Rogério Marinho deixa o PSDB. O Blog explica o contexto da saída

Rogério Marinho está fora do PSDB (Foto: Givaldo Barbosa | Agência O Globo)

O ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho anunciou que está deixando os quadros do PSDB. A explicação oficial é de que o parlamentar estaria sem tempo para as atividades orgânicas do partido por causa do cargo que ocupa.

Vamos à nota que o ministro divulgou:

O fato de me encontrar desde fevereiro de 2019 investido no cargo de secretário especial e depois como ministro do Governo Federal me levou a um afastamento da vida orgânica do PSDB. Por essa razão, me desfilei do partido.

Agradeço o apoio que sempre tive e desejo boa sorte a seus integrantes.

Entendo que esse é um novo momento na política nacional, me sinto honrado pela missão confiada a mim pelo presidente Jair Bolsonaro: o ataque às desigualdades regionais e a diminuição do déficit de infraestrutura e mobilidade do nosso país. Essas são nossas prioridades!

Rogério Marinho

O presidente do PSDB potiguar Ezequiel Ferreira de Souza, que comanda a mesa diretora da Assembleia Legislativa corroborou com a tese de Marinho.

Leia a nota:

Nota do PSDB/RN

O amigo e ex-deputado Rogério Marinho solicitou afastamento dos quadros do PSDB/RN, em razão de estar ocupando o cargo de Ministro de Estado do Desenvolvimento Regional.

Esse pedido de desligamento da vida orgânica do nosso partido, apesar de lamentado por todos nós que fazemos o PSDB/RN foi absolutamente consensual e plenamente compreendido, em razão do momento político nacional.

Ao ministro Rogério Marinho desejamos êxito na relevante missão que desempenha, certos de que a sua presença no mais alto escalão do Governo Federal, além de fazer brilhar o nosso orgulho potiguar, oportuniza consequências positivas para o Rio Grande do Norte.

É uma honra para o nosso Estado ter Rogério Marinho ministro do Desenvolvimento Regional, cargo onde mantém o seu obstinado trabalho pelo desenvolvimento econômico e social da nossa terra e um forte elo de amizade com todos nós, que sempre lutamos por dias melhores para o Rio Grande do Norte.

Ezequiel Ferreira de Souza

Presidente do PSDB/RN

Contexto

 Nada é por acaso. As versões oficiais são mera conveniência política. Há outras questões envolvidas na saída de Rogério Marinho do ninho tucano.

Ontem o presidente nacional do PSDB Bruno Araújo desceu do muro e anunciou que mesmo contra qualquer pedido de impeachment será oposição ao Governo Bolsonaro.

O presidente dos tucanos vinha sendo pressionando por lideranças do partido como FHC e o governador de São Paulo João Dória a assumir uma postura mais oposicionista.

A posição adotada deixou Marinho em situação desconfortável. Como ser ministro de um governo que o próprio partido faz oposição?

O desconforto ficou maior porque o economista Mansueto Almeida, ligado ao PSDB, pediu demissão do cargo de secretário do tesouro nacional.

Rogério ficou entre continuar ministro ou seguir no PSDB. De fato o cargo impedia que ele tivesse vida orgânica no partido como as notas informavam. Faltava explicar o que estava nas entrelinhas.

Compartilhe:

Eleições da UFERSA: candidato mais votado ganhou, mas pode não levar

Rodrigo Codes pode ter sido o mais votado, mas nomeação dependerá dos bastidores (Foto: cedida)

Ser o mais votado numa eleição de universidade sempre foi motivo para comemorar com os apoiadores. Hoje não é mais. O envio de uma lista tríplice que antes era uma mera formalidade para o presidente nomear o reitor preferido pela comunidade acadêmica se tornou um momento de nova disputa de bastidores.

É assim que está a Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). A situação é esquisitíssima. O primeiro colocado, Rodrigo Codes, adota uma postura de cautela. O segundo da lista, Jean Berg, conformou-se com o resultado. Quem realmente está comemorando é quem ficou em terceiro com quase metade dos votos recebidos pelo vencedor da consulta a comunidade acadêmica. Ludimilla Oliveira ficou empolgada ao receber o resultado.

Embora não fosse uma bolsonarista declarada, ela se beneficia com o fato de Rodrigo Sérgio (último colocado) ter ficado em último lugar e fora da lista de possíveis reitores.

Lidimilla é evangélica (fator que agrada o presidente Bolsonaro) e teve como vice o professor Roberto Pordeus, bolsonarista declarada.

Na campanha quando buscava apoios ela sempre frisava que tinha trânsito livre em Brasília e proximidade com os militares nas conversas em busca por apoios.

O jogo da terceira colocada agora é nos bastidores onde o primeiro e o segundo colocado não possuem a mesma força por serem acusados de “esquerdistas” pelo bolsonarismo ufersiano.

Dos três nomes que integram a lista, somente Ludimilla evitou afirmar que só assumiria a reitoria se fosse a mais votada. Muito pelo contrário, ela já deixou claro que aceita o cargo, Ela sabia que poderia perder e lavar.

Os influentes

O Blog do Barreto vem alertando desde o ano passado o que estava por vir na eleição da UFERSA. A articulação já vinham sendo feita e só não foi mais bem sucedida porque ao contrário de anos anteriores foram lançadas cinco candidaturas que serviram de barreira para que um bolsonarista escancarado chegasse a lista tríplice.

A alternativa que restou é a de Ludimilla.

O exemplo do golpe no Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) é um exemplo claro do que está por vir. Certamente o deputado federal General Girão (PSL) será figura influente. Ele já morou em Mossoró e tem relações com a UFERSA. Como da outra vez será influente. Outros dois nomes podem exercer algum peso na indicação do novo reitor desrespeitando a ordem da lista tríplice: o ministro das comunicações Fábio Faria (PSD) e o ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho (PSDB). Não duvide que o deputado federal Beto Rosado (PP) entre na parada num momento em que Bolsonaro se aproxima do centrão. O parlamentar mossoroense tem ligações afetivas com a UFERSA.

“Golpe Branco”

Sofre esse tipo de manobra não é novidade na UFERSA. Em 1991, quando ainda era a Escola Superior de Agricultura de Mossoró, a instituição viveu o chamado “Golpe Branco” quando o segundo colocado na eleição, Joaquim Amaro, foi nomeado no lugar do primeiro colocado José Torres Filho.

Há meses a universidade convive com a possibilidade de história se repetir.

Compartilhe:

Pela primeira vez o RN tem dois ministros

Fábio Faria se junta a Rogério Marinho na equipe de Bolsonaro (Foto: web/autor não identificado)

Um fato histórico. Quando o deputado federal Fábio Faria (PSD) tomar posse na pasta das comunicações será a primeira vez que o Rio Grande do Norte terá dois ministros na equipe do Governo Federal.

Da redemocratização em 1985 para cá o Estado só não teve ministros nos governos de Collor (1990/92) e Lula (2003/10).

No governo Sarney (1985/90) Aluízio Alves ocupou a pasta da administração. O mesmo líder político ocupou a pasta da integração nacional na gestão de Itamar Franco (1992/94).

Fernando Bezerra também foi alçado à condição de ministro no Governo FHC (1995/2002). Ela era ligado a família Alves quando ascendeu ao cargo.

Na era Dilma Rousseff (2011/16) Garibaldi Alves Filho ocupou o Ministério da Previdência no primeiro Governo e Henrique Alves o turismo no segundo. Este último ocupou o mesmo cargo na gestão de Michel Temer (2016/18).

No mês de fevereiro o ex-deputado federal Rogério marinho (PSDB) assumiu a pasta do Desenvolvimento Regional. Agora ele terá a companhia de Fábio Faria como o outro político do RN no primeiro escalão do Governo.

Compartilhe:

Reportagem mostra que Rogério Marinho ganha poder no Governo Bolsonaro

Marinho ganha força no Governo em disputa com Guedes (Foto: Renato Costa/Framephoto/Estadão Conteúdo)

O ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho (PSDB) está ganhando força dentro do Governo Jair Bolsonaro. Pelo menos é o que indica reportagem assinada pela jornalista Carla Araújo da editoria de economia do UOL.

Ela afirma que apesar do recuo público do programa “Pró-Brasil” marcado pela declaração do presidente dizendo que quem manda na economia é Paulo Guedes, Marinho segue articulando apoios políticos e recebendo respaldo da ala militar do Governo.

Coube a Marinho emplacar a indicação de Fernando Marcondes de Araújo Leão para dirigir o Departamento Nacional de Obras contra as Secas (DNOCS). A nomeação fortaleceu os lados com os partidos do “centrão”.

Confira a reportagem completa AQUI.

Compartilhe:

Moro e demais ministros não virão também a Mossoró

Moro também não vem (Foto: Jorge William / Agência O Globo)

A comitiva presidencial formada pelos ministros Sérgio Moro (justiça e cidadania), Tereza Cristina (agricultura) e Rogério Marinho (desenvolvimento regional) não vem mais a Mossoró cumprir a agenda que previa entrega de benefícios na área da pesca e segurança pública.

Em vídeo divulgado no Twitter, Rogério Marinho disse que o adiamento se deu por conta das discussões sobre o orçamento no Congresso Nacional e a necessidade de reuniões para definir estratégias contra a expansão do Coronavírus.

O evento será reagendado.

Compartilhe:

Governadora discute liberação de recursos com o ministro Rogério Marinho

Fátima dialogou com Rogério Marinho (Foto: Joel Ribeiro/Gov. do RN)

O envio de verba para conclusão de importantes obras que trarão segurança hídrica ao Rio Grande do Norte, especialmente para o Seridó e regiões adjacentes, foi o tema central da reunião entre a governadora Fátima Bezerra e o ministro potiguar Rogério Marinho, na noite desta terça-feira (10), na sede do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), em Brasília.

Ao lado dos secretários de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), João Maria Cavalcanti, ela relembrou o compromisso firmado pelo ex-titular do MDR, Gustavo Canuto, de encaminhar ao Rio Grande do Norte os montantes necessários para acelerar a conclusão das obras da Barragem de Oiticica, que será o terceiro maior reservatório hídrico do Rio Grande do Norte, e da construção da comunidade Nova Barra de Santana, planejada para abrigar as 240 famílias que deverão ser realocadas quando da conclusão de Oiticica, e que havia sido retomada nesta atual gestão. A governadora solicitou, ainda, ao diretor geral do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS, José Rosilonio Magalhães de Araújo, também presente à reunião, que entre nessa luta com o RN.

“Explicamos toda a situação e o ministro Rogério Marinho reiterou o compromisso que havia sido assumido pelo ministro anterior, que é a liberação de recursos para que a gente possa acelerar essas obras, sobretudo pelo que elas representam para o povo do Seridó e para o povo do Rio Grande do Norte. Falamos também acerca do Projeto Seridó, que vai garantir segurança hídrica pelos próximos 50 anos para boa parte do Estado”, disse Fátima, informando que apresentou ao ministro o projeto Seridó, que já está incluído no plano nacional de segurança hídrica, dada a sua importância para o Seridó, interligando bacias.

Sensível às ações, o ministro reiterou o compromisso da continuidade a essas parcerias em prol do RN, que vão assegurar os benefícios aos quais a população do estado tem direito.

“Queremos erradicar o carro-pipa de forma inteligente e eficaz, oferecendo apoio técnico aos Estados e municípios. É preciso trabalhar de forma integrada, buscar recursos em todas as instâncias de governo, junto aos Fundos Constitucionais, Ministérios, bancadas e também à iniciativa privada, para que os bancos invistam em projetos integradores da Região Nordeste, Norte e Centro-oeste. Este será um processo de muita conversa e pouco tempo, pois não temos tempo a perder”, ressaltou Rogério Marinho.

Em sua pauta, Fátima também reivindicou a liberação de recursos por parte do MDR para dar seguimento às obras de recuperação da Barragem de Passagem das Traíras, quarto maior reservatório da região, localizado entre os municípios de São José do Seridó, Jardim do Seridó e Caicó.

Pró-Transporte

A governadora levou ao ministro, ainda, as demandas relativas ao Pró-Transporte, importante projeto de mobilidade urbana na Zona Norte de Natal, adiantando que o governo já tomou as providências para a licitação da segunda etapa da ação. Em diversas reuniões realizadas em 2019 com o então ministro Gustavo Canuto, foi acertado que o MDR liberaria R$ 55 milhões para execução da terceira fase do Pró-Transporte, projeto iniciado ainda em 2005 e que possui apenas 45% das obras concluídas. A intervenção vai destravar um dos principais pontos de engarrafamento da capital e beneficiará a indústria e o turismo.

“Quero expressar que a audiência foi muito positiva. O ministro foi bastante atencioso, assumindo o compromisso de dar continuidade a todas as parcerias em curso entre o ministério e Governo do Rio Grande do Norte”, declarou a governadora.

Ponte Newton Navarro

Outro ponto abordado na audiência foi a necessidade de liberação de recursos de R$ 2,7 milhões necessários à execução do projeto de proteção da Ponte Newton Navarro, já apresentado em 2019.  “Na época, o MDR não teve dotação financeira para liberar o montante e por isso trouxemos essa reivindicação novamente. O ministro foi bastante atencioso ao pleito”, considerou a chefe do Executivo estadual potiguar.

Fátima Bezerra agradeceu o empenho da bancada federal do Rio Grande do Norte presente à reunião. Na ocasião, o senador Jean Paul Prates, que tem acompanhado as reuniões com o MDR, fez suas considerações sobre a importância das questões levadas ao ministro. “Esse é um dos ministérios mais importantes para o Rio Grande do Norte e para o Nordeste, principalmente na área dos recursos hídricos, setor que deu a tônica da reunião. A governadora se encontrou com um ministro que é potiguar e que conhece as nossas cidades, as nossas dificuldades no Alto Oeste e no Seridó, áreas mais atingidas pela seca e ele afirmou que a prioridade promover a segurança hídrica para essas regiões”, citou.

A governadora destacou ainda da importância do Projeto Seridó e da construção do ramal do Apodi-Mossoró, que levará agua até a chamada “tromba do elefante”, que é será a última etapa da transposição do rio São Francisco, trazendo esperança para os potiguares que vivem no dia a dia os constantes problemas de abastecimentos nas regiões do semiárido. “É imperiosa a conclusão do eixo norte da transposição das águas do São Francisco, que trarão recursos para o nosso estado. Não podemos abrir mão dessas obras”, enfatizou a gestora potiguar.

O Projeto Seridó consiste em um plano de sistemas adutores para garantir suprimento de água para consumo humano e atividades produtivas por meio da construção de um sistema com sete adutoras totalizando 300km de extensão que vai beneficiar os 25 municípios da Região do Seridó até o ano 2070.

Por parte do ministro, ficou sinalizada para breve uma reunião com a governadora Fátima Bezerra e com os gestores da Paraíba, Pernambuco e Ceará, estados que serão beneficiados com a conclusão das obras do São Francisco.

Estiveram presentes à reunião o Secretário da Infraestrutura (SIN), Gustavo Coelho, procurador geral do Estado, Luiz Antônio Marinho, procurador geral adjunto do Estado, José Santana, o assessor especial da Semarh, Paulo Varela, a senadora Zenaide Maia, e os deputados federais Beto Rosado, Natália Bonavides, João Maia, Walter Alves, Benes Leocádio, Fábio Faria e General Girão.

Compartilhe:

Rogério Marinho toma posse como ministro

Bolsonaro dá posse ao novo ministro (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Numa cerimônia concorrida com mais de 500 convidados, o presidente da República, Jair Bolsonaro, deu posse ao novo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, na tarde desta terça-feira (11), no Palácio do Planalto. O presidente destacou que o MDR é um Ministério com capilaridade em todo o Brasil e que tem um “viés muito especial para o Nordeste”.

“Tenho certeza que Marinho, da maneira como ele sempre se comportou, da maneira que nós o conhecemos, terá mais que paciência, será altruísta na busca de soluções, e de buscar atender os interesses de todos os brasileiros”, destacou o presidente, acrescentando que Rogério Marinho dará continuidade às ações desenvolvidas pelo seu antecessor Gustavo Canuto.

Rogério Marinho afirmou que chega ao Ministério com o compromisso de “construir pontes, estabelecer e consolidar relações, porque não vamos a lugar nenhum se formos caminhar sós”. Ele ressaltou que é um trabalho de muitos desafios e que “por mais pesado que seja o fardo, ele se torna maneiro se carregado por muitas mãos. E eu pretendo carregá-lo com a ajuda de todos vocês”.

“Eu preciso da ajuda da sociedade brasileira aqui representada. Porque nossa missão, talvez, seja a mais nobre, de corrigir desigualdades regionais para permitir que os irmãos brasileiros tenham igualdade de oportunidades. E não tenho dúvidas de que essa é uma missão que cativa a cada um dos brasileiros presentes nessa sala, e de todo brasileiro que está nos ouvindo nesse momento”, frisou o novo ministro.

O Ministério do Desenvolvimento Regional é responsável por ações e programas de habitação, saneamento, desenvolvimento regional e urbano, proteção e defesa civil, segurança hídrica, mobilidade e serviços urbanos, fundos regionais e incentivos fiscais, irrigação, entre outras políticas do governo federal para fomentar o crescimento econômico e sustentável.

Perfil

Rogério Simonetti Marinho é economista e professor. Em fevereiro deste ano, foi nomeado para o cargo de Ministro do Desenvolvimento Regional pelo presidente da República Jair  Bolsonaro. Até então, estava à frente da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, onde atuou como um dos principais articuladores da Nova Previdência.

Nascido em Natal, no Rio Grande do Norte, foi deputado federal pelo Estado por três mandatos. À época, foi relator do projeto que mudou regras do Programa de Financiamento Estudantil (FIES) e atuou em prol da modernização da legislação trabalhista.

No estado, atuou como vereador; presidente da Câmara Municipal de Natal; secretário municipal de Planejamento e secretário estadual de Desenvolvimento Econômico.

Compartilhe:

Rogério ministro e a missão com o RN

´Rogério Marinho caiu para cima (Foto: arquivo)

O agora ministro Rogério Marinho caiu para cima após ser rejeitado nas urnas nas eleições de 2018 quando recebeu 59.961 votos. Situação que lhe deixou na condição de segundo suplente na coligação PRB / PTB / PR / PPS / PMB / PTC / PSB / PSDB / PSD / AVANTE / PROS.

Sem mandato, mas com o prestígio nos setores econômicos graças ao desempenho como relator da reforma trabalhista na Câmara Federal, o tucano se tornou secretário nacional de trabalho e previdência. No posto de segundo escalão ele tocou as articulações para a reforma da previdência aprovada ano passado.

Ainda assim ele iniciou o ano em baixa, cogitado para demissão segundo a mídia nacional. De “fritado a ministro”, Marinho mostrou força no Governo Bolsonaro.

Ter ministros não é novidade para a classe política potiguar no período pós-Ditadura Militar (1964/85). Aluízio Alves comandou a pasta da administração no governo Sarney e integração nacional na gestão de Itamar Franco. Fernando Bezerra comandou a integração nacional na era Fernando Henrique Cardoso. No primeiro governo Dilma Rousseff Garibaldi Alves Filho foi um bem avaliado ministro da previdência enquanto Henrique Alves ocupou o turismo nas gestões de Dilma e Michel Temer.

Ainda tivemos Garibaldi e Henrique presidentes respectivamente do Senado e Câmara dos Deputados.

Nada disso garantiu grandes investimentos ao Rio Grande do Norte. Continuamos precários em infraestrutura e acumulamos outros problemas que levou o Estado à bancarrota fiscal.

Rogério tem a chance de fazer mais e diferente que os outros potiguares alçados à condição de ministro.

Compartilhe:

Presidente da Assembleia elogia escolha de Rogério Marinho para ministério: “em boas mãos”

Presidente da Assembleia elogia Marinho (Foto: ALRN)

Abaixo nota do presidente da Assembleia Legislativa Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB) em que saúda o novo ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho (PSDB).

 

Nota congratulações

Rogério Marinho

 

É com orgulho que parabenizamos Rogério Marinho, potiguar e ex-deputado federal que assume o cargo de Ministro de Estado do Desenvolvimento Regional.

O Ministério foi criado pelo governo do presidente Bolsonaro a partir da junção de duas pastas: os antigos ministérios das Cidades e Ministério da Integração Regional. Ministério esse que tem a função de integrar políticas públicas de infraestrutura urbana e de promoção do desenvolvimento regional e produtivo.

Desejamos sorte na condução de um trabalho tão importante para o nosso Estado, para todo o Nordeste e para o Brasil. Exemplo disso são os projetos de irrigação, como a tão sonhada Transposição do São Francisco, que levará água para todos nós, nordestinos.

Temos certeza que o Ministério do Desenvolvimento Regional está em boas mãos. Assim como em outras missões, Rogério Marinho será grande no trabalho e nos resultados. Sabemos da sua capacidade de trabalho e diálogo que mais uma vez será testemunhada pelos brasileiros.

Conte com o apoio dos potiguares em mais essa nobre missão!

Ezequiel Ferreira

Presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte

Compartilhe: