Exército ocupa alojamento na UFERSA

Uma tropa do Exército está num alojamento da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). Mais precisamente no Expocenter.

A presença dos militares chamou a atenção de vários universitários que procuraram o editor desta página para relatar o fato.

Segundo o Blog do Barreto apurou junto à comunicação da UFERSA, o Exército solicitou no começo de janeiro o espaço para ser ocupado por 20 dias.

Neste momento, o exército está realizando um treinamento nas imediações da base da Petrobras na BR 304.

O treinamento se baseia no Decreto Nº 9.708, de 13 de fevereiro de 2019 assinado pelo presidente Jair Bolsonaro que estabelece o emprego das forças armadas no perímetro dos presídios federais de Mossoró e Porto Velho (RO).

Abaixo da “nota do blog” publicamos o decreto na íntegra.

Nota do Blog: coincidência ou não, o site da Revista Crusué informou que o líder do PCC, Marcola, será transferido para um presídio federal.

DECRETO Nº 9.708, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2019

Autoriza o emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem, no Estado do Rio Grande do Norte e no Estado de Rondônia, para a proteção do perímetro de segurança das penitenciárias federais em Mossoró e em Porto Velho.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,caput, incisos IV e XIII, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 15 da Lei Complementar nº 97, de 9 de junho de 1999,

DECRETA:

Art. 1º Fica autorizado o emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem, no período de 13 a 27 de fevereiro de 2019, no Estado do Rio Grande do Norte e no Estado de Rondônia, para a proteção do perímetro de segurança das penitenciárias federais em Mossoró e em Porto Velho, em um raio de dez quilômetros, considerado a partir do muro externo da unidade prisional.

Parágrafo único. O Ministro de Estado da Defesa definirá a alocação dos meios disponíveis para o emprego a que se refere ocaput.

Art. 2º O emprego das Forças Armadas de que trata o art. 1 o será realizado em articulação com as forças de segurança pública competentes e com o apoio de agentes penitenciários do Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 13 de fevereiro de 2019; 198º da Independência e 131º da República.

JAIR MESSIAS BOLSONARO

FERNANDO AZEVEDO E SILVA

SÉRGIO MORO

AUGUSTO HELENO RIBEIRO PEREIRA

Compartilhe:

Prefeitura de Mossoró destina apenas R$ 4 mil para armamento da Guarda Municipal

O Orçamento Geral do Município (OGM) destina apenas R$ 4 mil para armamento da Guarda Municipal no ano de 2019. A informação causou estranheza entre os servidores da corporação.

O projeto de armar pelo menos uma parte dos guardas municipais é antigo e remonta ao início desta década. A ideia é praticamente um consenso retórico entre a classe política mossoroense, mas tem esbarrado em uma série de questões burocráticas.

Em 11 de setembro do ano passado, a prefeita Rosalba Ciarlini (PP) durante a posse dos novos inspetores reafirmou o compromisso em armar os guardas em 2019.

No entanto, o orçamento para isso pegou todos de surpresa.

Nota do Blog: ontem fizemos contato com a assessoria de comunicação da Prefeitura de Mossoró e assim que tivermos uma posição publicaremos no Blog.

Compartilhe:

Fátima força a barra para colher frutos políticos com redução de número de homicídios

Fátima Bezerra força a barra em discurso (Foto: autor não identificado)

A governadora Fátima Bezerra (PT) esteve em Mossoró na noite de ontem para participar da inauguração do prédio da Biblioteca da Faculdade Católica do RN.

Em uma conversa com a jornalista Carol Ribeiro da TCM ela surfou na redução de 43% no número de homicídios no Rio Grande do Norte no comparativo entre os meses de janeiro de 2018 e 2019.

Para ela tudo passa pelo pagamento de diárias operacionais.

No entanto, desde o final do ano há uma redução no número de homicídios. Foi assim nos meses de novembro e dezembro de 2018 no comparativo com o mesmo período de 2017.

O ano de 2018 fechou com redução de 18% no número de homicídios no Rio Grande do Norte. Ou seja, há uma tendência.

Se a violência aumentasse ela assumiria a responsabilidade? Ou acionaria o retrovisor? Obviamente ela ficaria com a segunda opção. Se a violência voltar a subir em fevereiro Fátima terá que assumir o ônus político.

Fátima abriu um vácuo para críticas caso o quadro de redução de homicídios se reverta.

Compartilhe:

RN recebe quase R$ 80 milhões para investir em segurança

RN terá investimentos em segurança (Foto: SESED/ASSECOM)

Nos próximos meses, o Rio Grande do Norte receberá uma série de investimentos na Segurança Pública, através de um convênio firmado com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). Será um total de R$ 79.973.763,73 milhões destinados para setores e órgãos que fazem parte da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed).

Foi destinado R$ 1.928.105,28 milhão para o Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (CIOSP), setor responsável pelo recebimento e monitoramento de ocorrências. Já para Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR) e o Centro de Inteligência da Sesed, o aporte foi, respectivamente, de R$ 5.092.927,38 milhões e R$ 2.877.717,48 milhões. O Centro Integrado de Operações Aéreas (CIOPAER) irá comprar um novo helicóptero e mais duas viaturas, somando R$ 21.777.286,93 milhões.

O restante dos recursos foi assim destinado:

Polícia Militar

 – Valor: R$ 29.977.330,89 milhões

 – Investimentos: 2 mil coletes balísticos; 179 viaturas; 1.306 armas; 80 escudos balísticos,entre outros equipamentos.

Polícia Civil

– Valor: R$ 12.209.780,77 milhões

– Investimentos: 90 armas; 87 viaturas; 10 escudos balísticos; mais investimentos em tecnologia

Corpo de Bombeiros Militar

– Valor: R$ 6.110.615,00 milhões

– Investimentos: 16 viaturas

Compartilhe:

RN manda o secretário. Em “troca’, o Ceará envia os bandidos

Mauro Albuquerque fez o nome dele ao dar um jeito na bagunça no presídio de Alcaçuz cuja rebelião em janeiro de 2017 foi notícia mundial. Acertadamente a governadora Fátima Bezerra (PT) iria mantê-lo no cargo.

Mas o colega dela, o petista Camilo Santana, chamou Mauro para assumir a mesma função no Ceará.

Na primeira semana de Governo reeleito, os bandidos tocam terror no Ceará e 20 deles, integrantes do Comando Vermelho, são deslocados para o Presídio Federal de Mossoró na madrugada de terça para quarta-feira.

Tudo na surdina.

O Rio Grande do Norte com todas suas mazelas manda o que estava dando certo por aqui e recebe em troca o que estava causando transtornos no Ceará.

É como se fôssemos uma colônia cearense. Para quem não sabe era comum as metrópoles mandarem seus degredados para as colônias e em troca ficavam com as riquezas.

Compartilhe:

Segurança do RN para por tempo indeterminado

Policiais cruzam os braços

Os Policiais Civis e Servidores da Segurança deflagraram a Operação Zero, para cobrar do Governo do Estado o pagamento do 13º salário de 2017, do 13º de 2018 e o calendário de pagamento do salário de dezembro. O movimento segue por tempo indeterminado.

Durante toda o dia de ontem, os Policiais Civis de Natal e região metropolitana se concentraram na Central de Flagrantes, na Cidade da Esperança. No interior, as unidades foram fechadas e os Agentes e Escrivães se concentraram nas delegacias regionais.

Nilton Arruda, presidente do SINPOL-RN, explica que os policiais civis aderiram em massa ao movimento, haja vista o sentimento de insatisfação com o tratamento dado pelo Governo do Estado à categoria. “O governador gerou uma crise desnecessária ao anunciar que iria pagar o 13º salário de 2017 apenas para os policiais militares. Ele, que passou os últimos anos dizendo ser o governador da segurança, vai encerrar a gestão comprovando que não entende do sistema de Segurança ao priorizar uma categoria em detrimento de outra”, afirma Nilton Arruda.

O SINPOL-RN informa que, até o momento, o Governo não sinalizou em receber o Sindicato para apresentar algum posicionamento oficial sobre o pleito. “Por esse motivo, a Operação Zero vai continuar por tempo indeterminado. Nesta quarta, vamos nos dividir em equipes para passarmos a noite e madrugada nas plantões. Nesta quinta-feira, a categoria volta a se concentrar na Central de Flagrantes”, comenta.

A Diretoria do SINPOL-RN parabeniza a todos os Policiais Civis e Servidores da Sesed que estiveram mobilizados ao longo do dia de ontem.

 

Compartilhe:

Deputado é o campeão em emendas para segurança na bancada do RN

O Congresso Nacional aprovou, este mês, o Orçamento Geral da União para o ano de 2019. Mais uma vez, o deputado federal Rafael Motta (PSB) foi o parlamentar do Rio Grande do Norte que mais destinou recursos de emendas individuais para a segurança pública. Os investimentos, que somam R$ 825 mil, serão destinados à instalação de centrais de videomonitoramento no interior do Estado.

Ao final de cada ano, antes do Orçamento ser aprovado, os deputados federais e senadores têm direito a modificar o seu texto, vinculando recursos a ações a serem executadas nos seus respectivos estados de origem. Metade dos recursos, porém, estão carimbados para a área de saúde. A outra metade fica a critério dos parlamentares. Assim como correu em 2018, Rafael foi o potiguar que mais vinculou recursos à segurança. “Todos nós sabemos que o aumento da violência é hoje o maior problema do Estado, então priorizei, mais uma vez, investimentos na segurança na hora de encartar as minhas emendas ao Orçamento. Não adianta ficar só no discurso, é preciso agir de forma prática”, argumentou Rafael Motta.

O deputado usou como referência, para o encarte das emendas, projetos de videomonitoramento executados em cidades do interior do Paraná, com mais de 100 mil habitantes e que custaram R$ 350 mil cada. “Com o valor destinado, podemos atender até três cidades de médio porte, com 50 mil habitantes”, explicou ele.

Rafael Motta também é autor da primeira emenda de bancada da história para a segurança pública, que prevê investimentos de R$ 9 milhões para o videomonitoramento de toda a Grande Natal. A proposta foi indicada como impositiva pela bancada para 2019. Ele também foi o deputado federal que mais destinou emendas, este ano, para a área dos Direitos Humanos.

Compartilhe:

Fátima se distancia das polícias antes da posse. Isso pode custar caro

A governadora eleita Fátima Bezerra (PT) ignorou a cúpula da segurança do Rio Grande do Norte ao formar a equipe de transição. Após as cobranças por um especialista em segurança a petista insistiu no erro tático ao optar pelo professor Ivênio Hermes.

Não que Ivênio não tivesse condições de estar na equipe de transição. Por ser coordenador do Observatório da Violência (OBVIO) ele tem um vasto conhecimento sobre as estatísticas e pode ajudar muito no planejamento de ações.

O erro político não é colocar Ivênio. Na verdade, é um acerto tê-lo na equipe. Ele certamente seria um ótimo nome para a equipe de Fátima, mas não para a linha de frente pelo menos em um primeiro momento.

A falha estratégica está em ignorar completamente as polícias militar e civil, além do Corpo de Bombeiros.

A governadora eleita está criando um fosso na relação política com os setores da segurança ao sinalizar que não confia na corporação além de se mostrar refém das animosidades da política nacional que coloca o segmento da segurança pública alinhado com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Ter especialistas em segurança que põem a mão na massa e arriscam a própria vida na equipe de transição é primordial tanto tecnicamente como politicamente.

Quem conhece policiais sabe que eles são cientes que o bom trabalho feito por eles favorece quem está sentado na cadeira mais poderosa do Rio Grande do Norte. O desalinhamento político de Fátima com os setores da segurança pública é assustadoramente preocupante e ascende um sinal de alerta em quem deseja o melhor para um dos Estados mais violentos do país.

Alguém precisa abrir os olhos para que Fátima entenda que a relação com quem faz a segurança pública não meramente institucional nem técnica, é política também.

Não é possível que não exista um ser humano numa das polícias do RN que não mereça a confiança da governadora eleita.

Fátima corre sério risco de assumir os rumos do Rio Grande do Norte com a antipatia dos responsáveis pela segurança do nosso Estado.

Isso é péssimo para todos nós.

Compartilhe:

Planos de Governo: inteligência e integração são preocupações dos candidatos na área de segurança

A palavra da moda no debate eleitoral no Rio Grande do Norte no tocante à segurança gira em torno de ações de inteligência para conter o crime o organizado no Estado. A integração das polícias é outro eixo em comum entre os candidatos.

Os candidatos ao Governo têm apresentado estratégia nesse sentido sem, logicamente, explicar de onde serão tirados os recursos.

A proposta do candidato Brenno Queiroga (SD) gira em torno de tecnologia através do projeto “Segurança 100% Digital” ele pretende utilizar o detecta, sistema utilizado em Nova Iorque, case de sucesso na redução da criminalidade. “O Detecta emitirá alarmes automáticos para ajudar no trabalho policial. Isso permitirá que PMs e policiais civis recebam informações de inteligência sem que seja necessário operar o sistema a todo momento”, explica.

Carlos Eduardo Alves (PDT) destaca a integração dos serviços ofertados na área da segurança com divisões por regiões. “Criar os cinturões de segurança no Rio Grande do Norte, que consistem em linhas estrategicamente planejadas para reforçar a atuação da Polícia Civil nas áreas de divisa do Rio Grande do Norte com os Estados da Paraíba e Ceará e promover a interiorização da política de segurança. Essa ação prevê a estruturação de Delegacias Sub-Regionais e Delegacias Municipais. Serão criados cinco cinturões nas regiões Oeste, Seridó, Agreste e Litoral Leste do RN”, diz no plano.

Dário Barbosa (PSTU) defende a unificação das polícias e é um caso raro de candidato que não aposta em inteligência como eixo central do projeto. “A nova Polícia será democrática: os oficiais serão eleitos pela tropa, que terá sindicato e direito de fazer greve. Portanto, será desmilitarizada, sendo controlada pelo governo civil e pela população, deixando de obedecer ao Comando hierárquico das Forças Armadas”, explicou.

 

Já Fátima Bezerra (PT) inclui a inteligência com a estratégia convencional. “Investir em Atividades de Inteligência, como suporte às ações de prevenção, investigação, planejamento e decisões operacionais; Estruturar, modernizar e integrar os setores de Inteligência, com uso de recursos de Tecnologia de Informação e Comunicação; Mapear as áreas de maior risco e vulnerabilidade, em nível estadual, com o auxílio de manchas e indicadores criminais, para definição de estratégia de gestão por resultados, inclusive a pactuação de metas e bonificações voltadas à redução de mortes violentas”, diz o plano de Governo.

Freitas Junior, assim como Dário Barbosa, não coloca a inteligência como fator primordial das propostas para segurança, mas se propõe a criar Gabinetes Integrados com a participação do Judiciário, Ministério Público, Polícia Civil, Polícia Militar, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Municípios.

 

 

O governador Robinson Faria destaca a tecnologia como eixo do plano de governo na área de segurança. Ele sugere “implantar internet banda larga em todas as unidades da segurança pública do Estado para conectar e integrar todas as ferramentas de informação e desenvolver aplicativo para celular para denúncias da população sobre violência contra a mulher e orientações sobre as delegacias especializadas”.

 

 

Carlos Alberto (PSOL) destaca o investimento em informatização e melhorias no ambiente de trabalho dos policiais. “Temos que ampliar fortemente a inteligência e a capacidade investigativa da polícia. As delegacias de polícia do estado tem que ser modernizadas, reconstruídas, com manutenção permanente de suas instalações elétricas, hidráulicas, de informatização e seus sistemas de segurança. Isso permitirá que os policiais trabalhem num ambiente seguro, mesmo considerando a natureza da atividade policial. Do mesmo modo, seguro para o policial também o será para o cidadão que precisa utilizar seus serviços”, frisou.

O candidato Heró Bezerra (PRTB) seguiu a temática da integração das forças de segurança: “Integrar as forças de segurança do estado, alinhado a expectativa da população, a fim de proporcionar uma melhor segurança aos nossos cidadãos e incentivo às atividades de prevenção, e demais campanhas preventivas (Semana do Trânsito, etc.). Propor um projeto no Governo do Estado na criação da Atividade Delegada, que aumentaria o número do Efetivo nas ruas, proporcionando uma maior sensação de segurança”, justifica no plano de Governo.

Nenhum candidato conseguiu explicar de onde virão os recursos para investimentos na área de segurança.

Compartilhe:

MAURÍLIO PINTO, XERIFE AGORA ESTRELA

IMG_6303

Por Rubens Lemos Filho

Na primeira pauta, o impacto: Aquilo poderia ser uma caixa de assistência social, um confessionário, menos o gabinete do homem mais poderoso da polícia do Rio Grande do Norte. Contei, por baixo, umas 40
pessoas para se aconselhar, dedurar vizinhos, homens que produziam filho e sumiam deixando a barriga da mãe e a despesa para a família.

Uma bagunça. Todos falando alto e ao mesmo tempo. Galinhas cacarejavam. Galos de campina em gaiolas, numa tristeza infinita. Todos para entrega ao delegado Maurílio Pinto de Medeiros, chefe da Polícia Civil, Polinter e, de verdade, o Secretário de Segurança Pública de sempre.

Todos os mimos eram recusados. Um gordo, o homem, de palavras medidas e visão periférica na miudeza dos olhos. De conjunto bege
inconfundível. Calça e camisa de tecido. Uma mesa larga, juiz de paz que acalmava os valentões domésticos.

Foram meus primeiros dias de contato com Maurílio Pinto de Medeiros. Colega de turma do meu pai no velho Atheneu. Maurílio Pinto formado em jornalismo ainda na  Faculdade Eloy de Souza, Fundação José Augusto,  ali, nas alamedas que ainda existiam no Tirol aprazível.

Fonte, boa fonte, me disse Rubão. Que tinha todos os motivos para odiar policiais. Mas não se deixava contaminar pelo fel dos rancores. Sofrera na carne a barbárie da repressão. Com Maurílio Pinto, amizade e irmandade. “Não vá imaginando que terá privilégios por ser meu filho. Maurílio é pago para desconfiar. Mas é honesto. Se há um atestado que posso dar é o de lisura e Maurílio é um liso, vive de salário,” recitava outro campeoníssimo em falta de convivência com dinheiro.

Boa fonte, bons tempos. Jornal impresso trazia nas manchetes o berro da notícia em sangue quente. Pura, sem exclamação, mas com narrativa e densidade. Crimes poucos, mas bárbaros.

O assassinato de um médico e uma enfermeira, que namoravam, foram
seviciados e queimados onde hoje erguem-se fábricas no bairro de Neópolis, sinalizava: Natal deixava de ser uma província.

E o homem gordo e silencioso rastreando pistas, desvendando assassinatos, conhecendo criminosos pelos métodos, pelo instinto,
talento e herança do pai, Coronel Bento, o Caçador de Bandidos na era passada dos pistoleiros de cangaço.

Maurílio Pinto virou lenda. Menino danado em rua parava ao grito da mãe impotente: “Se aquieta Tonzinho, que eu vou chamar Dr. Maurílio para lhe ajeitar”. Da ameaça, o resultado vinha na transição  ao comportamento angelical.

Assalto a banco. Avenida Rio Branco. Bandidos cariocas levam odinheiro do caixa e fogem de ônibus. Comemoram tomando banho de piscina num hotel da Ladeira do Sol. O recepcionista desconfiou. No automático, ligou para Dr. Maurílio. Que prendeu todo mundo com um revólver 38 na mão, cena posta na capa dos matutinos da época.

Maurílio Pinto, se tinha competência e tino, pecava por falta de vaidade. Foi maltratado, congelado numa delegacia sem função prática e incomodava. Maurílio, polícia por vocação, não por pretensão de estabilidade.

Homenageado na Assembleia Legislativa e na Câmara Municipal anos atrás , acolhido pelo companheirismo de Dona Clarissa, o terror de criminosos aparentava o sofrimento das sequelas de uma trombose.

Maurílio Pinto fazia o mal tremer nas bases. Nunca prendeu franciscano nem pai de família inocente.

Se fosse o que dizem seus inimigos, teria se dado bem na política. Candidato a deputado estadual, ficou entre os 20 suplentes. Arruinado e sem apoio dos companheiros de ideologia e dos que lhe sepultariam
depois, o meu pai foi seu assessor de imprensa na campanha eleitoral. Maurílio não esquecera dele.

Natal, sem alvissareiros, poetas em cada esquina, cada vez mais impessoal, é coberta do luto indefeso, seu rosto autêntico chorando
Maurílio Pinto de Medeiros, seu símbolo protetor morto impiedosamente pela diabetes neste fim de sábado(19/5).

Ausência certamente celebrada como em banquete podre e silêncio covarde pelos abutres dos valores invertidos.

Paz nas estrelas, Xerife.

Compartilhe: