Advogado preso afirma em diálogo interceptado que desembargador teria resolvido o problema se ele agisse sozinho

Desembargador é alvo de operação (Foto: Tribuna do Norte)

Cumprindo a ameaça Allan Clayton Pereira de Almeida conta a Flávio Humberto de Noronha Freire que esteve com o desembargador Glauber Rego e o mesmo disse que a dupla que (inclui Rodrigo Fernandes de Paiva) não teria qualquer acesso ao magistrado.

O que chama atenção é que Allan relata que o desembargador teria lhe dito que a ação teria dado certo caso o advogado preso tivesse agido sozinho.

Confira o trecho da fala de Allan transcrito pelo Ministério Público na ação da Operação Infiltrados:

Transcrição: “Como lhe disse, Há 15 dias conversei com o desembargador Glauber, q disse q vc e cia não têm nenhuma influência sob ele e q se eu tivesse trabalhado sozinho o problema do meu cliente teria sido resolvido. Isso prova q vc e seus amigos são uns bostas e tinham (como ainda têm) o objetivo de enrolar a mim e a meu cliente. Só q não vão conseguir mais. Vou dar o último prazo pra vcs me devolverem os R$ 70.000,00 (setenta mil 20 de 94 reais). Façam de tudo pra cumprir esse prazo. Detalhe: esse dinheiro emprestado a 5% ao mês rende R$ 3.500,00 (três mil e quinhentos reais). Mas eu não to colocando juros, embora fosse o certo. Não escutarei mais desculpas. Quero o dinheiro todo de volta dentro do prazo acima estabelecido.”

Diante do exposto é inevitável não se convocar o desembargador Glauber Rego para prestar esclarecimentos.

Compartilhe:

Advogado é preso por tentar comprar decisão de desembargador

O Ministério Público deflagrou a Operação Infiltrados que investiga um esquema de venda de sentença no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte.

A ação resultou na prisão preventiva do advogado Allan Clayton Pereira de Almeida por articular a venda uma sentença no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte.

O Ministério Público se baseou nas interceptações de conversas no Whatsapp realizadas pelo Centro de Inteligência da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social.

As interceptações identificaram diálogos suspeitos com Rodrigo Fernandes de Paiva, advogado e ex-assessor da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (e sobrinho do Desembargador do TJRN Virgílio Fernandes de Macedo Júnior), e Flávio Humberto de Noronha Freire, ex-assessor do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte e ex-servidor da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.

Os dois foram alvos de mandados de busca e apreensão autorizados pelo juiz Guilherme Newton do Monte Pinto.

Quem também foi alvo de busca e apreensão foi Isabel Cristina Gorgônio de Medeiros, esposa de Allan, ex-servidora da Assembleia Legislativa e candidata a deputada federal pelo PSD nas eleições de 2018. Ela era responsável pelas movimentações bancárias do casal.

Rodrigo e Flávio prometeram a Allan Clayton, que é advogado do Sindicato do Crime, uma decisão favorável em processo relatado pelo desembargador Glauber Rego.

O pagamento seria de R$ 70 mil pagos em espécie. No entanto, a promessa não foi cumprida e Allan Clayton passou a cobrar a devolução da quantia.

O Blog trará mais detalhes sobre o assunto.

Compartilhe: