Multidão ocupa ruas de Mossoró em defesa da educação

Protesto saiu pela Francisco Motta e entrou pela Presidente Dutra (Foto: autor não identificado)

Por Maitê Ferreira

Na manhã desta quarta-feira 15 de maio cerca de cinco mil pessoas tomaram as ruas de Mossoró em protesto contra os cortes na educação pública e a reforma da previdência proposta pelo governo Bolsonaro-PSL. Desde as 7h da manhã estudantes e docentes se concentraram em frente à UERN, UFERSA e IFRN, encontrando-se então na Avenida Francisco Mota. Dezenas de sindicatos e entidades do movimento estudantil construíram a mobilização.

Presidente Dutra foi ponto alto (Foto: Maitê Ferreira)

O ato seguiu em direção à Avenida Presidente Dutra, ocasião em que foi realizada uma ‘descida do Alto de São Manoel’ contra as medidas do governo Bolsonaro, agregando mais pessoas apoiadoras no caminho e seguindo em direção ao Centro. O encerramento se deu na praça do PAX, onde sindicalistas e estudantes discursaram perante a multidão. A manifestação foi considerada uma das maiores da história de Mossoró, sendo comparável à greve geral de 28 de abril de 2017.

Na ocasião, manifestantes entoaram palavras-de-ordem prometendo que “a greve geral vai ser maior”, referindo-se à parada nacional contra a reforma da previdência deliberada pelas centrais sindicais para o próximo 14 de junho. Um ato está sendo planejado em Mossoró/RN pelas centrais sindicais, em conjunto com movimentos sociais e estudantis.

Compartilhe:

Ambulantes protestam no Centro de Mossoró

Temendo serem retirados do Centro da cidade sem receber uma alternativa, os ambulantes de Mossoró realizaram protesto na manhã desta terça-feira, 16.

Há uma recomendação do Ministério Público antiga (ver AQUI) para que os ambulantes sejam removidos do Centro da cidade em nome da acessibilidade.

A Prefeitura de Mossoró tem um prazo de 90 dia para elaborar um plano de evacuação da área, incluindo um trabalho de reinserção dos ambulantes no mercado de trabalho.

O protesto percorreu o Centro e encerrou-se na Câmara Municipal.

Compartilhe:

Protesto impõe “presença” de Marleide em solenidade na Câmara Municipal

Mulheres reagem em favor de Marleide (Foto: redes sociais)

De camisas com as frases “ninguém solta a mão de Marleide” e “também sou persona non grata”, professoras ocupam as galerias da Câmara Municipal de Mossoró em protesto contra a negativa de homenagem a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Mossoró (SINDSERPUM), Marleide Cunha.

Além de ter a proposta de homenagem rejeitada, a sindicalista recebeu o título de persona non grata por parte da Câmara Municipal proposta pelo vereador Flávio Tácito (PPL) e endossada pela bancada governista.

As professoras utilizavam também mordaças.

Nota do Blog: ao portar-se como mamulengos da Prefeitura de Mossoró, a bancada governista está gestando uma nova liderança política na cidade.

Compartilhe:

Equipe de afiliada da Globo é intimidada por caminhoneiros em Mossoró

Repórteres de afiliada da globo agredidos

A jornalista Sarah Cardoso e o repórter cinematográfico Almir Morais estavam se preparando para entrar em um link ao vivo no RNTV primeira edição quando foram abordados por integrantes do movimento grevista dos caminhoneiros.

O Blog do Barreto apurou que a equipe estava numa distância de mais ou menos 1 Km de onde se encontra bloqueio na BR 304. Antes de Sarah Cardoso entrar no link um homem chegou e começou a filmar e mandar para alguém como se estivesse informando que a equipe estava estava ali. Depois chegou outro homem numa Ranger preta e acompanhou lá do lado a entrada ao vivo da equipe. Depois chegaram mais dois em uma moto com os celulares apontados como uma arma.

Sarah chegou a pedir licença para trabalhar alegando ser trabalhadora igual ao homem e explicou que não tinha impedindo ele de protestar ou trabalhar, mas eles não deixaram mais ela entrar ao vivo. Quando a equipe estava se retirando chegaram dois homens na mesma ranger preta que já havia estacionado lá em um primeiro momento com outro indivíduo. Os dois agiram com ainda mais truculência. Ameaçaram quebrar os equipamentos se a equipe não fosse embora.

A equipe da Intertv Cabugi deixou o local sem concluir o trabalho.

No vídeo abaixo é possível ver como a situação foi conduzida pelos manifestantes que chegaram muito perto de agredir Almir Morais.

Nota do Blog: com certeza a maioria dos caminhoneiros que estão defendendo uma causa justa não compactuam com esse tipo de atitude, mas como jornalista não posso me silenciar diante de tamanha falta de respeito a liberdade de imprensa. Podemos não concordar com a linha editorial da Rede Globo, mas temos o dever de defender o direito de os jornalistas exercerem sua profissão. Lamentavelmente esse tipo de prática existe entre os caminhoneiros, mas também em outros protestos de esquerda e de direita. Precisamos de mais respeito a diversidade de pensamento.

Nota do Blog II: o Sindicato dos Jornalistas precisa urgentemente se posicionar sobre essa situação. Hoje foi Sarah Cardoso e Almir Morais. Ontem foram tantos outros colegas. Amanhã pode ser qualquer um outro colega. Minha solidariedade aos colegas.

Compartilhe:

Servidores protestam contra governador e manifestação termina em diálogo

Protesto contra Robinson

O governador Robinson Faria (PSD) encarou o primeiro protesto na agenda de três dias que cumpre em Mossoró. O local escolhido para a manifestação foi o Hospital Regional Tarcísio Maia onde ele inaugurou um novo tomógrafo e participou de solenidade com o ministro da saúde Ricardo Barros.

Segundo informações dos manifestantes ele teria entrado pela porta dos fundos da unidade de saúde para evitar os protestos.

O que ninguém se atentou é que o governador decidiu dialogar com os servidores da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e da saúde que cobram os salários atrasados.

A conversa foi no final da manhã.

Nota do Blog: acerta o governador em dialogar com os servidores. Não adianta se esconder de manifestação. Todo governante encara a revolta dos movimentos sociais. A saída mais digna e democrática é dialogar.

Robinson dialoga

Compartilhe: