Eleições da UFERSA: candidato mais votado ganhou, mas pode não levar

Rodrigo Codes pode ter sido o mais votado, mas nomeação dependerá dos bastidores (Foto: cedida)

Ser o mais votado numa eleição de universidade sempre foi motivo para comemorar com os apoiadores. Hoje não é mais. O envio de uma lista tríplice que antes era uma mera formalidade para o presidente nomear o reitor preferido pela comunidade acadêmica se tornou um momento de nova disputa de bastidores.

É assim que está a Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). A situação é esquisitíssima. O primeiro colocado, Rodrigo Codes, adota uma postura de cautela. O segundo da lista, Jean Berg, conformou-se com o resultado. Quem realmente está comemorando é quem ficou em terceiro com quase metade dos votos recebidos pelo vencedor da consulta a comunidade acadêmica. Ludimilla Oliveira ficou empolgada ao receber o resultado.

Embora não fosse uma bolsonarista declarada, ela se beneficia com o fato de Rodrigo Sérgio (último colocado) ter ficado em último lugar e fora da lista de possíveis reitores.

Lidimilla é evangélica (fator que agrada o presidente Bolsonaro) e teve como vice o professor Roberto Pordeus, bolsonarista declarada.

Na campanha quando buscava apoios ela sempre frisava que tinha trânsito livre em Brasília e proximidade com os militares nas conversas em busca por apoios.

O jogo da terceira colocada agora é nos bastidores onde o primeiro e o segundo colocado não possuem a mesma força por serem acusados de “esquerdistas” pelo bolsonarismo ufersiano.

Dos três nomes que integram a lista, somente Ludimilla evitou afirmar que só assumiria a reitoria se fosse a mais votada. Muito pelo contrário, ela já deixou claro que aceita o cargo, Ela sabia que poderia perder e lavar.

Os influentes

O Blog do Barreto vem alertando desde o ano passado o que estava por vir na eleição da UFERSA. A articulação já vinham sendo feita e só não foi mais bem sucedida porque ao contrário de anos anteriores foram lançadas cinco candidaturas que serviram de barreira para que um bolsonarista escancarado chegasse a lista tríplice.

A alternativa que restou é a de Ludimilla.

O exemplo do golpe no Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) é um exemplo claro do que está por vir. Certamente o deputado federal General Girão (PSL) será figura influente. Ele já morou em Mossoró e tem relações com a UFERSA. Como da outra vez será influente. Outros dois nomes podem exercer algum peso na indicação do novo reitor desrespeitando a ordem da lista tríplice: o ministro das comunicações Fábio Faria (PSD) e o ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho (PSDB). Não duvide que o deputado federal Beto Rosado (PP) entre na parada num momento em que Bolsonaro se aproxima do centrão. O parlamentar mossoroense tem ligações afetivas com a UFERSA.

“Golpe Branco”

Sofre esse tipo de manobra não é novidade na UFERSA. Em 1991, quando ainda era a Escola Superior de Agricultura de Mossoró, a instituição viveu o chamado “Golpe Branco” quando o segundo colocado na eleição, Joaquim Amaro, foi nomeado no lugar do primeiro colocado José Torres Filho.

Há meses a universidade convive com a possibilidade de história se repetir.

Compartilhe:

UFERSA define ordem lista tríplice para nomeação de novo reitor

Saiu o resultado da consulta a comunidade acadêmica que definiu a ordem da lista de tríplice com os nomes para apreciação do presidente Jair Bolsonaro que vai nomear o novo reitor da instituição.

Compõem a lista pela ordem: Rodrigo Codes (35,55%), Jean Berg (24,84%) e Ludimilla Oliveira (18,33%). Ainda disputaram a eleição Josivan Barbosa (12,94%) e Rodrigo Sergio (6,33%)

Técnicos e professores votaram em massa, 90,52% e 94,75%. Já apenas 39,93% dos estudantes se posicionaram.

Analisaremos o resultado em instantes com ao lado do jornalista William Robson (AQUI)

Compartilhe:

Por que quero ser reitora (3) – Por Ludimilla Oliveira

Lidimilla Oliveira é candidata a reitora da UFERSA (Foto: |web/autor não identificado)

Por Ludimilla Oliveira*

Aos 15 anos a UFERSA, com 53 anos de história ESAM -UFERSA, precisa de mudança.

 Primeiro, construir uma identidade de uma Universidade que é capaz de transformar a realidade  do semiárido e o mundo, por meio do ensino, da pesquisa e da extensão.

Segundo, a UFERSA em seus espaços de atuação multicampi precisa trabalhar como uma só. A geografia, apenas define a vocação do lugar, mas é preciso ter uma Universidade forte, valorizada e integrada em todas ações, com resultado e impacto na sociedade, onde quer que ela esteja fincada.

Terceiro, a UFERSA precisa alcançar o patamar de uma Universidade estruturada para atender as demandas locais, regionais, nacionais e internacionais em todas as áreas do conhecimento. Todos os cursos de graduação e pós-graduação tem que ser vistos de maneira igualitária, inclusiva e projetada para o futuro.

Ser reitora nesse momento, é garantir o compromisso com a comunidade acadêmica das e dos estudantes, com servidoras (es) docentes e técnicos, terceirizadas(os) e com a sociedade que vamos trabalhar com equidade, respeito, comprometimento e transparência nos atos e  nas ações administrativas, só assim teremos espaços democráticos não só  de discussão, mas de atuação que é o mais importante, fazer acontecer.

Acredito na mudança da UFERSA, como primeira reitora porque fazer, saber fazer é nossa marca.  Já está na hora de agir com transparência, de conquistar espaços novos e de fazer da Universidade um espaço de reconhecimento contínuo na vida das pessoas que lá estão. Está na hora, de fazer a história sem esquecer a memória e de valorizar, fortalecer sem preterir.

Certa da minha missão, assumo frente à comunidade Ufersiana e a sociedade, a certeza de mudar, porque vamos todas e todos juntos, viver uma UFERSA que não precisa apenas acreditar vai ter mudança, mas que vai viver e contar as mudanças.

*É pesquisadora e professora da UFERSA

Este artigo não representa necessariamente a mesma opinião do blog. Se não concorda faça um rebatendo que publicaremos como uma segunda opinião sobre o tema.

O espaço foi aberto aos demais candidatos a reitor da UFERSA para se posicionarem neste formato.

Compartilhe:

Eleição da UFERSA está mantida com devolução de MP

Ato de Alcolumbre garante eleição da UFERSA (Foto: UOL)

O presidente do Congresso Nacional Davi Alcolumbre (DEM/AP) devolveu a Medida Provisória que suspendei as eleições nas universidades federais e dava ao ministro da educação Abraham Weitraub poderes para nomear os reitores temporários.

A decisão garante o calendário da consulta a comunidade acadêmica da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) prevista para a próxima segunda-feira, 15.

Por causa da pandemia do novo coronavírus a consulta a comunidade acadêmica será de maneira virtual por meio do sistema SIGEleição.

O pleito que vai elaborar a lista tríplice para que o presidente Jair Bolsonaro escolher o reitor será das 8h às 19h59.

Compartilhe:

Ufersa terá reitor pró-tempore

Sem eleição, Ufersa terá reitor pró-tempore (Foto: arquivo)

O presidente Jair Bolsonaro assinou a Medida Provisória 979 de 9 de junho de 2020 que determina a não realização de consulta pública para escolha de reitores e diretores de campi das universidades federais durante o período de emergência da pandemia de covid-19.

A MP atinge em cheio a Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) que tinha eleição virtual marcada para a próxima segunda-feira.

De acordo com a determinação proposta pelo presidente caberá ao ministro da educação Abraham Weintraub fazer a nomeação do reitor pró-tempore da instituição cujo mandato de reitor se encerrar.

O mandato de Arimatéia Matos termina no dia 7 de setembro, dois dias antes do encerramento da validade da MP. Logo, sem eleições, um reitor pró-tempore será nomeado por livre escolha do Governo Federal.

O pró-tempore ficará no cargo até que seja realizada uma nova consulta pública e um novo reitor seja nomeado.

Confira a MP aqui

Compartilhe:

Por que quero ser reitora (2) – Por Ludmilla Oliveira

Lidimilla é candidata a reitora de UFERSA (Foto: web/autor não identificado)

Por Ludimilla Oliveira*

Ingressei na UFERSA em 2010, e só fazia cinco anos que a ESAM, tinha se transformado em Universidade. Naqueles dias, a universidade estava vivendo um momento de transição em seus espaços de vivências acadêmicos e administrativos.

A memória da ESAM, aos poucos era esquecida, a expansão trouxe novos cursos e investimentos que aos mudaram a imagem da Instituição. O cenário com foco para a área de agrárias passou a interagir com a área tecnológica, a área social aplicada e só nos últimos anos com área da saúde e de humanas.  Mossoró, Angicos, Caraúbas e Pau dos Ferros passam a ser a UFERSA multicampi.

Professora do curso de administração, atuando na área interdisciplinar, inicialmente na graduação e depois na pós –graduação, logo no primeiro ano de trabalho já ingressamos em atividades administrativas, extensionistas e  de pesquisa.

Passei pela Pró-reitoria de Extensão e Cultura como assessora, pró-reitora adjunta e titular; fui eleita em primeiro lugar geral pela UFERSA para compor o CONSUNI- Conselho Universitário, por dois mandatos consecutivos. Depois fomos eleita para a Chefia do Departamento de Agrotecnologia e Ciências Sociais –DACS, por dois mandatos; participei do CONSEPE – Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão, atuei no Pólo Costa Branca representando a UFERSA, na Comarca da Execução Penal do município. Em 2016 fomos candidata reitora da UFERSA, com um resultado positivo numa segunda colocação. Atualmente sou Presidente do Conselho da Comunidade da Penitenciaria Federal em Mossoró e estou eleita, Diretora do Centro de Ciências Sociais Aplicadas e Humanas, com assento no CONSAD – Conselho de Administração.

Uma trajetória que vem sendo firmada em espaços de crescimento e de aperfeiçoamento ao longo dos anos na UFERSA, nos coloca no patamar de almejar a busca da excelência acadêmica, de sonhar com uma UFERSA que pode ser melhor e de assumir com afinco, dedicação, compromisso, responsabilidade a reitoria da Instituição, sendo a primeira mulher a ocupar o cargo naquele lugar.

É seguir os rumos de uma história pioneira, que as mulheres potiguares já começaram e nós acreditamos fazer também.

*É professora e pesquisadora da UFERSA

Este artigo não representa necessariamente a mesma opinião do blog. Se não concorda faça um rebatendo que publicaremos como uma segunda opinião sobre o tema.

O espaço está aberto para outros candidatos a reitor da UFERSA se posicionarem por meio de artigo de opinião.

Compartilhe:

Por que quero ser reitora 1 (Por Ludimilla Oliveira)

Imagem: Youtube/reprodução

Por Ludimilla Oliveira*

A Universidade é um espaço de sonhos, de esperança, de transformação e crescimento na vida das pessoas!

Aos 44 anos, sou uma mossoroense oriunda de uma família simples, mas que sempre acreditou na educação como um caminho capaz de mudar a realidade social.

Estudei em Escolas públicas, aos 16 anos casei, fui mãe e segui uma trajetória de vida pautada na luta, sempre acreditandoem dias melhores.

Ingressei aos 17 anos na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte –UERN, no curso de Economia precisei parar e só continuar 07 anos depois, já no curso de Serviço Social. Estudar, enfrentando os problemas domésticos e sendo professora de aula particular, foram minha rotina sem nunca enterrar meus sonhos.

Viver a Universidade ao longo dos anos durante a graduação, especialização, mestrado e doutorado, foi também acompanhar a desistência de muitas jovens da minha idade naquela época da caminhada, em função das dificuldades sociais e econômicas,e outras pela maternidade. Então, fui levada a refletir que podia fazer mais pela juventude, se eu consegui, outros conseguirão. Afinal é possível, viver dias melhores, construir sua própria história e ser uma mulher com espaço na sociedade!

Os passos dados me levaram a ser professora de uma Universidade Federal com uma diferença: conheço a trajetória dos que saem da Escola Pública. Por isso, quero a partir dessa oportunidade ser uma Reitora que vai trabalhar pela valorização, pela inclusão e pelo fortalecimento desses jovens. Assim como, atuar com ética, respeito, compromisso e comprometimento com a causa pública e coletiva.

É nossa missão fazer na UFERSA um espaço de educação gratuita, com qualidade nas ações de ensino, pesquisa e extensão com uma gestão democrática de resultados para a sociedade..

*É Professora da Ufersa.

Nota do Blog: o espaço está aberto para outros postulantes enviarem artigos neste formato. A publicação será no próximo domingo.

Compartilhe: