Se a política está carnavalizada, politize-se o carnaval

tuiuti-2-600x338

O carnaval 2018 deu o tom político que aguardamos para esse ano. A folia foi uma mistura de “Fora Temer” nos blocos com críticas sociais nas escolas de samba. A política carnavalizada foi cutucada com louvor pelo carnaval politizado.

Os efeitos são incalculáveis e vão muito além do fato de as escolas de samba campeã e vice do carnaval carioca terem apostado em críticas sociais em seus enredos.

O Brasil está mais atento aos acontecimentos da política do que há dez anos, por exemplo. A questão primordial é que nos governos de FHC e Lula o país viveu 16 anos de estabilidade política e econômica. Coisa rara em nossa história.

Quando as coisas vão bem nesses campos mesmo que com alguns percalços morais e as crises comuns ao sistema capitalista, as pessoas tendem a se preocupar menos com a política.

O ano de 2018 será o mais politizado deste século. Do ponto de vista político e prático 2018 começou quando o segundo turno do pleito de 2014 acabou. Nunca uma eleição presidencial foi tão antecipada como a de outubro vindouro. Talvez isso explique o grande número de candidatos competitivos, ainda que nivelando por baixo, e a pulverização das intenções de votos nas pesquisas.

O único que sobra nessa curva é o ex-presidente Lula que está mais próximo da prisão que das convenções do PT, previstas para julho.

A corrupção política entrou nas nossas casas a ponto de o cidadão médio não separar mais a classe política entre honestos e desonestos, mas entre “quem rouba, mas faz” e os que “roubam e nada fazem”.

Daí a política carnavalizada politizar o carnaval foi um passo.

Compartilhe:

Eleição sem Lula fortalece Bolsonaro

Bolsonaro

O título pode soar confuso para quem está acostumado com as abstrações da política que se divide em espectros como direita, esquerda e centro. A mídia nacional também não tem enxergado por esse caminho que ouso trilhar neste artigo.

Por que? A maior parte da mídia brasileira tem alinhamento com o PSDB. Isso é um fato indiscutível. Agora o trabalho é reposicionar o partido ao centro para ocupar o vácuo deixado pelo PMDB. Daí surgem interpretações de que sem Lula o “centro político” se fortalece.

Essa é uma avaliação, inclusive, advogada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que é quase uma confissão de que toda mobilização de grupos “emebeélicos” contra Lula tem a chancela tucana.

Mas o foco desse artigo é a questão: quem ganha mais na corrida presidencial sem Lula? Na minha opinião é Jair Bolsonaro.

Está claro que a mídia nacional não deseja ver o capitão reformado do exército na crista da onda. Logo surgiram análises de que ele não estará polarizando com Lula e perde com isso. Outros afirmam que os votos dele vão para o “centro”. Que centro? Se for desses partidos que estão aí o discurso moralista (de goela) continuará existindo e polarizando com o que sobrar na disputa.

É preciso separar análise e opinião da mera manifestação de vontade. Também é preciso levar em conta o perfil do eleitorado que decide a eleição: o “povão”. E é nas camadas desprivilegiadas que Bolsonaro tem chances de herdar o espólio eleitoral lulista.

Todos são ladrões, na ótica do eleitor menos escolarizado e desligado da política. Por isso, Lula com todo contexto contrário resiste e lidera pesquisas presidenciais. Ele tem carisma, serviços prestados e fala o que os mais humildes gostam de ouvir.

Quem dos nomes repete esse perfil populista? A resposta é Jair Bolsonaro. Você pode não gostar dele, mas ele é carismático. Comparo ele a aquele dono de bodega grosso que por algum motivo inexplicável todo mundo gosta. É duro admitir isso, mas é um fato por mais que muito do que ele diz provoque repulsa.

Lembre-se: Hitler também era carismático!

Outro ponto: Bolsonaro num outro viés diz o que o “povão” gosta de ouvir apresentando soluções simples para problemas complexos na base do “bandido bom é bandido morto”. Você pode achar que não é assim, mas foi com essa estratégia discursiva que Bolsonaro tornou-se o “mito” na Internet.

Esse discurso propagado por Bolsonaro é o mesmo que converte apresentadores de programas policiais em fenômenos de audiência na TV aberta. O “povão” gosta desse discurso e é nas camadas populares onde não existem critérios ideológicos na decisão do voto que o eleitor de Lula pode migrar para Bolsonaro.

Claro que existem eleitores fieis a Lula que vão votar em quem ele orientar mesmo que seja de dentro de uma prisão. Isso tem chances de acontecer, inclusive minando Bolsonaro. Dependerá de quem se apresentar e do contexto do pleito.

É óbvio que existem pessoas que jamais votarão em Bolsonaro por considera-lo desprezível. Pelo menos esse aspecto não está em questão nas camadas populares.

O antropólogo Juliano Spyer tem se dedicado a estudar o comportamento político das classes populares. Ele constatou que a classe C, por exemplo, não usa o Facebook para ativismo político. Também percebeu que o “eu fiz” pesa muito na escolha do voto. Nesse sentido, o único presidenciável de 2018 com esse discurso é Lula. Bolsonaro pode atrair esse eleitor por passar a impressão de que vai moralizar a política, atuando como “salvador da pátria”.

Por isso, existe o paradoxo do eleitor que pode migrar de Lula para Bolsonaro sem o menor constrangimento. O grosso do eleitorado não se importa com ideologia. Esse é um assunto restrito aos setores mais ilustrados da classe média e olhe lá!

Por mais contraditório que seja o antilula-mor pode herdar os votos do inimigo político nas camadas populares. Será um erro da elite política do país subestimar essa possibilidade.

Compartilhe:

Quem no RN perde mais com a condenação de Lula?

Fátima e Lula

No Rio Grande do Norte, a maior derrotada com a condenação do ex-presidente Lula é a senadora Fátima Bezerra (PT). Ela lidera as pesquisas para o Governo do Estado em condições frágeis e com intenção de votos na casa dos 20%.

É um quadro ruim para quem é 100% conhecida no Estado. A alavanca para melhorar o desempenho eleitoral da petista seria um Lula forte na disputa. Condenado em segunda instância, o ex-presidente tem menos força para embalar a campanha de Fátima e o antipetismo aflora e ganha discurso na classe média.

Lula fora da disputa seria desastroso para as pretensões de Fátima Bezerra. Sem ele, a senadora corre o risco de repetir Fernando Bezerra que em 2002 liderou as pesquisas chegando a ser cotado para vencer no primeiro turno, mas terminou nem indo à segunda etapa do pleito que colocou frente a frente Wilma de Faria contra o hoje presidiário Fernando Freire.

Quem ganha?

Em outros tempos seria fácil dizer que o senador José Agripino (DEM) surfaria numa onda como essa. Hoje ele é um surfista cansado com a prancha política trincada. Não é só o “Galego do Alecrim” que padece desse mal. Toda elite política do Estado afunda numa crise de imagem sem precedentes e pode levar um caldo nas urnas caso surja algum movimento alternativo minimamente organizado, o que até agora não aconteceu.

Fátima é a maior perdedora com a nova condenação de Lula, mas ninguém ganhou pontos com isso num rio grande de desgaste político.

Compartilhe:

Enfim 2018: um ano crucial para os rumos da política brasileira

Spigot-Inc-Fireworks

Finalmente 2018 começou, pelo menos do ponto de vista formal. Na prática esse ano já está em curso desde o dia 27 de outubro de 2014 quando as urnas do segundo turno foram abertas. Nunca um ano eleitoral foi tão aguardado e discutido.

Tudo que aconteceu entre 2015 e 2017 foi focando no ano que ora se apresenta ao povo.

São muitas perguntas que serão respondidas até o mês de outubro. Será um pleito diferente sobretudo pela presença de algo inédito: um candidato assumidamente conservador e de direita com chances reais de vitória.

Há tempos alerto que Jair Bolsonaro não deveria ser tratado como piada. Hoje ele encontra-se consolidado no segundo lugar e pode, por incrível que pareça, ser o maior beneficiário de uma eventual (e provável) exclusão de Lula do pleito.

Como assim? Perguntaria o leitor que não consegue enxergar a política além do nariz que respira pelo viés da ideologia. Lógico que uma pessoa de esquerda não votaria num candidato como Bolsonaro. Mas o povão não segue essa lógica. O grosso do eleitorado do PT tem gratidão a Lula pelos programas de inclusão social. Sem o líder petista, eles vão migrar para outro tipo de populismo: o de Bolsonaro bem ao estilo “bandido bom é bandido morto”.

E Lula? Seu futuro político está nas mãos do judiciário. A candidatura é mais que viável mesmo com todo o desgaste que sofre. Mas a ficha limpa pode tirá-lo do pleito.

O PSDB segue minguando principalmente pelo efeito Bolsonaro que lhe tirou boa parte do voto antipetista. O partido entra 2018 tentando se reinventar como alternativa de centro, mas manchado pelos escândalos de corrupção e imagem atrelada ao governo de Michel Temer.

Outros nomes brigam para não serem coadjuvantes em 2018. Destaque para Ciro Gomes (PDT), Álvaro Dias (PODE) e Marina Silva (REDE).

A surpresa pela esquerda pode ser Guilherme Boulos, Coordenador Nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). Ele pode ser o candidato do PSOL.

O ano de 2018 já começou e pode ser de uma virada de rumos na política brasileira.

Ainda hoje

Análise sobre o ano de Rosalba

Análise sobre o ano de Robinson

Prognósticos para as eleições de 2018 no RN

Compartilhe:

Pesquisa materializa em números o desprezo do eleitor potiguar aos políticos

img_eleitores-rejeicao-candidatos_pesquisa-ibope_charge

A pesquisa do Instituto Consult sob encomenda da FIERN materializou o tamanho do desprezo do eleitor potiguar pela classe política do Rio Grande do Norte. Basta surgir um nome novo, ficha limpa (ver AQUI) e capaz de provocar esperança que será senador ou governador ano que vem.

Do contrário, será vencedor nos pleitos majoritários quem se limitar a conquistar o máximo possível de votos válidos em um cenário de altos índices de brancos, nulos e abstenções. O problema disso é o surgimento de um governante sem legitimidade e incapaz de liderar o sofrido elefante num caótico quadro administrativo a partir de 2019.

Temos em Robinson Faria (PSD) um reflexo latente do tamanho do problema de se ter um governante sem respaldo popular, eleito por exclusão.

Veja o exemplo da disputa pelo Senado. Já expliquei no Blog que os senadores Garibaldi Filho (PMDB) e José Agripino (DEM) estão tão fragilizados que precisam costurar um “WO” (ver AQUI) nas eleições do próximo ano. O texto foi escrito horas antes da divulgação da pesquisa.

O cenário começa a complicar mais para o senador José Agripino. A deputada federal Zenaide Maia (PR) já ultrapassa o presidente nacional do DEM, recém tornado réu por corrupção. Garibaldi segue líder na soma de primeiro e segundo voto, mas nada que se compare com seu desempenho em outros pleitos. A fragilidade está exposta. Basta um nome minimamente viável para surgir e ameaçar. O Senado é mais que uma disputa aberta. O pleito está escancarado.

Apresentação do total de votos em resposta múltipla

Garibaldi Alves Filho: 18,88%

Zenaide Maia: 15,24%

José Agripino: 13,12%

Magnólia Figueiredo: 5%

Tião Couto: 2,53%

Outro: 1,52%

Luiz Roberto: 1,41%

Marcelo Queiroz: 1%

Nenhum: 95,94%

Não sabe dizer: 45,35%

OBS.: 1) A Soma da coluna ultrapassa 100%, porque questão tem múltiplas respostas.

 

Os números são assustadores principalmente para Garibaldi e José Agripino. São nomes conhecidos em praticamente 100% dos mais de 3 milhões de habitantes do Rio Grande do Norte e dois terços dos eleitores pesquisados simplesmente ignoram seus nomes tanto para primeiro como para segundo voto. Isso não deixa de ser um alerta para Zenaide Maia que não consegue atropelar a velha dupla mesmo como todo o desgaste que os ronda.

Para o Governo não é diferente na pesquisa estimulada. A senadora Fátima Bezerra (PT) lidera sem ser favorita. Ter 20% das intenções de voto é sinal claro de que ela dependerá muito da conjuntura eleitoral do próximo ano para se alavancar. A palavra-chave é: Lula. Sem o líder petista ela fica mais fragilizada.

O governador Robinson Faria (PSD), por sua vez, deve começar a se conformar em não ser candidato ano que vem. Deve seguir o conselho dado por ele a Francisco José Junior quando tentou convencer o então amigo a não tentou convencê-lo a não tentar a reeleição. “Faltou humildade”, desabafou o líder pessedista após o pleito de 2016. Reza a máxima do marketing político de que candidato governista precisa ter entre 25 e 30% das intenções de voto para ser competitivo. Robinson patina raquíticos 5%.

O eleitor também avisou ao prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves (PDT), para seguir no Palácio Felipe Camarão até 31 de dezembro de 2020. Ter apenas 11% das intenções de voto em um cenário em que seus maiores fiadores políticos, Garibaldi e Agripino, estão fragilizados não é recomendável. Será uma superação monstruosa se daqui a um ano estivermos especulando o secretariado de um governador eleito de nome Carlos Eduardo Alves. Será necessária uma reviravolta padrão “House of Cards”.

PREFERÊNCIA PARA GOVERNADOR – PERGUNTA

ESTIMULADA

Fátima Bezerra: 20,29%

Carlos Eduardo: 11,41%

Flávio Rocha: 6,59%

Robinson Faria: 5%

Desembargador Cláudio Santos: 2%

Tião Couto: 1,41%

Outro: 0,35%

Nenhum: 41,24%

Não sabe dizer: 11,71%

A soma dos itens “Nenhum” e “Não sabe dizer” chega 52,95% dos entrevistados. É um sinal claro de deslegitimação dos nomes colocados, inclusive o desembargador Cláudio Santos que é incensado pela mídia natalense, mas não consegue emplacar.

060109_GERALDO_MELO_FLAVIO_ROCHA“NOVO”

Não se pode ignorar também a inclusão do empresário Flávio Rocha. A simples presença de seu nome em uma sondagem à mando de uma entidade empresarial é indicativo da presença dele no pleito como algo possível. Com 6% ele é colocado como o “novo” na velha tradicional máxima da política potiguar de mudar para ficar do mesmo jeito.

Flávio Rocha não é um novato na política, pode parecer novo para os desinformados, mas ele foi deputado federal duas vezes (19986 e 1990) e chegou a ser pré-candidato a presidente da República em 1994 pelo PL, mas não seguiu no pleito após sofrer uma reviravolta partidária que resultou no apoio do PL (atual PR) a Fernando Henrique Cardoso.

As projeções para a eleição de Governo e Senado no Rio Grande do Norte é um espetáculo de desprezo aos políticos até aqui. O recado está dado resta saber qual será o coelho da cartola que as velhas raposas vão tirar para continuar no comando desse galinheiro representado na cartografia por uma imagem análoga a de um sofrido elefante.

Compartilhe:

“Lula é o comandante máximo dos crimes de corrupção na Petrobras”, afirma investigador da Lava Jato

Jordana Martinez, Narley Resende e Fernando Garcel

Paraná Portal

Foto: Ricardo Stuckert/ PREm entrevista coletiva, na tarde desta quarta-feira (14), o Ministério Público Federal (MPF) denunciou o  ex-presidente Lula, a ex-primeira dama Marisa Letícia, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e outras cinco pessoas por envolvimento no caso do tríplex do condomínio Solaris, no Guarujá (SP).

O Procurador da República  e Coordenador da Força Tarefa do Ministério Público Federal na Lava Jato, Deltan Dallagnol, afirmou que o ex-presidente Lula “é o comandante máximo dos crimes de corrupção na Petrobrás”.

Segundo Dallagnol, não restam dúvidas de que “Lula era o grande general que comandou a realização e a prática dos crimes, e que coordenava o funcionamento e, se quisesse, a paralisação”.

Os procuradores apresentaram ainda algumas representações gráficas da chamada “proprinocracia” que foi instalada no governo federal: “No ápice dessa pirâmide está o núcleo político, e no centro desse núcleo político está Lula”, afirmou.

De acordo com o gráfico, Lula tinha poder para distribuir os cargos. Para Dallagnol, Nestor Cerveró foi nomeado na Petrobras para atender os interesses arrecadatórios do PT e o funcionamento do Mensalão e da Lava Jato dependia não só do poder de Lula como comandante, mas como líder partidário.

“Lula estava no topo da pirâmide do poder. No período em que foi estruturado o esquema criminoso do Petrolão, foi Lula que deu provimento aos altos cargos da administração pública federal”, disse.

Para os procuradores, “Lula era o elo comum e necessário entre o esquema partidário e o esquema de governo” e vários integrantes do PT estiveram envolvidos na Lava Jato, assim como outras pessoas próximas a ele, como José Dirceu, João Santana, João Vaccari, Bumlai, Paulo Ferreira, André Vargas e José de Filippi Jr.

Capturar

De acordo com as provas e indícios coletados no processo, as propinas pagas no esquema do “Petrolão” chegaram a R$ 6.2 bilhões de reais, mas, por conta das trocas de favores que todo o esquema envolvia, os prejuízos causados passariam dos 42 bilhões.  O procurador definiu o petrolão como parte de um esquema de governabilidade corrompido: “O método alcançado comprometia os fins… essa é a nossa propinocracia, a democracia da propina que  buscar recursos para se perpetuar ilegalmente no poder”, concluiu Dallagnol.

“O Mensalão e a Lava Jato são duas faces de uma mesma moeda – esquemas de corrupção feitos pelo mesmo governo e pelo mesmo partido”, definiu.

Indiciamento

No dia 26 de agosto, a Polícia Federal (PF) indiciou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a esposa, Marisa Letícia, o ex-presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto e o empresário da OAS, José Aldemário Filho, no inquérito que apura o irregularidades na propriedade e reforma do tríplex do Condomínio Solaris, no Guarujá, litoral paulista. Depois do indiciamento, os procuradores do MPF pediram prazo de 90 dias para apresentar a denúncia ao juiz Sérgio Moro.

De acordo com o delegado da PF, Márcio Adriano Anselmo, o casal foi “beneficiário de vantagens ilícitas, por parte da OAS, em valores que alcançaram R$ 2,4 milhões referentes as obras de reforma no apartamento 164-A do Edifício Solaris, bem como no custeio de armazenamento de bens do casal”.

Lula foi denunciado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, já a esposa por corrupção e lavagem. Essa é a primeira vez que o ex-presidente é denunciado em investigações relacionadas a Operação Lava Jato.

Antes, o ex-presidente chegou a ser alvo de mandado de condução coercitiva, durante a deflagração da 24ª fase da Lava Jato, batizada de Operação Aletheia, em que negou conhecer Paulo Gordilho, engenheiro da empreiteira OAS, responsável pela reforma da cozinha do tríplex e de um sítio em Atibaia (SP) que também é atribuído como propriedade de Lula em outra investigação.

O prédio era de responsabilidade da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop), que passou a edificação para a OAS, em 2009. A defesa da esposa de Lula, Maria Lética, argumenta que pagou as parcelas do apartamento ao longo de quatro anos, mas desistiu da compra.

IMG-20160914-WA0019Denunciados

O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva foi indiciado por corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. No inquérito, Lula é apontado como recebedor de vantagens pagas pela empreiteira OAS no triplex do Guarujá. Os laudos apontam melhorias no imóvel avaliadas em mais de R$ 777 mil, além de móveis estimados em R$ 320 mil e eletrodomésticos em R$ 19,2 mil.

A PF estima que as melhorias tenham custado mais de R$ 1,1 milhão no imóvel do Guarujá. Lula também teria recebido vantagens junto à Granero Transportes LTDA, que teria armazenado os pertences do ex-presidente em dez containers entre 2011 e 2016.

A ex-primeira dama Marisa Letícia foi indiciada por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Para a PF, Marisa recebeu, junto a Lula, vantagens indevidas da empreiteira OAS nas reformas do tríplex. Marisa e o filho de Lula, Fábio Lula foram intimados para prestar depoimento não âmbito da força-tarefa, sobre o sítio de Atibaia e não compareceram a oitiva marcada para o dia 16 de agosto. A defesa alegou que eles não são obrigados a depor.

Paulo Tarcisio Okamoto foi indiciado por crimes de corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Segundo a PF, ele recebeu vantagens indevidas entre 2011 e 2016 que totalizaram mais de R$ 1,3 milhão do empreiteiro Léo Pinheiro.

Paulo Okamoto prestou depoimento para a Justiça Federal, em São Paulo, em março deste ano. O Ministério Público Federal fez um pedido de prisão contra o ex-presidente do instituto, que foi negado pelo juiz Sérgio Moro. Na época, ele foi questionado sobre o funcionamento da entidade, a transferência dos objetos do ex-presidente para o Sítio Santa Bárbara, em Atibaia e sobre a captação de recursos junto às empreiteiras.

José Aldemario Pinheiro Filho, ex-presidente da OAS conhecido como Léo Pinheiro, é acusado por corrupção ativa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Ele teria pagado a Gordilho para a realização das obras e trasporte e armazenamento dos bens do casal. O total pago em vantagens indevidas chega a R$ 2.430.193.

Pinheiro também atuou na celebração de um contrato falso e ocultou dinheiro ilícito. Léo Pinheiro já foi condenado pela Justiça Federal, em primeira instância, a 16 anos e quatro meses de prisão, acusado de cometer os crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Ele está preso e chegou a firmar acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF), mas a Procuradoria-Geral da República (PGR) suspendeu as negociações após vazamentos sobre o depoimento.

Paulo Gordilho, ex-diretor da OAS, atuou diretamente no pagamento de propina junto a Léo Pinheiro. Foi indiciado pelos crime de corrupção ativa.

Foto: Rodolfo Burher/ La Imagem

Foto: Rodolfo Burher/ La Imagem

Operação Aletheia

A operação cumpriu mandados de busca e apreensão na casa de Lula, principal alvo da fase. O ex-presidente foi conduzido coercitivamente para prestar depoimento no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo (SP). Também foram levados para depoimento dois filhos de Lula, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e os empresários Fernando Bittar e Jonas Suassuna.

Cinco das maiores empreiteiras investigadas na Lava Jato – Camargo Correa, OAS, Odebrecht, Andrade Gutierrez e Queiroz Galvão- teriam feito pagamentos e doações às empresas de Lula: o Instituto Lula e a LILS Palestras.

Os valores somavam cerca de R$ 30 milhões. As investigações também apontaram que o ex-presidente recebeu benefícios através da OAS, da Odebrecht e do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula. As construtoras e o empresário teriam custeado reformas e a compra de móveis para o sítio e o triplex.

Incompetência em ocultação de patrimônio

No dia 8 de setembro, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), julgou inviável uma reclamação ajuizada pelo ex-presidente Lula contra a decisão do juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba que inadmitiu diversos processos de exceção de incompetência e manteve os inquéritos contra o ex-presidente no Paraná.

Na Reclamação, os advogados do ex-presidente alegavam que o juiz federal autorizou a instauração e a continuidade de diversos inquéritos contra Lula, que teriam o mesmo objeto do Inquérito 3989, que tramita no STF.

Com isso, estaria sob a competência do Supremo a apuração de fatos. A instauração de investigação idêntica por outro órgão judicial, além de configurar usurpação da competência do Supremo, também representaria afronta aos direitos e garantias do ex-presidente.

Para o ministro Teori Zavascki, os argumentos da defesa do ex-presidente não procedem. De acordo com o relator, o juiz federal não admitiu as exceções de incompetência sob o fundamento de que, antes do oferecimento da denúncia, não se tem o objeto da imputação, que é exatamente o que definirá a competência do juízo e, portanto, seriam prematuras as alegações de que “a ocultação de patrimônio por Lula e os supostos recebimentos de benesses das empreiteiras Odebrecht, OAS e outras não têm qualquer relação com o esquema criminoso que vitimou a Petrobras e que é objeto da operação Lava Jato”.

Acervo presidencial

No dia 6 de setembro, O Ministério Público Federal peticionou, o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal do Paraná, para que a Secretaria de Administração da Presidência da República seja chamada a avaliar os mais de 180 objetos apreendidos pela Polícia Federal em um cofre do Banco do Brasil em nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Antes de emitir parecer sobre o destino dos objetos apreendidos, os procuradores querem saber da Secretaria se alguns dos objetos não seriam do acervo público da Presidência da República, estando indevidamente de posse de Lula. O MPF pediu tal manifestação após auditoria do Tribunal de Contas da União constatar irregularidades na catalogação dos presentes recebidos pelos presidente Lula e Dilma Rousseff em cerimônias ou encontros com chefes de estado.

Obstrução

No dia 6 de setembro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu hoje (6) à Justiça Federal no Distrito Federal a anulação da ação penal em que é acusado pelo crime de obstrução das investigações da Operação Lava Jato. Na resposta à acusação, por meio de seus advogados, Lula afirma que não teve participação na suposta compra de silêncio do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró e indica nulidades no processo. Em julho, o juiz federal Ricardo Soares Leite, da 10ª Vara Federal no Distrito Federal, aceitou denúncia do Ministério Público Federal (MPF), e Lula e o ex-senador Delcídio do Amaral passaram à condição de réus na ação penal, além do ex-controlador do Banco BTG André Esteves; Diogo Ferreira, ex-chefe de gabinete de Delcídio; o empresário José Carlos Bumlai e o filho dele, Maurício Bumlai, e o advogado Edson Ribeiro.

Compartilhe: