projeto de Lei que libera a terceirização é uma precarização dos serviços públicos e privados. É um início para reforma trabalhista. Não acredito que vai aumentar a geração de empregos. É como se tivesse rasgado a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Só tiveram olhar para as empresas”.

Compartilhe: