Robinson não consegue emplacar propostas polêmicas e fragilidade na Assembleia Legislativa é exposta

Robinson-Faria-2

Quando o mais celebre “Deputado PG (Partido do Governo)” se coloca contra um governador é porque as coisas não andam bem para o chefe do executivo estadual. É o que acontece com Robinson Faria (PSD) que não conta nem com o apoio de Ramundo Fernandes (PSDB) para aprovar reformas.

Ontem, Fernandes deixou o silêncio típico dos políticos que sempre servem aos governos sem qualquer preocupação com a opinião pública e detonou o outrora correligionário de longa da data, Robinson Faria.

Claro que não é apenas o voto de opinião que o preocupa. Há interesses paroquiais na pequena São Miguel onde disputa protagonismo político com o adversário Galeno Torquato (PSD), aliadíssimo de Robinson. Mas a postura do “Bigodão” (que não usa mais bigode) é sintomática e revela a dificuldade do governador na casa.

Das 20 matérias analisadas na convocação extraordinária, apenas oito foram aprovadas. Todas sem grandes polêmicas como a instituição do abono de 12% para os servidores que não receberam o 13º salário em 2017.

Tudo bem que só uma matéria foi rejeitada: a proposta que definia desconto no duodécimo de salários de servidores cedidos pelo Executivo aos poderes e órgãos autônomos.

Mas o que chama atenção é a incapacidade do governo de fazer passar matérias que possuem forte lobby contrário como o aumento da alíquota previdenciária dos servidores, extinção dos quinquênios e venda de ativos como a Potigás.

A maioria dos deputados estava disposta a ajudar o governo, mas a pressão de sindicatos fez alguns parlamentares mudarem de posição. Ninguém quer o carimbo de votar contra o povo na testa em ano de reeleição.

Não pôr as propostas em análise é uma derrota para o governador Robinson Faria e expõe a fragilidade da relação com o parlamento.

Quando nem Raimundo Fernandes vota com o governo é sinal que a gestão acabou antes de 31 de dezembro.

Compartilhe: