Senadores estão acuados por boato

garibaldi-e-agripino

Um “boato” pode ter ou não ter fundamento, mas na política os fatos não controlam as versões. José Agripino (DEM) e Garibaldi Filho (PMDB) sabem muito bem disso, mas terminaram acuados pela informação de que estariam trabalhando contra o aporte financeiro que vai permitir a reorganização da folha de pagamento do Estado.

A informação carece de segurança por não ter provas, mas quem conhece a política potiguar sabe que por aqui gasta-se mil para o adversário não ganhar quinhentos.

Fragilizados, com baixíssimas intenções de votos nas pesquisas, Garibaldi e Agripino correram para mostrar notas tímidas que nada acrescentaram ao sofrimento do servidor público estadual.

Se não há provas de que estão atrapalhando, as notas comprovam que seguem pouco dispostos a deixarem o muro da omissão.

 

 

Compartilhe:

Crítica do Blog surte efeito em bancada federal

O trio de senadores potiguares quebrou o silêncio em relação ao périplo do governador Robinson Faria (PSD) em Brasília para liberar o aporte financeiro que vai reequilibrar as contas do Governo do Estado colocando a folha em dia.

A reação foi tímida, diria que não passou do status de protocolar. O senador José Agripino (DEM) falou ao Blog de Heitor Gregório que o partido dele está ajudando através do presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM). Também falou que está à disposição para ajudar. Faltou ao líder demista uma atitude mais enérgica como ir ao presidente Michel Temer cobrar a liberação.

O senador Garibaldi Filho (PMDB) foi ao Twitter dizer que procurou o governador para oferecer ajuda. Muito pouco também, mas já é alguma coisa.

Na oposição, a senadora Fátima Bezerra (PT) fez o que lhe cabe: criticou, em nota, o Procurador do Tribunal de Contas da União (TCU), Júlio de Oliveira. Em outra nota, a deputada federal Zenaide Maia (PR) criticou o Governo Federal.

O restante da bancada federal segue calada como se estivesse no fantástico mundo de Bob.

Notas e postagens resignadas nas redes sociais não surtem efeito numa luta política. É preciso toda bancada federal unida ao lado do governador. Terá postura de estadista quem tomar a iniciativa.

Até lá nossa bancada federal seguirá envergonhando o sofrido elefante.

Compartilhe:

Uma vergonha em forma de bancada federal

16-9-1024x576

O governador Robinson Faria (PSD) é o culpado pelos atrasos salariais, mas não é o único responsável por isso. Ele tem companhias importantes nessa tragédia chamada Governo do Estado do Rio Grande do Norte.

Desde segunda-feira ele está em Brasília em uma articulação desesperada para garantir recursos para pagar os salários de novembro, dezembro e 13º. Está nas mãos do presidente Michel Temer que promete editar a Medida Provisória enviando os recursos para o sofrido elefante apenas no dia 25 de dezembro. Uma decisão com requintes de crueldade para o servidor que vai passar a noite de natal sem ter o que comer.

Qual membro da bancada federal apareceu para reforçar a luta do governador? Apenas o filho dele em Brasília. Se Robinson não os convidou pouco importa. Momentos como esse são para separar políticos e estadistas. No Rio Grande do Norte a picuinha sempre tem mais força entre os nossos políticos.

Se Robinson não pediu ajuda aos seus pares pouco importa. Mas a sensação que tenho, com base no que ouço nos bastidores, é a da existência de forças ocultas para que esse aporte não seja feito.

Os senadores Garibaldi Filho (PMDB) e José Agripino (DEM) deveriam ser os mais cobrados. São os mais importantes aliados do presidente Temer no Estado. Não abrem a boca para falar no assunto. Não há registro de nenhuma palha ser movida pela dupla. Até parece que não são responsáveis por esse caos também pelas péssimas administrações que fizeram no passado. A crítica vale para os seus bambinos travestidos de deputados federais Walter Alves (PMDB) e Felipe Maia (DEM) que preferem seguir com seus inúteis mandatos.

Melhor deixar Robinson “sangrar” sozinho como se isso não afetasse milhares de famílias nesse período de fim de ano.

Um desconto para a senadora Fátima Bezerra (PT) e aos deputados federais Antônio Jácome (PODE), Rafael Mota (PSB) e Zenaide Maia (PR). Na oposição eles têm pouco a influir, mas poderiam ao menos usar suas vozes para abordar essa questão dos atrasos salariais indo além do tom politiqueiro.

Os deputados federais Beto Rosado (PP) e Rogério Marinho (PSDB) passam a impressão que só são governistas na hora de aprovar projetos para prejudicar a classe trabalhadora.

Bancada federal desça desse muro da vergonha, reaja!

Compartilhe:

Pesquisa materializa em números o desprezo do eleitor potiguar aos políticos

img_eleitores-rejeicao-candidatos_pesquisa-ibope_charge

A pesquisa do Instituto Consult sob encomenda da FIERN materializou o tamanho do desprezo do eleitor potiguar pela classe política do Rio Grande do Norte. Basta surgir um nome novo, ficha limpa (ver AQUI) e capaz de provocar esperança que será senador ou governador ano que vem.

Do contrário, será vencedor nos pleitos majoritários quem se limitar a conquistar o máximo possível de votos válidos em um cenário de altos índices de brancos, nulos e abstenções. O problema disso é o surgimento de um governante sem legitimidade e incapaz de liderar o sofrido elefante num caótico quadro administrativo a partir de 2019.

Temos em Robinson Faria (PSD) um reflexo latente do tamanho do problema de se ter um governante sem respaldo popular, eleito por exclusão.

Veja o exemplo da disputa pelo Senado. Já expliquei no Blog que os senadores Garibaldi Filho (PMDB) e José Agripino (DEM) estão tão fragilizados que precisam costurar um “WO” (ver AQUI) nas eleições do próximo ano. O texto foi escrito horas antes da divulgação da pesquisa.

O cenário começa a complicar mais para o senador José Agripino. A deputada federal Zenaide Maia (PR) já ultrapassa o presidente nacional do DEM, recém tornado réu por corrupção. Garibaldi segue líder na soma de primeiro e segundo voto, mas nada que se compare com seu desempenho em outros pleitos. A fragilidade está exposta. Basta um nome minimamente viável para surgir e ameaçar. O Senado é mais que uma disputa aberta. O pleito está escancarado.

Apresentação do total de votos em resposta múltipla

Garibaldi Alves Filho: 18,88%

Zenaide Maia: 15,24%

José Agripino: 13,12%

Magnólia Figueiredo: 5%

Tião Couto: 2,53%

Outro: 1,52%

Luiz Roberto: 1,41%

Marcelo Queiroz: 1%

Nenhum: 95,94%

Não sabe dizer: 45,35%

OBS.: 1) A Soma da coluna ultrapassa 100%, porque questão tem múltiplas respostas.

 

Os números são assustadores principalmente para Garibaldi e José Agripino. São nomes conhecidos em praticamente 100% dos mais de 3 milhões de habitantes do Rio Grande do Norte e dois terços dos eleitores pesquisados simplesmente ignoram seus nomes tanto para primeiro como para segundo voto. Isso não deixa de ser um alerta para Zenaide Maia que não consegue atropelar a velha dupla mesmo como todo o desgaste que os ronda.

Para o Governo não é diferente na pesquisa estimulada. A senadora Fátima Bezerra (PT) lidera sem ser favorita. Ter 20% das intenções de voto é sinal claro de que ela dependerá muito da conjuntura eleitoral do próximo ano para se alavancar. A palavra-chave é: Lula. Sem o líder petista ela fica mais fragilizada.

O governador Robinson Faria (PSD), por sua vez, deve começar a se conformar em não ser candidato ano que vem. Deve seguir o conselho dado por ele a Francisco José Junior quando tentou convencer o então amigo a não tentou convencê-lo a não tentar a reeleição. “Faltou humildade”, desabafou o líder pessedista após o pleito de 2016. Reza a máxima do marketing político de que candidato governista precisa ter entre 25 e 30% das intenções de voto para ser competitivo. Robinson patina raquíticos 5%.

O eleitor também avisou ao prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves (PDT), para seguir no Palácio Felipe Camarão até 31 de dezembro de 2020. Ter apenas 11% das intenções de voto em um cenário em que seus maiores fiadores políticos, Garibaldi e Agripino, estão fragilizados não é recomendável. Será uma superação monstruosa se daqui a um ano estivermos especulando o secretariado de um governador eleito de nome Carlos Eduardo Alves. Será necessária uma reviravolta padrão “House of Cards”.

PREFERÊNCIA PARA GOVERNADOR – PERGUNTA

ESTIMULADA

Fátima Bezerra: 20,29%

Carlos Eduardo: 11,41%

Flávio Rocha: 6,59%

Robinson Faria: 5%

Desembargador Cláudio Santos: 2%

Tião Couto: 1,41%

Outro: 0,35%

Nenhum: 41,24%

Não sabe dizer: 11,71%

A soma dos itens “Nenhum” e “Não sabe dizer” chega 52,95% dos entrevistados. É um sinal claro de deslegitimação dos nomes colocados, inclusive o desembargador Cláudio Santos que é incensado pela mídia natalense, mas não consegue emplacar.

060109_GERALDO_MELO_FLAVIO_ROCHA“NOVO”

Não se pode ignorar também a inclusão do empresário Flávio Rocha. A simples presença de seu nome em uma sondagem à mando de uma entidade empresarial é indicativo da presença dele no pleito como algo possível. Com 6% ele é colocado como o “novo” na velha tradicional máxima da política potiguar de mudar para ficar do mesmo jeito.

Flávio Rocha não é um novato na política, pode parecer novo para os desinformados, mas ele foi deputado federal duas vezes (19986 e 1990) e chegou a ser pré-candidato a presidente da República em 1994 pelo PL, mas não seguiu no pleito após sofrer uma reviravolta partidária que resultou no apoio do PL (atual PR) a Fernando Henrique Cardoso.

As projeções para a eleição de Governo e Senado no Rio Grande do Norte é um espetáculo de desprezo aos políticos até aqui. O recado está dado resta saber qual será o coelho da cartola que as velhas raposas vão tirar para continuar no comando desse galinheiro representado na cartografia por uma imagem análoga a de um sofrido elefante.

Compartilhe:

Com reeleições em risco, Garibaldi e José Agripino precisam de um ‘WO’

 

agripinogaribaldi

Desde a década de 1980 Garibaldi Alves Filho (PMDB) e José Agripino (DEM) são as principais lideranças do Rio Grande do Norte. Governaram o sofrido elefante duas vezes. Ao seu modo contribuíram para o desastre nosso de cada dia. O primeiro está no terceiro mandato de senador, o segundo está no “céu” pela quarta vez.

Ambos também foram prefeitos de Natal. Garibaldi com o respaldo popular, Agripino com a indignidade do mandato biônico garantido com pompa pela circunstância da ilegitimidade da ditadura militar.

Garibaldi ainda foi por quatro oportunidades deputado estadual. Os dois começaram jovens, promovidos pelos sobrenomes como sempre acontece no oligárquico Rio Grande do Norte.

São com sobra os políticos mais vitoriosos de suas dinastias (Alves e Maia), mas hoje encaram o temor de uma derrota, coisa rara em suas carreiras. José Agripino só perdeu um pleito em 1998, para o Governo do Estado contra o próprio Garibaldi. Este, por sua vez, só foi derrotado por Wilma de Faria em 2006.

Corroídos por tanto tempo e mandatos ineficientes incensados pela mídia sem qualquer merecimento, hoje eles amargam momentos terríveis para quem tem um passado vitorioso. O eleitor, outrora condescendente, perdeu a paciência com os poderosos.

Garibaldi já foi recebido “carinhosamente” no Aeroporto de São Gonçalo do Amarante.

José Agripino não fica atrás. Em evento recente foi atacado por militantes de esquerda em Pau dos Ferros, um dos seus principais redutos eleitorais.

Os dois estão fragilizados e os números das pesquisas mostram isso. Em 2009, um ano antes do pleito de 2010, Agripino e Garibaldi lideravam com folga sem serem ameaçados pela então governadora Wilma de Faria que em 2006 derrotou a coalizão política liderada pelos dois velhos caciques. Numa eleição com dois votos a dupla somava mais de 50% pesquisas um ano antes do pleito. Hoje não chegam a 20% somando primeiro e segundo voto.

Muito pouco para o tamanho deles.

Garibaldi e Agripino são ameaçados pela deputada federal Zenaide Maia (PR), uma parlamentar de atuação discreta cujo único diferencial é votar contra as medidas impopulares do presidente Michel Temer. Só isso mostra o tamanho do estado de fragilidade dos tradicionais líderes.

Mas os problemas não param por aí. Garibaldi está órfão do poder de articulação política de Henrique Alves, hoje um detento de luxo em um quartel da Polícia Militar em Natal. Agripino acaba de se tornar réu em um escândalo envolvendo a Arena das Dunas. A corrupção abala a imagem deles.

Por enquanto, não existe um segundo nome para fazer companhia a Zenaide Maia na tarefa de ameaçar a dupla. É esse o grande trunfo de Agripino e Garibaldi. Eles trabalham com seus tradicionais aliados no interior a ausência de candidatos competitivos em 2018, praticamente um WO.

O problema é que essa tática foi usada por Henrique Alves em 2014. Derrotado, hoje ele é um presidiário.

Uma eventual derrota de Agripino e Garibaldi será um divisor de águas na política do Rio Grande do Norte.

Compartilhe:

Marcelo Odebrecht revela ter enviado R$ 1 milhão para Agripino a pedido de Aécio

aecio-agripino-pedro-ladeira-folhapress-7ago2013

A Procuradoria-Geral da República vai analisar todas as doações eleitorais feitas, em 2014, pela Odebrecht, ou por qualquer sociedade empresária do seu grupo econômico, ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), ao senador José Agripino Maia (DEM-RN), ao PSDB e ao DEM. O raio-x foi solicitado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na Operação Lava Jato, e autorizado pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF) em 4 de abril.

Na corrida eleitoral de 2014, Aécio Neves recebeu um total de R$ 226.858.146,73 milhões em doação. Deste total, R$ 3.933.603 milhões foram da Construtora Norberto Odebrecht, controlada pelo Grupo. A Braskem – braço petroquímico do companhia, que tem como sócia a Petrobras -, doou R$ 3.988.830 e a Odebrecht Óleo e Gás, R$ 2.199.885 milhões.

O PSDB pede a cassação da chapa Dilma/Temer, reeleita em 2014, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por abuso de poder político e econômico. Em manifestação enviada ao TSE, em fevereiro deste ano, o PSDB afirmou que a campanha de Dilma e Temer naquele ano promoveu um “engenhoso e inovador esquema de caixa dois”.

O senador tucano é alvo de cinco novos inquéritos na Lava Jato. Nesta investigação, a Procuradoria apura as suspeitas levantadas contra o senador pelos delatores Marcelo Odebrecht, Cláudio Melo Filho, Benedicto Júnior e Sérgio Luiz Neves.

Os executivos da empreiteira apontam, “por meio de declaração e prova documental”, afirma Janot em manifestação a Fachin, que, em 2014, “foi prometido e/ ou efetuado”, a pedido de Aécio Neves “o pagamento de vantagens indevidas em seu favor e em benefício de seus aliados políticos”.

Segundo Benedicto Júnior, o BJ, em janeiro ou fevereiro de 2014 Aécio Neves solicitou R$ 6 milhões para sua candidatura à Presidência da República. BJ declarou que acertou com o senador que os pagamentos se dariam através da empresa de marketing de Paulo Vasconcelos do Rosário e que o executivo da Odebrecht Sérgio Luiz Neves entraria em contato para definir o objeto “do contrato fictício” a ser firmado.

Sérgio Neves, também delator da Odebrecht, contou à Lava Jato que se reuniu algumas vezes com Paulo Vasconcelos no escritório da empreiteira na Rua Pernambuco n. 1002, 12º Andar, Bairro dos Funcionários, Belo Horizonte. O delator narrou que em 15 de janeiro de 2014 foi firmado contrato de prestação de serviço no valor de R$ 3 milhões com a empresa PVR Propaganda e Marketing Ltda, tendo os pagamentos sido efetivados em duas parcelas de R$ 1,5 milhão nos dias 15 de maio e 15 de junho 2014.

A Odebrecht entregou à Lava Jato a minuta do contrato firmado com a PVR Propaganda e Marketing. As notas fiscais emitidas pela empreiteira também foram enviadas aos investigadores.

BJ e Sérgio Neves “asseguram” que nenhum serviço foi prestado pela empresa de Paulo Vasconcelos do Rosário ao Grupo Odebrecht. Os delatores declararam que o marqueteiro de Aécio fez “diversas cobranças” posteriores a Sérgio Luiz Neves para quitar a quantia restante de R$ 3 milhões que teria sido ajustada com Aécio Neves mas que o valor não foi pago.

O procurador-geral da República solicitou a obtenção de registros de ingresso de um dos principais auxiliares do tucano, o empresário Oswaldo Borges da Costa Filho, e do executivo e delator da Odebrecht Sérgio Luiz Neves no prédio da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) entre os dias 18 a 22 de setembro de 2014, ou em datas próximas. Fachin deu um prazo de 30 dias para que PF atenda às diligências requeridas por Janot.

Promessa
À Procuradoria-Geral da República, BJ e Sérgio Neves afirmaram que por volta de 15 de setembro de 2014, semanas antes do 1º turno da eleição daquele ano, Marcelo Odebrecht prometeu a Aécio R$ 15 milhões. Segundo Marcelo Odebrecht, embora o senador tenha solicitado que os valores fossem destinados à sua candidatura de 2014 à Presidência da República, eles combinaram o direcionamento do montante a outras candidaturas vinculadas ao grupo político de Aécio. O delator apontou o pagamento de R$ 1 milhão como contribuição eleitoral ao DEM, por meio do senador José Agripino.

Em depoimento, Sérgio Neves declarou que Fernando Migliaccio, do departamento de propinas da Odebrecht, lhe afirmou que não seria possível disponibilizar de imediato os R$ 15 milhões para Aécio. O delator afirmou que Fernando Migliaccio se comprometeu a disponibilizar R$ 1 milhão por semana a partir de outubro, finalizando a quantia total em 20 de dezembro.

Sérgio Neves disse ter entrado em contato e se reunido no prédio da Codemig com Oswaldo Borges da Costa entre 18 a 22 de setembro de 2014 para concretizar os pagamentos da maneira proposta por Fernando Migliaccio. Segundo o delator, Oswaldo Borges da Costa “após manifestar preocupação com a logística proposta e pedir tempo para serem avaliadas alternativas destinadas ao recebimento de valores, acabou por não lhe procurar nem cobrar os referidos valores, de modo que o pagamento, por fim, não se concretizou”.

Em manifestação ao Supremo, Janot declarou haver “divergência” sobre o pagamento de R$ 15 milhões.

“Enquanto Marcelo Bahia Odebrecht e Cláudio Melo Filho afirmam terem sido efetuados pagamentos, a pedido de Aécio Neves, destinados ao senador José Agripino, os colaboradores Benedicto Júnior e Sérgio Neves asseguram que nenhum dos valores de R$ 15 milhões ajustados entre Aécio Neves e Marcelo Bahia Odebrecht acabaram sendo pagos”, afirmou o procurador-geral da República.

Janot anotou ainda que “não há exata correlação entre os fatos relacionados aos pagamentos de R$ 3 milhões realizados através contrato fictício, à promessa de pagamento de R$ 15 milhões feita pelo Grupo Odebrecht, os pagamentos efetivados de R$ 500 mil mensais e de R$ 5 milhões, mediante doação oficial”. “Portanto, faz-se necessária a abertura de investigação para que se apure o montante total repassado e as circunstâncias em relação às solicitações. O certo é que os elementos apresentados são suficientes para autorizar sejam os fatos investigados.”

Aécio afirmou que as investigações são fundamentais para esclarecer a verdade e demonstrar a realidade. “E, por isso, vão revelar a correção da conduta do senador Aécio e do PSDB. Faz parte desse inquérito, por exemplo, a declaração do ex-diretor Benedicto Jr. que atestou que, em 2014, a campanha presidencial do senador Aécio Neves deixou de receber uma contribuição de R$ 15 milhões por ter se recusado a receber os recursos no exterior”, acrescentou.

Já Agripino Maia disse que, mesmo não tendo sido candidato em 2014 e desconhecendo o teor das menções que lhe são atribuídas, coloca-se “à disposição da Justiça para colaborar com as investigações que se venham a requerer”.

Paulo Vasconcelos afirma que conduziu todas as campanhas das quais participou dentro do que estava previsto na lei. “Essas delações contém informações falsas, que serão desmentidas ao longo das investigações”, afirmou. A assessoria de imprensa da PVR alegou que todos os serviços relatados pelo delator foram efetivamente prestados pela empresa, “como teremos possibilidade de comprovar ao longo da investigação”.

Compartilhe:

Idade deve livrar Garibaldi e Agripino de processo

Por Dinarte Assunção

Portal No Ar

Os senadores José Agripino e Garibaldi Filho e o deputado federal Felipe Maia não tiveram contra si inquéritos abertos na lista do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

Os delatores da empreiteira indicaram repasses de R$ 200 mil para Garibaldi, R$ 100 mil para José Agripino e R$ 50 mil para Felipe Maia como caixa dois, na eleição de 2010.

O relator Edson Fachin, contudo, determinou a remessa dos documentos de volta à PGR. Ele levou em consideração que a Procuradoria Geral da República deve se manifestar sobre a extinção da punibilidade para Agripino e Garibaldi em razão da idade. Não é pedido para Felipe Maia extinção de punibilidade.

A legislação prevê extinção de punibilidade para maiores de 70 anos. Agripino tem 72 e Garibaldi completou 70 em fevereiro deste ano.

Compartilhe:

Agripino afirma que vai colaborar com a Justiça

Abaixo nota do senador José Agripino (DEM) a respeito da inclusão do nome dele na lista do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin.

NOTA

 
Mesmo não tendo sido candidato em 2014 e desconhecendo o teor das menções a mim atribuídas, coloco-me à disposição da justiça para colaborar com as investigações que se venham a requerer.

Senador José Agripino (RN)

Presidente nacional do Democratas

Compartilhe:

Agripino e Felipe também foram beneficiados por “Departamento de Propinas”

“Pino” e “Pininho”, respectivamente José Agripino e Felipe Maia ambos do DEM foram delatados pelo ex-executivo da Odebrecht Ariel Parente Costa foram acusados de receber respectivamente R$ 100 mil e R$ 50 mil do Setor de Operações Estruturadas, conhecido como “Departamento de Propinas”.

Segundo o relatório, o pagamento foi a título de caixa dois. O documento não revela o que seria dado em troca da colaboração.

Abaixo o trecho que relata o pagamento:

“Segundo o Ministério Público, relata o colaborador a ocorrência de pagamentos de vantagens no contexto das campanhas eleitorais de José Agripino Maia e Felipe Catalão Maia, respectivamente, ao Senado Federal e à Câmara dos Deputados. São narrados, nesse tema, repasses financeiros não contabilizados nas somas R$ 100.000,00 (cem mil reais) a José Agripino Maia e R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) a Felipe Catalão Maia, transações efetivadas por intermédio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht, sendo os beneficiários identificados no sistema “Drousys” com os apelidos de “Pino” (José Agripino) e de “Pininho” (Felipe Maia)”. 

Compartilhe:

José Agripino pede elegância ao PT em sabatina de Alexandre de Moraes

_DSC2855 copy

O presidente nacional do Democratas, José Agripino (RN), disse esperar que o PT se comporte de forma elegante, e não desaforada, durante a sabatina do ministro licenciado Alexandre de Moraes, nesta terça-feira (21), às 10h, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). “Não tenho dúvidas de que será uma sabatina dura. Perguntar, questionar e esclarecer fazem parte desse tipo reunião, mas é preciso que tudo seja conduzido de forma elegante, e não desaforada, como houve no passado, quando o PT chegou a ofender algumas pessoas e alguns sabatinados”, frisou o parlamentar pelo Rio Grande do Norte.

Moraes foi indicado pelo presidente Michel Temer para ocupar a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), após a morte do ex-ministro Teori Zavascki em um acidente aéreo, dia 19 de janeiro. Sobre o perfil técnico de Moraes, José Agripino destacou que o jurista é considerado um dos melhores constitucionalistas do Brasil o que, segundo o presidente do DEM, dá a ele todas as condições para ocupar o cargo.

“Do ponto de vista técnico, Alexandre de Moraes é um constitucionalista acima de qualquer suspeita. O livro que ele tem de interpretação da Constituição Federal está na 32ª edição, ou seja, é uma das maiores referências do Brasil. Por isso, tem todas as condições para ser indicado como ministro da suprema corte”, afirmou Agripino.

Compartilhe: