A semana que o Canteiro da Rosa murchou

Rosalba deixou o camarote rapidamente (Reprodução: Blog Carlos Santos)
Rosalba deixou o camarote rapidamente (Reprodução: Blog Carlos Santos)

Que semana!

Começou com as queixas da falta de segurança no Pingo da Mei Dia quando aconteceram algumas brigas sendo uma delas uma batalha campal no Memorial da Resistência e centenas de celulares roubados.

Mas não parou por aí.

O arquivamento da CEI do Lixo na Câmara Municipal foi uma “vitória de pirro” por expor a falta de transparência da administração de Rosalba Ciarlini (PP) na celebração de contratos.

Depois, Mossoró descobriu que existem servidores terceirizados com mais de oito meses de salários atrasados. Mais uma “vitória de pirro” na Câmara Municipal para barrar a audiência pública que debateria o assunto.

O problema agora está exposto.

Na quinta-feira mais problemas. Um festival de constrangimentos no Mossoró Cidade Junina. A Cidadela não abriu na quinta, a Arena das Quadrilhas não estreou, o Chuva de Bala foi ao palco com um dia de atraso e a desculpa que culpou os caminhoneiros não colou.

A Estação das Artes estava um canteiro de obras poucas horas antes do show de Aviões do Forró. Os barraqueiros chegaram a discutir uma greve por péssimos tratos do município, inclusive revelando que foram chamados de “favelados”.

A prefeita precisou colocar seus assessores para amanhecer a quinta-feira tendo que se explicar a respeito da queda do camarote. Por mais que a Prefeitura finja que não tem nada com isso, foi ela quem contratou uma empresa obscura do Ceará para fazer o serviço.

Rosalba escapou de cair junto com as vítimas do camarote por muito pouco e saiu da festa rapidamente do evento. O show continuou.

O conjunto dessa obra fez ressurgir as críticas à administração municipal nas redes sociais minimizando aquele silêncio ensurdecedor.

O Canteiro da Rosa murchou em uma semana como nunca nas quatro passagens dela pelo Palácio da Resistência.

Compartilhe: