Um pedaço de mim que se vai

Saí de O Mossoroense faz dois meses. Mas o carinho pelo jornal centenário nunca vai desaparecer do meu coração. Foi lá que iniciei no jornalismo e tive grandes lições de como trabalhar com ética e priorizando a verdade doa a quem doer.

Saber que o mais antigo jornal do Estado não terá mais a versão impressa me entristece. Dói saber que alguns colegas ficarão desempregados.

Mas vida que segue. Tenho certeza que a equipe de Cid Augusto saberá se adaptar a essa nova realidade. Vida longa a O Mossoroense em versão on line.

Compartilhe:

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *