A Rosa vai murchar em cima do muro nas eleições?

DSC02639

Li no Blog de Saulo Vale a informação da jornalista Anna Ruth Dantas que a prefeita Rosalba Ciarlini (PP) cogita adotar uma postura de neutralidade nas eleições deste ano. A prioridade seria eleger o filho deputado estadual e o sobrinho ser reeleito federal.

Fala-se nos bastidores que ela só desceria do muro no segundo turno, de preferência votando em que tiver mais chances de vitória.

Não seria a primeira vez que ela adotaria tal postura. Há quatro anos Rosalba era uma governadora impopular e cheia rancor no coração. Não queria apoiar o “acordaço” de Henrique Alves nem queria estar vinculada ao vice-governador dissidente Robinson Faria (PSD). Cinco meses antes do pleito, ela já ficara neutra nas eleições suplementares para a Prefeitura de Mossoró.

Encerrados os dois pleitos, sua militância deixou claro que ela dera apoio por “debaixo dos panos”. Fazia sentido. Mas veja a matreirice rosalbista. Ela ficou oficialmente neutra, mas ao final do pleito se posicionou ao lado dos vencedores. A fama de maior eleitora de Mossoró ficou intacta.

A história pode se repetir? Pode.

Faz sentido? Não deveria fazer.

Política é movida também por simbologias. Rosalba vai passando a impressão de ter se tornando uma política que só apoia candidatos majoritários se ela for o nome escolhido ou se tiver alguém de dentro de casa no meio da parada.

Mas tem outro problema aí: o medo de apoiar um candidato derrotado no primeiro turno dentro de Mossoró. Isso colocaria em xeque a sua posição de “maior eleitora” de Mossoró. É esse mito que faz com que o apoio dela seja disputado por todos os candidatos mesmo ela amargando impopularidade.

Não seria a primeira vez que a Rosalba prefeita veria seu candidato ao Governo do Estado não ser o mais no primeiro turno em Mossoró. Em 2002, o marido dela, Carlos Augusto Rosado, era o vice de Fernando Bezerra. Mas o mais votado na segunda maior cidade do Estado foi outro Fernando, o Freire, que tinha como vice o então deputado federal Laíre Rosado.

A diferença foi apertada: 30.017 x 28.465. Wilma de Faria que terminaria vencendo o pleito, e sendo a mais votada em Mossoró no segundo turno com apoio de Rosalba, ficou com 21.968.

Evitar um susto desses talvez ajude a explicar a possível neutralidade. Afinal de contas temos um cenário bem parecido com 2002 com três candidaturas fortes: Fátima Bezerra (PT) que lidera as pesquisas, Carlos Eduardo Alves (PDT) com a estrutura oligárquica do RN e o governador Robinson Faria (PSD) com a máquina pública a todo vapor.

O badalado desdém de Rosalba aos candidatos ao Governo do Estado no fundo pode visar esconder o que é perceptível a olho nu: a Rosa não é a mesma de antes (para saber mais clique AQUI).

Não se trata de subestimá-la, mas de trazer os fatos ao devido lugar. A prefeita governa com muitos problemas e o Mossoró Cidade Junina que sempre ajuda o inquilino de plantão do Palácio da Resistência se revelou um gol contra em ano de Copa de Mundo.

Por enquanto Rosalba é de todo mundo e não é de ninguém num jogo de cena que pode terminar em apoio declarado ou numa capciosa neutralidade como em 2014.

Plantar a Rosa em cima do muro pode ser a confissão sem palavras da queda do potencial de transferência de votos da prefeita.

Em cima do muro a Rosa murcha.

Compartilhe:

Fátima Bezerra aumenta vantagem, mas em cenário desatualizado

0afatima

Num comparativo com a pesquisa Consult divulgada em dezembro de 2017, a senadora Fátima Bezerra (PT) subiu 7% (arredondando). Cresceu acima da margem de erro.

É algo positivo para os planos políticos da petista? É. Mas não há motivos para euforia.

Outro ponto é que o êxito do carnaval em Natal não trouxe ganhos substanciais para o prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT). Ele tinha 11,41% em dezembro e na sondagem realizada entre 24 e 28 de fevereiro avançou dentro da margem de erro para 13,29%.

O mau desempenho de Carlos Eduardo mostra o tamanho do risco que ele tem ao deixar a Prefeitura de Natal para disputar o Governo do Estado.

Fátima agora tem algo em torno de 14% aumentando em 5% a vantagem em relação a pesquisa anterior.

Mas o cenário está desatualizado porque a pesquisa não conta com a presença do deputado estadual Kelps Lima (SD). A exclusão do nome dele na pesquisa estimulada (quando é apresentada uma lista de candidatos) não se tratou de má fé por parte do instituto. Quando a sondagem foi realizada ele ainda não estava no jogo político.

Preconceito

Mais uma vez o nome da vereadora de Grossos Clorisa Linhares (PSDC) não foi incluído na pesquisa do Instituto Consult mesmo o nome dela estando escolhido pelo partido há quase um ano. Engraçado é que Geraldo Melo que sequer está filiado a uma agremiação política e não disputa eleições há 12 anos está na lista da estimulada.

Pura descriminação com a parlamentar.

Confira a pesquisa estimulada realizada em dezembro pelo Instituto Consult

Fátima Bezerra – 20,29%

Carlos Eduardo – 11,41%

Flávio Rocha – 6,59%

Robinson Faria – 5%

Cláudio Santos – 2%

Tião Couto – 1,41%

Branco/nulo/não sabe/nenhum: 53,3%

Pesquisa atual

Fátima Bezerra (PT) – 27,12%;

Carlos Eduardo Alves – 13,29%;

Geraldo Melo (sem partido) – 7,29%;

Robinson Faria (PSD) – 5,35%;

Fábio Dantas (trocando PC do B pelo PSB) – 1,76%;

Tião Couto (PSDB) – 1,29%;

Nenhum – 31%;

Não Sabe – 12,29%

 

Compartilhe:

Mesmo líder nas pesquisas, Fátima Bezerra tem candidatura fragilizada

Historicamente Fátima sempre colou imagem em Lula
Historicamente Fátima sempre colou imagem em Lula

Fala-se que a senadora Fátima Bezerra (PT) lidera porque tem os votos históricos do PT no Rio Grande do Norte. Oscilando entre 20 e 25% nas pesquisas, a parlamentar na verdade bate com folga a média histórica do partido em eleições para Governo do Estado, mas isso não significa que ela seja favorita consolidada a essa altura do campeonato como era Rosalba Ciarlini em 2010, por exemplo.

O PT do Rio Grande do Norte não disputa o Governo do Estado desde 2002 quando Ruy Pereira obteve 147.380 (11.24%) votos.  Esse foi com folga o melhor desempenho de um candidato petista ao Governo. Como não tivemos petistas disputando o executivo estadual nos pleitos de 2006, 2010 e 2014 não há parâmetro que indique que Fátima esteja limitada a um suposto patamar histórico do partido ao oscilar entre 20 e 25% nas intenções de votos.

A favor dela pesa o fato de ter disputado as quatro últimas eleições em nível de Estado sendo vitoriosa em todas. Dos três pelitos para deputada federal foi duas vezes a mais votada (2002 e 2010) e venceu a ex-governadora Wilma de Faria com folga para o Senado em 2014.

No entanto, há muitos pontos que tornam a liderança eleitoral de Fátima frágil. O primeiro deles é até óbvio: a alta rejeição ao PT. Todas as mazelas da legenda vão respingar na senadora que terá dificuldades para se defender num cenário de antipatia generalizada a uma agremiação cuja a imagem dela é impossível de dissociar.

Outro ponto de fragilização para a postulação de Fátima Bezerra é a questão da segurança pública. Com a sociedade cada vez mais preocupada com o tema, o assunto será foco significativo nos debates. A esquerda historicamente tem dificuldades em apresentar soluções para o problema. O discurso da inclusão social como instrumento de diminuição da violência está em crise. Nunca tantos brasileiros foram incluídos no mercado consumidor. Nunca a violência cresceu tanto como nos governos petistas. Esse é um problema que ela terá de lidar.

A crise com o funcionalismo público é outro nó para a senadora Fátima Bezerra. Com histórico de envolvimento na luta sindical ela terá que apresentar soluções para os atrasos salariais fora da cartilha neoliberal. Até aqui não se sabe qual a solução da petista para acabar com os atrasos salariais. Conhece-se apenas as críticas da parlamentar.

Outro aspecto que atrapalha Fátima é o hábito que o PT potiguar sempre teve de nacionalizar os debates em nível estadual e municipal. A parlamentar tem a imagem muito colada em Lula e dependeria de uma candidatura dele a presidente para alavancar o potencial de votos e crescer de forma consistente. O ex-presidente está mais próximo de se tornar um presidiário do que voltar a governar o país.

A liderança de Fátima Bezerra nas pesquisas lembra muito a de outro Bezerra, o Fernando, que liderava até com mais consistência que ela em 2002 (chegou a se especular que ele venceria no primeiro turno) e terminou nem indo ao segundo turno graças a uma alta rejeição.

Rejeição é um dos problemas de Fátima como já escrevi no começo desse texto.

Na política vitórias e derrotas não são determinadas por um único fator por mais que algum seja pinçado e sobressaia a ponto de ser considerado decisivo pelo senso comum. Para minimizar essa fragilidade, Fátima Bezerra precisará fazer uma campanha cirúrgica no discurso e profissional nas ações de campanha para não ser surpreendida.

Compartilhe:

O “Mito” do dinheiro resolver tudo em campanhas eleitorais

cedulas-de-dinheiro-real-moeda-brasileira_1022821

“Na política basta ter dinheiro”. “Perdemos porque faltou grana”. Quem nunca ouviu essas frases numa roda de conversa entre amigos com ou sem a presença de elementos do meio político?

Mas é assim mesmo? É preciso um pouco mais de reflexão e compreensão do processo político e eleitoral.

O dinheiro tem um peso importante nas eleições? Claro que tem. É com a grana que se monta estrutura de marketing, fortalece a ação de cabos eleitorais e se comete os ilícitos que fraudam eleições.

Mas, meu povo, política não é só dinheiro e estrutura. Se não fosse isso Amanda Gurgel não teria tirado mais de 30 mil votos ao se eleger de forma espetacular para a Câmara Municipal de Natal em 2012.

Ah! Mas foi um fato isolado motivado pelo “discurso do cuscuz alegado”. Esse argumento reforça o meu. Amanda abraçou uma bandeira e comoveu a sociedade. Claro que ela não repetiria essa votação quatro anos depois, mas recebeu 8 mil votos em 2016 sem ter qualquer estrutura e só não é vereadora por um erro estratégico do PSTU.

Em 2002, Fernando Bezerra era favorito ao Governo do Estado e dinheiro não era problema. Foi desconstruído na campanha e nem ao segundo turno foi. Quatro anos depois ele tinha mais de 100 prefeitos ao lado dele e muita grana e poder. Foi derrotado por Rosalba Ciarlini ao tentar reeleger-se senador. Pesou a famosa antipatia que o empresário provocava no eleitorado mesmo sendo um dos parlamentares mais eficientes que o Rio Grande do Norte já teve.

Em 2014, Henrique Alves montou um palanque poderoso e tinha muita estrutura. Acabou derrotado pelo sem graça Robinson Faria. Pesou a vontade do eleitor em apostar num nome novo (ainda que velho na prática), a rejeição ao ex-presidente da Câmara dos Deputados e a radicalização da política do interior que rejeitou a união entre contrários na aliança de peemedebista.

Agora surge um grupo de empresários ocupando um espaço monumental na mídia natalense. Sem partido, sem projeto claro e num discurso voltado para a classe empresarial ou “setor produtivo” como eles gostam de chamar. Passa-se a sensação de que ao ignorar os interesses do cidadão médio essa turma acha que só o dinheiro resolve.

Está faltando alguém dar um toque ao pessoal do projeto empresarial que política exige história, posicionamento e carisma.

Só dinheiro não resolve, principalmente em disputas majoritárias.

Compartilhe: