Visita de ministro evidencia desdém a bancada federal do RN e uso da máquina pública para palanque de Fábio Faria e Marinho

Fábio Faria e Rogério marinho recepcionam ministro em evento que excluiu autoridades (Foto: redes sociais)

Ontem o ministro Tarcísio Freitas visitou Natal onde inaugurou a 1ª etapa do Complexo Viário do Gancho de Igapó. Ele esteve acompanhado dos colegas potiguares Rogério Marinho (desenvolvimento regional) e Fábio Faria (comunicações).

Chamou a atenção do meio político além do já tradicional desprezo à governadora Fátima Bezerra (PT) por parte do Governo Federal, uma indelicadeza institucional, diga-se de passagem, a exclusão da maioria esmagadora da bancada federal do Estado.

Nenhum senador presente. Dos oito deputados somente General Girão (PSL), Walter Alves (MDB), Beto Rosado (PP) e João Maia (PL) estava presentes. Eis um fato que mostra o desdém que o Governo Bolsonaro trata os parlamentares do Rio Grande do Norte.

Eventos desta natureza costumavam reunir todos os membros da bancada federal independente do viés político.

Outro aspecto da visita que saltou aos olhos foi a estratégia de montagem de palanque para 2022. Com a governadora e os demais membros da bancada federal excluídos, o espaço ficou para Rogério Marinho (sem partido) e Fábio Faria (PSD) brilharem.

Marinho anunciou R$ 29,8 milhões para as barragens de Oiticica e Passagem das Traíras. Já Fábio inaugurou, de forma inusitada, um ponto de internet na Reta Tabajara.

A promoção de ambos parece despretensiosa, mas a exclusão dos membros da bancada federal da agenda tem foco nas eleições de 2022.

Daí o abraço na política menor.

Compartilhe:

Comments

comments

2 opiniões sobre “Visita de ministro evidencia desdém a bancada federal do RN e uso da máquina pública para palanque de Fábio Faria e Marinho

  • 12 de janeiro de 2021 em 20:15
    Permalink

    Vc perguntou a Natália se ela fazia questão de estar presente?
    Chega ser risível.

    Resposta
  • 13 de janeiro de 2021 em 07:33
    Permalink

    Um jeito pobre de se fazer politica no Brasil. O que me chamou atenção foi uma obra dessa magnitude, quererem que paternidade seja apenas do atual governo. Assim como fazem com as demais obras com mais de noventa por cento concluídas Brasil a fora. Exemplo: Transposição do Rio São Francisco. Querem enganar quem?

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *