Visita de ministro evidencia desdém a bancada federal do RN e uso da máquina pública para palanque de Fábio Faria e Marinho

Fábio Faria e Rogério marinho recepcionam ministro em evento que excluiu autoridades (Foto: redes sociais)

Ontem o ministro Tarcísio Freitas visitou Natal onde inaugurou a 1ª etapa do Complexo Viário do Gancho de Igapó. Ele esteve acompanhado dos colegas potiguares Rogério Marinho (desenvolvimento regional) e Fábio Faria (comunicações).

Chamou a atenção do meio político além do já tradicional desprezo à governadora Fátima Bezerra (PT) por parte do Governo Federal, uma indelicadeza institucional, diga-se de passagem, a exclusão da maioria esmagadora da bancada federal do Estado.

Nenhum senador presente. Dos oito deputados somente General Girão (PSL), Walter Alves (MDB), Beto Rosado (PP) e João Maia (PL) estava presentes. Eis um fato que mostra o desdém que o Governo Bolsonaro trata os parlamentares do Rio Grande do Norte.

Eventos desta natureza costumavam reunir todos os membros da bancada federal independente do viés político.

Outro aspecto da visita que saltou aos olhos foi a estratégia de montagem de palanque para 2022. Com a governadora e os demais membros da bancada federal excluídos, o espaço ficou para Rogério Marinho (sem partido) e Fábio Faria (PSD) brilharem.

Marinho anunciou R$ 29,8 milhões para as barragens de Oiticica e Passagem das Traíras. Já Fábio inaugurou, de forma inusitada, um ponto de internet na Reta Tabajara.

A promoção de ambos parece despretensiosa, mas a exclusão dos membros da bancada federal da agenda tem foco nas eleições de 2022.

Daí o abraço na política menor.

Compartilhe:

Natália Bonavides denuncia Fábio Faria ao MPF

Bonavides denuncia Faria por violar o princípio da impessoalidade em favor de Bolsonaro (Foto: cedida)

A deputada federal Natália Bonavides (PT-RN) apresentou notícia de fato no Ministério Público Federal contra Fábio Faria, ministro das Comunicações, e Fábio Wajngarten, secretário de comunicação, por improbidade administrativa, uma vez que violaram o princípio da impessoalidade ao utilizarem os meios de comunicação institucional do Governo Federal para promover pessoalmente o presidente da República Jair Bolsonaro.

Em 31 de dezembro, na conta oficial da Secretaria Especial de Comunicação Social, foi publicada uma imagem com foto do presidente e mensagem celebratória, ferindo a Constituição Federal que determina que canais institucionais devem ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, e que veda a disposição de nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos.

Para Bonavides, é fundamental a apuração dos fatos, uma vez que estes violam o princípio da impessoalidade: “Temos um exemplo clássico de ato de improbidade administrativa, tão clássico que é justamente esse tipo de exemplo que professores de direito recorrem como ferramenta pedagógica para que estudantes entendam o que é ato de improbidade administrativa”.

A deputada também destaca que essa não é a primeira vez que o Governo Federal desvirtua a função de sua comunicação oficial, o que já a motivou a protocolar representação sobre temas similares, como no caso do uso da EBC para proselitismo político na transmissão do jogo do futebol entre as seleções do Brasil e do Peru.

“Não existem dúvidas. Trata-se aqui de flagrante utilização da estrutura da Administração Pública para promoção pessoal do presidente da República. Espero que o Ministério Público Federal apure brevemente os fatos e, ao fim, tome as providências pertinentes”, declarou Natália.

Compartilhe:

Robinson acompanha Allyson em agenda em Brasília

Robinson registra agenda com Allyson. Prefeito eleito omite

O ex-governador Robinson Faria (PSD) acompanhou o prefeito eleito Allyson Bezerra (SD) em agenda realizada com o ministro das comunicações Fábio Faria (PSD) em Brasília.

A agenda não foi divulgada pela assessoria de comunicação nem pelas redes sociais do prefeito eleito. Só Robinson Faria tratou do tema no Instagram.

“Reunido agora com o ministro Fábio Faria (@fabiofaria55) com o prefeito eleito de Mossoró, Allyson Bezerra (@allysonbezerra.rn) e o vice-prefeito Fernandinho (@fernandinhodaspadarias). Na pauta a soma de esforços para o desenvolvimento de Mossoró!”, disse Robinson.

Rogério Marinho recebe prefeito eleito e vice (Foto: cedida)

Já em agenda divulgada pelo próprio prefeito eleito ele também foi se encontrar com o ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho (PSDB). “Solicitamos o apoio e empenho do ministro nas pautas apresentadas, que com certeza beneficiarão o nosso povo potiguar”, disse o prefeito eleito.

Allyson ainda divulgou que esteve no Ministério da Saúde, no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), no Ministério da Educação e na Fundação Nacional da Saúde (FUNASA).

A agenda tem companhia do vice-prefeito eleito Fernandinho (PSD).

Nota do Blog: na campanha Robinson Faria declarou apoio a Allyson Bezerra que tentou minimizar a aproximação política. Agora ele omite que esteve com o ex-governador.

Compartilhe:

Ministros viram alternativas da direita no RN para 2022

Fábio Faria e Rogério Marinho com o presidente Bolsonaro (Foto: Web/autor não identificado)

A política é capaz de gestar reviravoltas inimagináveis. Ao fim das eleições de 2018, parte da massa das redes sociais celebrava a derrota de Rogério Marinho como um “castigo” por apoiar medidas impopulares como a reforma trabalhista.

Ainda havia o melancólico fim da passagem de Robinson Faria (PSD) que enfraqueceu o deputado federal Fábio Faria (PSD) que se reelegeu com dificuldades.

Hoje os dois são ministros (respectivamente do desenvolvimento regional e comunicações) e cotados para voos maiores na política potiguar. Com os oligarcas das famílias Alves, Maia e Rosado em baixa há um vácuo no campo da direita no Rio Grande do Norte para 2022.

Especula-se (e se força a barra também) que Fábio Faria disputaria o Senado e Rogério Marinho o Governo do Estado ou vice e versa.

Pouco se leva em conta que Fábio mal aparece no Estado e tem residência fixa em São Paulo onde mora com a esposa Patrícia Abravanel, filha do empresário Sílvio Santos. Rogério tem mais ligações com o Estado, mas tem pouco apelo popular.

Neste campo eles ainda terão que enfrentar o melhor quadro dos oligarcas, o ex-prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT), e o senador Styvenson Valentim (Podemos).

Por enquanto os ministros vão tentando ocupar os espaços de forma artificial. Se vão se viabilizar será uma outra história.

Compartilhe:

Fábio Faria é mais um ministro de Bolsonaro com covid-19 e anuncia que está tomando hidroxicloroquina

Fábio Faria testou positivo para covid-19 (Foto: Web/autor não identificado)

O potiguar Fábio Faria (PSD) é o 12º ministro do governo do presidente Jair Bolsonaro a testar positivo para covid-19.

Ele anunciou nas redes sociais informando que está bem e tomando azitromicina e hidroxicloroquina. Confira o vídeo:

Compartilhe:

Rogério Marinho se esconde sobre saída da Petrobras do RN e deixa Fábio Faria como bucha de canhão

Fábio Faria se expôr enquanto Rogério se calou a respeito de decisão do Governo Bolsonaro (Foto: Web/autor não identificado)

Ontem completou uma semana que a Petrobras anunciou que venderia todos os ativos restantes no Rio Grande do Norte. Na prática é a estatal dando um pé nas nádegas no sofrido elefante.

Assim que o assunto veio à tona esquerda e direita se armaram para o debate público. Outros preferiram o silêncio cúmplice.

O ministro das comunicações Fábio Faria (PSD) se armou para cima da governadora Fátima Bezerra (PT). No meio disso, o também ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho (sem partido) fingiu ser um político paulista, ou seja que não tem nada a ver com a história, e deu de ombros. Nenhuma menção ao assunto nas redes sociais.

Rogério não quis botar as digitais na história por ter planos majoritários para 2022. Assim ele deixou o colega Fábio atuar como bucha de canhão absorvendo o desgaste de defender a saída da estatal chegando ao cúmulo de anunciar que nada faria por ser uma decisão de um “governo liberal”.

Resta saber qual comportamento ganhou mais pontos com o presidente Jair Bolsonaro nessa história.

Compartilhe:

Fábio Faria deixa claro que não vai lutar pela permanência da Petrobras no RN: “Governo liberal”

Fábio Faria se junta com dirigentes da Petrobras para tratar saída da estatal como fato consumado (Foto: reprodução)

Em um vídeo postado nas redes sociais o ministro das comunicações Fábio Faria deixou bem claro que não vai interceder juntos ao presidente Jair Bolsonaro para que a Petrobras não só permaneça no Rio Grande do Norte como retome os investimentos.

Fábio aparece reunido com os dirigentes da Petrobras Roberto Furian Ardenghy (diretor executivo de relacionamento institucional), Fernando Borges (gerente executivo de relacionamento externo) e João Romeiro (gerente de relacionamento com poder público federal).

Em sua fala ele volta a criticar a governadora Fátima Bezerra (PT) a quem acusa de ter se limitado a criticar o presidente. “Em dezembro de 2019 o presidente Roberto (Castello Branco) anunciou para o mundo inteiro, o Brasil inteiro que eles iriam se desfazer dos campos rasos e campos terrestres e ele não recebeu nenhuma ligação da governadora tratando desse tema”*, garantiu.

Ele alegou ainda que a Petrobras está em uma outra fase. “A Petrobras pertence a um governo liberal e não é mais um puxadinho do Governo”, declarou.

Segue abaixo o vídeo com as falas de Fábio e dos diretores da Petrobras:

*Das duas uma ou Fábio Faria está mentindo sobre a omissão da governadora ou enganaram ele. Numa rápida conferida no Google detectamos que Fátima Bezerra esteve reunida com Roberto Castello Branco em fevereiro deste ano e recebeu dele a garantia de que a Petrobras não deixaria o Estado. Inclusive o próprio Roberto Ardenghy que participa do vídeo acima esteve presente.

Segue o link:

http://tribunadajustica.com.br/em-nova-reuniao-fatima-trata-de-permanencia-da-petrobras-no-rn/

Compartilhe:

Governo emite nota rebatendo acusação de ministro

Petrobras está de saída do RN (Foto: Web/autor não identificado – Imagem meramente ilustrativa)

O ministro das comunicações Fábio Faria (PSD) acusou a governadora Fátima Bezerra (PT) afugentar empresas do Rio Grande do Norte ao falar sobre a saída da Petrobras do Estado. O Governo do Estado rebateu a crítica do deputado por meio de nota:

Gestão do Governo do RN tem atuado para garantir investimentos das empresas no Rio Grande do Norte

 

Desde que assumiu o Governo do Estado, a governadora Fátima Bezerra tomou diversas medidas para tirar o Rio Grande do Norte da “idade da pedra” no ponto de vista da Legislação Tributária, proporcionando mais competitividade com relação aos Estados vizinhos. Ano passado foi sancionada a Lei que criou o Programa de Estímulo ao Desenvolvimento Industrial do Rio Grande do Norte (Proedi) – com vigência até 2032 – uma medida que passou a dar mais segurança jurídica aos empresários, investidores e garantia de mais empregos e manutenção dos já existentes para a população potiguar. Da mesma forma, sancionou a Lei que alterou o marco legal do Fundo de Desenvolvimento Comercial e Industrial do RN (FDCI), para pagar compensações financeiras para os municípios. Ou seja, realizou importantes revisões de regimes tributários que impactaram o comércio, serviços e o turismo. Atuação essa que inverteu a tendência de migração de empresas do RN para outros territórios, o que vinha acontecendo em anos anteriores. Além disso, decretou a redução da cobrança de impostos no querosene de aviação (QAV) para as companhias aéreas, que evitou o colapso no turismo e aumentou, significativamente, o número de voos domésticos para o Rio Grande do Norte.

A atual gestão encontrou um Estado quebrado. Com quatro folhas de pagamento do servidor estadual em atraso. Para aqueles que falam em competência administrativa, herdeiros desse passivo que deixou o Estado em completa agonia, ou esquecem rápido a realidade ou agem por completa má fé.

A saída da Inframérica, por exemplo, da administração do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante, bem como a ameaça atual da saída da Petrobras nada tem a ver com a gestão estadual. Muito pelo contrário. Se dependesse do Governo do Estado, a Petrobras jamais sairia do Rio Grande do Norte, ameaçando o emprego de 5.476 trabalhadores diretos – sem contar os indiretos – bem como a retirada de investimentos econômicos e sociais nos Municípios onde a estatal atua.

O Governo do Estado não é contrário a investimentos da iniciativa privada. Mas, em se tratando da saída da Petrobras, isso configura ameaça e desmonte do que já está consolidado há 47 anos. Para isso, basta vermos os números: a indústria de petróleo e gás é o principal segmento do setor industrial potiguar. Em 2018 respondeu por 52,4% do PIB da indústria do Rio Grande do Norte. O segmento de petróleo e gás paga cerca R$ 531 milhões ao ano de salários e remunerações. Representa um terço de todo os salários pagos na indústria potiguar. Ano passado, a indústria de petróleo e gás gerou em solo potiguar, R$ 425 milhões entre royalties e participações, sendo R$ R$ 226 milhões para os municípios, R$ 173 milhões para o Governo do Estado e R$ 25 milhões para os proprietários de terra. Em um período de 20 anos (2000-2020) foram produzidos no RN 465,85 milhões de barris de petróleo, que ao preço atual do barril (US$ 46,37) valeria US$ 21,6 bilhões, os quais, convertidos em real ao câmbio do dia representa um montante de R$ 120,5 bilhões.

Portanto, fica a pergunta para aqueles que estão minimizando a saída da Petrobras no Estado: a população do Rio Grande do Norte merece perder a fonte de investimentos gerada pela Petrobras?

A governadora Fátima Bezerra faz parte de uma linhagem de políticos que sempre defendeu a soberania da Petrobras, por compreender que a estatal gera tanto para o Brasil quanto, especificamente, para o Rio Grande do Norte, riquezas e garantia de empregos diretos e indiretos, além de inúmeros investimentos sociais e econômicos para os Municípios. Portanto, defender os interesses reais do Estado, sem cor partidária, é o principal foco do Governo do Estado.

Compartilhe:

Saída da Petrobras: Fábio Faria justifica a própria omissão transferindo culpas

Ministro sobre nova postura de Bolsonaro: "Ninguém aguenta briga ...
Fábio Faria é ministro próximo ao presidente, mas não tentou influenciar contra a decisão (Foto: Web/autor não identificado)

O dia é 1º de fevereiro de 2007. Nesta data os deputados estaduais tomaram posse e elegeram Robinson Faria para presidir a Assembleia Legislativa pela terceira das quatro oportunidades em que esteve no cargo.

No discurso, bem escrito por sinal, Robinson Faria alertava que era questão de tempo a Petrobras deixar o Rio Grande do Norte. O legado não passaria de um tremendo passivo ambiental para o nosso Estado.

Faria tinha razão e o cenário que parecia distópico e distante se concretizou.

Naquela mesma data Fábio Faria assumia o primeiro dos quatro mandatos como deputado federal usando na campanha uma versão de uma música da banda Ferro na Boneca em que a palavra “Patifaria” era trocada por “Vote Fábio Faria”.

De fato o Rio Grande do Norte não se preparou para a saída da Petrobras. Os ex-governadores Tarcísio Maia, Lavoisier Maia, José Agripino, Geraldo Melo, Garibaldi Filho, Wilma de Faria, Rosalba Ciarlini e Robinson Faria (o mesmo autor do discurso citado no início do texto) não planejaram nada neste sentido. Com Fátima Bezerra não foi diferente.

Fábio tenta jogar culpa do PT de quem sempre foi aliado (Foto: Web/autor não identificado)

Agora Fábio, que sempre foi omisso sobre o grandes temas do Estado, na função de ministro influente no Governo Bolsonaro não procurou o presidente para fazer uma intervenção para manter a Petrobras no Estado. Nem ele nem Rogério Marinho, que goza do mesmo status.

Fábio em vez de fazer uma autocrítica, calculou a fala e o argumento retórico para jogar a culpa na governadora e inflamar o bolsonarismo local que anda caçando argumentos na terra de Poti. “Na gestão da atual governadora, grandes empresas já deixaram ou ameaçam abandonar o Estado devido à sua incapacidade administrativa, como a Inframérica, que desistiu do Aeroporto de São Gonçalo”, disse ao Agora RN.

Ele não cita as outras grandes empresas e a que ele cita não deixou o por dificuldades com o Governo do Estado e sim pela crise econômica impactada pela queda no tráfego de passageiros e pela defasagem nas tarifas de navegação. Outro ponto que pesa contra o aeroporto é a distância dele para Natal. Fábio até ensaiou usar seu prestígio para reverter a saída da Inframéerica do Aeroporto de São Gonçalo em nível de Agência Nacional de Aviação (Anac) que onde se resolveria o impasse.

Ficou na promessa.

A gora é um fato que no governo do pai de Fábio, a Ambev fechou a fábrica dela no Rio Grande do Norte gerando uma perda de 300 empregos. Neste caso foi obra e graça de Robinson Faria que decidiu aumentar as alíquotas do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Em 2015, o empresário Flávio Rocha, repetiu a declaração que dera na gestão de Rosalba: o RN é o pior ambiente para se fazer negócios.

Voltando a Petrobras, a colega Thaisa Galvão relatou que em 2017 já estava em curso o desmonte da Petrobras no Rio Grande do Norte com os investimentos despencando 77%. Ela resgatou matérias em que Robinson fazia o mesmo que Fátima está fazendo: tentar se reunir com os dirigentes da estatal para reverter o quadro.

Robinson cumpria o papel de cobrar exatamente como Fátima faz hoje. É pouco? É.

O ministro Fábio Faria prestaria um serviço mais relevante ao Rio Grande do Norte se deixasse de lado a retórica que só ganha eco em ouvidos bolsonaristas e desavisados e em vez disso buscasse uma conversa com Bolsonaro para convencer o presidente a mudar a estratégia da Petrobras em nosso Estado mantendo o seu funcionamento e retomando os investimentos que entraram em declínio nas gestões petistas.

O problema é que Fábio apoia a saída da empresa para ser substituída pelo capital privado pagando a tabela mínima dos royalties, gerando menos empregos e detonando algo em torno de 50% do Produto Interno Bruto (PIB) do Rio Grande do Norte.

Quando não se tem argumentos se vai ao ataque. Fábio não tinha o que mostrar em relação a ações para manter a Petrobras no Estado.

Confira as fontes pesquisadas para este artigo:

https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2020/03/05/inframerica-decide-devolver-aeroporto-internacional-de-natal-ao-governo-federal.ghtml

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/11/1702956-ambev-fecha-fabrica-no-rio-grande-do-norte-e-demite-300-funcionarios.shtml

http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2015/11/ambev-anuncia-fechamento-de-fabrica-no-rio-grande-do-norte.html

https://www.thaisagalvao.com.br/2020/08/26/programa-nacional-da-petrobras-anunciado-em-2017-e-que-esta-sendo-posto-em-pratica-provocou-queda-de-77-nos-investimentos-do-rn-como-afirmou-secretario-do-governo-robinson-faria/

https://www.thaisagalvao.com.br/2020/08/26/desinvestimentos-da-petrobras-no-rn-comecaram-em-2017-e-de-la-para-ca-estado-esta-no-segundo-governo-e-teve-duas-bancadas-federais/

https://www.thaisagalvao.com.br/2020/08/26/governador-robinson-faria-declarou-em-2018-petrobras-desaqueceu-fechou-demitiu-e-prejudicou-a-economia-do-rn/

http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/encontramos-no-rn-o-pior-ambiente-de-todos-diz-fla-vio-rocha/331494

Compartilhe:

Deputado solicita ampliação do sinal de telefonia móvel para o Oeste potiguar

Souza envia pedido a Fábio Faria (Foto: divulgação)

O deputado estadual Souza (PSB) apresentou uma série de requerimentos com ações voltadas para a população da zona Oeste potiguar. Os pleitos, endereçados ao Ministro das Comunicações, Fábio Faria, pedem a expansão da telefonia móvel em distritos rurais nos municípios de Apodi, Serra do Mel e Areia Branca.

“A comunicação é fator decisivo para as ações de segurança pública nessas localidades, o que se faz prejudicada pela falta de um canal de comunicação”, justifica Souza.

O distrito rural de Melancias é alvo da solicitação no município de Apodi. Em Serra do Mel, o pedido tem como objetivo atender às vilas rurais do município. “Serra do Mel tem grande potencial para o turismo rural e com a expansão e instalação de parques de energia eólica”, argumenta. Serra do Mel é ladeada pelos municípios de Assu, Mossoró, Areia Branca, Porto do Mangue e Carnaubais.

Os distritos rurais a serem atendidos em Areia Branca são: Ponta do Mel, São Cristóvão, Redonda, Morro Pintado e São José.

Compartilhe: