“Não sou o “novo’”, declara Kelps Lima

221afde6-fec3-4a03-aa4c-403a0c561d2c

Na segunda entrevista com os pré-candidatos ao Governo do Estado realizada pelo Blog do Barreto, o deputado estadual Kelps Lima (SD) falou do projeto político de disputar o Governo do Estado. Ele se coloca como alternativa ao PT e grupos tradicionais da política estadual.

 

Blog do Barreto: O senhor está se colocando como pré-candidato ao Governo, mas condiciona o desempenho nas pesquisas para seguir com o projeto. Não é um mau começo para uma disputa majoritária?

Kelps Lima: Claro que não, muito pelo contrário, é pegar o melhor caminho, dizendo a verdade. Nenhum dos pré-candidatos confirmou sua candidatura oficialmente. Todos estão tentando se viabilizar. Carlos Eduardo também está aguardando o resultado de pesquisas. Isso é mais do que normal. A diferença é que eu sou sincero.

Blog do Barreto: O senhor não é ligado à esquerda, nem a direita e muito menos aos grupos tradicionais. A falta de uma identidade política não pode atrapalhar num cenário tão polarizado como o atual?

Kelps Lima: Quem faz política polarizada faz muito barulho, mas não é maioria. A grande maioria das pessoas não está preocupada com esquerda ou direita. A maioria quer soluções, quer um projeto. Entendo identidade política como outra coisa, com ter um projeto com começo, meio e fim. Ter qualificação na área pública. Até agora só nós do Solidariedade termos investido em qualificação na área pública, em um projeto com começo, meio e fim.

Blog do Barreto: O senhor tem repetido que o problema do Rio Grande do Norte é falta de gestão. Mas o atual governador também falava isso. Não há um risco de se passar para o eleitorado como mais um falastrão?

Kelps Lima: Tenho especialização e mestrado na UFRN em gestão pública. Já recebi alguns prêmios nacionais e internacionais na área. Não sou produto de marketing eleitoral, como Robinson foi. Meu mandato na Assembleia e minha experiência como Secretário de Trânsito de Natal mostram que nossos projetos possuem absoluta viabilidade e todos saem do papel.

Blog do Barreto: O senhor está em um partido de médio para pequeno porte. Como encarar uma candidata do PT e os representantes dos grupos tradicionais?

Kelps Lima: Nasci em uma família pobre, numa casa de uma vila no bairro do Alecrim. Fui o primeiro em todas as gerações de minha família a ter uma carreira acadêmica. Sei o que é posto de saúde, desemprego e ônibus lotado na prática. Você acha que depois de tudo que passei na vida eu tenho direito a ter medo de grupos oligárquicos em nosso Estado. Disputei 3 eleições até hoje, em todas tive mais votos que o candidato do PT.

Blog do Barreto: Falando em PT o senhor tem sido duro nas críticas ao governador e lideranças tradicionais das famílias Alves e Maia, mas com a senadora Fátima Bezerra o senhor tem pego mais leve. É a porta aberta para um entendimento futuro?

Kelps Lima: Não seria justo comparar Fátima com José Agripino e Garibaldi. Contudo, não posso dizer que até agora o projeto de Fátima seja consistente. Ela ainda não colocou o RN em sua pauta, vem falando apenas do Golpe, de Temer e de Lula. Precisa falar mais do Hospital Tarcísio Maia, do recorde de assassinatos no RN, de sermos a 2ª pior educação do Brasil, e propor soluções. O que me parece, até agora, é que Fátima está mais preocupada com os problemas nacionais do PT do que os problemas do Rio Grande do Norte.

Blog do Barreto: O Solidariedade tem construído um grupo de nomes novos, mas sem muita estrutura. Dá para acreditar que é possível conquistar mandatos apenas com o “discurso do novo”?

Kelps Lima: Primeiro não sou o “novo”. Tenho 46 anos, já fui secretario mais de uma vez e estou no segundo mandato de deputado. Fazemos política moderna. Vou lhe dizer por qual motivo acreditamos que é possível. A lógica da Assembleia é os deputados aderirem ao Governo, em troca de “estrutura”, mesmo sem ter votado no Governador de plantão. Eu nunca fiz isso, nunca indiquei um cargo sequer em prefeitura, governo estadual ou federal. Mesmo assim fui o 4º deputado mais votado do Estado e fiquei em 2º lugar para Prefeito de Natal e ainda elegemos a segunda maior bancada da Câmara Municipal. Este ano vamos eleger 3 deputados estaduais, 1 federal e vamos estar competitivos para o Senado e o Governo. Os grupos tradicionais não podem transitar pelo que há de mais novo na política, as redes sociais. Na internet nós ganhamos de goleada.

Sabemos fazer muito, com pouca estrutura, exatamente o que o Estado está precisando.

Blog do Barreto: A UERN é constantemente atacada por setores da mídia de Natal e até mesmo de parte da elite potiguar. O senhor sendo governador faria o que para reverter esse quadro?

Kelps Lima: Precisamos modernizar a UERN, não tem outro caminho. A UERN está sendo vítima dos velhos políticos que não querem que nossos jovens tenham acesso a boa educação. Mas também vem sendo vítima da falta de modernização, é preciso rever muita coisa dentro da UERN para podermos salvá-la.

WhatsApp Image 2018-03-22 at 09.39.35Blog do Barreto: Certa vez em um artigo escrevi que o senhor precisa mais do que um “pau de selfie” para ser eleito governador. Creio que o senhor é consciente disso. Qual é a estratégia para formar uma base para lograr êxito no projeto?

Kelps Lima: A melhor estratégia é ter uma postura coerente, uma boa estratégia, qualificação e boa comunicação. Qual a estrutura de Zenaide? Qual o partido dela? O que faz ela estar tão bem para o Senado? Pensar em estrutura é olhar para o passado. Nosso partido é disparado o que mais cresce no Estado sem uso da máquina pública. Estamos criando uma nova identidade política no Estado, poucos falam disso para não valorizar nosso trabalho. Todo mundo quer se esconder embaixo de rótulos: esquerda x direita, verde x vermelho. Não precisamos dessas embalagens, nosso conteúdo é consistente.

Blog do Barreto: O senhor se posicionou favorável aos servidores no “pacote de maldades” enviado pelo governador, mas reconhece que medidas impopulares são necessárias. Quais seriam as mais urgentes na sua opinião?

Kelps Lima: É preciso resolver a questão da previdência, é inadiável. Mas começar essa solução colocando a conta exclusivamente nas costas do servidor que está com 2 anos sem receber em dia não é justo. Além disso é preciso mudar o perfil da máquina pública, modernizá-la. Temos de ter um projeto econômico estadual para aumentar a arrecadação, conectado com uma boa política para educação, e aí a UERN terá um papel fundamental. Em tempos difíceis a sociedade precisa de líderes qualificados e corajosos. Me preparei a vida inteira para este momento.

Blog do Barreto: Ser candidato ao Senado é uma alternativa?

Kelps Lima: Temos a melhor pré-candidatura ao Senado das eleições deste ano, Magnólia Figueiredo. Uma figura internacional, que só nos deu orgulho. Uma servidora pública qualificada com mais de 30 anos de experiência. Dos nomes colocados até agora para o Senado é a única que não pertence às oligarquias políticas do Estado. Minha alternativa para o Senado já tem nome: Magnólia Figueiredo.

Compartilhe: