UFRN planeja fazer 100 mil testes de covid-19 no RN

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) já soma 2 mil testes da Covid-19 e espera realizar, no prazo de 5 meses, cerca de 100 mil exames. Os números foram revelados pelo reitor da instituição, Daniel Diniz Melo, durante reunião da Comissão de Enfrentamento ao Coronavírus da Assembleia Legislativa, que realizou mais um encontro por videoconferência nesta sexta-feira (10).

O reitor apresentou um resumo das várias ações realizadas pela UFRN até agora, no sentido de contribuir com a sociedade no combate à Covid-19. Entre as medidas adotadas, Daniel relembrou que a instituição montou uma comissão com especialistas no assunto para decidir as ações a serem adotadas – a primeira delas foi justamente a suspensão das atividades da universidade por tempo indeterminado.

Sobre os testes, o reitor lembrou que enviou um ofício ao Ministério da Educação solicitando recursos exatamente para aumentar a realização dos exames. O MEC acabou liberando cerca de R$ 18 milhões para a UFRN. “Nossa intenção é fazer até 100 mil testes no Estado. Se fizermos cobertura maior de exames vamos evitar ocupação indevida de leitos e garantir a preservação de profissionais de saúde. Nesta sexta-feira Santa nós devemos realizar por volta de 300 testes, o que totalizará quase 2 mil testes da Covid na UFRN já realizados.”, disse.

A UFRN também planeja iniciar a coleta das amostras em Santa Cruz e Caicó, municípios que contam com unidades da instituição e com profissionais capacitados para o serviço. Assim, seria feito apenas o teste final no Instituto de Medicina Tropical (IMT), localizado no campus de Natal. A UFRN também passou a realizar exames de Dengue, Chinkungunya e H1N1 com o objetivo de desafogar os laboratórios do sistema público estadual.

Por falar no IMT, o reitor fez questão de enfatizar o esforço que os profissionais do setor têm demonstrado no sentido de contribuir com o combate ao Coronavírus. “O pessoal do IMT tem trabalhado de domingo a domingo, até tarde da noite. Isso traz muita satisfação para quem está em gestão. Nós precisamos agora estar unidos, a questão é muito séria e exige esforço de todos nós para superarmos essa fase”, ressaltou.

Outras ações implementadas pela UFRN foram a negociação com as empresas terceirizadas, no sentido de suspender os serviços, mas manter os empregos dos trabalhadores que atuavam no local. A estimativa é que a instituição tinha 1,5 mil terceirizados antes do início da crise atual. A UFRN ainda colaborou com a campanha de vacinação contra a gripe, implementou um curso voltado apenas ao Coronavírus, produziu um cartilha com orientações para cuidados com a pessoa idosa e, por meio da Editora Universitária, disponibilizou um acervo literário para acesso da população durante o isolamento.

Daniel Diniz destacou também a produção de álcool 70% nos laboratórios do Nuplan e do Departamento de Farmácia da UFRN. Até agora já foram doados 4,8 mil litros do produto, destinados aos hospitais universitários e as unidades estaduais de saúde pública.

Já o Instituto Metrópole Digital (IMD) desenvolveu plataformas para auxiliar a Secretaria Estadual de Saúde Pública nos assuntos relativos ao coronavírus e também para contribuir com a Secretaria de Segurança, permitindo a identificação de aglomerações na cidade, dessa vez em parceria com o Ministério Público Estadual.

Sobre os hospitais universitários, o reitor explicou que todos estão atuando como uma espécie de retaguarda para o sistema público. Por enquanto, os demais casos que precisem de atendimento na rede pública estão sendo encaminhados para o Onofre Lopes, como forma de desafogar a rede estadual. Já a Maternidade Januário Cicco assumiu também os casos de obstetrícia de maior complexidade para tirar esta demanda do Hospital Santa Catarina – ficando este apenas para grávidas que possam ter relação com a Covid-19. No Hospital Ana Bezerra, em Santa Cruz, os atendimentos também são para mulheres grávidas que estejam com sintomas respiratórios mais leves.

Na reunião da Comissão, que é presidida pelo deputado estadual Kelps Lima (SDD), o deputado Francisco do PT enfatizou que as ações realizadas pela UFRN mostram que “a universidade é lugar de conhecimento, de ciência, e de ações. São muitas atividades da UFRN, colocando seus laboratórios a disposição da sociedade, desafogando a rede estadual, produzindo álcool, uma série de medidas relevantes”.

Já o deputado Getúlio Rêgo (DEM) questionou ao reitor sobre a lotação dos hospitais universitários e, segundo Daniel Diniz, todos sempre estiveram funcionando muito próximo da capacidade total.

Sandro Pimentel (Psol) lembrou a estatística que aponta as universidades públicas do país como responsáveis por 95% das pesquisas realizadas no Brasil. “E muitas estão envolvidas nessa correria com o objetivo de contribuir e derrotar o coronavírus”.

O deputado Tomba Farias (PSDB) fez um relato da parceria que a UFRN mantém com o município de Santa Cruz, destacando as ações realizadas de forma conjunta entre a instituição e a Prefeitura da cidade nos últimos anos.

Compartilhe:

Exclusivo: autores das projeções explicam estudo que estima 1,2 milhão de infectados no RN até 15 de maio

Professor explica o que fundamenta as projeções (Foto: cedida)

O estudo do professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) José Dias do Nascimento apresentado ontem pela Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) deixou a Internet em polvorosa. Tudo porque o trabalho estipulou que caso o quadro de medidas de controle ao novo coronavírus não sejam efetuadas até o dia 15 de maio o Estado pode atingir 1,2 milhão de infectados.

O trabalho foi elaborado pelo Laboratório de Inovação e Tecnologia da Saúde (LAIS) com ajuda do professor Wladmir Lyra da Universidade do Novo México (EUA) e do médico infectologista Ion de Andrade.

Com exclusividade ao Blog do Barreto, o professor José Dias do Nascimento, que também é pesquisador no Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, explica logo de cara que está existindo uma confusão em torno da interpretação dos números. “O relatório oficial, tabelas e gráficos na apresentação da Sesap, abriu margem para picaretas mal intencionados fazerem espuma com os número”, disparou.

O professor José Dias do Nascimento esclarece que a taxa global que se tem notícia desse vírus é de 50 a 70% da população no decorrer de um ano. Na pior das hipóteses 60% dos 3,5 milhões dos potiguares vai pegar covid-19. “Vamos ter aí 2 milhões de infectados em números fechados”, frisa.

Sobre a perspectiva de óbitos considerada exagerada por boa parte da mídia do Estado, o autor do estudo usa como base a média global. “A mortalidade global se você olhar levando em consideração lugares como China, EUA e Itália tem variação de 0,8% a 8,4% de fatalidade dependendo da idade e da região. Agora se você calcular 1,4%, que é a média global, partindo de 2 milhões vai dar 28 mil. É isso que pode acontecer no Rio Grande do Norte se medidas não forem tomadas”, declarou.

O professor, que tem dado entrevistas a sites nacionais como UOL e Tecmundo desde o início da pandemia, explica que as projeções se concretizam ou não ao sabor das medidas que vão sendo tomadas. “Se você estiver numa sociedade que estiver bem protegida esse número cai. Se deixar correr vai dar 500 mil mortos em um curto espaço de tempo”. Estima.

O professor José Dias estima que no dia da primeira morte por covid-19 no Rio Grande do Norte, dia 28 de março, quando tínhamos 44 casos confirmados oficialmente no Estado, que há um indicativo de que já teríamos 50 mil infectados. Esse é número típico para calculo de infectados a partir da data da primeira morte. “Seriam 49.966 subnotificadas”, frisa.

Ele afirma que se nada tivesse sido feito o número de óbitos seria bem maior hoje no Rio Grande do Norte. “Se não tivéssemos restrição social em vez de 11 óbitos teríamos 97 hoje e no dia 11 já seriam 200”, calcula.

Por fim, o professor reforça que o quadro poderia ser ainda pior em número de infectados sem as medidas. “Se o Governo e as prefeituras não tivessem feito nada teríamos 270 mil infectados no dia 11 de abril”, esclarece.

Para saber mais sobre o modelo elaborado pelo professor José Dias e colabores acesse os links (ver mais abaixo) da sala de situação que trazem informações sobre a evolução do covid-19 no Rio Grande do Norte.

Outro autor

Médico epidemiologista explica estudo (Foto: cedida)

O Blog do Barreto também ouviu o médico epidemiologista Ion de Andrade, coautor do estudo, que explicou que as críticas às projeções são um misto de medo e desconhecimento. “Isso não é como um tsunami ou terremoto. A epidemia tem alguma possibilidade de ser controlada dependendo do comportamento de todos. O problema não é a magnitude apontada pelo modelo que fala da possibilidade de milhares de óbitos. Para isso basta fazer um pouco de matemática. A gente pode acompanhar a situação da China, da Itália e Estados Unidos. Não se trata de uma abstração. Ontem tivemos no Brasil mais de cem mortos. O importante é que a situação seja percebida com a gravidade que ela tem. Isso é uma coisa que não está dentro da nossa memória histórica”, explica.

O médico acrescenta que o trabalho não é destino sobre o que vai acontecer mais a frente vai depender das medidas preventivas. “A fórmula matemática não é um destino, mas uma projeção. Se o comportamento mudar e as pessoas passarem a se cuidar melhor aquele cálculo pode ser bastante minimizado. O importante que as pessoas saibam para que isso não ocorra na magnitude que está prevista”, declarou.

Ele cita como exemplo de medidas para prevenir novos casos gira em torno dos cuidados com os idosos além das medidas já conhecidas como respeitar o isolamento social, a etiqueta respiratória, lavar as mãos com frequência e manter a distância das pessoas. “Todo esse ideário diminui a ocorrência do contágio. É importante proteger o idoso do contágio porque mesmo que existam óbitos em todas as faixas etárias eles estão concentrados nas faixas mais idosas e das pessoas com doenças crônicas. De 13 a 14% das pessoas são idosas e eles aparecem nos óbitos com uma participação de a 80 a 90% a depender da série. É preciso fazer com ele use a máscara e cumpra os protocolos”, declarou.

Saiba mais:

https://covid.lais.ufrn.br/#pacientes

http://astro.dfte.ufrn.br/html/Cliente/COVID19.php 

Nota do Blog: esta página também pediu a um estatístico a análise dos números. Assim que o trabalho for concluído faremos a publicação.

Compartilhe:

Educação para em todo RN por causa do Coronavírus

Resultado de imagem para sem aulas

Algumas faculdades particulares como Facene e Uninassau pararam suas atividades. Hoje o Governo do Estado anunciou que as aulas da rede estadual e privada de ensino estão suspensas por 15 dias.

A medida foi anunciada pela governadora Fátima Bezerra (PT) no final da manhã de hoje e atinge as redes municipais de ensino também. Ainda assim a Prefeitura de Mossoró logo em seguida anunciou que também suspenderá as aulas por 15 dias.

A Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) foi a primeira a suspender as atividades por 30 dias.

Ontem após muita pressão a UFRN suspendeu as aulas e hoje foi a vez da UFERSA e IFRN. No caso das três instituições a suspensão é por tempo indeterminado.

Outras instituições de ensino superior devem seguir a recomendação.

A educação no Rio Grande do Norte vai parar por causa do Coronavírus.

Compartilhe:

Ex-reitor e mais seis são absolvidos

Rego é inocentado pela Justiça Federal (Foto: autor não identificado)

O ex-reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Ivonildo Rego e outros seis ex-dirigentes da instituição foram inocentados em sentença proferida pelo Juiz Federal Mário Azevedo Jambo. O magistrado acatou a tese apresentada pelo advogado Leonardo Dias, que defendeu o ex-reitor, mostrando não haver qualquer irregularidade em processo licitatório durante a gestão de Ivonildo Rego na UFRN.

No processo penal número 0000605-28.2016.4.05.8400, o advogado do ex-reitor chamou atenção que o caso já havia sido analisado pelo Tribunal de Contas da União e que naquele processo se aplicava a lei de inovação tecnológica e não a lei de licitações como queria o Ministério Público. Leonardo Dias observou que a dispensa de licitação para uso do contrato de licenciamento de software está contemplada na Lei de Inovação.

O Juiz Federal Mário Jambo registrou que o fato da própria UFRN ter firmado contrato de naturezas semelhantes com outras três empresas (de software) explicita a publicidade exigida para contratação em pauta.

Sobre processos envolvendo sistemas de informática, o magistrado observou que a busca de celeridade, ademais de não configurar defeito ou representar irregularidade, é, inclusive, desejável na administração pública, desde que não ocorra quebra de etapas.  Inclusive, o Juiz Federal chamou atenção que as próprias testemunhas afirmaram que não houve celeridade anormal no processo.

O Juiz Federal Mário Jambo rejeitou todas as acusações feitas pelo Ministério Público Federal, absolvendo todos os acusados.

Texto: Assessoria JFRN

Compartilhe:

Mossoroense se torna o primeiro doutor em jornalismo do Nordeste formado no Brasil

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas

Jornalista com passagens marcantes no Jornal De Fato e Gazeta do Oeste onde liderou equipes vitoriosas e premiadas, William Robson Cordeiro conseguiu um feito histórico para Rio Grande do Norte ao se tornar o primeiro doutor em jornalismo do Nordeste com formação em universidade brasileira.

Aluno da segunda turma, do primeiro doutorado em jornalismo do país, PÓSJOR da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), William defendeu a tese “Hiperinfografia: uma proposta para o infográfico de quarta geração”.

William é graduado em comunicação social com habilitação em jornalismo pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e mestre em jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). “Esse é o único doutorado em jornalismo da América Latina e eu fui o primeiro nordestino a entrar no curso”, frisou.

Sobre o trabalho ele disse que foi fruto de muito esforço. “Não foi fácil, teve muita renúncia, muita luta e esperança. Mas tenho orgulho de ser o primeiro doutor em jornalismo do Nordeste, proveniente de uma universidade brasileira. Feliz e disposto a seguir com os desafios da pesquisa no campo”, declarou nas redes sociais.

Ele foi orientado pela professora Raquel Ritter Longhi.

O segundo doutor em jornalismo do Nordeste com formação no Brasil também será do Rio Grande do Norte. Edwin Carvalho está concluindo sua pesquisa sobre o ensino de jornalismo nos países de língua portuguesa na África.

Nota do Blog: a maioria dos jornalistas que buscam uma pós-graduação precisam recorrer a áreas afins. Esse que vos escreve, por exemplo, precisou fazer mestrado em ciência sociais e humanas para dar sequência aos estudos.

Compartilhe:

Estudantes realizam protesto contra bloqueio de recursos da educação

Estudantes foram as ruas ontem (Foto: Maitê Ferreira)

Na tarde e noite desta segunda-feira 13 de maio centenas de estudantes da UERN, UFERSA, IFRN e de escolas públicas de ensino médio promoveram uma marcha em defesa da educação em Mossoró/RN. Grêmios estudantis, centros acadêmicos, diretórios centrais estudantis, sindicatos ligados ao Fórum dos Servidores do Oeste Potiguar e entidades ligadas à Frente Brasil Popular estiveram presentes.

O movimento estudantil reivindica a derrubada do contingenciamento de investimentos em educação pública anunciada pelo ministro da educação Weintraub e pelo governo Bolsonaro-PSL. Os cortes alcançam a cifra de 30% de recursos, golpeando duramente o funcionamento e subsistência não apenas dos institutos e universidades federais, mas também da educação básica – em virtude do corte de verbas no FUNDEB.

O ato iniciou cerca de 16h, partindo de concentração no IFRN. Manifestantes seguiram, em seguida, em direção à UFERSA, aonde adentraram no campus central pela entrada lateral e caminharam em direção à entrada principal na BR-304. O movimento estudantil promoveu uma ocupação simbólica da reitoria da UFERSA, em que ressoava uma reinvindicação endereçada ao atual reitor para que tomasse uma posição institucional enfática contra os cortes de Bolsonaro: “Arimatéa, preste atenção, se posicione pela educação”.

Após a saída da reitoria, estudantes bloquearam temporariamente a BR-304 e seguiram em marcha em direção à UERN, local onde o ato contou com encerramento no Centro de Convivência em forma de aula Pública contra os cortes na educação. Estudantes também prometem engrossar a greve nacional da educação neste 15/05, junto de numerosas categorias de trabalhadores (as) em educação: docentes da UERN, UFERSA, técnicos administrativos da UFERSA, funcionários (as) do IFRN e professores (as) da rede pública estadual já aprovaram adesão à paralisação. Um protesto está marcado em Mossoró para o referido dia, com concentração às 08h em frente à UFERSA.

Compartilhe:

Coordenador da bancada federal discute com reitores alternativas aos cortes orçamentários do ensino superior

Deputado se coloca à disposição de reitores (Foto: Christiano Brito)

Diante do corte orçamentário nas instituições federais de Ensino Superior anunciado pelo Governo Federal, os reitores da UFRN, Ufersa e IFRN se reuniram nesta segunda-feira (6), em Natal, para unir forças e buscar soluções. A reunião foi provocada pelo deputado federal Rafael Motta (PSB), que coordena a bancada potiguar e propôs a elaboração de um diagnóstico com o impacto local da medida a ser apresentado ao Ministério da Educação (MEC).

“A bancada federal está pronta para defender as instituições federais do RN. Vamos levar esse documento, que é um diagnóstico detalhado, para o Governo Federal, para que o Executivo, por meio do MEC, tenha a noção exata dos prejuízos que o bloqueio trará ao Estado e possa rever a decisão. Caso não haja uma reconsideração, alternativas jurídicas não estão descartadas, já que os prejuízos são muito significativos”, afirmou o deputado Rafael Motta.

Participaram da reunião os reitores Ângela Paiva (UFRN) e José de Arimateia (Ufersa) e o pró-reitor Juscelino Medeiros (IFRN), além de representantes da OAB e do reitor da UERN, Pedro Fernandes. O mandato da deputada federal Natália Bonavides (PT) também esteve representado. A reunião aconteceu na Reitoria da UFRN.

Ângela Paiva disse acreditar que a ação conjunta pode reverter a questão. “Precisamos mobilizar forças, com o Legislativo e o Judiciário, em defesa das universidades. O apoio da bancada será muito importante para mostrar que esse é um pleito de todo o Rio Grande do Norte”, declarou a reitora. José de Arimateia afirmou que “as universidades precisam desse esforço coletivo para continuarem o trabalhem que desenvolvem”.

De acordo com o documento, confirmado o contingenciamento, as três instituições federais terão prejuízos quanto ao seu funcionamento e, consequentemente, a formação dos estudantes, comprometendo, inclusive, a pesquisa e a inovação.

Na última terça-feira (30), o Ministério da Educação anunciou o bloqueio de 30% no orçamento das instituições federais de ensino de todo o país. No Rio Grande do Norte, a medida afeta a UFRN, a Ufersa e o IFRN em R$ 75 milhões para custeio e investimentos.

Compartilhe:

Decisão de Bolsonaro retira mais de R$ 100 milhões em investimentos no RN

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) decidiu cortar 30% dos investimentos em educação superior. A medida faz um estrago no Rio Grande do Norte e sua combalida economia.

Serão R$ 101 milhões a menos em investimentos na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) e Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN).

É um estrago e tanto!

Compartilhe:

Fascistinhas do MBL e a censura nas universidades

censura1

A sociedade deu cabimento demais ao Movimento Brasil Livre (MBL), grupo de jovens que surgiu aparentando ser a renovação da direita liberal brasileira. Mas a queda de Dilma Rousseff, mas a subida da popularidade de Jair Bolsonaro sem provocar a derrocada eleitoral de Lulaestava espremendo a molecada que ficava cada dia mais desmoralizada pelas próprias contradições e propagação de informações falsas.

Em meio a isso, os “emebeélicos” estavam impedidos de fazer protestos contra a corrupção do governo Temer. A desculpa esfarrapada era de que isso favoreceria o PT, mas até o pato amarelo da FIESP sabe que os meninos do Kim eram parceiros do vampirão da Bovespa. Restou desviar o assunto (corrupção do governo Temer) adotando uma pauta  fascistóide do “mito”.

Agora, na mais absoluta falta do que fazer, um fascistinha do MBL entrou na Justiça Federal para impedir a realização do curso “Golpe de 2016 e o futuro do Brasil”, oferecida pelo Departamento de Ciências Sociais. Pode-se criticar a falta de embasamento científico para a oferta do curso.

Mas e daí?

É problema de quem oferece a disciplina e de quem vai se matricular.

Não gostou?

Articule-se para ofertar uma disciplina sobre temas caros ao MBL como mensalão, “petrolão” (podem dizer lá que só tem petistas envolvidos), homem nu no museu, exposições de pênis de borracha, data da prisão de Lula, como enganar bobos com memes, etc… Falando em memes seriam ótimas referências teóricas para um curso mobilizado pelos fascistinhas

Assunto não falta. É só dar um tempo na fake news e agir.

Agora não me venham com esse chilique falso de que as universidades são “antros” esquerdistas onde só se estuda Marx.

Pura mentira que não vai além de um meme tosco. Uma coisa é o pensamento de esquerda ser majoritário na academia, outra é dizer que as ideias liberais e conservador são censuradas.

Trabalho e estudei em uma universidade onde existem muitos professores com pensamento liberal e conservador.

Também estudei na UFRN e conheço muitos professores de lá que não são nem de longe esquerdistas. Articulem-se para a oferta de algum curso e deixem a censura de lado, fascistinhas.

Ideias se combatem com ideias. O que existe fora disso é fascismo por mais que a Justiça seja colocada no meio dessa confusão. E olhe que nosso judiciário dos auxílios moradias tem coisa mais importante para se preocupar, como o umbigo dos magistrados.

Arrumem uma lavagem de roupa, fascistinhas!

Compartilhe: