Carlos Eduardo Alves recebe delegações municipais em Mossoró

O pré-candidato ao Governo do Estado Carlos Eduardo Alves (PDT) está em Mossoró recebendo delegações municipais lideradas por prefeitos da Região Oeste.

As rodadas de reuniões estão acontecendo no Hotel Garbos. São delegações municipais formadas por Prefeitos, ex-prefeitos e vereadores de Serra do Mel, Campo Grande, Governador Dix-Sept Rosado, Baraúna, José da Penha, São Francisco do Oeste e Pilões.

Em segundo lugar nas pesquisas, o ex-prefeito tenta ampliar a base de apoio na Região Oeste do Estado.

Compartilhe:

Presidente do PDT/Mossoró anuncia que não vai apoiar Carlos Eduardo

Tomaz Neto abre dissidência no PDT

O ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT) não terá o apoio do presidente do seu próprio partido em Mossoró. Em contato com o Blog do Barreto, o ex-vereador Tomaz Neto informou que não votará no pré-candidato ao Governo.

“Nós não fomos ouvidos. A chapa majoritária foi formada sem ninguém falar conosco. Passaram por cima da gente. Poderíamos indicar a suplência de um dos candidatos ao Senado, por exemplo”, explicou.

Tomaz Neto informou que ainda não definiu em quem vai votar para o Governo do Estado.

O ex-vereador é uma figura histórica no PDT. Está no partido há mais de 30 anos.

Compartilhe:

Fátima vence com folga simulações de segundo turno

onatalense-23 (1)

A senadora Fátima Bezerra (PT) vence com folga as simulações de segundo turno realizadas pela pesquisa Certus/FIERN.

A maior folga é sobre o governador Robinson Faria (PSD), que tenta a reeleição.

Carlos Eduardo Alves (PDT) só sai vencedor quando o confronto é contra o governador.

Confira as simulações de segundo turno:

Fátima x Robinson

 

  1. Fátima Bezerra 50,71%

2. Robinson Faria 11,99%

Nenhum 31,63%

 

Fátima x Carlos Eduardo

  1. Fátima Bezerra 42,84%
  2. Carlos Eduardo 23,33%

Nenhum 27,38%

 

Carlos Eduardo x Robinson

  1. Carlos Eduardo 40,07%
  2. Robinson Faria 12,84%

Nenhum 40,64%

Compartilhe:

Pesquisa FIERN/Certus mostra cenário estabilizado na disputa pelo Governo do RN

robinson-carlos-fatima (1)

A pesquisa do Instituto Certus encomendada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (FIERN) aponta um cenário estável para o Governo do Estado.

A senadora Fátima Bezerra (PT) segue líder com 29,15%, mantendo a mesma distância das outras pesquisas (inclusive a anterior da Certus) para o segundo colocado Carlos Eduardo Alves (PDT) que ficou com 15,39%. O governador Robinson Faria (PSD) tem 6,31%.

Na pesquisa espontânea (sem lista de candidatos) o cenário é mais equilibrado com Fátima Bezerra tendo 8,72%, Carlos Eduardo 6,10% e Robinson Faria 2,91%.

A maior rejeição é de Robinson Faria com 35,28%, seguido por Carlos Eduardo com 7,17% e Fátima Bezerra com 6,73%.

A pesquisa FIERN/Certus foi realizada no período de 21 a 25 de julho com 1.410 entrevistados de 40 municípios de 7 regiões potiguares. A margem de erro é de 3% para mais ou para menos. O estudo está registrado no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob os números RN-08199/2018 e BR-04763/2018.

Confira os números completos da pesquisa FIERN/CERTUS:

Pesquisa espontânea

DjRG80zW4AADQwo

Pesquisa estimulada 

DjRJUEqU0AEqKyT

Rejeição 

DjRKY2NX4AEwPG1

Compartilhe:

PSB tem três caminhos e a situação mais complicada no RN

RM-570x3641

O PSB tem um bom tempo de TV e somente isso a oferecer a eventuais aliados. De resto, a agremiação é um peso político.

Do ponto de vista moral, o deputado estadual Ricardo Motta está enrolado com a Operação Candeeiro a ponto de ficar proibido de pôr os pés na Assembleia Legislativa por seis meses. Em relação a questão eleitoral o PSB acrescenta quase nada. Mais se beneficia que contribui atrapalhando quem já está acomodado nas coligações.

O partido tem três caminhos:

  • Aliar-se ao PT. No entanto, a base petista resiste a aliança sob o argumento que o deputado federal Rafale Motta (PSB) apoiou o impeachment de Dilma Rousseff. Líderes petistas consultados pelo Blog informam que só uma improvável intervenção nacional formalizaria a aliança;
  • Fechar com Robinson Faria. Este é considerado o caminho mais viável e menos complicado para as reeleições de Rafael e Ricardo. O acordo está em discussão. Há menos resistência nesse grupo que no PT.
  • Apoiar Carlos Eduardo Alves. O problema reside na falta de esteiras nos partidos comandados pelas famílias tradicionais do Estado.

O PSB tem três caminhos e na teoria nenhum é favorável ao partido que está muito enfraquecido.

Compartilhe:

IBOPE aponta Fátima com o dobro das intenções de voto de Carlos Eduardo

Tribuna do Norte
senadora Fátima Bezerra (PT) lidera, neste momento, as intenções de votos entre os eleitores potiguares para o governo do Estado. É o que aponta a pesquisa Ibope/Tribuna do Norte, realizada entre os últimos dias 14 e 17. O ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo (PDT) fica em segundo e o atual governador, Robinson Faria (PSD), em terceiro.
O IBOPE ouviu 812 eleitores. Na resposta estimulada (o eleitor pesquisado recebe uma lista com nomes dos pré- candidatos), a senadora Fátima Bezerra ficou com 31% das intenções de votos (na resposta espontânea, sem a apresentação da lista de pré-candidatos, ela tem 8%); seguida pelo ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo, com 15% das intenções de votos (na resposta espontânea, ele tem 5%), e pelo atual governador e candidato a reeleição, Robinson Faria, com 9% das intenções de votos (na espontânea, 4%).
Pesquisa Ibope/TN tem Fátima Bezerra na liderança para Governo do RN
A lista de pré-candidatos apresentada pelo Ibope incluiu, ainda, os nomes do vice-governador Fábio Dantas (PSB), que tem 3%; Carlos Alberto (Psol), com 4%; e Freitas Júnior (Rede), com 2% das intenções de votos. Eleitores que disseram votar branco e/ou nulo somaram 32% e 5% não responderam e/ou ainda não sabem em quem votarão para governador. A margem estimada de erros da pesquisa é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.
Na estratificação da amostra, os resultados para a senadora Fátima Bezerra são mais expressivos entre os eleitores com nível de ensino superior (35%). Os votos no ex-prefeito Carlos Eduardo também são mais expressivos entre os mais instruídos (21%) e entre o eleitorado na faixa etária de 25 a 34 anos (18%). Já o governador Robinson Faria tem mais votos junto ao eleitorado mais jovem (16% na faixa dos 16 aos 24 anos) e menos instruídos (15% entre quem tem só até a 4ª série do ensino fundamental).
Segundo turno
Os resultados da pesquisa não apontam para uma decisão das eleições para o governo estadual no primeiro turno. O Ibope fez várias simulações de cenários possíveis para um segundo turno.
Entre os três principais candidatos, os resultados das simulações seriam os seguintes: 1) se o segundo turno fosse entre a senadora Fátima Bezerra e o ex-prefeito Carlos Eduardo, a petista teria 47% das intenções de votos e o pedetista 27%; 2) no cenário em que a disputa seria entre Fátima Bezerra e Robinson Faria, a senadora teria 52% e o atual governador 16%; 3) no segundo turno entre Carlos Eduardo e Robinson, o ex-prefeito teria 42% e o atual governador 17%.
No ítem rejeição, 54% dos eleitores pesquisados pelo IBOPE disseram que não votariam de jeito nenhum na reeleição do atual governador Robinson Faria; 21% em  Freitas Junior; 19% em Carlos Eduardo; 18% em Fábio Dantas; 15% em Carlos Alberto; 14% em Fátima Bezerra.
A pesquisa também investigou o interesse dos eleitores pelas próxima eleições. 42% responderam que não têm nenhum interesse, 27% disseram ter pouco interesse, 14% têm interesse médio e 16% têm muito interesse. Os registros da pesquisa, junto à Justiça Eleitoral, são RN-03429/2018 (TRE) e BR-07949/2018 (TSE).
Compartilhe:

O pacto oligárquico

Vitórias de Carlos Eduardo e Rosalba em 2016 deram um fôlego aos oligarcas
Vitórias de Carlos Eduardo e Rosalba em 2016 deram um fôlego aos oligarcas

As ultratradicionais oligarquias Alves, Rosado e Maia estão juntos e misturados, isso tudo meio a contragosto, diga-se. Ontem (ver AQUI) se confirmou a aliança que faltava para fechar o cenário político no Rio Grande do Norte em 2018.

A prefeita de Mossoró Rosalba Ciarlini (PP) indicou o filho Cadu como vice de Carlos Eduardo Alves (PDT). O acordo só foi selado quando se entenderam a respeito da reeleição do sobrinho afim dela, Beto Rosado.

Tudo resolvido em família.

Acordo feito e incluindo no mesmo balaio o senador José Agripino (DEM) deslocado para a Câmara dos Deputados tirando momentaneamente o filho Felipe Maia da política. O líder demista fez um “sacrifício” por ele mesmo para se manter na política. Tudo para Carlos Eduardo não prejudicar seu projeto de chegar ao Governo do Estado e garantir as reeleições dos primos Garibaldi e Walter Alves.

As famílias se entenderam.

Se fosse há 20 anos e com alguns ajustes envolvendo personagens já falecidos ou aposentados da política essa aliança seria imbatível. Mas naqueles tempos as oligarquias eram mais fortes divididas em Alves x Maias cada uma com o suporte dos Rosado torados em duas bandas. Praticamente todos estão juntos para sobreviver politicamente.

Nas décadas de 2000 e 2010 os oligarcas do Rio Grande do Norte começaram a perder força. Primeiro permitiram uma terceira via vitoriosa saindo de dentro de suas entranhas. Refiro-me a Wilma de Faria que derrotou Alves e Maia após circular por esses dois grupos e ela mesma tendo uma origem oligarca.

Em 2006, Alves e Maia se uniram para derrota-la, mas Wilma vence. Em 2010, o voto casado colou e as oligarquias deram o último suspiro reelegende Garibaldi e Agripino e levando uma Rosado, Rosalba, ao Governo depois de 60 anos.

Em 2014, Rosalba é jogada no escanteio da política e se junta a Robinson Faria (outrora vice dissidente) e ao PT. Numa aliança reduzida e com a então governadora dando apoio velado derrotam Alves e Maia para Governo e Senado.

O recado do eleitor estava dado e as vitórias em Natal e Mossoró deram uma ilusão de poderio as oligarquias. Mas as pesquisas em 2018 mostram um cenário desalentador aos três grupos familiares.

Carlos Eduardo não decola nas pesquisas, Rosalba é mal avaliada em Mossoró e Garibaldi nunca iniciou uma campanha tão enfraquecido. Para completar a situação, José Agripino sequer teve condições de tentar a reeleição ao Senado.

O ano de 2018 pode ser o último suspiro das oligarquias em nível estadual, sacrificando talvez o seu quadro tecnicamente mais qualificado, Carlos Eduardo.

O pacto oligárquico tem tempo e meios para virar o jogo em 2018, mas também pode se afogar num mar de repulsa popular que eles parecem não perceber.

Teremos este ano um colapso das oligarquias? É possível que sim.

Compartilhe:

Rosalba indica filho para vice de Carlos Eduardo

Rosados e Alves fecham acordo
Rosados e Alves fecham acordo

Por Octávio Santiago

Portal No Ar

Cortejado por dois pré-candidatos ao Governo do Estado, o grupo político da prefeita de Mossoró Rosalba Ciarlini (PP) tomou sua decisão: vai compor chapa com o ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT) na sucessão estadual. O indicado para vice é o seu filho Kadu Ciarlini (PP).

A composição foi tornada pública pelo próprio Carlos Eduardo na tarde desta quinta-feira (19), após reunião que contou com a presença do prefeito de Natal Álvaro Dias (MDB), do deputado federal Beto Rosado (PP), do ex-deputado federal e presidente do PP no Rio Grande do Norte Betinho Rosado e do esposo de Rosalba, o ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado.

Em contato com o Portal No Ar, Beto disse que o compromisso de formarem um bom grupo para a disputa por cadeiras da Câmara dos Deputados pesou na decisão. “Nós tivemos uma boa conversa. Iremos construir uma nominata forte. Vamos apoiar Carlos Eduardo e lutar pela reeleição”, disse ele.

A indecisão do grupo liderado por Rosalba estava diretamente relacionada ao interesse do PP de reeleger Beto e, por isso mesmo, havia a exigência de que uma boa coligação fosse construída. A outra opção do grupo era apoiar a reeleição do governador Robinson Faria (PSD).

Senadores

Também em contato com o Portal, Betinho Rosado, que preside a legenda, assegurou que o apoio do grupo é extensivo aos pré-candidatos ao Senado Garibaldi Alves Filho (MDB) e Antônio Jácome (Podemos).

“Nós avaliamos que Carlos Eduardo é o melhor nome para governar o Estado. Vamos apoiá-lo e também a chapa inteira. Nossos candidatos são Carlos Esuardo, Garibaldi e Jácome. Kadu será o vice indicado pelo grupo”, reforçou o presidente do PP no RN.

Compartilhe:

Aliança com Carlos Eduardo oferece patíbulo eleitoral a Beto Rosado

Aliança com Robinson é prejudicial a Beto
Aliança com Robinson é prejudicial a Beto

O rosalbismo está prestes a anunciar aliança com o ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT). A decisão recoloca a prefeita Rosalba Ciarlini (PP) ao lado dos algozes de 2014 e terá que fazer algo que não suporta: dar satisfação aos eleitores.

Mas não é só isso.

A aliança para ela pode ser uma boa. Carlos Eduardo é mais competitivo que o governador mais impopular da história do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD). Nesse agrupamento o filho da prefeita Cadu Ciarlini tem chances de se eleger deputado estadual além da indicação de um vice.

O problema da casa de Rosalba estará resolvido.

Mas no lar do deputado federal Beto Rosado (PP) o quadro é diferente. Pouco importa o candidato ao governo, o mais interessante é a coligação proporcional. A leitura dele e do ex-deputado federal Betinho Rosado, seu pai, é de que com Robinson Faria as condições de se reeleger são mais fáceis.

O cálculo é simples: com Carlos Eduardo não existem esteiras e Beto não tem condições de competir com o senador José Agripino (DEM) e o deputado federal Walter Alves (MDB).

Ele brigaria pelas sobras.

Aí entra outro complicador: uma coligação que dificilmente chegaria ao quociente eleitoral como a do Solidariedade, por exemplo, teria condições de conquistar uma vaga através das sobras com as novas regras eleitorais.

Já com Robinson Faria, Beto teria mais chances por estar numa coligação onde o deputado federal Fábio Faria seria o mais votado, mas em compensação ele teria alguma igualdade de condições com Rogério Marinho (PSDB) e uma chance maior de pegar a vaga nas sobras por estar numa coligação com mais esteiras. Calcula-se que mesmo com a vinda do ex-deputado federal João Maia (PR) para o governismo essa coligação poderia fazer até mesmo quatro cadeiras.

Ao anunciar aliança com Carlos Eduardo Alves, o casal Carlos Augusto Rosado e Rosalba Ciarlini pode estar oferecendo patíbulo* ao sobrinho.

* Patíbulo: é a estrutura de madeira colocada em local aberto para executar condenados a forca.

Compartilhe:

Assessoria nega que Henrique tenha assumido coordenação da campanha de Carlos Eduardo

Após ser abordado por vários leitores perguntando se procede que o ex-deputado federal Henrique Alves (MDB) teria assumido a coordenação da campanha do ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT) ao Governo do Estado, o Blog do Barreto entrou em contato com a assessoria do pedetista.

A informação foi desmentida com veemência. Os coordenadores da campanha de Carlos Eduardo são o prefeito de Natal Álvaro Dias (MDB) e o ex-chefe de gabinete da Prefeitura de Parnamirim Homero Greck.

Nota do Blog: a Fake News está aos poucos tomando conta do noticiário nesse período que antecede as convenções. Procure sempre se informar com fontes confiáveis e desconfie de textos compartilhados no Whatsapp sem a origem da informação.

Fique atento.

Compartilhe: