Arrecadação do IPTU aumenta 86,27% no primeiro semestre

Sujeira nas imediações do PAM do Bom Jardim. Qualidade dos serviços não acompanha arrecadação
Sujeira nas imediações do PAM do Bom Jardim. Qualidade dos serviços não acompanha arrecadação.

A fúria arrecadadora da prefeita Rosalba Ciarlini (PP) segue em marcha célere. Comparando o primeiro semestre de 2017 com o mesmo período de 2018 as receitas do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) subiram 86,27%.

Ano passado a arrecadação entre janeiro e junho foi de R$ 5.612.985,39. Este ano no mesmo período foi de R$ 8.044.652,63.

O curioso nisso tudo é que esse avanço na arrecadação do tributo é fruto de um planejamento realizado na gestão de Francisco José Junior (PSD) que investiu num trabalho de georreferenciamento dentre outros identificando os terrenos onde foram construídos imóveis.

Buracos na Avenida Senador Petrônio Portela no Abolição IV
Buracos na Avenida Senador Petrônio Portela no Abolição IV

No entanto, o pecado de Rosalba foi desfazer a estratégia inicial do antecessor que planejava um aumento escalonado do IPTU em até dez anos em alguns casos. A prefeita preferiu impor o aumento de uma só vez gerando um prejuízo ao contribuinte.

Houve casos que o IPTU subiu 600%. Resultado: a inadimplência subiu 64,65% em 2017 segundo noticiou o jornalista Carlos Santos em março deste ano.

A saída da chefe do executivo municipal para conter a inadimplência foi aprovar na Câmara Municipal um projeto que autoriza o município a fichar os inadimplentes do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e no Serasa.

O esforço para fazer a arrecadação subir não traz os resultados esperados pelo contribuinte. Os 86,27% arrecadados a mais no primeiro semestre não se converteram em 86,27% de melhoria na qualidade nos serviços de limpeza urbana, calçamento de vias e infraestrutura. São constantes as reclamações da população em programas de rádio e redes sociais.

Compartilhe: