Um debate em que a razão é a maior derrotada

Os ânimos estão acirrados. A política brasileira entrou num infindável clima odiento em que ninguém respeita a opinião alheia.

Se você é contra o impeachment é “petralha”, se vai a manifestação a favor do Governo é porque recebeu R$ 30 e pão com mortadela.

Na outra ponta se é a favor da saída da presidente Dilma é porque é “coxinha”, “dazelites” e está patrocinado pela FIESP.

Eu, cá do meu canto, tenho as minhas opiniões e não escondo porque transparência é a alma do negócio para que lida com o público. Sou contra o impeachment porque vejo articulações politiqueiras conduzidas por Eduardo Cunha que não tem a menor condição de ainda estar no cargo e pelo escandaloso uso de dois pesos e duas medidas. Mas sempre que exponho essa opinião sou atacado por quem é a favor.

Se escrevo que não considero o impeachment um golpe por ser um julgamento político e dentro de regras constitucionais chanceladas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Aí é a vez dos petistas me atacarem.

Não é desrespeitando quem pensa diferente que você vai convencê-la. Está faltando racionalidade no debate político.

Compartilhe:

Comments

comments

2 opiniões sobre “Um debate em que a razão é a maior derrotada

  • 13 de abril de 2016 em 00:14
    Permalink

    Pois é Bruno, se assumir uma posição se segure, pois vai levar pancada. Eu sou contra o impedimento da presidenta Dilma por vários motivos, incluindo a falta de embasamento legal. Porem ela esta indo de mal a pior, hoje com o desembarque do PP do governo, no qual aparentemente tem ainda 9 votos, a situação parece insustentável. Mas espero que ela siga até o fim, não renuncie, vá até o ultimo recurso.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *