RN tem 33.910 casos confirmados do novo coronavírus e registra 1.200 óbitos com confirmação da doença

Taxa de ocupação dos leitos críticos observada às 13hh31 deste sábado, 4 (Fonte: RegulaRN – SESAP – LAIS)

O número de casos confirmados de Covid-19 no Rio Grande do Norte é de 33.910 e o Estado registrou 1.200 óbitos com confirmação da doença, segundo dados divulgados neste sábado, 4, pela assessoria de comunicação da Secretaria da Saúde Pública (SESAP-RN).

De acordo com as informações, há 45.614 casos suspeitos e 53.465 descartados. 171 óbitos estão em investigação.

A taxa de ocupação de leitos críticos do SUS para o tratamento de pacientes com sintomas do novo coronavírus, ficou em 96,9% na Região Metropolitana, segundo dados da Sala de Situação do RegulaRN, observados às 13h31 deste sábado. No Hospital de Campanha de Natal, Hospital Giselda Trigueiro, Hospital Maternidade Belarmina Monte, Hospital Memorial São Francisco, Hospital Municipal de Natal e Hospital Rio Grande 100% dos leitos contavam com internamentos; no Hospital Luiz Antonio 95,8% dos leitos estavam ocupados, no Hospital Colônia João Machado a taxa de ocupação era de 94,1% e no Hospital Central Coronel Pedro Germano (Hospital da PM) percentual de leitos ocupados era de 90,5%.

Na região Oeste a taxa média de ocupação dos leitos era de 96,5%. Em Mossoró, 96,6% do Hospital São Luiz e 95% dos leitos do Hospital Regional Tarcísio Mais e contavam com internações. Em Pau dos Ferros, a taxa de ocupação do Hospital Cleodon Carlos de Andrade era de 100%.

Na região do Seridó a taxa de ocupação dos leitos do Hospital Regional Telecila Freitas Fontes era de 75,9%.

Na região do Mato Grande 50% dos leitos do Hospital Manoel Lucas de Miranda contavam com internamento.

Em todo o Estado, 24 críticos estavam bloqueados e 15 estavam disponíveis.

A fila formada por pacientes atendidos em unidades dos municípios a espera de leitos destinados ao atendimento de pacientes com sintomas de Covid-19 tinha 36 a espera de leitos críticos e 39 a espera de leitos clínicos.

28 pacientes regulados aguardavam transporte para uma unidade de referência.

Compartilhe:

Ocupação de leitos críticos continua elevada no Rio Grande do Norte

 

Dados observados às 14h42 desta quarta-feira, 1º (Fonte: RegulaRN – SESAP – LAIS)

A taxa de ocupação de leitos críticos do SUS especializados no tratamento dos pacientes com sintomas do novo coronavírus continua elevada no Rio Grande do Norte, segundo dados verificados na Sala de Situação do RegulaRN, nesta quarta-feira, 1º.

Conforme observado às 14h42, na região Oeste a taxa de ocupação era de 94,9%. Em Mossoró, 100% dos leitos do Hospital Regional Tarcísio Maia e 93,1% dos leitos do Hospital São Luiz estavam ocupados. Em Pau dos Ferros, onde houve ampliação do número de leitos, passando a dez, a taxa de ocupação no Hospital Regional Cleodon Carlos de Andrade era de 90%.

Na região Metropolitana, o percentual de leitos ocupados era de 92,3%.  No Hospital Colônia João Machado, no Hospital de Campanha de Natal, Hospital Memorial São Francisco, Hospital Municipal de Natal e Hospital Rio Grande a taxa de ocupação era de 100%; no Hospital Giselda Trigueiro, a ocupação era de 91,7%, no Hospital Luiz Antonio o índice de ocupação era de 86,4% e no Hospital Central Coronel Pedro Germano (Hospital da PM) 81,8% dos leitos contavam com internamentos.

No Seridó, 82,8% dos leitos do Hospital Regional Telecila Freitas Fontes estavam ocupados.

Na região do Mato Grande, a taxa de ocupação no Hospital Manoel Lucas de Miranda, em Guamaré, era de 66,7%.

Em todo o Estado, 24 leitos estavam bloqueados, segundo dados do RegulaRN.

730 pessoas estão internadas no Estado com suspeita ou confirmação da Covid-19, em unidades públicas, privadas ou filantrópicas, sendo 383 internadas em leitos críticos, como informou o secretário adjunto de Saúde, Petrônio Spinelli, durante coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira, 1º, em Natal.

Fila de espera

A fila formada por pacientes atendidos em unidades dos municípios a espera de leitos especializados no tratamento dos sintomas da Covid-19 contava com 42 pessoas a espera de leitos críticos e 35 a espera de leitos clínicos, conforme dados do RegulaRN.

28 pacientes aguardam transporte para um leito especializado.

De acordo com o secretário adjunto de Saúde, está sendo feita a contratação de uma empresa de ambulâncias que deve realizar o transporte dos pacientes, além do SAMU.

Abertura de leitos

Em entrevista coletiva realizada nesta quarta-feira, em Natal, o secretário adjunto de Saúde, Petrônio Spinelli, afirmou que há expectativa de abertura de mais cinco leitos no Hospital São Luiz, em Mossoró.

Segundo ele, no Hospital João Machado, na Região Metropolitana, a previsão é abrir dez leitos ainda hoje.

O secretário falou ainda sobre a expectativa de abertura de cinco leitos a mais no Hospital Belarmino Monte, contratado pela Prefeitura do Município em uma unidade filantrópica e, até sexta-feira, estimativa de cinco leitos em João Câmara.

Compartilhe:

Mossoró reabre Mercado Central e lojas de vestuário e calçados de até 300m² nesta quarta-feira

Lojas de vestuários, acessórios e de calçados que possuam porta aberta diretamente para a rua estão entre as que podem abrir  (Foto: cedida)

Mercado Central, lojas de vestuários, acessórios e de calçados de até 300m² que possuam porta aberta diretamente para a rua voltam a funcionar a partir de amanhã, 1º, em Mossoró. O funcionamento está especificado no Decreto Nº 5.714, de 30 de junho, publicado na edição desta terça-feira do Jornal Oficial do Município (JOM). De acordo com postagem no site da Prefeitura de Mossoró, atividades de informação, comunicação, agências de publicidade, design e afins, lojas de produtos de climatização, bicicletas e acessórios também retomam o funcionamento.

O anúncio ocorreu após reunião do Comitê Gestor de Enfrentamento ao Novo Coronavírus, para dar continuidade plano de reabertura das atividades econômicas do município, conforme a postagem.

De acordo com o Decreto, o Mercado Central retoma o funcionamento com boxes numerados, que funcionarão de segunda-feira a sexta-feira, das 7h às 16h e no sábado das 7h às 12h, em dias alternados, entre números ímpares e pares, começando pelos ímpares. Restaurantes e lanchonetes não poderão servir comida para consumo no local, conforme o documento.

“Essa medida depende de todos. Se houver aumento dos casos, e se notarmos que está acontecendo uma transmissibilidade muito alta, com os leitos incompatíveis para o atendimento, vamos ter que repensar”, disse, afirmando também que a Vigilância irá continuar trabalhando”, disse a Prefeita Rosalba Ciarlini, por meio da página do Município.

“A Vigilância seguirá fiscalizando para que todas às medidas de segurança, como máscaras, álcool em gel, e distanciamento, sejam cumpridos”, acrescentou.

Abertura ocorre em momento de alta ocupação de leitos

A retomada ocorre em um momento em que tanto o município de Mossoró quanto o Estado do Rio Grande do Norte se mantêm em uma situação de alta taxa de ocupação dos leitos críticos do SUS. De acordo com dados do RegulaRN observados às 20h46 desta terça-feira, o Hospital Regional Tarcísio Maia e o Hospital São Luiz estavam com 100% dos leitos em funcionamento ocupados. Seis leitos do Hospital São Luiz permaneciam bloqueados.

 

O quadro não é recente e nem isolado. Matéria intitulada ‘Na véspera do início da retomada econômica, RN mantém leitos lotados em boa parte do Estado e ainda tem fila por UTI’ postada nesta terça-feira, 30, no Blog mostra a série histórica da taxa de ocupação dos leitos críticos por região. Os dados são disponibilizados pela Sala de Situação do RegulaRN e são referentes ao período de 2 de maio a 28 de junho, sendo que no caso da região Oeste, que pelo site inclui os municípios de Mossoró e Pau dos Ferros.

“Com relação à região Oeste, o menor índice de ocupação foi registrado em 9 de maio, data em que os internamentos passam a ser exibidos no site. Nessa data, o índice de ocupação era de 46,67%, com sete dos 15 leitos operacionais ocupados. A partir daí, a menor taxa de ocupação foi registrada no dia 22 de maio, com 73,21% de ocupação – 41 dos 56 leitos operacionais estavam ocupados. Nos dez últimos dias que constam no registro do site, o menor percentual de ocupação no Oeste foi verificado em 22 de junho, com 92,16% dos 51 leitos operacionais ocupados. Nesse período, por cinco dias o Oeste teve 100% dos leitos críticos ocupados – nos dias 21, 24, 26, 27 e 28”, diz trecho da matéria.

PLANO DE REABERTURA

Segue na íntegra o Plano de Reabertura conforme informado pela Prefeitura de Mossoró em seu site:

 01/07

Mercado Central

Atividades de informação, comunicação, agências de Publicidade, design e afins

LOJAS (Lojas até 300m² e com “Porta para Rua”)

Lojas de produtos de climatização

Lojas de bicicletas e acessórios

Lojas de vestuário e Calçados

08/07

LOJAS (Lojas até 600m² e com “Porta para Rua”)

Lojas de móveis, eletrodomésticos e colchões

Lojas de departamento e magazines (que não funcionem em Shoppings ou Centros Comerciais);

Agências de Turismo;

Lojas de brinquedos, artigos esportivos e de caça e pesca;

Instrumentos musicais e acessórios; equipamentos de áudio e vídeo e Lojas de eletrônicos/informática e equipamentos de telefonia e comunicação;

Joalherias, relojoarias, bijuterias e artesanatos

Lojas de cosméticos e perfumaria;

SERVIÇO

ALIMENTAÇÃO I

*Alimentação I:

Restaurantes; Lanchonetes; Food-Parks

Até 300m²

4 pessoas por mesa

2m mesa a mesa/ 1m entre pessoas

Proibido de venda e consumo de bebida alcoólica no estabelecimento;

15/07

Academias de ginástica, Box de Crossfit, Estúdios de Pilates e afins que não utilizam sistema de ar condicionado;

Academias possuem protocolos ainda mais rigorosos conforme anexo

22/07

Centros Comerciais e Galerias (sem ar condicionado)

29/07

Bares e Restaurantes 2

*Alimentação II (Restaurantes, Lanchonetes, Food-Parks):

Pode ser maior que 300m²

Segue os mesmos protocolos de segurança de “ALIMENTAÇÃO I”

**Bares

Os bares seguem os mesmos protocolos de Alimentação II

Não devem promover shows, festas e afins;

É possível música ao vivo, desde que promovida por apenas uma pessoa (músico + instrumento).

Deve se resguardar uma distância de 2m entre músico e mesas do estabelecimento

05/08

Academias Fechadas (com uso de ar condicionado)

Shoppings Centers (com ar condicionado)

Compartilhe:

Na véspera do início da retomada econômica, RN mantém leitos lotados em boa parte do Estado e ainda tem fila por UTI

A taxa de ocupação de leitos críticos do SUS para o tratamento de pacientes com sintomas do novo coronavírus ultrapassa os 95% nas duas regiões de maior pressão por leitos do Rio Grande do Norte – Oeste e Metropolitana e é de 75,9% no Seridó. O cenário se apresenta em plena véspera da retomada de boa parte das atividades econômicas no Estado e se agrava com uma fila de espera por leitos de UTI que conta com 32 pacientes, segundo dados observados na Sala de Situação do RegulaRN, às 12h42 desta terça-feira, 30.

No Oeste do Estado a taxa de ocupação dos leitos era de 100%. Em Mossoró, 100% dos leitos do Hospital Regional Tarcísio Maia e do Hospital São Luiz contavam com internamentos. Em Pau dos Ferros, a taxa de ocupação do Hospital Regional Cleodon Carlos de Andrade era de 100%.

Na Região Metropolitana, 96,5% dos leitos contavam com internamentos, com 100 % dos leitos ocupados no Hospital Colônia João Machado, Hospital de Campanha de Natal, Hospital Giselda Trigueiro, Hospital Memorial São Francisco, Hospital Municipal de Natal, e Hospital Rio Grande; no Hospital Central Coronel Pedro Germano (Hospital da PM) o percentual de ocupação dos leitos era de 95,2% e no Hospital Luiz Antonio de 84,2%.

A taxa de ocupação no Hospital Manoel Lucas de Miranda, em Guamaré, região do Mato Grande, era de 100%.

No Seridó, a taxa de ocupação de leitos no Hospital Regional Telecila Freitas Fontes era de 75,9%.

Em todo o Estado havia apenas onze leitos de UTI disponíveis – sete no Hospital Regional Telecila Freitas Fontes, um no Hospital Central Coronel Pedro Germano e três no Hospital Luiz Antonio. 27 leitos críticos estavam bloqueados em todo o RN.

Número de vagas de leitos críticos para pacientes com sintomas de Covid-19 em hospitais do RN é menor que número de pacientes na fila de espera (Fonte do gráfico: RegulaRN – SESAP – LAIS)

 

Solicitações de internamentos

Com base nos dados do RegulaRN, é possível observar a série histórica das solicitações de leitos Covid – Núcleo Interno de Regulação – para leitos clínicos e críticos. Os registros vão de 2 de maio a 30 de junho. De acordo com os dados, a data com menor número de solicitações de leito foi em 2 de maio, com sete solicitações. Nos dez últimas dias, considerando o período de 19 a 29 de junho, o número de solicitações foi de 86 (dia 19), 85 (dia 20), 100 (dia 21), 138 (dia 22), 118 (dia 23), 96 (dia 24, 80 (dia 25), 74 (dia 26), 92 (dia 27), 82 (dia 28) e 90 (dia 29).

Dados sobre solicitações de internamentos para leitos clínicos e críticos (último dado não foi considerado por se tratar da data vigente) (Fonte do gráfico: RegulaRN – SESAP – LAIS)

Série histórica da taxa de ocupação de leitos mostra tensão por leitos nos últimos dez dias

Ainda segundo dados do RegulaRN, que traz informações sobre a série histórica da taxa de ocupação dos leitos críticos por região, no período de 2 de maio a 28 de junho, o menor nível de ocupação dos leitos críticos na Região Metropolitana foi de 85,37%, registrado em 1º de maio, quando, conforme o site, havia 41 leitos operacionais na região, dos quais 35 estavam ocupados. Nos últimos dez dias de registro do site (de 18 a 28 de junho) a menor taxa de ocupação foi de 95,37%, em 21 de junho, quando havia 108 leitos operacionais, dos quais 103 estavam ocupados; nesse mesmo período de dez dias, por duas vezes 100% dos leitos da Região Metropolitana estiveram ocupados – 25 e 28 de junho, com 109 leitos operacionais lotados.

Com relação à região Oeste, o menor índice de ocupação foi registrado em 9 de maio, data em que os internamentos passam a ser exibidos no site. Nessa data, o índice de ocupação era de 46,67%, com sete dos 15 leitos operacionais ocupados. A partir daí, a menor taxa de ocupação foi registrada no dia 22 de maio, com 73,21% de ocupação – 41 dos 56 leitos operacionais estavam ocupados. Nos dez últimos dias que constam no registro do site, o menor percentual de ocupação no Oeste foi verificado em 22 de junho, com 92,16% dos 51 leitos operacionais ocupados. Nesse período, por cinco dias o Oeste teve 100% dos leitos críticos ocupados – nos dias 21, 24, 26, 27 e 28.

O Seridó foi a região que apresentou situação menos crítica e a menor taxa de ocupação de leitos foi registrada em 8 de maio, quando 29,41% dos 17 leitos operacionais, à época, estavam ocupados (para essa região, o site começa a exibir os dados da série histórica de ocupação a partir de 4 de maio). Ao longo do gráfico verifica-se que em outras duas datas o percentual de leitos ocupados no Seridó foi inferior a 40% – dia 28 de maio, quando 36,36% dos 22 leitos operacionais estavam ocupados e 30 de maio, quando a ocupação dos 22 leitos operacionais ficou no mesmo patamar de 36,36%. Nos últimos dez dias, o menor índice de ocupação registrado na região foi de 66,67%, registrado em 19 de junho, quando 18 dos 27 leitos operacionais estavam ocupados; essa também foi a única data nesses dez dias que a taxa de ocupação foi inferior a 70%. A maior taxa de ocupação no período de 18 a 28 de junho foi registrada no dia 23, quando 96,30% dos 27 leitos operacionais estavam ocupados.

 

Gráfico mostra taxa de ocupação de leitos do início de maio ao dia 28 de junho (Fonte do gráfico: RegulaRN – SESAP – LAIS)
Compartilhe:

RN registra ocupação de leitos críticos do SUS superior a 90% em todas as regiões

Taxa de ocupação dos leitos às 20h54 desta terça-feira, 23 (Fonte: RegulaRN – SESAP – LAIS)

A taxa de ocupação de leitos críticos do SUS para tratamento de pacientes com sintomas do novo coronavírus superou os 90% em todas as regiões onde há unidades que possuem esse tipo de leito no Rio Grande do Norte na noite desta terça-feira, 23, segundo dados do RegulaRN.

Conforme observado no site às 20h54, 98,2% dos leitos da região Oeste contavam com internamentos. Em Mossoró 100% dos leitos do Hospital Regional Tarcísio Maia estavam ocupados e o Hospital São Luiz, que abriu cinco novos leitos de UTI, totalizando 30, também ficou com ocupação máxima de 29 leitos (um estava bloqueado). Em Pau dos Ferros, o Hospital Regional Cleodon Carlos de Andrade tinha 83,3% dos leitos ocupados.

Na Região Metropolitana, a taxa de ocupação era 96,5%, com 100% dos leitos ocupados no Hospital da Polícia Militar, Hospital de Campanha João Machado, Hospital de Campanha de Natal, Hospital Luiz Antonio, Hospital Giselda Trigueiro, Hospital Municipal de Natal e Hospital Rio Grande. No Hospital Maria Alice Fernandes, voltado ao atendimento pediátrico, a taxa de ocupação era de 57,1%.

Na região do Seridó, o Hospital Regional Telecila Freitas Fontes tinha 92,6% dos leitos ocupados.

E na região do Mato Grande, o Hospital Manoel Lucas de Miranda, em Guamaré, tinha 100% de ocupação.

A fila de espera contava com 103 pacientes às 20h59.

Em conjunto com o índice de transmissibilidade de Covid-19, a taxa de ocupação dos leitos é um dos principais critérios observados pelo Comitê Científico que atua junto à Secretaria da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (SESAP-RN). Nesta terça-feira, o Comitê orientou que as medidas de isolamento sejam mantidas no Estado por mais sete dias. O Governo do Estado acatou a recomendação, anunciando a prorrogação das medidas previstas no Decreto Nº 29.742, de 4 de junho de 2020.

Compartilhe:

Novo Decreto que será publicado hoje prorroga medidas de isolamento por sete dias no RN

Publicação do novo Decreto foi anunciada pelo secretário de Tributação, Carlos Eduardo Xavier (Imagem: Reprodução)

Um novo Decreto do Governo do Rio Grande do Norte deve ser publicado na tarde desta terça-feira, 23, à tarde, em edição extraordinária do Diário Oficial do Estado. O documento prorroga as medidas de isolamento previstas no Decreto Nº 29.742, de 4 de junho de 2020, por mais sete dias. O anúncio foi feito pelo secretário de Tributação do RN, Carlos Eduardo Xavier, durante coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira, 23, em Natal.

A decisão, segundo ele, foi tomada com base em uma recomendação do Comitê Científico que atua junto à Secretaria da Saúde Pública do Estado (SESAP-RN).

De acordo com o integrante do Comitê Científico do Estado e coordenador do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LAIS-UFRN), professor e pesquisador, Ricardo Valentim, o parecer de recomendações foi finalizado hoje e recomenda a prorrogação das medidas da forma prevista no decreto em vigor até o dia 1º de julho.

Segundo ele, a análise de dados se baseia, principalmente, em dois parâmetros, a taxa de transmissibilidade e índice de ocupação de leitos de UTI.

“Primeiro a taxa de transmissibilidade. Essa taxa de transmissibilidade é o quanto uma pessoa consegue contaminar outra pessoa ou uma quantidade de outras pessoas. É um parâmetro importante, mas que não pode ser olhado isoladamente. É preciso observar as questões loco-regionais, a dinâmica social de cada município”, afirmou o pesquisador.

“A taxa de transmissibilidade a gente tem percebido que ao longo do tempo ela vem reduzindo”, acrescentou.

“Quando eu falo de redução na velocidade de transmissão a gente tem que ter muito cuidado com isso, porque essa velocidade de transmissão ela ainda não reflete, por exemplo, a taxa ocupação de leitos de UTI. É preciso olhar essas duas variáveis. Se essa taxa de transmissibilidade, que hoje está em torno de 1, um pouco mais que 1 e ela muda diariamente para a gente estar sempre olhando, calibrando”, afirmou Ricardo Valentim, acrescentando que existem vários trabalhos nessa área dentro do Comitê Científico, mas o principal nessa área é do professor José Dias.

Ricardo Valentim falou também do outro parâmetro em que se baseia a recomendação do Comitê Científico. “Existe uma pressão muito grande de leitos de UTI, ou seja, uma demanda muito grande. A taxa de ocupação, como foi falado agora pela representante do Complexo de Regulação está, em média, acima de 85%, ou seja, é um dado ainda que não é aceitável”, disse.

“E a pergunta é se está reduzindo a taxa de transmissibilidade, por que é que os leitos de UTI ainda estão lotados?”, questionou o pesquisador, respondendo que, à medida que essa taxa de transmissibilidade ela vai reduzindo, com o tempo, haverá desocupação dos leitos de enfermaria Covid-19, seguido dos leitos críticos de Semi-Intensivo e UTI. “Então, é um efeito que nós chamamos de efeito dominó”, mencionou.

“O número de óbitos nesse período, mesmo com a taxa de transmissibilidade, ele deve ainda seguir aumentando. Isso é um efeito do que a gente está vendo hoje nos leitos de UTI. Se eu tenho uma pressão muito grande por demandas de UTI significa que esse número de óbitos, existe uma quantidade de pessoas muito adoecidas hoje”, afirmou o pesquisador.

“Então, hoje, pelo dado que tem, não é possível fazer uma retomada para as atividades que estavam sendo esperadas pelo setor produtivo. É preciso ter prudência, segurança e olhar para esses dados que estão postos hoje. Não existe oferta de leitos para todo mundo e a gente precisa garantir que essa é uma das medidas sanitárias que garantem dignidade, assistência aos serviços de saúde”, concluiu.

Coordenador do LAIS-UFRN, professor Ricardo Valentim, falou sobre orientação do Comitê (Imagem: Reprodução)

Ocupação hospitalar por região

De acordo com dados do RegulaRN, observados às 13h56 desta terça-feira, a taxa de ocupação dos leitos críticos do SUS destinados ao tratamento de pacientes com sintomas de Covid-19 no Oeste (incluindo Mossoró e Pau dos Ferros), era de 96,1%; na Região Metropolitana 95,7% dos leitos estavam ocupados.

No Seridó 81,5% dos leitos estavam ocupados; por um tempo essa região conseguiu manter uma taxa de ocupação menor, mas que nos últimos dias, mesmo com abertura de leitos o índice de ocupação tem aumentado.

Na região do Mato Grande, os quatro leitos de UTI do Hospital Manoel Lucas de Miranda, localizado em Guamaré,  estavam ocupados.

85 pacientes aguardavam para serem transferidos.

Taxa de ocupação por região às 13h56 desta terça-feira, 23 (Fonte: RegulaRN – SESAP – LAIS)
Compartilhe:

Ocupação de leitos críticos do SUS para tratamento de sintomas de Covid-19 se mantém elevada no RN

Ocupação de leitos no Estado é superior a 80% em todas as regiões, segundo dados observados às 13h32 (Fonte: RegulaRN – SESAP – LAIS)

A taxa de ocupação de leitos críticos do SUS destinados ao tratamento de pacientes com sintomas do novo coronavírus ultrapassa os 80% em todas as regiões do Estado e nas regiões Metropolitana e Oeste a situação permanece mais elevada, segundo dados do RegulaRN observados nesta segunda-feira, 22, às 13h32.

O percentual de ocupação de leitos existentes na Região Metropolitana era de 93%, com 100% de ocupação no Hospital de Campanha João Machado, Hospital de Campanha de Natal, Hospital Luiz Antonio, Hospitla Giselda Trigueiro, Hospital Municipal de Natal e Hospital Rio Grande; no Hospital da Polícia Militar 95% dos leitos estavam ocupados; no Hospital Memorial São Francisco, contratualizado através de chamada pública e que passou a disponibilizar quatro leitos de UTI, a ocupação era de 25%. O Hospital Maria Alice Fernandes, voltado ao atendimento pediátrico, tinha taxa de ocupação de 42,9% dos leitos.

Na região Oeste, a média de ocupação dos leitos existentes na região era de 90%. Em Mossoró, 100% dos leitos do Hospital Regional Tarcísio Maia e 84 % dos leitos do Hospital São Luiz estavam ocupados. Em Pau dos Ferros, 83,3% dos leitos críticos em funcionamento no Hospital Regional Cleodon Carlos de Andrade contavam com internamentos.

No Seridó, 81,5% dos leitos do Hospital Regional Telecila Freitas Frontes estavam ocupados.

Na região do Mato Grande, a taxa de ocupação dos leitos do Hospital Manoel Lucas de Miranda era de 100%.

A fila de espera de pacientes atendidos em unidades hospitalares dos municípios que aguardavam transferência para leitos destinados ao tratamento de pacientes com sintomas de Covid-19 contava com um total de 64 pessoas. Devido uma atualização na Sala Pública do RegulaRN, a partir da adoção da recomendação do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Norte (CREMERN), de uso do Escore Unificado para Priorização, não há mais classificação de um a quatro no site, segundo explicou um dos responsáveis pelo site.

763 pessoas internadas com suspeita ou confirmação do novo coronavírus, ele leitos críticos ou clínicos de hospitais públicos, privados ou filantrópicos do Rio Grande do Norte, segundo informou a coordenadora da Rede de Atenção à Saúde da Secretaria da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (SESAP-RN), Samara Pereira Dantas, durante a coletiva de imprensa desta segunda-feira, 22.

Gráfico mostra como estava a situação da ocupação individual das unidades com leitos críticos às 13h32 (Fonte: RegulaRn – SESAP – LAIS)
Compartilhe:

Dados parciais informam que RN tem 16.168 casos confirmados de Covid-19; taxa de ocupação hospitalar continua elevada

Taxa de ocupação dos leitos críticos observada às 13h38 deste sábado (Fonte: RegulaRN – SESAP – LAIS)

Dados parciais informam que o Rio Grande do Norte tem 16.168 casos confirmados do novo coronavírus. Há 24.574 casos suspeitos e 25.301 descartados. Os números foram repassados pela assessoria de comunicação da Secretaria da Saúde Pública do Estado (SESAP-RN), que adianta que os dados vão sofrer alterações até a divulgação do boletim epidemiológico, porque o banco de dados ainda está sendo integrado com o e-SUS.

A taxa de ocupação dos leitos críticos do SUS destinados ao tratamento de pacientes com sintomas do novo coronavírus continua elevada, segundo dados do RegulaRN, observados às 13h38 deste sábado, 20.

Na região Oeste, Mossoró tinha 100% dos leitos do Hospital Regional Tarcísio Maia e do Hospital São Luiz ocupados. Em Pau dos Ferros, 100% dos leitos do Hospital Regional Cleodon Carlos de Andrade contavam com internamentos.

Na Região Metropolitana, a taxa de ocupação no Hospital da Polícia Militar, Hospital de Campanha João Machado, Hospital de Campanha de Natal, Hospital Luiz Antonio, Hospital Municipal de Natal e Hospital Rio Grande e do Hospital Giselda Trigueiro era 100%.

No Hospital Maria Alice Fernandes, também localizado na Região Metropolitana, mas destinado ao atendimento de pacientes infantis, a taxa de ocupação era de 42,9%.

Na região do Mato Grande, a taxa de ocupação do Hospital Manoel Lucas de Miranda, em Guamaré, era de 100%.

Na região do Seridó, o Hospital Regional Telecila Freitas Fontes estava com 77,8% dos leitos ocupados.

Ainda segundo o RegulaRN, a fila de espera formada por pacientes que aguardam transferência para unidades com leitos destinados ao tratamento de pacientes com sintomas da Covid-19 tinha 56 pacientes, às 13h deste sábado. Desses, 38 aguardavam por leitos críticos, sendo dois classificados como ‘prioridade 1’ e 36 como ‘prioridade 2’. 17 pacientes classificados como ‘prioridade 3’ e um como ‘prioridade 4’ também aguardavam transferência.

Isolamento social

De acordo com dados do Inloco, nessa sexta-feira, 19, a taxa de isolamento social do Rio Grande do Norte foi de 36,74%.

Compartilhe:

Ocupação de leitos críticos ultrapassa os 95% nas regiões Oeste e Metropolitana do RN

Na Região Metropolitana, só o Hospital Maria Alice, voltado para o atendimento pediátrico, tinha leitos disponíveis (Fonte: RegulaRN – SESAP – LAIS)

A taxa de ocupação dos leitos críticos do SUS destinados ao tratamento de pacientes com sintomas do novo coronavírus continua elevada nesta sexta-feira, 19, na maior parte do Rio Grande do Norte, chegando a 98% na região Oeste e 96,2% na Região Metropolitana, segundo dados do RegulaRN, observados às 13h21.

Em Mossoró, 100% dos leitos do Hospital São Luiz e 95% do Hospital Regional Tarcísio Maia estavam ocupados. Em Pau dos Ferros, o Hospital Regional Cleodon Carlos de Andrade tinha 100% dos leitos ocupados.

Na Região Metropolitana, 100% dos leitos do Hospital da Polícia Militar, Hospital de Campanha João Machado (que transformou uma parte dos seus leitos em UTI), Hospital de Campanha de Natal, Hospital Luiz Antonio, Hospital Giselda Trigueiro, Hospital Municipal de Natal, Hospital Rio Grande estavam ocupados. Só o Hospital Maria Alice Fernandes, voltado para o atendimento pediátrico, tinha vagas.

No Seridó o percentual de ocupação do Hospital Regional Telecila Freitas Fontes era de 74,1%.

Na região do Mato Grande, 100% dos leitos do Hospital Manoel Lucas de Miranda, em Guamaré, contavam com internamentos.

151 pacientes atendidos em unidades dos municípios aguardavam transferência para leitos voltados ao tratamento de pacientes com sintomas de Covid-19. Desse total, 80 pessoas esperavam para serem transferidas para leitos críticos – oito consideradas como ‘prioridade 1’ e 72 como ‘prioridade 2’. 68 pacientes classificados como ‘prioridade 3’ e três como ‘prioridade 4’ também aguardavam regulação.

Em todo o Estado, 769 pessoas estão internadas com suspeita ou confirmação do coronavírus, em leitos críticos ou clínicos, de hospitais públicos, privados e filantrópicos.

Durante a coletiva de imprensa realizada na manhã desta sexta-feira, 19, em Natal, o secretário adjunto de Saúde, Petrônio Spinelli, falou sobre o isolamento social como medida efetiva contra o coronavírus.

“É fundamental nós entendermos que quando a gente olha a pressão de leitos de UTI e enxergamos de onde essa pressão está vindo e olhamos para o passado e observamos o que aconteceu naquelas cidades há 14, 15 dias atrás, você vê que tem uma relação muito direta, o que confirma o que a ciência vem trabalhando. O isolamento funciona, funciona sim, é a medida efetiva de prevenção e a pressão diferenciada que acontece por leitos de UTI demonstra claramente isso”, disse.

“Mas é importante dizer também que o que nós estamos fazendo agora de isolamento, seja de comportamento social, seja de ação do Pacto pela Vida seja de sinergismo entre o Governo do Estado e as prefeituras nós vamos repercutir daqui a dez dias. Então, o sofrimento atual ele pode, deve e nós queremos que ele seja interrompido. Isso só será possível se o Pacto pela Vida e pela ação da sociedade possa, efetivamente, aumentar o isolamento e a proteção social”, acrescentou.

A taxa de ocupação hospitalar inferior a 70% foi um dos critérios elencados pelo Governo do RN no Decreto Estadual nº 29.742, de 4 de junho. Inicialmente, o cronograma para retomada gradual das atividades econômicas estava previsto para o dia 17 de junho, mas foi prorrogado para o dia 24.

Nas regiões Oeste e Metropolitana essa taxa tem se mantido constantemente acima desse percentual, com leitos lotados.

Compartilhe:

Número geral de internamentos por confirmação ou suspeita de Covid-19 no RN é superior a 700

O número de internamentos de pacientes com suspeita ou confirmação de Covid no Rio Grande do Norte corresponde a 710 pessoas. Esse total é a soma de internamentos em leitos públicos, privados e filantrópicos existente no Estado e inclui casos em leitos críticos e clínicos, segundo informado pelo secretário adjunto de Saúde, Petrônio Spinelli, na coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira, 11, em Natal.

“Esse dado por si só já fala da necessidade de a gente mexer na questão fundamental, que é o isolamento social e proteger, para os próximos dias, as pessoas que vão precisar de leitos UTI”, advertiu o secretário adjunto de Saúde.

Dados do Inloco de ontem, 10, mostram que o RN registrou isolamento social, 41,29%, índice que continua abaixo do indicado pelas autoridades sanitárias.

O Estado tem 13.234 casos confirmados do novo coronavírus e registra 496 óbitos confirmação da doença, conforme matéria publicada mais cedo.

Pressão continua forte nos leitos críticos do SUS no Estado (Fonte: RegulaRN – SESAP – LAIS)

Com relação a taxa de ocupação de leitos críticos do SUS no Estado, exclusivos para o tratamento de pacientes com sintomas do novo coronavírus, às 14h51 o RegulaRN mostrava que 99% dos leitos da Região Metropolitana estavam ocupados; no Hospital da Polícia Militar, Hospital de Campanha de Natal, Hospital Luiz Antonio, Hospital Giselda Trigueiro, Hospital Municipal de Natal e Hospital Rio Grande a taxa de ocupação dos leitos era de 100%; no Hospital de Campanha de Parnamirim a ocupação era de 50%, com um dos dois leitos de UCI vagos.

Na região Oeste a taxa de ocupação era de 92,2%. Em Mossoró, no Hospital Regional Tarcísio Maia o percentual de leitos ocupados era de 95% e o Hospital São Luiz tinha 96% de ocupação de seus leitos.  Em Pau dos Ferros 83,3% dos leitos do Hospital Regional Cleodon Carlos de Andrade estavam ocupados.

Na região do Seridó, a taxa de ocupação de leitos do Hospital Regional Telecila Freitas Fontes era de 59,3%.

Já a fila de espera por leitos exclusivos para o tratamento de pacientes com sintomas do novo coronavírus, contava com 139 pacientes, às 14h53, segundo dados do RegulaRN. Desse total, 48 pessoas aguardavam por leitos críticos, sendo quatro classificados como ‘prioridade 1’ e 44 como ‘prioridade 2’. 88 pessoas consideradas ‘prioridade 3’ e três consideradas ‘prioridade 4’ também aguardavam regulação.

Nota do blog: Os números de internações divulgados durante a coletiva de imprensa costumam ser maiores do que os números de internamentos informados no boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (SESAP-RN) da mesma data. Isso ocorre porque, como explicou a assessoria de comunicação da Sesap, os boletins não incluem pacientes em leitos de estabilização como, UPAs, como informam também os próprios boletins. Já a taxa de ocupação detalhada na matéria diz respeito aos leitos críticos do SUS.

Compartilhe: