A mamata do Marinho

Marinho é o campeão dos jetons (Foto: web/autor não identificado)

Relator da reforma trabalhista e articulador da reforma da previdência sempre com o argumento de equilibrar as contas públicas, o ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho é o campeão de recebimento de jetons no Governo Jair Bolsonaro.

O ministro potiguar lidera a lista divulgada pelo Jornal Folha de S. Paulo que aponta os auxiliares do presidente que ganham um “extra” marcando presença em reuniões das estatais (aquelas que Marinho defende que sejam privatizadas por servirem de cabide de empregos).

Como ministro, Marinho recebe R$ 30,9 por mês. Com as participações em reuniões dos conselhos das estatais ele pode chegar a R$ 21 mil, ultrapassando o teto de R$ 39,3 mil do funcionalismo público.

É bem verdade é que Marinho no cargo de ministro se converteu num defensor dos gastos públicos. Agora quer furar o teto de gastos que ele defendeu e votou favorável no Governo Michel Temer.

A mamata é eterna.

Leia a reportagem completa AQUI

Compartilhe:

Rogério Marinho demissionário?

Jair Bolsonaro e Rogério Marinho
Bolsonaro teria dito ter “uns 20” para substituir Marinho (Foto: Alan Santos/Presidência da República)

Uma semana após aparecer na capa da Revista Época sendo apontado como o ministro mais influente do Governo Bolsonaro, Rogério Marinho desceu ao limbo político dos demissionários.

É que de acordo com o jornalista Lauro Jardim de O Globo, Bolsonaro deu o seguinte recado ao ministro potiguar:

“Sabe quando a pessoa está numa competição cabo de guerra? Sabe onde a corda arrebenta? No lado mais fraco. Fica atento”

Marinho vem travando uma guerra interna com o ministro da economia Paulo Guedes. Segundo Jardim, a conversa entre Bolsonaro e Marinho foi testemunhada pelo presidente do Tribunal de Contas da União (TCU) José Múcio Monteiro.

Segundo o jornalista após desligar o telefone eles travaram o seguinte diálogo:

Múcio: “Presidente, quantos substitutos o senhor tem para o Paulo Guedes?”.

Bolsonaro: “Nenhum”.

Múcio: “E para o Rogério Marinho?”.

Bolsonaro: “Uns vinte”.

Compartilhe:

Revista Veja traz denúncia contra Rogério Marinho envolvendo rachadinhas e servidores fantasmas

A edição deste final de semana da Revista Veja traz reportagem sobre o envolvimento do ministro do desenvolvimento Regional Rogério Marinho em um esquema de rachadinhas e servidores fantasmas na Câmara Municipal de Natal e Federação da Câmaras Municipais do Rio Grande do Norte (FECAM/RN).

Confira abaixo a reportagem “Fantasmas do Passado” assinada pelos jornalistas Hugo Marques e Nonato Viegas Clicando AQUI.

 

 

Compartilhe:

Rogério Marinho se esconde sobre saída da Petrobras do RN e deixa Fábio Faria como bucha de canhão

Fábio Faria se expôr enquanto Rogério se calou a respeito de decisão do Governo Bolsonaro (Foto: Web/autor não identificado)

Ontem completou uma semana que a Petrobras anunciou que venderia todos os ativos restantes no Rio Grande do Norte. Na prática é a estatal dando um pé nas nádegas no sofrido elefante.

Assim que o assunto veio à tona esquerda e direita se armaram para o debate público. Outros preferiram o silêncio cúmplice.

O ministro das comunicações Fábio Faria (PSD) se armou para cima da governadora Fátima Bezerra (PT). No meio disso, o também ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho (sem partido) fingiu ser um político paulista, ou seja que não tem nada a ver com a história, e deu de ombros. Nenhuma menção ao assunto nas redes sociais.

Rogério não quis botar as digitais na história por ter planos majoritários para 2022. Assim ele deixou o colega Fábio atuar como bucha de canhão absorvendo o desgaste de defender a saída da estatal chegando ao cúmulo de anunciar que nada faria por ser uma decisão de um “governo liberal”.

Resta saber qual comportamento ganhou mais pontos com o presidente Jair Bolsonaro nessa história.

Compartilhe:

Rogério Marinho deixa o PSDB. O Blog explica o contexto da saída

Rogério Marinho está fora do PSDB (Foto: Givaldo Barbosa | Agência O Globo)

O ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho anunciou que está deixando os quadros do PSDB. A explicação oficial é de que o parlamentar estaria sem tempo para as atividades orgânicas do partido por causa do cargo que ocupa.

Vamos à nota que o ministro divulgou:

O fato de me encontrar desde fevereiro de 2019 investido no cargo de secretário especial e depois como ministro do Governo Federal me levou a um afastamento da vida orgânica do PSDB. Por essa razão, me desfilei do partido.

Agradeço o apoio que sempre tive e desejo boa sorte a seus integrantes.

Entendo que esse é um novo momento na política nacional, me sinto honrado pela missão confiada a mim pelo presidente Jair Bolsonaro: o ataque às desigualdades regionais e a diminuição do déficit de infraestrutura e mobilidade do nosso país. Essas são nossas prioridades!

Rogério Marinho

O presidente do PSDB potiguar Ezequiel Ferreira de Souza, que comanda a mesa diretora da Assembleia Legislativa corroborou com a tese de Marinho.

Leia a nota:

Nota do PSDB/RN

O amigo e ex-deputado Rogério Marinho solicitou afastamento dos quadros do PSDB/RN, em razão de estar ocupando o cargo de Ministro de Estado do Desenvolvimento Regional.

Esse pedido de desligamento da vida orgânica do nosso partido, apesar de lamentado por todos nós que fazemos o PSDB/RN foi absolutamente consensual e plenamente compreendido, em razão do momento político nacional.

Ao ministro Rogério Marinho desejamos êxito na relevante missão que desempenha, certos de que a sua presença no mais alto escalão do Governo Federal, além de fazer brilhar o nosso orgulho potiguar, oportuniza consequências positivas para o Rio Grande do Norte.

É uma honra para o nosso Estado ter Rogério Marinho ministro do Desenvolvimento Regional, cargo onde mantém o seu obstinado trabalho pelo desenvolvimento econômico e social da nossa terra e um forte elo de amizade com todos nós, que sempre lutamos por dias melhores para o Rio Grande do Norte.

Ezequiel Ferreira de Souza

Presidente do PSDB/RN

Contexto

 Nada é por acaso. As versões oficiais são mera conveniência política. Há outras questões envolvidas na saída de Rogério Marinho do ninho tucano.

Ontem o presidente nacional do PSDB Bruno Araújo desceu do muro e anunciou que mesmo contra qualquer pedido de impeachment será oposição ao Governo Bolsonaro.

O presidente dos tucanos vinha sendo pressionando por lideranças do partido como FHC e o governador de São Paulo João Dória a assumir uma postura mais oposicionista.

A posição adotada deixou Marinho em situação desconfortável. Como ser ministro de um governo que o próprio partido faz oposição?

O desconforto ficou maior porque o economista Mansueto Almeida, ligado ao PSDB, pediu demissão do cargo de secretário do tesouro nacional.

Rogério ficou entre continuar ministro ou seguir no PSDB. De fato o cargo impedia que ele tivesse vida orgânica no partido como as notas informavam. Faltava explicar o que estava nas entrelinhas.

Compartilhe:

Eleições da UFERSA: candidato mais votado ganhou, mas pode não levar

Rodrigo Codes pode ter sido o mais votado, mas nomeação dependerá dos bastidores (Foto: cedida)

Ser o mais votado numa eleição de universidade sempre foi motivo para comemorar com os apoiadores. Hoje não é mais. O envio de uma lista tríplice que antes era uma mera formalidade para o presidente nomear o reitor preferido pela comunidade acadêmica se tornou um momento de nova disputa de bastidores.

É assim que está a Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). A situação é esquisitíssima. O primeiro colocado, Rodrigo Codes, adota uma postura de cautela. O segundo da lista, Jean Berg, conformou-se com o resultado. Quem realmente está comemorando é quem ficou em terceiro com quase metade dos votos recebidos pelo vencedor da consulta a comunidade acadêmica. Ludimilla Oliveira ficou empolgada ao receber o resultado.

Embora não fosse uma bolsonarista declarada, ela se beneficia com o fato de Rodrigo Sérgio (último colocado) ter ficado em último lugar e fora da lista de possíveis reitores.

Lidimilla é evangélica (fator que agrada o presidente Bolsonaro) e teve como vice o professor Roberto Pordeus, bolsonarista declarada.

Na campanha quando buscava apoios ela sempre frisava que tinha trânsito livre em Brasília e proximidade com os militares nas conversas em busca por apoios.

O jogo da terceira colocada agora é nos bastidores onde o primeiro e o segundo colocado não possuem a mesma força por serem acusados de “esquerdistas” pelo bolsonarismo ufersiano.

Dos três nomes que integram a lista, somente Ludimilla evitou afirmar que só assumiria a reitoria se fosse a mais votada. Muito pelo contrário, ela já deixou claro que aceita o cargo, Ela sabia que poderia perder e lavar.

Os influentes

O Blog do Barreto vem alertando desde o ano passado o que estava por vir na eleição da UFERSA. A articulação já vinham sendo feita e só não foi mais bem sucedida porque ao contrário de anos anteriores foram lançadas cinco candidaturas que serviram de barreira para que um bolsonarista escancarado chegasse a lista tríplice.

A alternativa que restou é a de Ludimilla.

O exemplo do golpe no Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) é um exemplo claro do que está por vir. Certamente o deputado federal General Girão (PSL) será figura influente. Ele já morou em Mossoró e tem relações com a UFERSA. Como da outra vez será influente. Outros dois nomes podem exercer algum peso na indicação do novo reitor desrespeitando a ordem da lista tríplice: o ministro das comunicações Fábio Faria (PSD) e o ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho (PSDB). Não duvide que o deputado federal Beto Rosado (PP) entre na parada num momento em que Bolsonaro se aproxima do centrão. O parlamentar mossoroense tem ligações afetivas com a UFERSA.

“Golpe Branco”

Sofre esse tipo de manobra não é novidade na UFERSA. Em 1991, quando ainda era a Escola Superior de Agricultura de Mossoró, a instituição viveu o chamado “Golpe Branco” quando o segundo colocado na eleição, Joaquim Amaro, foi nomeado no lugar do primeiro colocado José Torres Filho.

Há meses a universidade convive com a possibilidade de história se repetir.

Compartilhe:

Pela primeira vez o RN tem dois ministros

Fábio Faria se junta a Rogério Marinho na equipe de Bolsonaro (Foto: web/autor não identificado)

Um fato histórico. Quando o deputado federal Fábio Faria (PSD) tomar posse na pasta das comunicações será a primeira vez que o Rio Grande do Norte terá dois ministros na equipe do Governo Federal.

Da redemocratização em 1985 para cá o Estado só não teve ministros nos governos de Collor (1990/92) e Lula (2003/10).

No governo Sarney (1985/90) Aluízio Alves ocupou a pasta da administração. O mesmo líder político ocupou a pasta da integração nacional na gestão de Itamar Franco (1992/94).

Fernando Bezerra também foi alçado à condição de ministro no Governo FHC (1995/2002). Ela era ligado a família Alves quando ascendeu ao cargo.

Na era Dilma Rousseff (2011/16) Garibaldi Alves Filho ocupou o Ministério da Previdência no primeiro Governo e Henrique Alves o turismo no segundo. Este último ocupou o mesmo cargo na gestão de Michel Temer (2016/18).

No mês de fevereiro o ex-deputado federal Rogério marinho (PSDB) assumiu a pasta do Desenvolvimento Regional. Agora ele terá a companhia de Fábio Faria como o outro político do RN no primeiro escalão do Governo.

Compartilhe:

Reportagem mostra que Rogério Marinho ganha poder no Governo Bolsonaro

Marinho ganha força no Governo em disputa com Guedes (Foto: Renato Costa/Framephoto/Estadão Conteúdo)

O ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho (PSDB) está ganhando força dentro do Governo Jair Bolsonaro. Pelo menos é o que indica reportagem assinada pela jornalista Carla Araújo da editoria de economia do UOL.

Ela afirma que apesar do recuo público do programa “Pró-Brasil” marcado pela declaração do presidente dizendo que quem manda na economia é Paulo Guedes, Marinho segue articulando apoios políticos e recebendo respaldo da ala militar do Governo.

Coube a Marinho emplacar a indicação de Fernando Marcondes de Araújo Leão para dirigir o Departamento Nacional de Obras contra as Secas (DNOCS). A nomeação fortaleceu os lados com os partidos do “centrão”.

Confira a reportagem completa AQUI.

Compartilhe: