Candidatos derrotam senador em disputa na Justiça Eleitoral

Candidatos conquistam nova vitória judicial (Foto: cedida)

A chapa com 13 vereadores do Podemos foi deferida pelo juiz da 33ª Zona Eleitoral de Mossoró Vagnos Kelly. Ele ainda rejeitou pedido de reconsideração do senador Styvenson Valentim, presidente estadual do partido, para desfazer a decisão que limitou os efeitos da dissolução da sigla em Mossoró.

O argumento é de que se tratava de uma medida que viola a autonomia partidária. O juiz rejeitou o argumento:

Com relação ao argumento de que a decisão viola a autonomia partidária também não é suficiente para alterar, neste momento, a decisão interlocutória que foi precisa o suficiente para limitar os efeitos da decisão apenas para fins de regularização do Requerimento de Registro de Candidatura, sem qualquer violação a autonomia do partido.

Com isso, a chapa do Podemos está habilitada a disputar as eleições 2020.

Confira a decisão judicial a favor dos candidatos do PODEMOS

Compartilhe:

Styvenson recorre contra decisão judicial e mantém chapa do próprio partido em risco

Styvenson recorre contra decisão da Justiça Eleitoral (Foto: Max Aquino)

O senador Styvenson Valentim, presidente estadual do Podemos, entrou com representação judicial para derrubar a decisão do magistrado Vagnos Kelly, da 33ª Zona Eleitoral, que suspendeu os efeitos da dissolução do diretório municipal do partido.

Caso tenha êxito no recurso, Styvenson pode provocar a rejeição do registro de candidatura de chapa proporcional do Podemos.

Na decisão, o juiz eleitoral, suspendeu os efeitos da dissolução do partido para evitar que a chapa homologada em convenção fosse questionada pelo Ministério Público Eleitoral.

O Podemos tem 13 candidatos a vereador.

Nota do Blog: essa briga só provoca insegurança jurídica aos candidatos do Podemos.

Compartilhe:

Sem diretório em Mossoró, chapa proporcional pode ser indeferida

Partido de Styvenson está com problemas em Mossoró (Foto: Max Aquino)

A crise no Podemos/Mossoró está sem fim. Após a confusão que resultou na retirada da candidatura a disputa majoritária no início do mês, agora quem está em risco é a nominata proporcional.

É que o senador Styvenson Valnetim, presidente estadual do Podemos, dissolveu o diretório do partido em Mossoró. Na prática é como se agremiação não existisse na capital do Oeste.

O caso está sendo analisado na Justiça Eleitoral (34ª Zona) que requereu documentos ao diretório estadual do partido.

Os candidatos tiveram que requerer os registros de candidatura apenas no domingo, 27. A chapa Podemos só conseguiu entrar no sistema da Justiça Eleitoral ontem.

(Atualizado 19h43) O Blog do Barreto  conversou com o senador Styvenson que negou que vá prejudicar a chapa proporcional. “Deixei bem claro que as candidaturas a vereador estavam mantidas. Não há motivos para preocupação”, garantiu.

Leia documento que mostra a inexistência do Podemos Municipal

Nota do Blog: que enrolada!

Compartilhe:

Candidato que quiser associar sua imagem a Styvenson terá que pedir autorização por escrito

Styvenson fará análise sobre perfil dos candidatos (Foto: reprodução/Redes Sociais)

O recado aos 13 candidatos a vereador em Mossoró pelo Podemos chegou e é claro: quem quiser associar sua imagem à do senador Styvenson Valentim (PODE) terá que fazer um requerimento por escrito.

A partir do pedido formal o senador fará uma avaliação para deferir ou não o pedido.

Styvenson Valentim vem pautando a sua atuação política pelo discurso moralista e de combate à corrupção.

Compartilhe:

Styvenson e a busca pela (inexistente) perfeição política

Styvenson exagera para passar imagem de coerente (Foto: reprodução/Redes Sociais)

A política é um espaço que reúne humanos imperfeitos. Aliás, tudo neste mundo reúne imperfeições comportamentais. Não existe alguém infalível.

Mas para o senador Styvenson Valentim (PODE) é possível fazer da política um campo para atuação sem máculas, erros ou deslizes. É assim que ele se enxerga, inclusive.

O parlamentar, novato na política, demonstrar ter pavor só de pensar em ser pego em algum tipo de contradição do ponto de vista moral.

Foi por isso que ele expôs a irmã desempregada que pediu auxílio emergencial. Foi graças a isso que ele constrangeu a outrora candidata a prefeita de Mossoró Bianca Negreiros por ter respondido a um processo na Receita Federal há 20 anos.

Sobre esse último caso um parêntese: Bianca na verdade não poderia ser candidata por uma condenação na esfera criminal com base no artigo 171 do Código Penal brasileiro. A questão é que a manifestação de Styvenson não foi com base nesta informação. Parêntese fechado.

O senador que coloca o combate a corrupção como prioridade precisa amenizar o próprio discurso e ter mais cuidado com os aliados. Não se trata de ser tolerante com a corrupção, mas de conter exageros.

A postura tem gerado antipatias e enfraquece a sua própria causa fazendo vítimas os expostos.

Compartilhe:

Candidata a prefeita desistiu da disputa por estar inelegível, revela portal

Bianca tem condenação no artigo 171 (Foto: reprodução/Blog do Barreto)

O Portal Mossoró Hoje revelou o verdadeiro motivo de a empresária Bianca Negreiros ter desistido de ser candidata a prefeita nas eleições deste ano.

A desistência não foi causada pelo incômodo por ter respondido a um processo por causa de uma sonegação fiscal há 20 anos como ela e o senador Styvenson Valentim (PODE) falaram.

O MH descobriu que o caso é mais grave do que se imagina. Ela possui uma condenação por estelionato (artigo 171) com trânsito em julgado (não cabe mais recurso) impedindo que ela retire a certidão negativa na Justiça Federal. Essa é uma situação que lhe causa inelegibilidade.

Ontem, antes que este assunto viesse à tona, ela chegou a gravar um vídeo dizendo-se magoada com a postura de Styvenson que lhe expôs a uma situação constrangedora (ver mais abaixo).

Leia a reportagem do Mossoró Hoje AQUI.

Compartilhe:

Candidatura a prefeito de Mossoró é retirada após descoberta de processo

Bianca Negreiros teve candidatura retirada (Foto: cedida)

Uma candidatura a menos na disputa pela Prefeitura de Mossoró. Bianca Negreiro (Podemos) anunciou na noite de ontem nas redes sociais que não ser mais candidata. Ela diz ter decidido sair da disputa por causa de um processo que respondeu há 20 anos.

Em nota ela explica as motivações:

Eu procurei a executiva do partido hoje para reforçar o desejo que eu tinha de desistir da candidatura por não estar me sentindo bem, e também por já ter respondido a um processo há 20 anos atrás por conta de imposto de renda  (onde não devo mais nada por isso).

Inclusive, fato relatado por mim mesma desde o início da pré-campanha , e reforçado hoje.

Então, o presidente do partido acatou a minha decisão. Ressalto que sempre fui muito transparente com o partido.

Saio de cabeça erguida por ter feito a coisa certa e ter minha consciência tranquila; e que as outras pessoas possam ter a mesma consciência tranquila.

Em um vídeo, o líder do Podemos no Rio Grande do Norte, senador Styvenson Valentim, demonstrou decepção em saber que sua candidata em Mossoró já tinha passado por este tipo de situação e anunciou que destituiu ela do cargo de vice-presidente estadual do partido.

No vídeo abaixo Styvenson deixa bem claro que a retirada da candidatura se deu porque Bianca não cumpria os requisitos. Ele também anunciou que a chapa proporcional está mantida.

Confira:

Compartilhe:

Se a operação para normalizar Bolsonaro funcionar no RN, não será Rogério Marinho, mas Styvenson o candidato competitivo para 2022

Por Daniel Menezes*

Caso funcione a normalização feita do presidente Jair Bolsonaro no RN, não sairá daí a condição de candidatura competitiva para o governo em 2022 do hoje ministro Rogério Marinho. É o desejo que as elites potiguares tentam realizar, mas não é assim que acontece. A força do exemplo será maior do que a do discurso seletivo.

Se a população aceitar que o bom é agredir jornalista, gritar com os outros e arrebentar com o sistema político, ação que Bolsonaro faz mais nos holofotes do que na vida real da relação com o congresso, o potiguar não olhará para Rogério, mas para o capitão Styvenson.

Rogério Marinho é preparado, porém tem o perfil da “velha política” e um histórico de alianças com os principais grupos políticos do RN. Quem age do jeito que se tenta normalizar é o senador Styvenson.

O povo, além disso, perceberá a contradição entre valorizar Bolsonaro e sua forma de agir e tentar fritar Styvenson, que atua de maneira semelhante. Nesse processo, será o bolsonarista local que terminará na panela entregue de bandeja.

E um aviso que deveria ser motivo de preocupação. Bolsonaro faz composição e vive pacificamente com quem tem o poder, apesar da truculência e da retórica. Já Styvenson, não. Muita gente está cavando o próprio buraco para se enterrrar. Basta olhar as pesquisas.

*É sociólogo e professor da UFRN

Este artigo não representa a mesma opinião do blog. Se não concordar, faça um rebatendo que publique como uma segunda opinião sobre o tema.

Compartilhe:

Senadores do RN votam favoráveis ao novo Fundeb

Senadores do RN votam a favor do novo Fundeb (Fotomontagem: Web)

O Senado aprovou ontem por unanimidade a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que altera regras e torna permanente o Fundo Nacional da Educação Básica (Fundeb).

A proposta visa elevar de 10% para 23% o valor total dos investimentos em educação em relação ao que é arrecadado por Estados e Municípios.

Os três senadores do Rio Grande do Norte votaram favoráveis a proposta. “Sou fruto da escola pública, eu nunca estudei em escola privada. Botamos na Constituição o Fundeb! Estou muito orgulhosa de fazer parte deste momento e proporcionar mais recursos para a nossa Educação Básica!”, declarou Zenaide Maia (PROS).

O senador Jean Paul Prates (PT) declarou que a luta ainda não acabou: “Agora, nossa luta é pela regulamentação do novo Fundeb no plano infraconstitucional e garantir os recursos no Plano Plurianual (PPA), na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e na Lei Orçamentária Anual (LOA), caso contrário testemunharemos o fechamento de escolas públicas e um processo nefasto de exclusão escolar. Não podemos perder mais tempo!”.

Ainda assim Styvenson Valentim (PODE) classificou a a votação de ontem como uma vitória. “Aprovar o Novo Fundeb foi uma vitória da educação brasileira, já que fundo financia grande parte da educação básica no país. Ainda falta muito para alcançarmos uma educação de qualidade, mas o Fundeb é um passo muito importante nesse contexto’, analisou.

O novo Fundeb será promulgado pelo presidente do Congresso Nacional Davi Alcolumbre (DEM/AP).

Compartilhe:

Styvenson e o excesso de zelo com palavrões

Styvenson tem áudio de conversa vazado (Foto: Max Aquino)

O senador Styvenson Valentim (PODE), eleito na esteira da antipolítica, tem cometido o pecado do excesso de zelo. A história do áudio em que ele desfere uma série de palavrões numa conversa em que desabafa sobre a busca de informações a respeito da aplicação de uma emenda enviada para a Prefeitura de Parnamirim é uma prova disso.

É um dever do parlamentar fiscalizar a aplicação dos recursos de suas emendas. Mas o senador exagerou não só pelos palavrões como pela exigência dos nomes e CPFs dos pacientes. A ética médica não permite que esses dados sejam expostos.

Styvenson talvez tenha sido mal orientado a respeito do assunto.

Por outro lado, ataca-lo por isso acaba gerando um efeito contrário. O cidadão médio, que não compreende essas limitações vai achar ele o máximo e até considerar os palavrões uma demonstração de autenticidade. Ao que me parece o áudio vazado é fruto de uma conversa informal em que é comum desferir palavras de baixo calão.

O pecado de Styvenson foi pelo excesso de zelo. Não creio que este episódio gere danos a sua imagem.

Confira o áudio:

 

Compartilhe: