Entre pandemias, entre a razão e a fé

Setecentos anos após a Peste Negra a dicotomia fé x ciência ainda persiste

Por Tales Augusto*

Não é de hoje que a maior parte da humanidade adotou a Fé como opção de explicar o que o rodeia. Foram várias as divindades adotadas, tendo povos/civilizações politeístas e monoteístas. Fé esta que ajudava a população a explicar verdadeiras desgraças, doenças, supostas maldições. Mas Fé também capaz de confortar, explicar a mortandade e possibilitar esperança diante de quadros desastrosos, inclusive pandêmicos.

Passados quase 700 anos da Peste Negra, pandemia que assolou a Europa e dizimou cerca de 1/3 da população. Temos hoje a pandemia da Covid-19, acredite, possuem semelhanças que ultrapassam o fato de serem pandemias e causado mortes. Em ambas, a religião tem seu papel, inclusive causando dor e morte, por outro lado, a sensatez em algumas denominações prevalece ao adotar a Ciência, sem abandonar a Fé.

Na Idade Média, as pessoas com medo da peste negra, por pensar ser castigo divino, por pedir que mais pessoas não morram, inclusive parentes, iam as Igrejas, na Europa Ocidental prevalecia o Catolicismo. Nas Igrejas, sem a mínima base prevenção, cuidado para não ser contaminar ou contaminar alguém acabavam fazendo a doença contamina outras pessoas, a bactéria avançava.

O ano é 2021 d.C., no ano anterior, a Pandemia da Covid-19 se expande e não se restringiu a Europa. O Brasil, o Rio Grande do Norte e a cidade que eu moro, Mossoró, teve e continua a ter mortos por esse vírus maldito. Do medievo para a contemporaneidade, a ciência avançara, a tecnologia é uma constante na vida de toda humanidade. De 2020 para nossos dias, novas cepas da Covid-19 apareceram, o vírus está em mutação e assim como desde de antes de Cristo, desde de antes até da escrita, o homem busca na Fé seu refúgio.

Decretos diversos foram lançados pelos governos estadual do RN e municipal de Mossoró (não falo do governo federal, este apenas continua genocida, negacionista e auxiliando no número superior aos mais de 250.00 mil óbitos pelo vírus). Nestes últimos dias de fevereiro do ano 2021, a Razão e Fé são postas em choque, acrescentaria que até o componente político também, pois se indispor com a religião, ou melhor, com os religiosos, pode custar caro.

O componente religioso, ganha vez, voz, defensores. Nada contra, inclusive sou a favor da religião, sou católico, mesmo sendo Historiador, acredito no transcendental, mas também sei que por ser Historiador, as coisas mudam, as instituições também. A Igreja Católico matou, perseguiu, torturou em nome da Fé. Na Idade Média, muitos clérigos acreditavam que as mortes da Peste Negra eram devido os judeus, então? Matemos os judeus.

O que restava a maior parte da população medieval europeia? A Fé, por isso se reuniam sem saber que a morte podia espreitar pelos fiéis. Vale lembrar que segundo Mateus nos seus escritos, Jesus teria dito, “onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou Eu no meio deles” (Mateus 18:20). Todavia, num mundo tão voltado a tecnologia te pergunto. Você católico, evangélico, espírita, umbandista, budista, quem é de santo, muçulmano, judeu ou membro de qualquer outra denominação. Não é possível a partir das ferramentas diversas como internet, rádio ou televisão, fazemos nossos cultos? Participarmos em grupos. Não deixam mais ainda o vírus circular?

O apelo do Prefeito de Mossoró, o senhor Allyson Bezerra para não fechar as Igrejas, até soa de forma errônea, pois a Governadora do Rio Grande do Norte, a senhora Fátima Bezerra não excluiu o atendimento individual, mas missas, cultos e outras formas de aglomeração. O vírus está mudando, não sabemos até qual ponto, por isso maior cuidado, cuidado redobrado.

Fico feliz em saber que muitas denominações religiosas aderiram ao decreto estadual, outras estão lutando para continuar seus cultos. Já que a maioria das pessoas que reclamam são cristãs, a passagem Bíblica em João 10, 10 onde diz “eu vim para que tenham vida e a tenham plenamente.”, vale mesmo? Por ser Cristão afirmo, Ele é o Deus da Vida, #elenao da morte, pois há quem acredite em falsos Messias.

*É Historiador e Cristão

Este artigo não representa necessariamente a mesma opinião do blog. Se não concorda faça um rebatendo que publicaremos como uma segunda opinião sobre o tema.

Compartilhe:

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *