Fábio Faria é mais um ministro de Bolsonaro com covid-19 e anuncia que está tomando hidroxicloroquina

Fábio Faria testou positivo para covid-19 (Foto: Web/autor não identificado)

O potiguar Fábio Faria (PSD) é o 12º ministro do governo do presidente Jair Bolsonaro a testar positivo para covid-19.

Ele anunciou nas redes sociais informando que está bem e tomando azitromicina e hidroxicloroquina. Confira o vídeo:

Compartilhe:

Rogério Marinho se esconde sobre saída da Petrobras do RN e deixa Fábio Faria como bucha de canhão

Fábio Faria se expôr enquanto Rogério se calou a respeito de decisão do Governo Bolsonaro (Foto: Web/autor não identificado)

Ontem completou uma semana que a Petrobras anunciou que venderia todos os ativos restantes no Rio Grande do Norte. Na prática é a estatal dando um pé nas nádegas no sofrido elefante.

Assim que o assunto veio à tona esquerda e direita se armaram para o debate público. Outros preferiram o silêncio cúmplice.

O ministro das comunicações Fábio Faria (PSD) se armou para cima da governadora Fátima Bezerra (PT). No meio disso, o também ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho (sem partido) fingiu ser um político paulista, ou seja que não tem nada a ver com a história, e deu de ombros. Nenhuma menção ao assunto nas redes sociais.

Rogério não quis botar as digitais na história por ter planos majoritários para 2022. Assim ele deixou o colega Fábio atuar como bucha de canhão absorvendo o desgaste de defender a saída da estatal chegando ao cúmulo de anunciar que nada faria por ser uma decisão de um “governo liberal”.

Resta saber qual comportamento ganhou mais pontos com o presidente Jair Bolsonaro nessa história.

Compartilhe:

Fábio Faria deixa claro que não vai lutar pela permanência da Petrobras no RN: “Governo liberal”

Fábio Faria se junta com dirigentes da Petrobras para tratar saída da estatal como fato consumado (Foto: reprodução)

Em um vídeo postado nas redes sociais o ministro das comunicações Fábio Faria deixou bem claro que não vai interceder juntos ao presidente Jair Bolsonaro para que a Petrobras não só permaneça no Rio Grande do Norte como retome os investimentos.

Fábio aparece reunido com os dirigentes da Petrobras Roberto Furian Ardenghy (diretor executivo de relacionamento institucional), Fernando Borges (gerente executivo de relacionamento externo) e João Romeiro (gerente de relacionamento com poder público federal).

Em sua fala ele volta a criticar a governadora Fátima Bezerra (PT) a quem acusa de ter se limitado a criticar o presidente. “Em dezembro de 2019 o presidente Roberto (Castello Branco) anunciou para o mundo inteiro, o Brasil inteiro que eles iriam se desfazer dos campos rasos e campos terrestres e ele não recebeu nenhuma ligação da governadora tratando desse tema”*, garantiu.

Ele alegou ainda que a Petrobras está em uma outra fase. “A Petrobras pertence a um governo liberal e não é mais um puxadinho do Governo”, declarou.

Segue abaixo o vídeo com as falas de Fábio e dos diretores da Petrobras:

*Das duas uma ou Fábio Faria está mentindo sobre a omissão da governadora ou enganaram ele. Numa rápida conferida no Google detectamos que Fátima Bezerra esteve reunida com Roberto Castello Branco em fevereiro deste ano e recebeu dele a garantia de que a Petrobras não deixaria o Estado. Inclusive o próprio Roberto Ardenghy que participa do vídeo acima esteve presente.

Segue o link:

http://tribunadajustica.com.br/em-nova-reuniao-fatima-trata-de-permanencia-da-petrobras-no-rn/

Compartilhe:

Governo emite nota rebatendo acusação de ministro

Petrobras está de saída do RN (Foto: Web/autor não identificado – Imagem meramente ilustrativa)

O ministro das comunicações Fábio Faria (PSD) acusou a governadora Fátima Bezerra (PT) afugentar empresas do Rio Grande do Norte ao falar sobre a saída da Petrobras do Estado. O Governo do Estado rebateu a crítica do deputado por meio de nota:

Gestão do Governo do RN tem atuado para garantir investimentos das empresas no Rio Grande do Norte

 

Desde que assumiu o Governo do Estado, a governadora Fátima Bezerra tomou diversas medidas para tirar o Rio Grande do Norte da “idade da pedra” no ponto de vista da Legislação Tributária, proporcionando mais competitividade com relação aos Estados vizinhos. Ano passado foi sancionada a Lei que criou o Programa de Estímulo ao Desenvolvimento Industrial do Rio Grande do Norte (Proedi) – com vigência até 2032 – uma medida que passou a dar mais segurança jurídica aos empresários, investidores e garantia de mais empregos e manutenção dos já existentes para a população potiguar. Da mesma forma, sancionou a Lei que alterou o marco legal do Fundo de Desenvolvimento Comercial e Industrial do RN (FDCI), para pagar compensações financeiras para os municípios. Ou seja, realizou importantes revisões de regimes tributários que impactaram o comércio, serviços e o turismo. Atuação essa que inverteu a tendência de migração de empresas do RN para outros territórios, o que vinha acontecendo em anos anteriores. Além disso, decretou a redução da cobrança de impostos no querosene de aviação (QAV) para as companhias aéreas, que evitou o colapso no turismo e aumentou, significativamente, o número de voos domésticos para o Rio Grande do Norte.

A atual gestão encontrou um Estado quebrado. Com quatro folhas de pagamento do servidor estadual em atraso. Para aqueles que falam em competência administrativa, herdeiros desse passivo que deixou o Estado em completa agonia, ou esquecem rápido a realidade ou agem por completa má fé.

A saída da Inframérica, por exemplo, da administração do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante, bem como a ameaça atual da saída da Petrobras nada tem a ver com a gestão estadual. Muito pelo contrário. Se dependesse do Governo do Estado, a Petrobras jamais sairia do Rio Grande do Norte, ameaçando o emprego de 5.476 trabalhadores diretos – sem contar os indiretos – bem como a retirada de investimentos econômicos e sociais nos Municípios onde a estatal atua.

O Governo do Estado não é contrário a investimentos da iniciativa privada. Mas, em se tratando da saída da Petrobras, isso configura ameaça e desmonte do que já está consolidado há 47 anos. Para isso, basta vermos os números: a indústria de petróleo e gás é o principal segmento do setor industrial potiguar. Em 2018 respondeu por 52,4% do PIB da indústria do Rio Grande do Norte. O segmento de petróleo e gás paga cerca R$ 531 milhões ao ano de salários e remunerações. Representa um terço de todo os salários pagos na indústria potiguar. Ano passado, a indústria de petróleo e gás gerou em solo potiguar, R$ 425 milhões entre royalties e participações, sendo R$ R$ 226 milhões para os municípios, R$ 173 milhões para o Governo do Estado e R$ 25 milhões para os proprietários de terra. Em um período de 20 anos (2000-2020) foram produzidos no RN 465,85 milhões de barris de petróleo, que ao preço atual do barril (US$ 46,37) valeria US$ 21,6 bilhões, os quais, convertidos em real ao câmbio do dia representa um montante de R$ 120,5 bilhões.

Portanto, fica a pergunta para aqueles que estão minimizando a saída da Petrobras no Estado: a população do Rio Grande do Norte merece perder a fonte de investimentos gerada pela Petrobras?

A governadora Fátima Bezerra faz parte de uma linhagem de políticos que sempre defendeu a soberania da Petrobras, por compreender que a estatal gera tanto para o Brasil quanto, especificamente, para o Rio Grande do Norte, riquezas e garantia de empregos diretos e indiretos, além de inúmeros investimentos sociais e econômicos para os Municípios. Portanto, defender os interesses reais do Estado, sem cor partidária, é o principal foco do Governo do Estado.

Compartilhe:

Saída da Petrobras: Fábio Faria justifica a própria omissão transferindo culpas

Ministro sobre nova postura de Bolsonaro: "Ninguém aguenta briga ...
Fábio Faria é ministro próximo ao presidente, mas não tentou influenciar contra a decisão (Foto: Web/autor não identificado)

O dia é 1º de fevereiro de 2007. Nesta data os deputados estaduais tomaram posse e elegeram Robinson Faria para presidir a Assembleia Legislativa pela terceira das quatro oportunidades em que esteve no cargo.

No discurso, bem escrito por sinal, Robinson Faria alertava que era questão de tempo a Petrobras deixar o Rio Grande do Norte. O legado não passaria de um tremendo passivo ambiental para o nosso Estado.

Faria tinha razão e o cenário que parecia distópico e distante se concretizou.

Naquela mesma data Fábio Faria assumia o primeiro dos quatro mandatos como deputado federal usando na campanha uma versão de uma música da banda Ferro na Boneca em que a palavra “Patifaria” era trocada por “Vote Fábio Faria”.

De fato o Rio Grande do Norte não se preparou para a saída da Petrobras. Os ex-governadores Tarcísio Maia, Lavoisier Maia, José Agripino, Geraldo Melo, Garibaldi Filho, Wilma de Faria, Rosalba Ciarlini e Robinson Faria (o mesmo autor do discurso citado no início do texto) não planejaram nada neste sentido. Com Fátima Bezerra não foi diferente.

Fábio tenta jogar culpa do PT de quem sempre foi aliado (Foto: Web/autor não identificado)

Agora Fábio, que sempre foi omisso sobre o grandes temas do Estado, na função de ministro influente no Governo Bolsonaro não procurou o presidente para fazer uma intervenção para manter a Petrobras no Estado. Nem ele nem Rogério Marinho, que goza do mesmo status.

Fábio em vez de fazer uma autocrítica, calculou a fala e o argumento retórico para jogar a culpa na governadora e inflamar o bolsonarismo local que anda caçando argumentos na terra de Poti. “Na gestão da atual governadora, grandes empresas já deixaram ou ameaçam abandonar o Estado devido à sua incapacidade administrativa, como a Inframérica, que desistiu do Aeroporto de São Gonçalo”, disse ao Agora RN.

Ele não cita as outras grandes empresas e a que ele cita não deixou o por dificuldades com o Governo do Estado e sim pela crise econômica impactada pela queda no tráfego de passageiros e pela defasagem nas tarifas de navegação. Outro ponto que pesa contra o aeroporto é a distância dele para Natal. Fábio até ensaiou usar seu prestígio para reverter a saída da Inframéerica do Aeroporto de São Gonçalo em nível de Agência Nacional de Aviação (Anac) que onde se resolveria o impasse.

Ficou na promessa.

A gora é um fato que no governo do pai de Fábio, a Ambev fechou a fábrica dela no Rio Grande do Norte gerando uma perda de 300 empregos. Neste caso foi obra e graça de Robinson Faria que decidiu aumentar as alíquotas do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Em 2015, o empresário Flávio Rocha, repetiu a declaração que dera na gestão de Rosalba: o RN é o pior ambiente para se fazer negócios.

Voltando a Petrobras, a colega Thaisa Galvão relatou que em 2017 já estava em curso o desmonte da Petrobras no Rio Grande do Norte com os investimentos despencando 77%. Ela resgatou matérias em que Robinson fazia o mesmo que Fátima está fazendo: tentar se reunir com os dirigentes da estatal para reverter o quadro.

Robinson cumpria o papel de cobrar exatamente como Fátima faz hoje. É pouco? É.

O ministro Fábio Faria prestaria um serviço mais relevante ao Rio Grande do Norte se deixasse de lado a retórica que só ganha eco em ouvidos bolsonaristas e desavisados e em vez disso buscasse uma conversa com Bolsonaro para convencer o presidente a mudar a estratégia da Petrobras em nosso Estado mantendo o seu funcionamento e retomando os investimentos que entraram em declínio nas gestões petistas.

O problema é que Fábio apoia a saída da empresa para ser substituída pelo capital privado pagando a tabela mínima dos royalties, gerando menos empregos e detonando algo em torno de 50% do Produto Interno Bruto (PIB) do Rio Grande do Norte.

Quando não se tem argumentos se vai ao ataque. Fábio não tinha o que mostrar em relação a ações para manter a Petrobras no Estado.

Confira as fontes pesquisadas para este artigo:

https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2020/03/05/inframerica-decide-devolver-aeroporto-internacional-de-natal-ao-governo-federal.ghtml

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/11/1702956-ambev-fecha-fabrica-no-rio-grande-do-norte-e-demite-300-funcionarios.shtml

http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2015/11/ambev-anuncia-fechamento-de-fabrica-no-rio-grande-do-norte.html

https://www.thaisagalvao.com.br/2020/08/26/programa-nacional-da-petrobras-anunciado-em-2017-e-que-esta-sendo-posto-em-pratica-provocou-queda-de-77-nos-investimentos-do-rn-como-afirmou-secretario-do-governo-robinson-faria/

https://www.thaisagalvao.com.br/2020/08/26/desinvestimentos-da-petrobras-no-rn-comecaram-em-2017-e-de-la-para-ca-estado-esta-no-segundo-governo-e-teve-duas-bancadas-federais/

https://www.thaisagalvao.com.br/2020/08/26/governador-robinson-faria-declarou-em-2018-petrobras-desaqueceu-fechou-demitiu-e-prejudicou-a-economia-do-rn/

http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/encontramos-no-rn-o-pior-ambiente-de-todos-diz-fla-vio-rocha/331494

Compartilhe:

Deputado solicita ampliação do sinal de telefonia móvel para o Oeste potiguar

Souza envia pedido a Fábio Faria (Foto: divulgação)

O deputado estadual Souza (PSB) apresentou uma série de requerimentos com ações voltadas para a população da zona Oeste potiguar. Os pleitos, endereçados ao Ministro das Comunicações, Fábio Faria, pedem a expansão da telefonia móvel em distritos rurais nos municípios de Apodi, Serra do Mel e Areia Branca.

“A comunicação é fator decisivo para as ações de segurança pública nessas localidades, o que se faz prejudicada pela falta de um canal de comunicação”, justifica Souza.

O distrito rural de Melancias é alvo da solicitação no município de Apodi. Em Serra do Mel, o pedido tem como objetivo atender às vilas rurais do município. “Serra do Mel tem grande potencial para o turismo rural e com a expansão e instalação de parques de energia eólica”, argumenta. Serra do Mel é ladeada pelos municípios de Assu, Mossoró, Areia Branca, Porto do Mangue e Carnaubais.

Os distritos rurais a serem atendidos em Areia Branca são: Ponta do Mel, São Cristóvão, Redonda, Morro Pintado e São José.

Compartilhe:

Será uma vergonha um potiguar nos Ministério das Comunicações não destravar a liberação da FM da UERN

Fábio tem a chance de destravar rádio da UERN (Foto: reprodução)

Fábio Faria (PSD) já está há um mês no comando do Ministério das Comunicações. É um político do Rio Grande do Norte ocupando um cargo estratégico e que tem um tema que interessa por demais a educação no Estado, principalmente na área de comunicação.

Há quatro anos se arrasta na pasta agora comandada por Fábio Faria o processo outorga da Rádio FM Universitária da UERN.

A universidade trabalha em duas frentes: a primeira diz respeito a conclusão do processo que tramita desde que a UERN venceu a concorrência em 2016. A segunda é via convênio com a Empresa Brasileira de Comunicação que pode solicitar um canal FM em Mossoró para ser explorado pela UERN.

Este é um sonho acalentado por toda comunidade uerniana.

Será vergonhoso Fábio Faria, um político do Rio Grande do Norte, deixar o cargo sem destravar o problema.

Compartilhe:

Fábio Faria se corrige sobre confusão geográfica

Fábio Faria fez confusão geográfica em entrevista (Foto: Web/autor não identificado)

O ministro das comunicações usou o Instagram para admitir que se equivocou ao declarar que a Mata Atlântica fica na Amazônia durante entrevista concedida à CNN Brasil.

Segue abaixo a manifestação:

View this post on Instagram

O governo está agindo contra o desmatamento ilegal da Amazônia e mantém preservados 84% da floresta. O vice-pres Mourão detalhou isso aos investidores estrangeiros na reunião de ontem. Estamos investindo muito esforço também para melhorar a imagem do Brasil lá fora, o que é extremamente importante. Quero apontar dois lapsos que cometi em entrevista à CNN ontem à noite, sobre esse assunto. Primeiro, falei que a preservação da Amazônia é de 87% e, na verdade, chega a 84%. O outro foi em relação ao bioma da floresta, que obviamente eu sei que é tropical e falei mata atlântica (sic). O que importa mesmo é nos unirmos em defesa do Brasil. Deixamos claro que o agronegócio não precisa do desmatamento ilegal. Nossa legislação ambiental é uma das mais rigorosas do mundo e o governo seguirá trabalhando pela preservação do ecossistema brasileiro. Vamos trabalhar juntos para melhorar a imagem do país no exterior. 🇧🇷🇧🇷

A post shared by Fábio Faria (@fabiofariarn) on

Confira a confusão geográfica de Fábio AQUI.

Compartilhe:

Como é? Fábio Faria afirma que 87% da Amazônia é formada por Mata Atlântica

O ministro das comunicações Fábio Faria (PSD) dançou o samba do geógrafo doido em entrevista a CNN Brasil ao dizer que 87% da Amazônia é formada por Mata Atlântica.

Na fala ele tenta minimizar os efeitos das queimadas. Confira abaixo:

Assim como ministro ministro interino da saúde, Eduardo Pazuello, que disse que o Nordeste Brasileiro sofria influência do inverno do Hemisfério Norte, Fábio Faria também mostrou um conhecimento alternativo sobre geografia ao retirar a Mata Atlântica que se estende do Nordeste ao Sul do Brasil com a Amazônia que fica em sua maior parte na Região Norte.

Compartilhe:

Fábio Faria toma posse como ministro

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o ministro das Comunicações, Fábio Faria, durante cerimônia de posse (Foto: Allan Santos/Agência Brasil)

Por Andreia Verdélio

Repórter da Agência Brasil

O deputado federal Fábio Faria (PSD-RN) tomou posse hoje (17) como o novo ministro das Comunicações e disse que entre as suas prioridades está inclusão digital da população. Para Faria, o momento atual do país, também exige uma postura de compreensão e abertura ao diálogo.

“É tempo de levantarmos a guarda contra o novo coronavírus, também é hora de um armistício patriótico e deixarmos a arena eleitoral para 2022. É preciso sobretudo respeito e que deixemos as nossas diferenças político-ideológicas de lado para enfrentarmos esse inimigo invisível comum que tem tirado a vida de milhares de pessoas e gerado danos incalculáveis à economia. É hora de pacificar o país”, disse ao lado do presidente Jair Bolsonaro, em cerimônia no Palácio do Planalto.

Faria destacou a transformação e o impacto da pandemia de covid-19 na vida das pessoas e os efeitos na saúde pública e na economia, especialmente na área das comunicações. Ele citou avanços na tramitação digital de atos, na telemedicina e no comércio eletrônico. “É prioritário, entretanto, fazer o processo de inclusão digital andar a passos largos, porque ainda há uma grande parcela da população sem acesso à internet, milhões de crianças que não conseguem assistir às aulas online e adultos que não tem como trabalhar remotamente”, disse.

De acordo com o novo ministro, a internet banda larga avança de maneira consistente e já tem potencial de alcançar 80% dos lares brasileiros. Mas, segundo ele, a orientação do presidente Bolsonaro é que chegue a todos os cidadãos já que esse é um passo fundamental para a implementação da infraestrutura para a chegada da tecnologia 5G ao país. “O 5G permitirá uma banda larga móvel de altíssima potência em qualidade com impacto significativo na economia, além de proporcionar aos brasileiros grande cesso ao conhecimento”, explicou Faria.

O novo ministro das Comunicações também falou sobre a importância da TV fechada, que oferece agilidade na informação jornalística, e a força de abrangência da TV aberta, do rádio e dos jornais, que, somados à internet, “formam o símbolo e o palco da liberdade de expressão.”

Em seu discurso, o presidente Jair Bolsonaro disse que, “quanto melhor estiverem as nossas comunicações, transmitindo sempre a verdade na ponta da linha, melhor estaremos todos nós”.

O presidente Bolsonaro destacou que, cada Poder da República, “com harmonia e independência”, precisa fazer valer os valores da democracia. “O nosso povo respira liberdade, temos uma Constituição pela frente, que pesa alguns de nós até não concordar com alguns artigos, mas temos um compromisso, todos nós do Judiciário, Legislativo e Executivo, de honrá-la e respeitá-la para o bem comum. E tenho certeza que, respeitando cada artigo da nossa Constituição, nós atingiremos o nosso objetivo para o bem de todos”, disse.

Novos ministérios

O presidente Bolsonaro também deu posse a Marcos Pontes, agora como ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações. O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), que já estava sob comando de Pontes, foi desmembrado pela Medida Provisória nº 980/2020 nos novos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e das Comunicações.

Na semana passada, o ministro fez um balanço das ações de sua pasta na área das comunicações.

O Ministério das Comunicações existia como órgão autônomo do primeiro escalão do Executivo até 2016, quando foi fundido com a área de ciência e tecnologia durante a gestão de Michel Temer. Retomado agora, vai reunir as ações na área de radiodifusão e telecomunicações bem como a comunicação institucional, incluindo a Empresa Brasil de Comunicação.

Na mesma solenidade, Bolsonaro assinou o parecer vinculante da Advocacia-Geral da União sobre integralidade e paridade da aposentadoria de policiais civis da União; o decreto sobre licenciamento de radiodifusão; e o decreto sobre adaptação do instrumento de concessão para autorização de telecom, sobre prorrogação e transferência de autorização de radiofrequência.

Compartilhe: