Por que homenagear Lenin é “elogiar genocida” e idolatrar Churchill não?

Indianos famintos quando o país era colônia britânica (foto: reprodução)

Por Cynara Menezes

Socialista Morena

Uma semana depois de o secretário de Cultura do governo Jair Bolsonaro cair por simpatizar com o nazismo, dois jornalistas do site The Intercept Brasil resolveram se unir à extrema direita para acusar a esquerda de “defender ditadores e genocidas”. No artigo, publicado nesta quarta-feira, o alvo principal era a deputada federal do PSOL Taliria Petrone, que “ousou” homenagear no twitter o líder da revolução russa Vladimir Lenin pela passagem dos 96 anos de sua morte.

 

Outro criticado pela dupla do Intercept foi o historiador marxista pernambucano Jones Manoel, que, afirma o texto, “não corou em falar publicamente que matar pessoas em uma revolução ‘é uma contingência que acontece’. Fuzilar uma família aqui, matar outros tantos milhões de fome ali, torturar e assassinar indiscriminadamente e promover o terror entre os dissidentes. Assim mesmo. É normal, efeito colateral”. Como se Jones não estivesse falando o óbvio: é óbvio que revoluções armadas resultam em mortes.

Igualando Lenin a Josef Stalin, sobre quem pesa inclusive a suspeita de ter envenenado o antecessor para tomar o poder, os autores do artigo defendem que homenagear o líder soviético é elogiar “ditadores”. Fazem o mesmo com Nicolás Maduro, da Venezuela: para eles, a esquerda não deve defender Maduro da sabotagem, da tentativa de intervenção e do bloqueio dos EUA ao país, porque isso seria idêntico a “apoiar ditadura”, uma atitude pouco “estratégica” no momento.

Eu sou de esquerda e abomino a figura de Stalin. Concordo inteiramente com o escritor cubano Leonardo Padura, para quem Koba era “um psicopata”. Stalin tem todas as características de um: paranoia, complexo de perseguição; era sanguinário, vingativo e cruel. Um genocida. Mas não consigo entender por que os “grandes líderes” do capitalismo na História, afagados e homenageados pela direita, também não são chamados assim.

Tomemos como exemplo Winston Churchill, o primeiro-ministro ídolo do conservadorismo, que “nunca escondeu sua crença na ‘supremacia branca’”, que “considerava os indianos uma ‘raça inferior’” e que “tinha visões antissemitas”, segundo matéria, vejam só, da BBC, a televisão estatal britânica. Churchill “defendeu o uso de ‘gás venenoso’ contra curdos, afegãos e ‘tribos não civilizadas’ –seus defensores dizem que ele se referia ao gás lacrimogêneo. Mas também defendeu o uso de gás mostarda contra tropas otomanas”, lembra a reportagem.

Em janeiro de 2019, Ross Greer, um membro nacionalista do Parlamento da Escócia, causou rebuliço no Reino Unido ao acusar Churchill de ser um “assassino em massa” cujas decisões políticas contribuíram para a “grande fome” que matou cerca de 3 milhões de pessoas na província de Bengala, na Índia, quando o território ainda era colônia britânica, em 1943. A Índia pertenceu à Inglaterra entre 1858 e 1947.

A “grande fome” de Holodomor, na Ucrânia, é reconhecida como “genocídio” por 16 países. Já a “grande fome” de Bengala, na Índia, que levou a um número similar de mortes, não. Stalin é chamado de “genocida”, mas Churchill é louvado como “estadista”

“De acordo com o autor do livro A Guerra Secreta de Churchill, Madhusree Mukerjee, o primeiro-ministro se recusou a atender aos pedidos da Índia por trigo e continuou a insistir para que a colônia fornecesse arroz e combustível para o esforço de guerra”, continua a reportagem da BBC, citando que Churchill disse: “Odeio indianos. São pessoas horríveis com uma religião horrível”. Ele teria culpado os próprios indianos pela fome, acusando-os de “se reproduzir como coelhos”, e questionado por que Gandhi continuava vivo se a situação era tão ruim.

A “grande fome” de Holodomor, na Ucrânia, em 1933, frequentemente utilizada pela extrema direita para equiparar nazismo e comunismo, é reconhecida como “genocídio” por 16 países. Já a “grande fome” de Bengala, que levou a um número similar de mortes, não. Embora tenham estado lado a lado na guerra contra os nazistas, Stalin é chamado de “genocida” pela direita. Mas Churchill é louvado como “estadista”.

Quantos milhões de vítimas o imperialismo britânico fez no total? A União Soviética pós-Stalin apoiou fortemente o Congresso Nacional Africano na oposição ao apartheid na África do Sul. Em 1990, pouco antes de a URSS acabar, Nelson Mandela foi condecorado com o Prêmio Lenin Internacional da Paz.

É sobre História mesmo que se trata esta disputa? Ou é sobre tentar criminalizar uma ideologia em favor de outras? À luz dos fatos e das circunstâncias, não é possível apontar o dedo para os crimes cometidos por governantes ditos comunistas se não for feito o mesmo com governantes capitalistas

Os britânicos, ao contrário, se utilizaram do regime racista sul-africano para espoliar o país de suas riquezas minerais. Considerado o maior diamante lapidado do mundo até 1985, o Cullinan I orna o cetro da rainha Elizabeth, que recebeu dezenas de diamantes sul-africanos de presente desde a juventude. Mas nunca vimos ninguém na direita cobrando a execração da monarca britânica, cujo neto é casado com uma negra, por “opressão ao povo africano”, “racismo” e até “roubo”.

Os britânicos também tiveram campos de concentração na África do Sul, embora muita gente pense que a prática se restringiu aos nazistas. Foram pioneiros, aliás: entre 1900 e 1902, 30 antes dos primeiros Gulags soviéticos, o Reino Unido confinou mulheres e crianças bôere, famílias inteiras deixadas para morrer lentamente de desnutrição ou vitimados por epidemias.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os EUA também mantiveram ao redor de 120 mil pessoas, a maioria delas japonesas, mas com cidadania norte-americana, em campos de concentração, cercados com arame farpado e vigiados por guardas armados. Quem fugisse levava bala. Qualquer semelhança com o que outro ídolo da extrema direita, Donald Trump, faz hoje em dia com os imigrantes latinos não será mera coincidência.

O massacre perpetrado pelo rei belga Leopoldo II no Congo entre 1895 e 1908 continua desconhecido, talvez porque ele não era comunista. A população inteira do país foi subjugada e suas riquezas, roubadas. Alguém aí já viu recorrerem ao genocídio no Congo para atacar o capitalismo?

Tampouco a noção de “holocausto” se restringe historicamente ao que fizeram os nazistas contra os judeus. O massacre perpetrado pelo rei belga Leopoldo II no Congo entre 1895 e 1908 continua desconhecido, talvez porque ele não era comunista. A população inteira do país foi subjugada e suas riquezas, roubadas pelo monarca. Os “desobedientes” tiveram seus membros decepados ou foram mortos. Alguém aí já viu recorrerem ao genocídio no Congo para atacar o capitalismo?

Outro holocausto de que ninguém fala para questionar as brutalidades do capitalismo foi o genocídio armênio durante a Primeira Guerra Mundial, quando cerca de 1,5 milhão de pessoas foram exterminadas pelos turcos. A União Soviética foi um dos primeiros países a reconhecer o genocídio e inaugurou, em 1967, um memorial em homenagem às vítimas armênias. Já os Estados Unidos só reconheceram o massacre armênio como genocídio, por incrível que pareça, no ano passado.

É sobre História mesmo que se trata esta disputa? Ou é sobre tentar criminalizar uma ideologia em favor de outras? À luz dos fatos e das circunstâncias, não é possível apontar o dedo para os crimes cometidos por governantes ditos comunistas se não for feito o mesmo com governantes capitalistas. Não se pode apoiar a invasão do Irã pelos norte-americanos para “libertar os iranianos” se não se apoiar a invasão da Arábia saudita para “libertar os sauditas” –para a esquerda, em ambos os casos, são os sauditas e iranianos que devem decidir seu próprio destino, somos anti-intervencionistas, favoráveis à soberania dos povos, mas quando dizemos isso somos acusados de “defender o Irã”.

Obcecados pela ideia de parecer “isentos”, os dois jornalistas do Intercept defendem que, na “guerra de narrativas”, nossa estratégia seja não “elogiar ditadores”. Se não fizermos isso, sustentam, “continuaremos perdendo”. Ora, durante os anos em que permaneceu no poder, o PT fez exatamente isso: expulsou do partido as “alas radicais”, abriu mão de se definir como um partido socialista, e fez concessões à direita. Foi por “elogiar ditadores” que “perdemos” ou foi porque, pelo contrário, deixamos de encarar batalhas importantes por medo?

Uma “esquerda” que ataca a própria esquerda com argumentos falaciosos da direita é que municia a direita. E uma esquerda que municia os inimigos não me parece nada estratégica. O foco hoje deveria ser tirar o país das mãos dos fascistas, e não colaborar com a tentativa de criminalizar os comunistas. Justiça seja feita, de esmagar nazistas eles entendiam como ninguém.

Compartilhe:

Duas viagens mostram como tudo para a esquerda é mais complicado

Rosalba e Fátima se encontram em viagens com tratamentos diferentes na mídia e redes sociais (Foto: redes sociais de Fátima Bezerra)

A governadora Fátima Bezerra (PT) e a prefeita de Mossoró Rosalba Ciarlini (PP) estão em viagem internacional, inclusive se encontraram no Aeroporto de Lisboa numa das escalas com direito a fotos para arrepiar as tropas virtuais que se “estapeiam” na Internet.

As duas viagens, normais e corriqueiras para governantes, estão recebendo tratamentos totalmente diferenciados.

Fátima no exterior é “farra com dinheiro público”. Já com Rosalba é coisa normal. As diárias da viagem de Fátima logo se tornaram notícia. As de Rosalba não. Pode-se até alegar que a governadora está indo com recursos públicos e a prefeita saiu de Mossoró com dinheiro de uma entidade privada, mas quem você que mantém a Frente Nacional dos Prefeitos (FNP)?

A governadora tirou uma foto na mesa com a comitiva e a informação oficial é que ela estava divulgando queijos da região do Seridó, mas nos memes parece que ela estava enchendo a cara com um bom vinho francês.

Não sou moralista de goela. Não acho absurdo governantes viajarem em busca de investimentos, no caso de Fátima, ou de conhecer experiências internacionais exitosas, como faz Rosalba.

Estamos em tempo de redes sociais inflamadas e prontas para o linchamento, mas está muito claro que quando é com a esquerda vão sempre pegar mais pesado.

Compartilhe:

A direita precisa de Lula ainda mais do que as esquerdas

Por Reinaldo Azevedo

Parece que a direita precisa de Lula — preso ou livre, depende da estratégia de cada um — mais do que as esquerdas. Querem ver?

Agora que já venceu a eleição e que mira na reeleição, é melhor para Jair Bolsonaro que o petista esteja fora da cadeia porque assim pode tentar reunificar a sua tropa. O ex-presidente desperta na direita e na extrema-direita seus piores instintos.

Embora Eduardo e Carlos Bolsonaro tenham expelido nas redes sociais as sandices de hábito, o presidente se calou na sexta. Neste sábado, recomendou a seus seguidores: “Não dê munição ao canalha que está momentaneamente solto, mas cheio de culpa”. O “capitão” está longe de ser um hábil estrategista, mas burro não é. Quer fazer com Lula a dança da polarização,

O governador de São Paulo, João Doria, por sua vez, que tenta criar uma alternativa a Bolsonaro no campo da direita, saiu atirando contra Lula e o Supremo de cara:
A saída temporária de Lula da cadeia não anula os crimes que cometeu. Meu apoio a uma mudança constitucional para condenados em segunda instância serem presos e cumprirem integralmente suas penas. O Brasil quer justiça.”

O governador, vejam ali, quer mudar o Inciso LVII do Artigo 5º da Constituição. Na sede por justiça, os nossos homens justos decidiram esculhambar as chamadas cláusulas pétreas. Na hora em que alguém meter a mão em qualquer dispositivo do referido artigo, ponto final. Tudo será permitido às maiorias de ocasião.

Até o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que não costuma falar bobagem, recorreu às redes sociais — ele ou alguém em seu nome — para escrever o seguinte:
“O STF decidiu que a regra do Código Penal que requerer ‘trânsito em julgado’ é constitucional. O Congresso pode mudar isso; enquanto não, cada caso concreto dependerá dos juízes que condenaram e não do STF… Mãos lavadas: a questão continua”.

Estou lendo os “Diários da Presidência – 2001-2002″, de FHC, um calhamaço, em letra miúda, de 1017 páginas. Era notável a disposição para, em meio às pressões, registrar minudências, tentando lhes emprestar, com frequência, algum alcance teórico.

Eis o FHC de agora: “O Congresso pode mudar isso”… O “isso” é um inciso do Artigo 5º, aquele das garantias individuais e que é cláusula pétrea, segundo dispõe o Artigo 60. Mau sinal.

nota emitida pelo PSDB sobre a saída de Lula da cadeia já nasceu póstuma — vale dizer: já tem um passado notável e nenhum futuro.

“Mas será mesmo que Bolsonaro prefere Lula fora da cadeia?” Trata-se de uma verdade com data, é claro! Precisa se colocar como a única força capaz de vencer a ameaça petista… Assim, para efeitos de propaganda, aquele que não estiver com ele estará com… o PT!

Se for bem-sucedido no seu esforço, ele quer, obviamente, que Lula se dane.

Estou evidenciando neste post que o petista segue sendo a grande referência do não-esquerdismo. Na estratégia de Bolsonaro, um Lula livre é pretexto para reunir as hostes que se dispersaram em grupos que estão se matando nas redes sociais. Para seus adversários de direita e centro-direita, essa conjuração de forças é, obviamente, negativa.

E para Ciro Gomes e seu grupo, a alternativa à esquerda?

Agora, e vamos ver por quanto tempo (ainda voltarei ao tema), aquela frase tantas vezes repetida perdeu validade: “Lula (não) está preso, babaca!”

Compartilhe:

A causa tem que ser mais importante do que quem faz a greve

Greve dos caminhoneiros é justa. A causa é o mais importante
Greve dos caminhoneiros é justa. A causa é o mais importante

Quando professores param são chamados de vagabundos. Quando o MST bloqueia uma estrada é acusado de criminoso. A esquerda defende os movimentos. A direita detona.

Agora com a paralisação dos caminhoneiros o quadro é diferente. Ninguém os acusa de vagabundos ou criminosos. Muito pelo contrário há um apoio de quase 100% da população. A esquerda peca por não dar um apoio mais incisivo a essa categoria fundamental para o desenvolvimento da nação.

Os caminhoneiros não atrapalham o direito e ir e vir da população e isso faz toda a diferença para que o movimento seja simpático ao gosto popular muito embora as reivindicações da categoria se confundam com os dos patrões provocando suspeitas de loucaute (termo usado para casos em que patrões se aproveitam de protestos dos trabalhadores para tirar proveito da situação), uma prática ilegal.

Num país dividido como o Brasil o que menos importa é a causa. O mais importante é quem defende a causa. Lutar por educação, moradia e terra para plantar é uma causa apropriada pela esquerda. As pessoas que não simpatizam com esse espectro político correm para detonar.

A questão dos caminhoneiros não possui participação dos movimentos sociais ligados aos partidos de esquerda. Logo quem não gosta do MST e CUT os apoia e ainda faz questão de comparar as situações mostrando que os caminhoneiros são mais eficientes em “parar o Brasil”.

Ninguém parece disposto a discutir as causas. A dos caminhoneiros é justa. A dos outros movimentos sociais também é.

Precisei viajar de avião na semana passada e fui prejudicado de alguma forma por causa da paralisação e aceitei de bom grado o sacrifício porque mais importante do que chegar logo em casa é a causa justa que está em discussão no país.

Também não sou ingênuo a ponto de não saber que a luta justa é da categoria e não do país. Parte das reivindicações nos beneficia, mas é preciso separar as coisas. O Governo de Michel Temer está focando a solução em cima dos preços do diesel e não em todos os combustíveis e isso pode ser uma armadilha para mais a frente jogar o povo contra os caminhoneiros. Afinal o cidadão comum usa gasolina ou álcool nos seus veículos.

Os governos são craques em jogar a população contra grevistas. Professores sabem disso muito bem. Em tempos de criminalização dos movimentos sociais a esquerda precisa rever as estratégias e aprender um pouco com os caminhoneiros, mas a parcela da população também precisa entender que mais importante do que quem faz a greve é a causa.

 

Compartilhe:

A direita de facebook é ridícula, a esquerda é insuportável

extremos

Por Gregorio Duvivier

Todo dia é dia de treta. Outro dia alguém reclamava do termo em inglês pra quem não tem filhos, “childless”, porque “parece que existe uma desvantagem, já que o sufixo ‘less’ indica uma falta”.
O reclamante advogava então pelo termo “child free”: “livre de crianças”. Imediatamente surgiram pessoas ofendidíssimas com o termo que tinha acabado de surgir. “Child free” perpetua a ideia de que só as mulheres sem filho é que são livres.
Inicia-se então uma briga interminável entre os childless e os child free, em que ninguém pareceu lembrar de que esse problema não existe na língua portuguesa. Sem saber a qual turba aderir, falando inglês mal e porcamente, resolvi abandonar de vez o Facebook, até porque ia ganhar uma filha, e quem se envolve nesse tipo de discussão só pode ser childless —ou child free.
A diferença entre direita e a esquerda é que a direita é ridícula, mas aesquerda é insuportável. Enquanto a direita virtual passa o dia se preocupando com quem você transa ou o que você fuma, a esquerdadedica horas ao que você veste e ao que você diz.
A direita diz quais drogas você pode consumir, a esquerda diz quais os termos e as fantasias de Carnaval que você pode usar. Uma regula as substâncias e os corpos, a outra regula a linguagem e a vestimenta.
Ninguém parece, de fato, se incomodar com os animais que nos governam, o imposto regressivo, as leis reprodutivas, a escalada do fascismo.
Enquanto a direita passa o dia na internet xingando Boulos, Paula Lavigne, Emicida, Criolo, Chico Buarque, Jean Wyllys, a esquerda deFacebook —pasme— também. Os inimigos de ambos os lados são os mesmos: quem tá, de fato, tentando fazer alguma coisa.
A treta, esse esporte nacional, se distingue da discussão por um dado fundamental: os envolvidos pertencem ao mesmo campo e concordam sobre tudo menos sobre quem é a pessoa certa pra enunciar aquilo. Atreta é uma briga territorial. “Concordo com você, mas quem deveria dizer isso sou eu.”
Nunca pedi nada a ninguém, que eu me lembre. Não pedi voto, não pedi aplauso, não pedi nem carinho.
Não pedi sequer pra escrever essa coluna. “Você não me representa!”, gritaram ao longo dessa semana os narcisistas da pequena diferença. Não represento mesmo, graças a Deus.
Escrevo porque me chamaram, e enquanto quiserem meus serviços por aqui vou continuar escrevendo, porque gosto e porque tenho vontade. E deixa eu voltar pra minha child que eu não to free.

Compartilhe:

Porque as mortes da PM catarinense e da vereadora carioca provocam comoções diferentes

1522198506646801

O Brasil está muito estranho. Estamos sendo obrigados a ter que explicar o óbvio que muitos não percebem num ambiente toscamente polarizado entre “coxinhas” x “mortadelas”, “bolsominions” x “petralhas”.

Em primeiro lugar mortes são mortes. As famílias vão sofrer uma dor inimaginável que não temos condições de mensurar. Mas o que vai comover os estranhos são as circunstâncias. São eles que vão gerar mais falatório.

O interesse da mídia também vai variar conforme alguns aspectos como a localização geográfica da tragédia ou o apelo das pessoas envolvidas. A morte de um ator jovem comove muito mais do que a de artista beirando os 100 anos.

Eu mesmo já fiquei indignado com as diferenças de tratamentos que levam em conta a localização geográfica porque entendo que a vida humana tem o mesmo valor nos EUA ou na África. Mas a minha crítica se refere a tragédias climáticas e atos terroristas, há uma assimetria na desgraça com comoções diferentes na mídia.

Um latrocínio (assalto seguido de morte) e uma execução são crimes de homicídio de naturezas diferentes. A vítima do latrocínio é escolhida ao acaso. A vítima de uma execução é alvo de uma morte planejada e o motivo é variado como as ideias que defende ou simplesmente por ser mulher, negra ou homossexual.

O Rio Grande do Norte está chocado com a morte da policial militar catarinense Caroline Pletsch. Mas setores conservadores querem impor nas redes sociais que a comoção pela morte dela seja igual a da vereadora carioca Marielle Franco. Isso não vai acontecer porque foram tragédias de naturezas diferentes. Uma vítima da banalização da violência. Outra alvo de uma execução com fortes indícios de crime político.

Não por ser uma homossexual e outra heterossexual. Não porque uma era negra e a outra branca. Não é porque uma lutava pelos direitos humanos e outra policial (como se policiais não pudessem lutar por justiça e quem luta por justiça não pudesse defender os policiais).

No caso de Marielle, o fato dela ser mulher, negra e homossexual gera uma carga simbólica maior por ela reunir em si alguns dos grupos mais discriminados no país. Mas o fator principal é ser vítima de um crime de execução com forte indício de motivação política, repito. É muito parecido com o assassinato da freira Dorothy Stang, assassinada em 2005 por sua atuação em defesa dos menos favorecidos no conflito por terras no Pará. A religiosa estadunidense não era negra nem homossexual e, ainda por cima, era do país onde um tiro para cima tem repercussão mundial. A morte dela gerou comoção por ter uma motivação política.

Reforçando para quem ainda não entendeu a diferença dos casos:

  1. Caroline Plescht: foi assaltada como qualquer um de um de nós pode ser;
  2. Marielle Franco: foi vítima de um crime premeditado após sofrer ameaças por sua atuação política.

Resumindo: a vida de Caroline Plescht é tão importante quanto a de a Marielle Franco. A comoção no caso desta última é pela natureza do crime.

Caroline Pletsch foi vítima de um assalto, lutou bravamente para conter os bandidos. Já tive um amigo de infância, também policial, que morreu tragicamente dessa mesma forma, por coincidência em um lugar muito próximo ao da tragédia da segunda-feira.

A questão aí é de segurança pública, é do risco exposto aos turistas que visitam o Rio Grande do Norte e da morte de uma pessoa que estava apenas querendo descansar (um direito de todos) e conhecer as nossas belezas naturais.

O caso de Marielle foi outro. Ela foi executada após fazer denúncias de violência contra negros pobres em comunidades carentes. Morreu em defesa de uma causa.

Aqui em Mossoró a cidade está comovida com a história da professora Márcia Regina que foi vítima de doze cutiladas de tesoura pelo próprio marido. Mas aí já é um outro tipo de comoção. A reflexão provocada por um caso desse é diferente da de Marielle Franco e da Caroline Plescht. Trata-se de uma tentativa de feminícidio.

As pessoas que cobram o mesmo tratamento entre Marielle Franco e Caroline Pletsch não estão incomodadas com a maior ou menor atenção de um e outro caso. A questão é política: é sobre quem se “apropriou” do cadáver.

A última preocupação em um e outro caso é com a dor das famílias. A dor pela morte de um ente querido derrapou na política rasteira.

Ps.: trecho que trata das ameaças à Marielle Franco suprimido por equívoco do autor.

Compartilhe: