A perda de tempo de Tião

Tião-couto

Ao final das eleições de 2016 ficou claro que se trabalhasse com organização e coerência, Tião Couto poderia encaminhar uma carreira política capaz de fazer frente aos Rosados.

Mas o potencial eleitoral demonstrado em 2016 não se converteu em capacidade de articulação política. Tião passou os últimos 18 meses metendo os pés pelas mãos sonhando com passos maiores que poderia dar.

Estava óbvio que o caminho natural para o grupo de Tião se estabelecer era ele ser candidato a deputado federal e Jorge do Rosário a estadual. O segundo entendeu isso e começou a trabalhar cedo o projeto para chegar a Assembleia Legislativa.

Enquanto isso, o clima para Tião no PSDB era o pior possível a ponto de ele ser excluído da agremiação de forma constrangedora. O caminho natural seria o PR pela afinidade com Jorge do Rosário e João Maia, mas ele tentou voos mais altos mais uma vez sem sucesso.

Agora Tião é candidato a deputado federal pelo PR. Ele perdeu um ano e meio por não fazer o óbvio.

Compartilhe:

Tião leva “batido” de vereador de oposição e falta de liderança política é exposta

10568-1

Há tempos alertei em meus comentários que o empresário Tião Couto tem tido dificuldades em se estabelecer como liderança política. Ele não consegue manter em torno de si a heterogênea bancada de oposição. Até mesmo os apoiadores de 2016 mostram isso.

A falta de liderança política ficou exposta hoje quando o vereador Raério Araújo (PRB) declarou na Tribuna da Câmara Municipal que Tião não vai para o partido. “Nós não estamos precisando de Tião. Ele é quem precisa de partido. A possibilidade de ele ir para o PRB é zero”, disparou.

A falta de empatia com a classe política fica exposta nas palavras de Raério que explicou que o ex-candidato a prefeito de Mossoró exigiu o comando estadual e municipal do PRB ao presidente do partido no Rio Grande do Norte, suplente de deputado federal Abraão Lincoln.

Em contato com a jornalista Carol Ribeiro hoje pela manhã, Tião explicou que manteve contato com o PRB estadual a pedido de Flávio Rocha, pré-candidato a presidente pelo partido. Ele negou as exigências.

Tião obteve quase 52 mil votos em 2016, mas sem impor liderança no dia a dia não consolidará esse capital eleitoral.

Compartilhe:

O fracasso (até aqui) das candidaturas empresariais

ganhar-dinheiro-marketing-rede

No Rio Grande do Norte os últimos meses foram marcados por muita especulação com pitadas de balão de ensaio. Os empresários andaram se empolgando para entrar na política, mas os projetos naufragam antes mesmo das convenções.

O “Rei do Melão”, Luiz Roberto Barcellos, ensaiou ser candidato ao Senado. Contratou pesquisa, ocupou muito espaço na mídia e conversou com todos os políticos. No final descobriu que a empresa dele precisa de seu dono presente.

Empresário vitorioso e bem votado nas eleições de 2016 para prefeito de Mossoró, Tião Couto tem visto na prática a política como ela é. Estamos a uma semana do fim da janela partidária e ele não conseguiu um partido nem definiu um projeto para 2018.

Outro que se saracoteia para virar político é Marcelo Alecrim. Até aqui o máximo que conseguiu foram muitas fotos com o pré-candidato a presidente da república Flávio Rocha.

A exceção, pelo menos na ótica de quem enxerga a política a partir de Mossoró, é Jorge do Rosário. Desde o final do ano passado ele está focado na candidatura a deputado estadual e tem se movimentado bem nesse sentido.

O fracasso (até aqui) das candidaturas empresariais é uma prova do quanto a política é complexa. Se fossemos nos basear na lógica simplista de que o dinheiro resolve tudo na política eles já teriam dominando o Rio Grande do Norte e aposentado as lideranças tradicionais.

Não basta ter só dinheiro. Tem que ter voto e para ter isso é preciso construir uma história.

Os fracassos (até aqui, repito) tem que servir de lição para os endinheirados entenderem que para vencer disputas majoritárias não é só chegar e descarregar um caminhão de dinheiro nem ficar tirando fotos em jantares chiques. Tem que sentir cheiro de povo!

Compartilhe:

PRB pode ser o destino partidário de Tião Couto

Tião Couto denuncia

O empresário Tião Couto pode estar com os dias de indefinição política contados no Rio Grande do Norte. Afinado com o empresário Flávio Rocha, pré-candidato a presidência da República, ele deve segui-lo na filiação ao PRB.

Tião informou ao Blog do Barreto que tratará do assunto amanhã com Flávio Rocha.

A agremiação, ligada a Igreja Universal do Reino de Deus, bancará a postulação de Flávio Rocha a presidência da Republica. No Rio Grande do Norte, a agremiação está nas mãos de Abraão Lincoln, primeiro suplente de deputado federal e envolvido num escândalo de venda ilegal de licenças para pesca industrial. Abraão chegou a ser afastado do comando partidário, mas terminou retornando.

Um detalhe: o PRB anunciou apoio a reeleição de Robinson Faria (PSD). Tião não quer ficar no mesmo palanque que o governador.

Compartilhe:

Larissa Rosado muda para ficar no mesmo lugar ao pousar no ninho tucano

posse_larissa

A informação está no Blog da jornalista Thaísa Galvão: Larissa Rosado vai trocar o PSB pelo PSDB. Será apenas o acréscimo de um “D” entre o “S” e o “B” na sigla porque ela muda para ficar no mesmo lugar: dentro do projeto político do vice-governador Fábio Dantas (PSB) e do presidente da Assembleia Legislativa Ezequiel Ferreira (PSDB).

A filiação será segunda-feira, às 16h, no Hotel Arituba, em evento festivo que contará com o retorno do ex-governador Geraldo Melo ao ninho tucano.

A chegada de Larissa no PSDB deve ser acompanhada do controle do diretório local que estava nas mãos do empresário Tião Couto.

Esse será o terceiro partido da carreira política de Larissa. Até 2005 ela esteve no PMDB e até hoje era filiada ao PSB.

Compartilhe:

Pesquisa Seta mostra Fátima se sobressaindo em meio a repulsa popular aos políticos

imagem_materia-1

A Pesquisa do Instituto Seta divulgada hoje pelo Blog do BG e 98 FM de Natal mostrou o eleitorado potiguar em sua maioria não confia nos nomes postos para Governo do Estado e Senado.

São 38,6% dos entrevistados que dizem que nenhum dos candidatos merecem seu voto ou declaram voto branco/nulo. Os indecisos somam 7,8%.

Só a senadora Fátima Bezerra (PT) se desgarra um pouco da repulsa popular atingindo 29,6% das intenções de votos. Mesmo assim ela não pode dizer que se encontra em situação confortável tendo em vista que há uma multidão de pessoas que rejeitam votar nos candidatos postos até aqui. Parcela desse eleitorado costuma ficar menos arredio durante a campanha e se dispersar entre os nomes postos. Manter-se na liderança é estratégico para a petista atrair para si o chamado “voto útil”.

No entanto, ser petista será um fato para não atrair boa parte dos votos de quem está revoltado com a classe política. O partido ainda carrega o maior ônus, principalmente junto a classe média.

Por outro lado, torna a vida de Fátima menos complicada. Ela parece não ter adversário no atual balanço das ondas da política potiguar. O prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves (PDT), está em segundo lugar com 8,1%, mas tem a própria gestão desaprovada por 57,3% segundo os natalenses. Isso lhe tira o impulso para repetir o feito de Wilma de Faria em 2002. A baixa intenção de voto no próprio reduto somada a desaprovação alta é um recado do eleitor potiguar para pedetista cumprir a promessa de ir até o fim do mandato de prefeito.

A pesquisa mostra o governador Robinson Faria (PSD) completamente inviabilizado. São apenas 5,6% de intenção de votos ficando em um indigesto terceiro lugar. Some-se a isso, o fato dele ser desaprovado por 78% dos potiguares, o que torna o sonho da reeleição um delírio.

Outros

Outros nomes citados na pesquisa são Geraldo Melo (sem partido) com 3,7%, Kelps Lima (SD) com 3,1%, General Girão 1,8% (PSL), Tião Couto com 0,7% (PSDB), Fábio Dantas (PSB) com 0,6% e Robério Paulino (PSOL) com 0,4%.

Dessa lista, o Blog de abstém de comentar a inclusão sem sentido do nome do ex-governador Geraldo Melo. Kelps Lima tem que correr contra o tempo se realmente quer disputar o Governo do Estado enquanto que o vice-governador Fábio Dantas está mesma situação que o deputado estadual do Solidariedade.

Tião Couto é candidato de si próprio e não se viabilizou até o momento e Robério Paulino nem de longe mostra o potencial de quatro anos atrás.

O Blog do Barreto ainda comenta hoje a pesquisa para o Senado.

Compartilhe:

Falta de foco compromete projeto político de Tião

Enquanto Tião não se define, Jorge do Rosário foca na Assembleia Legislativa
Enquanto Tião não se define, Jorge do Rosário foca na Assembleia Legislativa

Na primeira experiência em disputas eleitorais o empresário Tião Couto (PSDB) mostrou potencial para absorver o eleitorado que não concorda com o estilo rosalbista de fazer política.

Foram 51.990 votos que deixaram Tião credenciado para liderar a oposição em Mossoró e alçar novos voos na política. Mas até aqui ele não conseguiu desenvolver uma influência mais destacada junto aos que deveriam ser seus aliados.

Para 2018, o natural seria Tião e o seu vice em 2016, Jorge do Rosário (PR), fazerem uma dobradinha para deputado estadual e federal. O nome posto para disputar a Prefeitura de Mossoró 2020 deveria ser colocado para Assembleia Legislativa para ficar mais perto das bases.

Enquanto Jorge do Rosário definiu o rumo político logo cedo, Tião está perdido nos labirintos da política potiguar. Já foi colocado como candidato ao Governo do Estado, Senador e vice-governador. Disputar uma vaga na Câmara dos Deputados é a última alternativa, porém a mais viável.

O problema é que só Tião não tem percebido isso e essa falta de planejamento pode deixar o grupo dele ver o cavalo selado passar sem ser montado.

Outro problema de Tião é a dificuldade para achar um partido. Ele tem até 7 de abril para se definir. Até agora o futuro dele é incerto. Todas as tentativas foram infrutíferas.

Enquanto o ainda tucano se complica, a própria falta de foco deixa seus apoiadores ansiosos sem saber como se organizar para as eleições de outubro.

Alguém precisa dizer a Tião que na política os passos precisam ser bem calculados e os espaços não podem deixar de ser ocupados.

Compartilhe:

Fátima Bezerra aumenta vantagem, mas em cenário desatualizado

0afatima

Num comparativo com a pesquisa Consult divulgada em dezembro de 2017, a senadora Fátima Bezerra (PT) subiu 7% (arredondando). Cresceu acima da margem de erro.

É algo positivo para os planos políticos da petista? É. Mas não há motivos para euforia.

Outro ponto é que o êxito do carnaval em Natal não trouxe ganhos substanciais para o prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT). Ele tinha 11,41% em dezembro e na sondagem realizada entre 24 e 28 de fevereiro avançou dentro da margem de erro para 13,29%.

O mau desempenho de Carlos Eduardo mostra o tamanho do risco que ele tem ao deixar a Prefeitura de Natal para disputar o Governo do Estado.

Fátima agora tem algo em torno de 14% aumentando em 5% a vantagem em relação a pesquisa anterior.

Mas o cenário está desatualizado porque a pesquisa não conta com a presença do deputado estadual Kelps Lima (SD). A exclusão do nome dele na pesquisa estimulada (quando é apresentada uma lista de candidatos) não se tratou de má fé por parte do instituto. Quando a sondagem foi realizada ele ainda não estava no jogo político.

Preconceito

Mais uma vez o nome da vereadora de Grossos Clorisa Linhares (PSDC) não foi incluído na pesquisa do Instituto Consult mesmo o nome dela estando escolhido pelo partido há quase um ano. Engraçado é que Geraldo Melo que sequer está filiado a uma agremiação política e não disputa eleições há 12 anos está na lista da estimulada.

Pura descriminação com a parlamentar.

Confira a pesquisa estimulada realizada em dezembro pelo Instituto Consult

Fátima Bezerra – 20,29%

Carlos Eduardo – 11,41%

Flávio Rocha – 6,59%

Robinson Faria – 5%

Cláudio Santos – 2%

Tião Couto – 1,41%

Branco/nulo/não sabe/nenhum: 53,3%

Pesquisa atual

Fátima Bezerra (PT) – 27,12%;

Carlos Eduardo Alves – 13,29%;

Geraldo Melo (sem partido) – 7,29%;

Robinson Faria (PSD) – 5,35%;

Fábio Dantas (trocando PC do B pelo PSB) – 1,76%;

Tião Couto (PSDB) – 1,29%;

Nenhum – 31%;

Não Sabe – 12,29%

 

Compartilhe:

Tião reage afirmando que teve contas aprovadas e lembra que Rosalba teve contas rejeitadas

Tião-couto

Abaixo a nota de esclarecimento do empresário Tião Couto sobre a notícia da denúncia dos advogados da prefeita Rosalba Ciarlini (PP). Ele se defende e ataca a adversária na eleição de 2016.

Abaixo a resposta:

NOTA DE ESCLARECIMENTO À POPULAÇÃO
Venho por meio desta esclarecer ao Rio Grande do Norte o contexto e a desinformação constante em reportagens veiculadas neste dia 08/02/2018 em alguns órgãos de mídia do RN.

Todas as informações publicadas foram uma cópia quase que exata do texto do advogado da prefeita Rosalba Ciarlini numa ação que ela ajuizou contra mim na justiça eleitoral de Mossoró, há cerca de um ano, portanto não se constituindo em nenhuma novidade.

As informações contidas nas matérias são exatamente os termos escritos pelo advogado de Rosalba na ação. Trata-se, portanto, de argumentos de uma só parte que sequer foram apreciados pelo juiz.

Aliás, só existem duas decisões judiciais tomadas pela justiça eleitoral de Mossoró sobre a prestação de contas da campanha eleitoral de 2016. A primeira aprovando integralmente minhas contas de campanha e a segunda desaprovando as contas de Rosalba.

A ação que Rosalba move contra mim é baseada em alegações jurídicas sem a menor chance de prosperar nas instâncias judiciárias, porque são desprovidas de fundamentação lógica e de provas. Mas, o intuito é outro, é criar um noticiário político paralelo negativo em torno do meu nome, confiando na morosidade do processo, que mesmo com o arquivamento que será o destino final desta ação, já se tenha tirado o devido proveito com a estratégia de “assassinato de reputações”.

Aliás, chama a atenção na publicação destas matérias, que em todas elas seja omitida o nome da autora da ação judicial, como se fosse uma ação anônima. Assim como nas matérias a construção dos enunciados se dá como se fossem fatos verdadeiros e não apenas alegações de uma das partes contra seu adversário político.

Feitas estas ponderações, esclareço que todos os pontos elencados com o objetivo de levantar suspeitas de conduta irregular de minha parte foram abordados, esclarecidos e acatados pela Justiça Eleitoral por ocasião da prestação de contas da campanha que ao final restaram aprovadas com trânsito em julgado.

Esclareço ainda que as matérias se equivocam quando citam o Ministério Público como origem dos pedidos de quebra de sigilo, quando na verdade são pedidos feitos pelo advogado de Rosalba.

Considerando que todas essas alegações patrocinadas por Rosalba Ciarlini já tinham sido objeto de apreciação das minhas contas de campanha e que ao final a Justiça as declarou aprovadas, torna-se muito grave que este blog traga uma reportagem sobre estes mesmos fatos usando expressões como: fraude na minha campanha, abuso do poder econômico, uso de empresas fantasiosas, mascarar gastos, farsa na prestação de contas, farsa descrita, fantasia ilusória e criminosa, fraude na eleição, comandante de um esquema, indícios de ilegalidade.

É por demais gravoso a quantidade de adjetivos pejorativos contra minha pessoa numa matéria que se pretende jornalística e imparcial.

Feito o esclarecimento me dirijo ao leitor do blog para pedir que levem em consideração dois fatos importantes.

Que se trata de uma ação judicial não julgada e que a matéria traz enfoque quase exclusivo no que escreveu o advogado de Rosalba.

Que só tem uma decisão tomada até agora pela justiça. Minhas contas foram aprovadas e as contas de Rosalba foram rejeitadas.

Não façam julgamento precipitado agora, nem a favor e nem contra mim. Peço encarecidamente que esperem o fim da ação, o julgamento final. Aí sim, todas as máscaras cairão.

Atenciosamente,
Tião Couto.

Compartilhe: