A nova tática discursiva para enfraquecer Fátima Bezerra pode ser mais eficiente que o tema da corrupção petista

Fátima é alvo de críticas de Kelps que a apoiou em 2014
Fátima é alvo de críticas de Kelps que a apoiou em 2014

Até aqui a senadora Fátima Bezerra (PT) lidera as pesquisas para o Governo do Estado sem que se apresente um adversário à altura para lhe fazer frente. Há tempo, meios e espaços para que essa zona de conforto seja minada.

Uma coisa é certa: falar do estrago da imagem do PT, associar o nome dela à corrupção do partido e outras táticas manjadas não vai colar. Não adianta falar que Fátima lidera com intenções dentro do limite do partido dela no Estado. A comparação não se aplica porque o petismo não lança candidatos ao Governo do Rio Grande do Norte desde 2002 quando Ruy Pereira obteve 147.380 (11.24%) votos, quase três vezes menos do que indicam as pesquisas para a senadora.

Outro ponto: colar questões nacionais em Fátima Bezerra, por mais que ela se esforce para que isso a atrapalhe, o efeito prático não se estabelece. Não só porque ela lidera as pesquisas, mas porque o ex-presidente Lula (mesmo inelegível) é com folga o candidato ao comando do país entre os potiguares. Na última pesquisa Seta/Blog do BG Lula teve 48% de intenções de voto no RN, mais que a média nacional.

Por outro lado, o foco de Fátima Bezerra nas questões nacionais pode ser o calcanhar de Aquiles da petista se for usado de outra forma e num sentido mais prático para o eleitorado potiguar. Parece-me que o deputado estadual Kelps Lima (SD) achou um ponto fraco que pode colar na cabeça do povo: a omissão da senadora nas questões locais. O vice-governador Fábio Dantas (PSB) viu que a ideia é boa e a atacou também nesse sentido.

Bater em Fátima via PT não pega e até reforça a imagem dela como uma petista não envolvida em escândalos de corrupção graves como mensalão e petrolão.

A questão nacional contra Fátima Bezerra pode ser uma boa estratégia se for invertida a ordem do discurso trazendo algo mais prático como a propalada omissão em temas locais. Fátima Bezerra passou os últimos três anos falando em golpe, defesa de Lula e fora Temer, mas esqueceu de sua melhor pauta: a educação. Desconheço ações da Fátima senadora nessa área como nos tempos da Fátima deputada.

Outros pontos que ela falha é na segurança e área econômica. O Rio Grande do Norte vive uma profunda crise de ideias e a senadora não tem acrescido nada ao debate local nos últimos tempos e esse é um ponto fraco muito mais real e menos abstrato que os tradicionais ataques à petista.

Dizer que Fátima não se preocupa com temas locais é mais devastador do que associá-la à corrupção petista.

Compartilhe: