Robinson é rejeitado pela classe política em Mossoró

Robinson apostou tudo em  Rosalba
Robinson apostou tudo em Rosalba

O governador Robinson Faria (PSD) segue com uma situação difícil em Mossoró. A começar com a relação com a elite política da cidade. Ele não consegue juntar em torno de si nem mesmo as forças mais enfraquecidas (e quase esquecidas) da cidade.

O governador deu de ombros ao ocaso do então prefeito Francisco José Junior na aventura da reeleição em 2016. Apostou todas as fichas numa parceria improvável com a hoje prefeita Rosalba Ciarlini (PP).

Não recebeu a atenção esperada. Pelo contrário, levou até uma “chamada” dela em um evento público no Santo Antônio durante lançamento do Ronda Cidadã (ver vídeo abaixo) em março do ano passado.

O passo seguinte foi uma tentativa de aproximação com o enfraquecido grupo da vereadora Sandra Rosado (PSDB). As tratativas não avançaram mesmo com o histórico de amizade pessoal com a deputada estadual Larissa Rosado (PSDB).

A última trincheira que Robinson tentou montar em Mossoró foi com a ex-prefeita Fafá Rosado, um nome pouco comentado nas rodas políticas da cidade e que está no ostracismo desde 2014 quando tentou sem sucesso se eleger deputada federal. Fafá escolheu o esvaziado PSB que está politicamente alinhado com o PSDB do arqui-inimigo sandrismo.

Hoje o principal apoio de Robinson em Mossoró é o vereador João Gentil que está deixando o PV.

O governador terá muitas dificuldades para andar em Mossoró se realmente quer ser reeleito. Em 2014 ele se aproveitou da popularidade estratosférica de Francisco José Junior e do apoio velado de Rosalba para ter uma vitória fundamental no segundo maior colégio eleitoral do Rio Grande do Norte. Foram 52.886 (57,82%) votos no primeiro turno.

Agora tudo pesa contra.

Compartilhe:

Galeno é escolhido o político com mandato mais ingrato com o eleitor de Mossoró

Francisco José Junior no auge da popularidade prometendo que Galeno seria o "deputado de Mossoró"
Francisco José Junior no auge da popularidade prometendo que Galeno seria o “deputado de Mossoró”

O deputado estadual Galeno Torquato (PSD) foi escolhido com 56,48% dos votos pelos leitores do Blog do Barreto como o político mais ingrato com o eleitor de Mossoró.

O percentual é expressivo partindo do pressuposto de que a disputa contou com a presença de outros oito políticos. Juntos eles obtiveram 43,52%.

A decepção com Galeno em Mossoró não é por acaso. Nas eleições de 2014, ele obteve 12.306 votos na segunda cidade do Rio Grande do Norte, ficando atrás apenas da deputada estadual Larissa Rosado (PSB). O desempenho teve papel fundamental do então prefeito Francisco José Junior (PSD) e um grupo de vereadores.

A votação de Galeno em Mossoró equivaleu a 19,44% dos 63.286 sufrágios conquistados pelo deputado em todo o Estado nas eleições de 2014. Tanto que mesmo com atuação apagada na cidade ele tenta formar um grupo de apoio aqui e já fechou com três suplentes de vereador que vão cuidar da campanha dele na cidade.

Galeno foi eleito prometendo ser um “deputado de Mossoró”, mas com exceção do Restaurante Popular do Campus Central da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) não há registro de outras benfeitorias trazidas para a cidade pelas suas mãos. E olhe que o deputado prestigiadíssimo no governo Robinson Faria (PSD), o segundo colocado na enquete realizada pelo Blog no Grupo no Facebook.

O terceiro lugar foi do senador José Agripino (DEM) e o quarto da prefeita Rosalba Ciarlini (PP). Seguida por Sandra Rosado (PSB), Fábio Faria (PSD), Larissa Rosado (PSB) e os senadores Fátima Bezerra e Garibaldi Filho (MDB).

Compartilhe:

Em realidade paralela, Robinson pensa que ainda está em 2014 e é popular

Robinson Faria

O governador Robinson Faria (PSD) se sente em um mundo à parte onde a gestão dele é de excelência, o povo está ao lado dele e está pronto para derrotar toda a classe política do Estado. Pelo menos foi o que ele demonstrou em entrevista aos jornalistas Thaisa Galvão e Eugênio Bezerra da FM Cidade.

Sem qualquer preocupação o calendário ele falava dando a impressão de ainda estar em 2014 ao lembrar que após ser isolado pelos grupos tradicionais acabou vencendo as eleições derrotando Henrique Alves, atualmente um presidiário. “Quando eu saí do governo (após romper com a então governadora Rosalba Ciarlini) todo mundo rompeu comigo. Eu era um ‘leproso’. Ninguém queria nem tomar um café comigo e hoje sou governador do Estado”, disparou.

Cada vez mais isolado, Robinson acredita que o povo está ao lado dele. “Querem me isolar de novo? Que tentem me isolar. Quero ver é me isolar do povo do Rio Grande do Norte”, disparou.

O governador disse ainda que quebrou paradigmas e em três anos fez o que não fizeram em 30 anos. “Isso que é o novo”, argumentou.

Com mais de 85% de desaprovação, governador mais impopular da história potiguar, Robinson disse que pode ser candidato até sozinho. Ele também acredita que a crise acabou e quando começar a explicar o povo perceberá que nasceu “um novo Rio Grande do Norte”. “Quando cortina que escondia o belo for descortinada o belo vai aparecer”, projetou.

Nota do Blog: alguém precisa convencer Robinson Faria a fazer as pazes com a realidade.

Compartilhe:

Voto útil do anti-rosalbista embala reta final da campanha de Tião

img_5910

Para os rosalbistas, a ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP) é um ser mítico, infalível, quase uma divindidade. Inatacável, incapaz de realizar algo que seja contra o povo. A passagem negativa dela pelo governo é fruto de uma trama dos natalenses que odeiam Mossoró por inveja por não ter alguém tão perfeita para liderar os rumos da sociedade.

É uma visão fanática que provoca antipatia dos que possuem o mínimo de bom senso. A encheção de saco nas redes sociais de quem adota esse discurso provoca um efeito contrário. Cria o anti-rosalbismo que se reforça ainda mais quando temas como o Hospital da Mulher, as maquetes do Teatro Lauro Monte e Estádio Nogueirão e tantos outros assuntos vêm à tona.

O anti-rosalbismo com suas peculiaridades se assemelha ao anti-petismo. Alguns petistas, pelo discurso igualmente fanático, geram mais antipatia que simpatia por parte das pessoas de bom senso.

É nesse embalo que o candidato Tião Couto (PSDB) pode reforçar a votação dele. Muita gente propensa a tomar outros rumos nas urnas pode rever a decisão nas próximas 48 horas e votar no tucano com  o objetivo de derrotar a “Rosa de Mossoró”. Guardada as devidas proporções foi isso que aconteceu com Henrique Alves (PMDB) nas eleições para o Governo do Estado em 2014. Foi um sentimento “anti”que também levou as ruas milhões de pessoas para derrubar Dilma Rousseff.

Compartilhe: