PDT mossoroense se rebela contra Carlos Eduardo

O que era um ato isolado do ex-vereador Tomaz Neto, presidente do PDT mossoroense, se converteu em uma ação coletiva de protesto contra o ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves, pré-candidato a governador.

Toda diretoria do PDT local decidiu entregar os cargos em protestos contra Carlos Eduardo que ignora os membros do partido em Mossoró.

Confira a nota abaixo:

Por decisão pessoal e conjunta nossa, integrantes da Comissão Provisória do Partido Democrático Trabalhista (PDT) em Mossoró, comunicamos o afastamento dos respectivos cargos que ocupamos nesse colegiado.

Justificamos essa decisão, pela forma como a Executiva Estadual conduz decisões relativas à campanha deste ano, sem ouvir e respeitar suas bases, além de supervalorizar aliados de ocasião.

Nosso desligamento é uma forma de protesto, mas ao mesmo tempo de respeito à própria legenda e à sua história.

 

Antônio Tomaz Neto – Presidente

Genivan Vale – Vice-Presidente

Jeferson Daniel da Silva Araújo – Tesoureiro

Clélio José de Sena -Membro da Comissão Provisória

Jaedson Túlio da Silva Araújo – Membro da Comissão Provisória

Talita Suanny de Araújo Almeida – Membro da Comissão Provisória

Compartilhe:

Presidente do PDT/Mossoró anuncia que não vai apoiar Carlos Eduardo

Tomaz Neto abre dissidência no PDT

O ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT) não terá o apoio do presidente do seu próprio partido em Mossoró. Em contato com o Blog do Barreto, o ex-vereador Tomaz Neto informou que não votará no pré-candidato ao Governo.

“Nós não fomos ouvidos. A chapa majoritária foi formada sem ninguém falar conosco. Passaram por cima da gente. Poderíamos indicar a suplência de um dos candidatos ao Senado, por exemplo”, explicou.

Tomaz Neto informou que ainda não definiu em quem vai votar para o Governo do Estado.

O ex-vereador é uma figura histórica no PDT. Está no partido há mais de 30 anos.

Compartilhe:

Conheça o trio de suplentes que estão fechando parceria política com deputado Galeno em Mossoró

Galeno x Sandra
Passagem mais marcante de Galeno por Mossoró foi um “bate-boca” com a vereadora Sandra Rosado

O deputado estadual Galeno Torquato está montando um staff político para sustentar a candidatura dele à reeleição este ano.

O trio de suplentes é formado pelo ex-presidente da Câmara Municipal Jório Nogueira (PSD), Cícera Nogueira (PSD) e o polêmico Tomaz Neto (PDT). O grupo somou 5.098 votos nas eleições de 2016, menos da metade dos 12.306 sufrágios recebidos há quatro anos por Galeno em Mossoró.

Neste ano, Galeno não terá o apoio importante da Prefeitura de Mossoró nem de um expressivo grupo de vereadores. Ainda pesa contra ele o desgaste por ter decepcionado os eleitores locais como “deputado de Mossoró”.

Em recente enquete do Blog do Barreto no grupo desta página no Facebook, ele foi escolhido o político com mandato mais “ingrato” com os eleitores da cidade (ver AQUI).

Apesar disso, ele sabe do peso de Mossoró nas eleições. Na segunda cidade do Rio Grande do Norte ele recebeu 19,44% dos 63.286 votos que conquistou no Estado.

Compartilhe:

PDT está esquecido por Rosalba

A prefeita eleita Rosalba Ciarlini (PP) não acomodou ninguém do PDT no secretariado. Restam poucos cargos do segundo escalão (secretarias executivas). Também não foi feito qualquer remanejamento de vereadores para o secretariado para acomodar Genivan Vale e Tomaz Neto na Câmara Municipal.

Os dois arriscaram os mandatos para aliar-se a Rosalba no pleito de outubro. Até agora chupam dedo.

Compartilhe:

Izabel Montenegro e Tomaz Neto dividem título de vereador do ano

izabel-montenegro-500x330 tomaz-neto

O equilíbrio marcou a escolha oficial promovida pela Câmara Municipal do Vereador do Ano de 2016, na manhã desta quarta-feira, na Sala de Imprensa Jornalista Kléber Barros. O resultado foi um empate entre os vereadores Izabel Montenegro (PMDB) e Tomaz Neto (PDT).

Como a resolução que regulamenta a escolha (02/2011) ainda não estabelece critérios de desempate, os dois foram proclamados vencedores e receberão o Prêmio Vereadora Niná de Macedo Rebouças.

Na segunda colocação, também houve empate: Francisco Carlos (PP) e Genivan Vale (PDT), com dois votos, cada um. Em terceiro, ficou o vereador Alex do Frango (PMB), com um voto.

A eleição desta quarta-feira substitui a escolha feita segunda-feira (5), quando foi eleito Vereador do Ano o presidente da Casa, Jório Nogueira (PSD), que abdicou do prêmio.

É que uma alteração feita, em 2015, na resolução (02/2011), veda que o ocupante da Presidência seja escolhido o Vereador do Ano.

Participação

Participaram da votação, como eleitores, Wellington Barreto, presidente da Academia de Ciências Jurídicas de Mossoró (Acejus), Michelson Frota, presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sindivarejo), Raimundo Assis de Almeida, representando a diretoria do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil (Sintracom), Oberi Penha, representando a Associação Comercial e Industrial de Mossoró (Acim).

E também Agenor Melo, radialista da Rede Potiguar de Comunicação (RPC), J. Belmont, representante dos editores de blogs, Janaina Maria da Conceição Nunes, representante da TV Cabo Mossoró (TCM), Cezar Alves, jornalista do portal Mossoró Hoje, e os servidores de carreira Sérgio Oliveira de Assis, Rivete Bezerra Paz e Breno Vinícius de Góis. Sorteio definiu os servidores e a das empresas e entidades participantes, que designaram seus representantes para a votação (Resolução 02/2011).

Votação

A votação é secreta e espontânea (sem lista de nomes). Todos as 11 pessoas aptas ao voto – representantes de meios de comunicação, entidades de classe e servidores efetivos da Câmara – participaram da escolha. Os votos foram depositados em urna lacrada e contabilizados, em frente às câmeras da TV Câmara Mossoró, por uma comissão de servidores de carreira da Casa.

Compartilhe: