Relação de Flávio Bolsonaro com milícias começou ser desvendada a partir de depoimento dado em Mossoró

Flávio Bolsaro está enrolado com milícias (Foto: Web)

Blog do Dina

As revelações feitas no presídio federal de Mossoró de Orlando de Curicica à procuradora da República Caroline Maciel foram o ponto de partida para, mais tarde, Flávio Bolsonaro ser implicado no caso.

Ao revelar a atuação do ‘Escritório do Crime’, os investigadores federais avançaram na trilha apontada por Orlando e se depararam com o major Ronald Paulo Alves Pereira e o ex-capitão da PM Adriano Magalhães da Nóbrega.

Ambos, se descobriu, são líderes do ‘Escritório do Crime’.

Tanto Adriano Nóbrega quanto Ronald Pereira foram homenageados na Assembleia Legislativa do Rio com menções honrosas propostas pelo então deputado estadual Flávio Bolsonaro.

Para justificar a homenagem a Nóbrega, que ocorreu em 2003, Flávio argumentou que o então capitão prestava “serviços à sociedade, desempenhando com absoluta presteza e excepcional comportamento nas suas atividades”.

Nóbrega havia sido apresentado a Flávio por um antigo colega do Bope, Fabrício Queiroz – o ex-assessor do filho de Jair Bolsonaro que está no centro do escândalo envolvendo repasses suspeitos de dinheiro para Flávio na Alerj.

As promotoras e a Polícia Federal já estão certas da participação do grupo de assassinos no crime contra a vereadora. Quem mandou matar e por qual motivo são questões ainda sem respostas, conforme relata Alan Abreu na Piauí.

“O crime se espalhou pelo poder constituído do Rio. Tem bancada. É uma metástase sem controle. O estado não sai mais dessa situação por suas próprias mãos”, disse ao repórter uma autoridade que participa das investigações do caso Marielle.

Compartilhe:

Caso Mariele começou a ser elucidado a partir de Mossoró

Blog do Dina

No dia 1º de novembro de 2018, o jornal O Globo se viu obrigado a antecipar em seu site uma reportagem que seria destaque na edição impressa do dia seguinte.

Assinada pelos jornalistas Chico Otávio e Vera Araújo, a matéria jogava ao público a reviravolta no caso do assassinato da vereadora Marielle Franco, introduzindo, pela primeira vez, a suspeita da participação do ‘Escritório do Crime’, grupo de matadores de aluguel formado por milicianos.

Até então, os principais suspeitos pelo homicídio da vereadora, assassinada há um ano, em 13 de março de 2018, eram o vereador Marcelo Siciliano e o miliciano Orlando da Curicica.

Curicica, até meados do ano passado, estava preso no sistema prisional do Rio de Janeiro. As investigações identificaram que seu nome foi associado de maneira maledicente ao crime.

Por essa razão, na tarde de 1º de novembro, o ministro da Segurança, Raul Jungman convocou coletiva de imprensa para anunciar que a Polícia Federal iria entrar no caso pois descobriu fortes indícios de que a Polícia Civil do Rio de Janeiro conduzia o caso ignorando realmente quem estava por trás do assassinato.

Mossoró

Mas, apesar dessa reviravolta só ter vindo a público em novembro passado, ela começou em agosto, pelas mãos da procuradora da República Caroline Maciel, do Ministério Público Federal do Rio Grande do Norte.

Após o envolvimento no caso, Orlando da Curicica foi transferido para o presídio federal de Mossoró. Em solo potiguar, ele decidiu colaborar para provar sua inocência, e começou a entregar aos investigadores federais o caminho que poderia levar à resolução do caso, revelando o ‘Escritório do Crime’.

Curicica pediu ao juiz Walter Nunes da Silva Júnior, corregedor do presídio federal em Mossoró, que o pusesse em contato com um procurador do Ministério Público Federal. Queria falar o que sabia. Por orientação do juiz, o advogado de Curicica formalizou o pedido, e Silva Júnior encaminhou o documento à procuradora Caroline Maciel,

A história está contada na revista Piauí deste mês, em uma reportagem estarrecedora denominada ‘Metástase’ e que explora como o caso de Marielle representa a falência moral das instituições do Rio de Janeiro ao desnudar o comprometimento do Poder Público com o estado paralelo das milícias.

O depoimento de Curicica a Maciel durou mais de uma hora. O conteúdo era explosivo, mas não veio a público naquele momento. Ao retornar de Mossoró, a procuradora transcreveu as palavras do miliciano em um documento e o encaminhou, em sigilo, para a procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Procurada pelo Blog do Dina, Maciel confirmou os fatos. Informou, no entanto, que não poderia dispor do depoimento, mas se prontificou a dar entrevista, dentro de seus limites. A entrevista foi marcada para a próxima semana.

Compartilhe:

PF investiga corrupção no presídio federal de Mossoró e prende agente penitenciário

Servidor federal é preso (Foto: Assessoria/PF)

A Polícia Federal deflagrou hoje, 26/02, na cidade de Mossoró, Região Oeste Potiguar, a 290 km da capital, a Operação Tu Quoque Brute*, visando apurar suposta prática de atos de corrupção por parte de um servidor do Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), que era o responsável pelos procedimentos licitatórios na Penitenciária Federal daquela cidade.

A mencionada investigação apura indícios de que um agente penitenciário federal solicitou vantagem financeira (propina) de uma empresa para tornar possível a formalização de contrato junto àquela unidade prisional e, para isso, teria falsificado documentos públicos e dispensado, indevidamente, o processo legal de licitação.

Cerca de 20 policiais federais cumprem seis mandados judiciais de busca e apreensão expedidos pela 8ª. Vara da Justiça Federal em Mossoró, além de um mandado de prisão preventiva, um mandado de intimação e um mandado de intimação de cautelar diversa de prisão.

Todos os supostamente envolvidos responderão pela prática dos crimes de corrupção passiva e falsidade ideológica, cujas penas somadas podem chegar a 17 anos de reclusão e, ainda, pelo crime de dispensa de licitação, com penas de até 5 anos de detenção, além de multa.

Não haverá entrevista coletiva de imprensa.

(*) Escrita em Latim, o nome da operação é alusivo ao fato de uma pessoa trair a confiança de outra, cuja expressão tem origem ligada à história da Idade Antiga, quando o imperador romano Júlio César foi vítima de uma conspiração para tirá-lo do cargo. Entre eles estava o seu filho adotivo Marcus Brutus. O complô resultou no assassinato do imperador que na hora da morte, reconheceu o filho entre os seus algozes e proferiu a frase: “Até tu, Brutus?”.

Compartilhe:

Marcola não veio para Mossoró

Marcola está em Rondônia (Foto: reprodução Web)

O dia foi de muito barulho, “barrigadas” da imprensa (nacioal, inclusive) e informações confusas. No final das contas Marcos Camacho, o “Marcola”, líder do Primeiro Comando da Capital (PCC) não veio para o Presídio Federal de Mossoró.

Ele acabou indo para o Presídio Federal de Porto Velho (RO).

Isso não significa que não vieram presentes de grego para a capital do Oeste. Oito integrantes do PCC estão abrigados na nossa cidade.

A operação de guerra realizada ontem por volta das 21h30 foi motivo de apreensão dos que moram nas imediações do Aeroporto Dix-sept Rosado.

Compartilhe: