Pela primeira vez vereadores são enquadrados na Lei da Ficha Limpa em Mossoró

Izabel, Alex e Manoel estão inelegíveis (Fotomontagem: Blog do Barreto)

Em dez anos de Lei da Ficha Limpa esta é a primeira vez que vereadores de Mossoró são impedidos de serem candidatos por causa da regra que proíbe condenados em segundo instância de disputarem eleições.

A primeira vítima do pleito foi o vereador Alex Moacir (PP), líder da bancada rosalbista na Câmara Municipal. Ele é condenado por corrupção pela Justiça Federal por desvios de recursos na Fundação Vingt Rosado.

Depois foi a vez dos vereadores Izabel Montenegro (MDB) e Manoel Bezerra (PP) de serem candidatos por condenação na Operação Sal Grosso.

Os ex-vereadores Daniel Gomes (MDB) e Claudionor dos Santos (PL) ainda ficaram de fora das eleições pelo mesmo motivo.

Demorou, mas a Lei da Ficha Limpa finalmente gerou efeitos nas eleições proporcionais de Mossoró.

Compartilhe:

Primeira pesquisa com avaliação dos fatos novos na eleição de Mossoró já tem data marcada para divulgação

Super TV vai divulgar pesquisa (Foto: cedida)

A Super TV já tem data para o anuncio da terceira pesquisa realizada em parceria com o Instituto Sensatus. Será a primeira avaliação do eleitorado após o primeiro debate e com os efeitos da declaração do ex-governador Robinson Faria (PSD) em favor do deputado estadual Allyson Bezerra (SD).

A divulgação será na segunda-feira (02/11), no programa Enfoque Político, que começa às 18h40.

A Difusora divulga amanhã números do Instituto AgoraSei que foram coletados antes dos dois fatos novos citados acima.

Além da disputa pela Prefeitura de Mossoró, a pesquisa traz dados sobre a corrida para a Câmara Municipal e avaliações de governos.

As 781 entrevistas serão aplicadas de amanhã, quarta-feira, até sexta-feira, 30.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral, com o número RN-03288/2020.

Compartilhe:

Após incidente com tiros, Cláudia cancela agenda

Apoiadores de Cláudia sofrem susto (Foto: reprodução)

A ex-prefeita Cláudia Regina (DEM) cancelou agenda na Rua Tonheca Dantas, Abolição IV, por causa de um incidente com tiros. Abaixo nota de esclarecimento:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A agenda da coligação Juntos Por Mossoró para a noite desta segunda-feira, dia 26/10, foi cancelada após o incidente de disparo de tiros nas proximidades da Rua Tonheca Dantas, onde estava previamente marcada a concentração para panfletagem por ruas e avenidas da Abolição IV.

O episódio se deu por volta das 19h e, de imediato, a candidata Cláudia Regina (DEM) determinou a suspensão de todas as atividades em pleno respeito e cuidado à integridade física dos profissionais e da população que acompanhava a mobilização.

A democrata lamenta profundamente o episódio e ainda repudia qualquer tentativa de intimidação às mobilizações de rua, como já acontecera anteriormente. Dada a gravidade do caso desta segunda-feira, espera-se medidas cabíveis das autoridades competentes.

Compartilhe:

Só querer derrotar Rosalba não é projeto para mudar Mossoró

Cada eleição tem sua história. A de 2020, em Mossoró, é marcada pela fragmentação da oposição à prefeita Rosalba Ciarlini (PP), candidata a reeleição.

Com pico de 35% de ótimo/bom a prefeita dificilmente seria reeleita em 2020 se em Mossoró tivesse segundo turno. Se assim fosse os candidatos derrotados, em tese, apoiariam o oponente dela, por um questão de lógica.

Mas não temos o “se” porque a realidade impõe a impossibilidade de segundo turno por Mossoró ter menos de 200 mil eleitores. A lógica na política é relativa e existem candidaturas de oposição que lutam para ocupar espaço e se firmarem como lideranças.

Pegando carona na dialética do filósofo Friedrich Hegel Rosalba é a tese. A oposição é antítese e o resultado das urnas será a síntese.

Mas para chegar à síntese é preciso entender que Rosalba tem um terço do eleitorado garantido para si. Outros dois terços, por outro lado, tendem a não votar nela por motivos variados.

A prefeita é 100% conhecida na cidade. Está praticamente com o mesmo percentual de votos há um ano e a parte dos dois terços que não a rejeita só votaria nela caso os candidatos de oposição não se mostrem confiáveis,

Em síntese: dois terços do eleitorado estão em disputa pela oposição. Como não temos segundo turno, não adianta ficar só criticando Rosalba só porque é preciso derrotá-la. É hora de cada um mostrar propostas e dar ao eleitor o direito de saber as fragilidades dos oposicionistas ainda que eles tenham de se acusar entre si.

Propaganda negativa contra adversários é legítima desde que seja sustentada por fatos verdadeiros.

O candidato Allyson Bezerra (SD) estando em segundo lugar tem toda legitimidade de pregar o voto útil contra Rosalba, mas é preciso mostrar que a mudança não pode ser só de sobrenome e origem. Assim como Cláudia Regina (DEM), Isolda Dantas (PT), Ronaldo Garcia (PSOL) e Irmã Ceição (PTB) têm todo o direito de apontar as inconsistências dele por estar a frente na oposição.

A disputa é por um nicho eleitoral que quer mudar os rumos da política local. Não adianta reclamar que atacar Allyson ajuda Rosalba.

Só derrotar Rosalba não pode ser um projeto para Mossoró. Os cinco candidatos de oposição possuem o direito de questionar a prefeita e se questionarem entre si. Se for para ser candidato sem o desejo de furar uma polarização e vencer o pleito que vá pentear macaco.

Compartilhe:

Uma tese sobre o comportamento Cláudia Regina que não se sustenta nos fatos

Cláudia Regina é alvo de especulação ilógica (Foto: TCM Telecom)

Por causa de uma pergunta estúpida dirigida ao candidato Allyson Bezerra (SD) no debate da TCM Telecom foi levantada uma teoria da conspiração de que Cláudia Regina (DEM) estava combinada com a prefeita Rosalba Ciarlini (PP) para atacar o segundo colocado nas pesquisas.

De cara a tese não se sustenta. Cláudia é desafeta de Rosalba. Possui uma profunda mágoa em relação a antiga aliada por motivos que dispensam descrição.

Mas o próprio confronto Cláudia x Rosalba derruba qualquer sustentáculo à tese:

Quem está “combinado” não faz pergunta com esse nível de dureza.

Compartilhe:

As micro disputas da eleição proporcional em Mossoró

Muito se fala da disputa por poder na majoritária, mas existem outras disputas que vão além do direito emanado a partir do voto de sentar na cadeira mais confortável do Palácio da Resistência.

Na disputa proporcional existem micro disputas que vão além da cadeira de vereador, mas pelo poder de representar uma localidade ou segmento da sociedade.

Para começar a apresentar alguns exemplos vamos pelo maior bairro de Mossoró: o Santo Antônio. Lá Zé Peixeiro (PP), Izabel Montenegro (MDB), Omar Nogueira (Patri) e Ozaniel Mesquita (DEM) disputam a confiança do eleitor.

No eixo Alto da Conceição/Belo Horizonte a disputa tem contornos familiares entre Gera (Republicanos) e o tio dele Ricardo de Dodoca (PP), além de nomes fortes como Naldo Feitosa (PSC), Isaac da Casca (DC) e Petras (DEM). É um dos setores mais congestionados de Mossoró na disputa proporcional.

Marrom (DC) disputa com Larissa Rosado (PSDB), Miranda (PT) e Raério (PSD) o eleitorado no Boa Vista.

As Malvinas tem a guerra de votos entre os petistas Ungmar e Plúvia que ainda enfrentam a concorrência de Tony Cabelos (PP).

A Maisa, um dos maiores redutos eleitorais da Zona Rural, tem na disputa Markrut (SD), Genário Marques (PSC) e Coronel  Gomes (PSDB).

O Grande Alto de São Manoel tem eleitorado disputado por Flávio Tácito e Manoel Bezerra, ambos do PP, e o jovem Lucas das Malhas (MDB). Flávio ainda tem predominância no eleitorado católico e sem concorrência na atual conjuntura.

O eixo Barrocas/Paredões, por mais de 20 anos dominado pelo saudoso Chico da Prefeitura, é disputado por Aline Couto (PSDB), Genilson Alves (PROS) e Jailson Nogueira (PODE).

A área que engloba Abolições e Santa Delmira tem como principais nomes Alex do Frango (PV), Rondinelli Carlos (PL), Marquinhos do Povão (MDB) e ainda uma parte é alcançada pela atuação de Raério.

Outro setor bastante disputado é a área Pintos/Rincão que tem Claudionor (PL) e Wellington da Saúde (MDB) tentando se impor como representantes.

Fora dos critérios geográficos, mas dentro do campo religioso o voto evangélico está bem concentrado no PSC que tem como candidatos Lamarque e Mimiu, mas ainda aparecem com força Pastor Mauro (Republicanos) Gideon Ismaias (Cidadania) e Daniel Gomes (MDB).

Outras micro disputas estão em curso. Se você se lembrar de alguma cite nos comentários.

Compartilhe:

Confira a média das pesquisas para prefeito de Mossoró

Mossoró tem seis candidatos a prefeito (Fotomontagem Blog do Barreto)

O Blog do Barreto segue a mesma linha das eleições de 2018 e faz a primeira rodada com a média das pesquisas realizadas neste mês de outubro.

As pesquisas AgoraSei, TS2 e Sensatus divulgadas por respectivamente Difusora, TCM e Super TV mostraram um quadro de polarização entre a prefeita Rosalba Ciarlini (PP) que tenta a reeleição e o deputado estadual Allyson Bezerra (SD).

Eleitores indecisos ou inclinados a votar branco/nulo apresentam média de 22,91% nas três pesquisas.

Confira o quadro:

Candidato AgoraSei TS2 Sensatus Média
Rosalba 31,5% 32,78% 35,8% 33,6%
Allyson 27,5% 24,97% 24,7% 25,72%
Cláudia 10,5% 11,91% 12,2% 11,53%
Isolda 4,2% 3,84% 8,6% 5,54%
Ronaldo 0,8% 0,26% 0,4% 0,48%
Ceição 0 0,38% 0,3% 0,22%
Compartilhe:

Com base na média das três pesquisas quem seriam os 23 vereadores eleitos em Mossoró? O Blog responde

O Blog do Barreto fez um trabalho artesanal de cruzamento de dados das três últimas pesquisas divulgadas em Mossoró (Agorasei, Sensatus e TS2). Somamos os desempenhos dos candidatos e dos partidos e usamos os cálculos nos mesmos moldes do Tribunal Superior Eleitoral para definir quem seriam os 23 eleitos para a Câmara Municipal.

Nove dos vereadores atuais seriam reeleitos. Outros dois ex-vereadores retornariam e 12 novatos estreariam na Câmara Municipal, entre eles a ex-deputada estadual Larissa Rosado (PSDB).

As três pesquisas ouviram 2.162 eleitores sendo que apenas 952 indicaram candidatos que realmente constam na disputa (a entrevista é espontânea). Deste total 1.210 não definiram voto ou indicaram nomes que não estão na disputa eleitoral.

Dos 474 candidatos registrados, 229 foram citados na pesquisa.

Confira quem seriam os eleitos

 

Zé Peixeiro (PP): 36

Markrut da Maisa (SD): 36

Petras (DEM): 30

Naldo Feitosa (PSC) 24

Alex do Frango (PV): 23

Aline Couto (PSDB): 22

Tony Cabelos (PP): 21

Larissa Rosado (PSDB): 21

Isaac da Casca (DC): 21

Izabel Montenegro (MDB)*: 18

Ricardo de Dodoca (PP): 18

Didi de Arnor (Republicanos): 15

Fernando Martins (Cidadania): 14

Raério (PSD): 14

Celso Lanches (PSC): 14

Lawrence (SD): 12

Lucas das Malhas (MDB): 12

De Assis Campielo (PSB): 11

Cabo Tony (SD): 11

Lucélio Guilherme (PATRI): 11

Edson Carlos (Cidadania): 10

Miranda (PT)**: 8

Ninildo (PROS): 8

*Está com registro indeferido. Caso essa situação permaneça entra Lucas das Malhas em seu lugar na vaga direta e o MDB perde a sobra para o DEM que elegeria Ozaniel Mesquita.

**Miranda teve triplo empate com Plúvia e Porfessor Rômulo, mas entra na lista por ser o mais velho.

Como ficaria a distribuição partidária:

PP: 3

SD: 3

PSDB: 2

Cidadania: 2

MDB: 2*

PSC: 2

PSB: 1

Republicanos: 1

DEM: 1

PSD: 1

PV: 1

PT: 1

DC: 1

PROS: 1

Patriotas: 1

*Se o indeferimento do registro de candidatura de Izabel Montenegro for mantido assumiria Ozaniel Mesquita e o DEM faria duas cadeiras.

Nota do Blog: ainda não se trata de nossa tradicional projeção, mas de um trabalho de média das pesquisas realizadas este mês.

Compartilhe: