A aliança “pescoço e machado” entre PSDB e PSB no RN

img_0385 (1)

Quando o vice-governador Fábio Dantas trocou o PC do B pelo PSB e rompeu com o governador Robinson Faria (PSD) fez isso recebendo apoio do comando do PSDB do presidente da Assembleia Legislativa Ezequiel Ferreira de Souza.

De lá para cá, o PSDB não fez outra coisa a não ser esvaziar o PSB. Primeiro tirou o grupo de Sandra Rosado da agremiação. Agora é a vez do deputado estadual Tomba migrar para o ninho tucano. Sem contar que há dois anos Márcia Maia também fez exatamente a mesma travessia.

Enquanto o PSB trabalha uma candidatura ao Governo do Estado seu principal aliado esvazia o partido.

É uma aliança em que uma sigla entra com o pescoço e a outra com o machado.

O PSDB está robustecido para encontrar uma aliança que lhe proporcione conforto caso naufrague o projeto de Fábio Dantas, o que é uma possibilidade concreta. O PSB ficou totalmente esvaziado no Estado.

Compartilhe:

Kelps entra no jogo pelo Governo, mas precisa de muito mais que “pau de selfie” e um discurso articulado

kelps_pauDeputado estadual famoso pelo discurso articulado e pelo uso eficaz das redes sociais, Kelps Lima (SD) é o mais novo integrante do cada dia maior leque de governadoráveis. O Solidariedade do Rio Grande do Norte sugere que o nome dele seja incluso nas pesquisas.

Não é por menos. Kelps atua em faixa própria na política potiguar. Não é ligado aos políticos tradicionais embora tenha transitado nesse meio. Também não é de esquerda nem muito menos um outsider ou um nome ligado ao segmento empresarial.

Articulado, o parlamentar se destaca por fazer a mais contundente oposição ao governador Robinson Faria (PSD) na Assembleia Legislativa. Tem colocado o dedo na ferida em questões delicadas e comprado algumas brigas.

No primeiro teste em disputas majoritárias foi segundo colocado na disputa pela Prefeitura de Natal, ficando à frente de nomes com mais tradição na política como seus colegas de parlamento Fernando Mineiro (PT) e Márcia Maia (PSDB) num pleito em que outro atual governadorável, Carlos Eduardo Alves (PDT), trucidou os adversários nas urnas.

O então candidato pelo Solidariedade teve 47.576 (13,37%) votos contra Carlos Eduardo que obteve 225.741 (63,42 %), uma acachapante diferença de 50%. Como no período que antecedeu aquele pleito, ele fez mistério enquanto pôde. Agora repete a tática de não dizer que sim nem que não quando questionado sobre disputas majoritárias, mas quando o partido que preside pede para incluí-lo nas pesquisas temos um sinal de que ao menos ele quer tomar temperatura do que o povo pensa sobre ele para voos maiores.

Na campanha para prefeito de Natal, Kelps revolucionou ao fazer as gravações usando apenas um telefone celular e usando um bom discurso. Em um partido de médio para pequeno porte em uma disputa para o governo em que corre um risco altíssimo, ele precisará de muito mais do que um “pau de selfie” e um discurso articulado para lograr êxito caso abra mão de uma reeleição certa para deputado estadual.

Compartilhe: