Servidores estaduais bloqueiam entrada do Centro Administrativo

Foto: Clayton Carvalho/Inter TV Cabugi
Foto: Clayton Carvalho/Inter TV Cabugi

G1 RN

Servidores do Rio Grande do Norte protestam na manhã desta quarta-feira (4) na entrada do Centro Administrativo do Estado, localizado na Zona Sul de Natal. A manifestação cobra o pagamento do 13º salário de 2017 e dos salários, que estão em atraso. Esta foi a segunda manifestação do grupo em três semanas.

Os servidores e representantes de sindicatos fecharam a entrada principal do centro por volta das 8h. Foi necessário que os carros entrassem por um desvio ao lado, após a retirada de grades.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Servidores da Administração Direta (Sinsp) Janeayre Souto, há mais de dois anos os servidores públicos estaduais recebem os salários com atraso. A presidente ainda critica o fato de servidores de outros poderes terem recebido a primeira parcela do 13º salário de 2018, enquanto os do Executivo não receberam ainda o de 2017.

Compartilhe:

Décimo terceiro de 40% dos servidores estaduais será pago em até 60 dias

Hoje não foi feiro o pagamento do 13º salário dos servidores estaduais que recebem entre R$ 3.000,01 e R$ 4 mil contrariando a informação divulgada pela presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público da Administração Direta do Estado do Rio Grande do Norte (SINSP/RN) Janeayre Souto.

No entanto, em contato com a comunicação do Governo do Estado o Blog do Barreto recebeu a informação de que os 40% restantes do décimo terceiro estão aguardando tratativas junto ao Banco do Brasil para liberação dos recursos que já foram garantidos via FUNFIR. A previsão é de que isso se resolva em até 60 dias.

Portanto, hoje não tem pagamento do décimo terceiro para quem recebe até R$ 4 mil.

Nota do Blog: a Janeayre Souto vinha sempre antecipando o calendário de pagamento dos servidores estaduais. O Governo do Estado não se manifestou e manteve-se em silêncio. Outro problema é a dificuldade de acesso a essas informações a respeito do pagamento da folha. Sugestão: a comunicação do Governo precisa retomar o controle dessa informação.

Compartilhe:

Governo define data para pagamento de fevereiro para 87% do funcionalismo

O Governo do Estado paga na próxima terça (6) os vencimentos integrais dos servidores da área de segurança, ativos inativos e pensionistas (SESED, SEJUC, DEGEPOL, PM e CBM) e todos os servidores que ganham até R$ 2 mil.

No dia 10 recebem os que ganham até R$ 4 mil, totalizando 97.408 servidores, o que corresponde a 87% da folha. Já receberam em 28/02 os servidores da Saúde, Educação, Detran, IPERN, IDEMA, JUCERN e DEI.

O Governo inicia o pagamento escalonado do 13° em março, até R$ 2 mil, que somam 26.889 funcionários. Os demais receberão nos meses seguintes. O Estado já fez, em dezembro, o pagamento do décimo de outros 23.055 servidores da Secretaria de Educação e órgãos que têm arrecadação própria. No fim de março, terão recebido o décimo quase 50 mil pessoas, o que equivale a 45,47% do total de funcionários estaduais.

Compartilhe:

Robinson busca reconstrução política trilhando os caminhos do desgaste

robinson2-1024x705

O governador Robinson Faria (PSD) não pode desistir da segurança pública nem deve. A questão dos salários do funcionalismo, idem. Mas a forma como essas ações são trabalhadas não podem reproduzir os estragos políticos e administrativos de sempre.

Robinson Faria não tem direito de errar.

O governador ainda sonha com uma cada vez mais distante reeleição, mas tem direito de acreditar que milagres acontecem na política muito embora tenha no vice-governador Fábio Dantas (PC do B) uma alternativa.

Na sexta-feira o governo vai trazer novidades na área de segurança em Mossoró, cidade cuja dívida eleitoral está rolando com juros e correção monetária desde 1º de janeiro de 2015. Robinson insiste em ter na segurança um carro-chefe de seu governo. Até aqui o tiro tem saído pela culatra.

Em outra frente, Robinson que um dia prometeu ser “parceiro” dos servidores estaduais agora acena com salários em dia nos próximos 60 dias após mais de 20 meses descumprindo a Constituição Estadual que determina o pagamento da folha dentro do mês trabalhado. A proposta é difícil de ser cumprida a não ser que o governador tenha no gatilho um aporte financeiro extra para pagar a folha. Até aqui as tentativas fracassaram e geraram falsas expectativas.

Ao contrário de Michel Temer que mudou de assunto trocando o discurso “reformista” pelo combate ao crime organizado, Robinson tenta reverter o desgaste que o persegue há três anos trilhando o mesmo caminho que o tornou o governador mais impopular da história do Rio Grande do Norte.

Se a história se repetir será consumada a insistência no erro, com o acréscimo do nada honroso termo “farsa eleitoral”.

Compartilhe:

Governo chega ao último dia útil do ano sem anunciar finalização da folha de novembro

A equipe do Governo Robinson Faria (PSD) passou o dia queimando pestanas para saber como finalizar a folha de pagamento de novembro. Até agora nem um comunicado oficial via assessoria de imprensa foi divulgado. O que se sabe é o apurado pelo Blog do Barreto: quem recebe até R$ 4 mil está com os proventos garantidos para amanhã.

Quem tem salários acima de R$ 4 mil espera o “vale”, já tradicional no Governo Robinson. A fonte do blog chegou a dar como certo o pagamento de pelo menos essa parte dos salários para quem recebe mais. Tudo depende dos remanejamentos orçamentários.

O tempo e a burocracia jogam contra.

Por isso até agora nada de comunicado oficial.

Compartilhe:

Governo corre risco de não fazer pagamento integral de novembro amanhã

No dia 21 de devembro, o governador Robinson Faria (PSD) anunciou que iria realizar o pagamento total de novembro no dia 29 (ver AQUI). A promessa não será totalmente cumprida.

Só está garantido para amanhã o pagamento de quem ganha até R$ 4 mil. O Governo trabalha para ao menos garantir o “vale” para quem ganha mais ainda no último dia útil do ano. Mas é difícil, segundo o Blog do Barreto apurou.

O pagamento integral dos salários de novembro ainda este ano depende de recursos federais.

Compartilhe:

Robinson Faria transforma salário atrasados em trunfo para aprovar projetos impopulares

Reunião Fórum Servidores_Demis Roussos (2)

Os representantes das entidades sindicais esperavam ao menos um calendário de pagamento dos salários de novembro e 13º salário no encontro de ontem com o governador Robinson Faria (PSD).

Saíram de lá sem ao menos saber se o dinheiro enviado pelo Governo Federal para socorrer o sofrido elefante vai pingar na conta do Governo do Estado. Pior: o governador deixou a hipocrisia de lado e disse não abrir mão de aumentar a alíquota previdenciária de 11% para 14%, baixando os salários líquidos dos servidores. Ele condiciona a colocação dos salários em dia a aprovação dessa matéria na Assembleia Legislativa que terminou adiando a votação.

O governador deixou o encontro sob protestos e prometendo ir a Brasília resolver o problema. Após se reunir com o presidente Michel Temer, Robinson não trouxe grandes esperanças ao servidor que se desespera por não saber como estará nas festas de fim de ano, por não ter ideia de como vai pagar a matrícula dos filhos…

Até agora os potiguares não sabem o custo a ser cobrado pelo aporte financeiro. O governador prega que tudo depende de aprovação dos projetos de austeridade que atacam o servidor público como da alíquota previdenciária.

Veja a que ponto chegou a situação dos servidores: o governador transformou a humilhação imposta aos barnabés em trunfo para aprovar projetos que atacam o futuro de mais de 100 mil pais e mães de família.

Compartilhe:

Atraso salarial não está entre os maiores problemas do governo para o eleitor potiguar

Confronto com servidores é o pior caminho para Robinson (foto: Mídia Ninja)
Foto: Mídia Ninja

Um dos temas mais recorrentes quando o assunto é o governo Robinson Faria (PSD) é o atraso salarial do funcionalismo estadual. Mas para o eleitor potiguar esse não é um tema primordial.

Esse é o maior problema do Governo do Estado para apenas 0.8% dos entrevistados na pesquisa da Consult encomendada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (FIERN). Esse item passou despercebido na maioria dos veículos que abordaram o assunto.

Logicamente a sobrevivência é o que mais preocupa o cidadão potiguar. Daí a segurança é o tema que mais preocupa 39.8% dos entrevistados e a saúde para 20.5%. Primeiro não morrer e bem depois a preocupação com os menos de 3% dos habitantes do sofrido elefante que trabalho no serviço público estadual.

Mas os políticos não se iludam. Atrasar salário pega muito mal com o eleitorado como um todo. Por outro lado, há uma brecha no debate eleitoral do próximo ano para o prefeito de Natal Carlos Eduardo (PDT) que, como o governador Robinson Faria, atrasa salários. Basta desviar o assunto para segurança, por exemplo.

Abaixo o resultado da pesquisa.

MAIORES PROBLEMAS DO RN

SEGURANÇA/VIOLÊNCIA/FALTA POLICIAMENTO: 39.8%

SAÚDE/GREVE NA SAÚDE/FALTAM REMÉDIOS e MÉDICOS: 20.5%

AGUA: 10.8%

DESEMPREGO: 8.4%

SANEAMENTO BASICO/ESGOTO: 1.8%

EDUCAÇÃO/ESCOLAS: 1.7%

SALARIO ATRASADO: 0.8%

CALCAMENTO/PAVIMENTAÇÃO: 0.7%

CRISE FINANCEIRA: 0.6%

POLÍTICOS CORRUPTOS/CORRUPÇÃO: 0.5%

 

Compartilhe:

Robinson tritura imagem da Polícia Militar

PM contra o trabalhador

Os últimos acontecimentos envolvendo os servidores da UERN e da saúde em embates contra a Polícia Militar estão triturando a imagem da corporação, reforçando a pecha de aparelho repressor do Estado. É trabalhador contra trabalhador.

É preciso acima de tudo compreender que os policiais militares são obrigados a fazerem o papel de aparelho repressor do Estado ao coibir as manifestações dos trabalhadores.

É a tal hierarquia.

Por outro lado, é preciso lembrar que há poucos dias esses mesmos policiais ameaçaram cruzar os braços e só não colocaram o plano em prática porque os salários foram colocados em dia.

A polícia, eficiente em reprimir manifestações e prender trabalhadores que cobram por salários em dia, é mesma que não consegue conter a bandidagem e foi lenta na hora de agir em Alcaçuz, há dez meses.

Tudo isso reforça os estereótipos que marcam a Polícia Militar num momento em que a segurança está numa crise profunda. Por Robinson, a corporação vai triturando a própria imagem numa disputa entre trabalhador x trabalhador.

 

 

 

Compartilhe: