A treta entre Mineiro e Fábio Faria vai além do declaratório

Fábio agrada antipetismo com críticas ao Governo. Mineiro cumpre missão na defesa (Foto: montagem Blog do Barreto)

Poderia cair no discurso fácil de sentar a pua no deputado federal Fábio Faria (PSD). Afinal de contas, ele nem no Rio Grande do Norte mora e é filho de Robinson Faria (PSD), governador corresponsável pela tragédia fiscal do Rio Grande do Norte.

Mas bem ou mal Fábio é representante do povo do Rio Grande do Norte e tem a legitimidade do voto para criticar a governadora Fátima Bezerra (PT). Assim como são justos os questionamentos em torno do parlamentar sempre alheio ao debate público no Estado.

O que me chama atenção na cobertura sobre a briga dele com o ex-deputado estadual Fernando Mineiro (PT) é a limitação ao bate-boca em si, ao declaratório de ambos no Twitter.

Desde quando Fábio gravou o vídeo chamando a governadora de “covarde” fiquei com uma pulga atrás da orelha: o que leva Fábio a fazer esse vídeo? Ele não é disso. Muito pelo contrário, Conseguir uma entrevista com o deputado é um feito para pouquíssimos jornalistas no Rio Grande do Norte, por sinal.

Desconfio, mas não consegui confirmar, se houve algum problema entre Fábio e o Governo nos bastidores. Esta é uma hipótese.

Outra possibilidade, aparentemente mais verossímil, é a de que Fábio tenta ocupar o vácuo de oposição que existe. Na bancada federal ninguém faz críticas ao Governo Fátima Bezerra. Na Assembleia os deputados Kelps Lima (SD), José Dias (PSDB), Coronel Azevedo (PSC) e Gustavo Carvalho (PSDB) puxam o coro das críticas, mas sem marcar uma posição mais consolidada no imaginário do eleitor mais conservador.

O ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT), derrotado por Fátima em 2018, anda mais calado.

Já o ex-governador Robinson Faria já fez críticas à governadora em relação à metodologia do Programa de Estímulo ao Desenvolvimento Industrial (PROEDI). Fábio vai por essa linha.

Existe um vácuo de liderança na oposição que ninguém está ocupando. Talvez seja isso que motivou Fábio a agir.

O antipetismo é grande na classe média potiguar e aguarda alguém para representá-la. Pode ser Robinson, Fábio ou Carlos Eduardo. Mas também pode ser outro nome como General Girão (PSL).

Sobre Mineiro ele cumpre o papel que lhe cabe. No secretariado é o quadro com maior perfil político e mais tarimbado para o debate público. Terá que lidar junto com Fátima com as críticas pela contradição de ter que enviar ao parlamento uma proposta de reforma da previdência estadual que tanto combateram no passado.

Será um ônus pesado que o Governo Fátima carregará.

Tem muito mais em jogo por trás da treta entre Mineiro e Fábio nas redes sociais.

Compartilhe:

“Complexo de deputado estadual”

A tática do rosalbismo de calar opositores por meio da utilização da mídia parceira se reproduz na Câmara Municipal através de um “complexo de deputado estadual” por parte dos vereadores governistas.

Se um vereador da oposição aponta uma falha da gestão municipal logo os governistas bem ao estilo bot bolsonaristas disparam: “e o Governo do Estado?”.

Neste momento a Câmara Municipal vira Assembleia Legislativa. Não que vereador não possa falar sobre temas estaduais. A questão não é essa, mas da constatação de uma clara tentativa de desvio de foco do tema debatido.

Engraçado é que nem todo vereador da oposição é necessariamente alinhado à governadora Fátima Bezerra (PT).

A reação governista é uma demonstração do tamanho da ausência de feitos por parte da prefeita Rosalba Ciarlini (PP). Como não há o que mostrar só resta apelar para a outra esfera de governo.

No rosalbismo a melhor defesa é o ataque.

Compartilhe:

Oposição x situação: cada um com sua denúncia seletiva

Ontem uma coisa me chamou atenção no acalorado debate na Câmara Municipal:

De um lado, a bancada governista denunciava o quebrado no Hospital Regional Tarcísio Maia.

Do outro, a oposição apontava o dedo para o raio x quebrado no PAM do Bom Jardim.

No meio disso, a população sem os dois serviços.

Seria mais proativo deixar a seletividade de lado e a Câmara Municipal formar uma comissão para vistoriar as duas situações, produzir um relatório sobre o caso e denunciar ao Ministério Público.

Compartilhe: